Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged Podem

Livros de autoajuda podem aumentar a motivação; confira dez indicações

0
Divulgação/Montagem/UOL

Divulgação/Montagem/UOL

Marina Oliveira e Thaís Macena, no UOL

Títulos que compartilham experiências pessoais são úteis para quem se identifica com o problema, pois além de fornecer conselhos, servem de impulso para o leitor buscar o aprimoramento pessoal

Fenômenos editoriais há alguns anos, os livros de autoajuda continuam conquistando fãs, apesar de também enfrentarem muita desconfiança e nariz torcido por parte do público. A variedade de temas é imensa: há obras para quem precisa vencer a depressão, para quem quer buscar a fé, aprender a lidar com pessoas difíceis, alcançar a tão sonhada prosperidade, salvar uma relação e até educar os filhos. Mas todos têm algo em comum: o propósito de fazer do leitor uma pessoa mais feliz.

“Os livros de autoajuda muitas vezes conseguem colocar em palavras o que o leitor sente, mas não sabe definir. Eles ajudam a nomear o que a pessoa percebe apenas como um incômodo. E isso já é meio caminho andado para a resolução do problema”, afirma o filósofo Jorge Claudio Ribeiro, professor da PUC de São Paulo. No entanto, o conteúdo só será realmente eficiente se estiver alinhado à busca pessoal e ao momento de vida de quem lê. Assim como os remédios receitados pelo médico, um título recomendado por um amigo pode não servir a você.

Veja o álbum dos 10 livros consagrados de autoajuda

Além disso, como em todo gênero literário, existem obras de qualidade superior e outras nem tanto. Para avaliar se a publicação vale o seu tempo, o primeiro passo é analisar a experiência do autor. “Deve-se checar a formação profissional de quem escreve e sua vivência no assunto. O ideal é buscar informações em outras fontes e não tirar conclusões só a partir da descrição que o próprio livro traz”, recomenda o psicólogo Armando Ribeiro, especialista em neuropsicologia pela Universidade Federal de São Paulo.

Doutor em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte, o psicólogo Marlos Bezerra concorda que, além da qualificação acadêmica de quem assina o livro, é importante verificar sua experiência na área sobre a qual se propôs a escrever. “O autor pode não ter um título de doutorado, mas falar com autoridade sobre temas específicos, baseando-se na sua experiência prática dele”, pondera.

Títulos que compartilham experiências pessoais são úteis para quem se identifica com o problema, pois além de fornecer conselhos, servem de impulso para o leitor buscar o aprimoramento pessoal. Já as publicações que propõem fórmulas e receitas de sucesso instantâneo devem ser vistas com cautela, de acordo com os especialistas.

Até porque, para realmente funcionar, o autor deve motivar o leitor a tomar a iniciativa. “O bom livro de autoajuda se apoia na trilogia do conhecimento, pense-aprenda-faça”, acredita o psicólogo e instrutor da Sociedade Brasileira de Programação Neurolinguística, Alexandre Bortoletto. “Todo livro que prega apenas o ‘pense e as coisas irão se resolver’ geralmente não dura no mercado literário”, completa.

Criadora do “Diário de Classe”, em Santa Catarina, recebe ameaça de morte pelo Facebook

2
Na escola municipal em que estuda, Isa disse que a repercussão do site entre os colegas foi boa e que se sente bastante apoiada por eles - jura que gosta muito da turma

Na escola municipal em que estuda, Isa disse que a repercussão do site entre os colegas foi boa e que se sente bastante apoiada por eles – jura que gosta muito da turma

Publicado no UOL

A estudante Isadora Faber, 13, que se tornou conhecida por denunciar em uma comunidade do Facebook o sucateamento do colégio público em que estuda em Florianópolis, recebeu uma ameaça de morte pela mesma rede social.

Faber divulgou uma mensagem que recebeu no qual uma mulher, que afirma existir um plano para matar a jovem e seus familiares. A autora da mensagem ordena que seja deletada a página do fã clube da estudante no Facebook, criada por outra pessoa. Caso a página não fosse apagada, ela ameaça “meter bala” na estudante e no criador do fã clube.

Também no Facebook, Faber escreveu que não conhece a autora da mensagem e que irá denunciá-la na polícia.

Relembre

A partir da publicação no Facebook do Diário de Classe, Faber ganhou muitos elogios, fez palestras e concedeu várias entrevistas, mas também criou inimizades, principalmente na escola, teve a casa apedrejada e acabou tendo que ir depor na delegacia mais de uma vez.

Isadora, no entanto, já avisou que fez a rematrícula na Escola Básica Maria Tomázia Coelho, onde irá cursar a 8ª série no ano que vem. “Sei que a direção e professores sonhavam em me ver noutra escola em 2013, mas no primeiro dia da rematrícula, estava em São Paulo e fiz a rematrícula do aeroporto pela internet. Vou estar de olho em tudo em 2013, podem esperar”, afirmou em estudante no Diário de Classe.

Segundo Mel Faber, mãe de Isadora, a decisão de continuar na escola foi da garota. Mel acredita que, mesmo com as críticas e problemas enfrentados, a repercussão do Diário de Classe foi positiva. “Acho que o lado positivo prevaleceu. Durante a convivência, percebemos que ela [Isadora] amadureceu muito, melhorou muito na leitura e no português também. Participar de palestras e seminários abriu os horizontes dela”, disse a mãe.

Após a fama que veio com o Diário de Classe, Isadora foi palestrante em três eventos e “já está com o calendário bem cheio para o próximo ano, já começa em janeiro”, de acordo com a mãe. A página já foi curtida por mais de 500 mil pessoas no Facebook.

E nas últimas mensagens postadas no ano, a estudante apresenta a “próxima briga” que irá comprar – Isadora questiona a prestação de contas da escola, pois, segundo ela, “a secretaria disse em agosto de 2012 que a escola não recebia verbas por causa das prestações de contas”. A aluna já entrou em contato com a Secretaria Executiva de Controle Interno e Ouvidoria da Prefeitura de Florianópolis para saber o que aconteceu com as contas da escola.

Outros Diários

No mês de outubro, o UOL fez um levantamento e encontrou 30 páginas no Facebook que reuniam denúncias em escolas e universidades de 14 Estados brasileiros e do Distrito Federal.

Nas páginas, centenas de fotos expõem descuidos com as unidades escolares. Carteiras quebradas, banheiros sem porta, que não funcionam, salas de aula abandonadas, lousas quebradas, quadras inutilizadas, fiação exposta, lixo e reformas inacabadas são alguns dos problemas apresentados.

Nas mensagens, os alunos também reclamam da falta de professores, problemas com equipamento eletrônico e da qualidade da merenda.

Entre as 30 páginas encontradas pelo levantamento, 26 são escolas de ensino fundamental e médio, duas delas são de universidades e outras duas reúnem diferentes escolas do mesmo município. A maioria das instituições é de responsabilidade estadual.

São Paulo é o Estado com maior número de páginas (8), a Bahia tem quatro, Espírito Santo, Maranhão, Pará, Paraíba, Rio Grande do Sul e Santa Catarina têm duas cada. Para fechar a lista, ao menos uma página existe em Alagoas, Distrito Federal, Minas Gerais, Paraná, Pernambuco, Piauí e Rio de Janeiro.

Onde tudo começou

Segundo Isadora Faber, a inspiração para escrever o Diário de Classe veio do blog da estudante escocesa Martha Payne, 9. A página foi criada para falar sobre a merenda da escola.

Além de mostrar a quantidade reduzida de comida por meio de fotos, a garota montou um ranking de “qualidade” e de “saúde” da merenda. Martha chegou a ser proibida de fotografar a merenda.

A convite da BBC Brasil, as duas blogueiras-mirins chegaram a trocar vídeos contando mais sobre a experiência pessoal de cada uma. Martha ficou feliz em saber que serviu de inspiração para Isadora.

“Bom trabalho! Aposto que você também vai inspirar muitas outras crianças ao redor mundo!”, disse a escocesa no vídeo.

(*Com informações da BBC Brasil)

Bolsas renderam 35 lançamentos de livros em dois anos

0

Raquel Cozer, na Folha de S.Paulo

Uma recente aprovação de 47 bolsas para tradução de obras brasileiras no exterior, a ser divulgada no “Diário Oficial da União”, fez o programa de apoio à expansão da literatura da Fundação Biblioteca Nacional chegar a 400 bolsas concedidas desde 1991.

Na época, três anos antes da primeira homenagem ao Brasil na Feira de Frankfurt (1994), a FBN começou a oferecer quantias em dinheiro a editoras estrangeiras interessadas em publicar nossos autores.

As bolsas hoje podem chegar a US$ 8.000 e incluem apoio para edição em países lusófonos.

O efeito Frankfurt foi forte. Das 400 bolsas, 290 foram pedidas e aprovadas a partir de 2010, quando o Brasil foi anunciado como convidado de honra deste ano. A média passou de seis a 72,5 bolsas por ano.

Não significa que outros países estejam tomados por obras brasileiras como nós temos sido por romances policiais nórdicos.

Primeiro, porque traduções demoram. As 224 bolsas concedidas pela atual gestão da FBN, desde meados de 2011, renderam, por ora, 35 títulos lançados –o número deve se multiplicar até outubro, mês da feira.

Além disso, são editoras pequenas, de alcance restrito, que costumam pedir apoio. É raro um caso como o de Marcelo Ferroni, que teve “Método Prático da Guerrilha” lançado por uma casa poderosa como a Suhrkamp (Alemanha).

E os lançamentos, de nomes como João Paulo Cuenca, João Almino e Clarice Lispector, se pulverizam por países. A maior concentração é na Romênia, com seis livros lançados, sendo cinco pela mesma editora. Depois vem a Alemanha, com cinco obras.

Clássicos da literatura brasileira ganham versões em game

0

Wikerson Landim, no TecMundo

Livros de Manuel Antônio de Almeida, Aluísio Azevedo e Machado de Assis são os primeiros a ganhar adaptação para o mundo dos jogos.

(Fonte da imagem: Reprodução/Livro e Game)

(Fonte da imagem: Reprodução/Livro e Game)

Um projeto da Fundação Telefônica pretende transformar diversos clássicos da literatura brasileira em versões de jogos online. Essa é a ideia do projeto “Livro e Game”, criado pelo gestor cultural Celso Santiago, que pode ser acessado por meio deste link.

Os primeiros livros a ganharem uma versão em jogo eletrônico são “Memórias de Um Sargento de Milícias”, de Manuel Antônio Almeida, “O Cortiço”, de Aluísio Azevedo, e “Dom Casmurro”, de Machado de Assis.

“Queremos mostrar que esses livros não são uma coisa chata que os alunos são obrigados a ler. Eles estão vivos, podem transformar a vida do leitor”, explica Santiago. Em todos os jogos há trechos dos livros e textos que comentam um pouco sobre a obra e a vida dos autores.

dica do Jarbas Aragão

Empresa paga 14º salário para funcionário que lê um livro por mês

3
Cristinei Melo, presidente do Grupo Cometa, diz que funcionários estão mais qualificados após as leituras

Cristinei Melo, presidente do Grupo Cometa, diz que funcionários estão mais qualificados após as leituras

Larissa Coldibeli, no UOL

Uma empresa com sede em Cáceres (MT) encontrou uma forma de aumentar as vendas, ampliar o conhecimento dos funcionários sobre o negócio e melhorar o relacionamento entre eles com a criação de um programa de leitura. Para incentivar a participação, a rede de concessionárias Cometa paga um 14º salário no fim do ano para quem ler um livro por mês, desde que a unidade do empregado bata as metas de vendas e administrativas.

O principal objetivo do programa “Cometa Leitura” é o desenvolvimento profissional, por isso, é comum que líderes recomendem leituras para desenvolver certas habilidades nos funcionários e vice-versa.

“Alguns colaboradores comentam o quanto cresceram depois que passaram a ler com frequência, dizem que o relacionamento em casa melhorou e até voltaram a estudar”, diz Cristinei Melo, presidente do Grupo Cometa.

Segundo Melo, na área de vendas, é possível perceber a relação entre o nível de leitura e a quantidade de vendas. Já na área administrativa, é mais difícil mensurar os benefícios, embora seja perceptível que os funcionários estão mais qualificados.

Para contar pontos e concorrer ao salário extra, o funcionário deve ler os livros das bibliotecas da empresa. Cada concessionária tem a sua, com cerca de 300 livros. Os temas vão de liderança, gestão, relações interpessoais, autoajuda, até publicações sobre a área de atuação do negócio.

Os funcionários também podem sugerir novos títulos e a direção decide se são pertinentes ou não. Além da leitura, é necessário entregar um resumo para a área de recursos humanos.

Cada concessionária tem uma biblioteca

Cada concessionária tem uma biblioteca

Programa começou informalmente antes de integrar a cultura da empresa

Durante as visitas nas lojas, Francis Maris Cruz, fundador da empresa, entregava livros para os funcionários e, sempre que tinha oportunidade, perguntava se eles tinham lido e o que tinham aprendido. Aos poucos, o hábito foi sendo incorporado pelos funcionários e, em 2006, o projeto foi formalizado.

A leitura é opcional, mas a adesão é superior a 80%. A empresa tem 1.350 funcionários e 15 lojas nos estados do Amazonas, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Pará e Rondônia, além do escritório central em Cáceres (MT).

Reuniões ajudam a difundir o conhecimento

A empresa também promove reuniões mensais chamadas de “Círculo do Livro”, em que alguns funcionários são sorteados para comentar suas leituras. “Assim, mais pessoas conseguem entrar em contato com aquele conteúdo e o colaborador trabalha a oratória, vai se desinibindo”, diz Melo.

A presença nessas reuniões e em treinamentos promovidos pela empresa também conta pontos para conseguir o 14º salário. Quem não participa de pelo menos 80% dos encontros perde 25% do bônus.

Investimento em educação ajuda a reter funcionários

Outro incentivo oferecido é o MBA em gestão de concessionária. Professores contratados pela empresa elaboram um curso voltado às necessidades do negócio. O certificado não é válido perante o MEC, mas, segundo o presidente do grupo, tem mais importância do que um MBA de uma universidade. “O curso forma a mão de obra que nós precisamos no nosso negócio.”

Os funcionários que participam do curso não assinam nenhuma cláusula de exclusividade, ou seja, estão livres para ir para a concorrência caso recebam uma proposta melhor. No entanto, Melo afirma que os funcionários não têm interesse de sair. “Nós fazemos várias campanhas de incentivo, damos bônus, premiações, inclusive viagens ao exterior. São coisas que dificilmente eles encontrarão em um concorrente junto com as possibilidades de crescimento que oferecemos.”

dica do Chicco Sal

Go to Top