Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged Por Telefone

Sasha Grey vem ao Brasil em agosto lançar seu primeiro livro

0

Em “Juliette Society”, Sasha narra a história de uma jovem estudante que se envolve com um clube secreto cujo objetivo é simplesmente o sexo

Publicado no Portal O Dia

Se um romancista precisa conhecer bem um tema para convencer um leitor de que aquela história é real, a estrela americana Sasha Grey (foto abaixo) pode ficar tranquila quanto a seu primeiro livro.

Em “Juliette Society”, romance erótico que será lançado no Brasil em agosto pela editora Leya, Sasha narra a história de uma jovem estudante que se envolve com um clube secreto cujo objetivo é simplesmente o sexo. Ela dedica, por exemplo, uma página inteira para descrever uma felação, inclusive com direito a um sugestivo “aahh” na última linha.

“Juliette Society” é o primeiro livro de Sasha, uma bela jovem que ficou famosa na indústria pornô por ter estrelado 271 filmes entre seus 18 e 23 anos, sem pudores, em papéis que lhe renderam prêmios como a de melhor cena de sexo grupal (troféu dividido com mais 17 atores e atrizes), a de melhor cena de sexo oral e outros cuja descrição é inapropriada para um jornal sem restrição de idade. Aos 25 anos, Sasha certamente já teve relações com um número maior de pessoas do que a quantidade de amigos que a maioria de nós tem no Facebook.

Mas, aos poucos, ela passou a atuar em outras frentes: atuando em filmes em Hollywood, como “Confissões de uma garota de programa” (2009), de Steven Soderbergh, lançando a banda experimental aTelecine e, agora, enveredando pela literatura. O romance, sobre o qual ela falou em entrevista por telefone, trará Sasha ao Brasil, entre 19 e 25 de agosto.

Em sua carreira, você parece sempre estar perseguindo novos projetos. Você só tem 25 anos, mas já se tornou uma conhecidíssima atriz pornô, fez filmes em Hollywood, lançou uma banda e agora está publicando um livro. Existe um limite?

Eu acho engraçado pensar nisso. Pouco antes de deixar a indústria pornô, lancei minha própria produtora, para dirigir e produzir meus próprios filmes pornô. Mas foi o maior fracasso da minha carreira. Então aprendi que existe uma separação entre projetos criativos e projetos comerciais. Quando há muito dinheiro envolvido, as coisas são mais difíceis, você nunca sabe o que pode acontecer. Mas, pensando em trabalhos artísticos, sim, eu acho que posso fazer qualquer coisa. Nada me faz parar.

O quanto de “Juliette Society” é baseado em suas próprias experiências?

Alguns dos cenários sexuais que eu descrevo vieram de experiências que eu tive, e tenho certeza de que os fãs mais fiéis vão identificar esses cenários. Mas também há muita coisa no livro que é baseado em histórias que ouvi e li. É uma combinação.

(mais…)

Contestador, ‘Armandinho’ ganha fama no Facebook

1

Conhecida em Santa Catarina, tirinha se expande pela rede social
Visão crítica e bom humor do personagem lembram Mafalda e Calvin
Autor deve lançar livro até o fim do ano

"Travesso

Travesso e contestador, Armandinho faz sucesso com suas histórias e lições Reprodução

Evelyn Soares, em O Globo

Armandinho é uma criança (dos quadrinhos) como todas as outras. Travesso como Calvin e questionador como Mafalda, suas histórias divertem os usuários do Facebook desde 29 de novembro do ano passado. O criador do personagem, cuja página tem mais de 40 mil curtidas, é o agrônomo e publicitário Alexandre Beck, de 40 anos.

Pai de um rapaz de 17 anos e uma menina de 10, ele buscou nos filhos e em amigos deles a inspiração para o personagem da tirinha, que existe há três anos.

– Apesar de gostar do humor da Mafalda e do Calvin, me inspirei nos meus filhos. Criei o Armandinho porque estava enjoando dos personagens de outras histórias que fazia. Na época, minha filha era pequena. Como toda criança, tem tiradas que nos fazem pensar em muita coisa – explica Beck por telefone.

Essas tiradas infantis, ingênuas porém críticas, motivaram Beck a fazer da tirinha uma pausa para “fazerem os leitores repensarem tudo que está em volta”. Outras referências são ilustradores brasileiros como Angeli, Laerte, Galvão e Samuel Casal, que, segundo Beck, carregam em suas charges e tiras um “humor com pesar”. O tom certo para a tirinha veio de Mafalda e Calvin.

– Esses personagens mostram que podemos melhorar e que existem outros caminhos, que tem uma luz no fim do túnel. O Armandinho tem um pouco da minha visão crítica. Tento me colocar no lugar da criança para chegar a situações que os adultos acham absolutamente normais. E acredito que o jeito ingênuo e puro do personagem, combinado à sua crítica, tem sido aceito pelo pessoal – diz o desenhista.

Nascido por acaso

“Armandinho” nasceu da pressa do jornal “Diário Catarinense”, em 2010, quando precisava de três histórias de quadrinhos para o dia seguinte. O personagem, que tem traços simples e, à época, não tinha nome, já estava desenhado. Bastou desenvolver a história para publicar no dia seguinte.

Os pais do personagem e outros adultos não apareceram, inicialmente, pela falta de tempo. Mas esse acaso ganhou sentido na HQ:

– Fiz só as pernas do pai porque não dava tempo para desenvolver o desenho na primeira tirinha. Ninguém sabe a cara dele, se é careca, gordo, qual a cor de sua pele… E quero que ninguém saiba, porque ele não é o mais importante. Fiz sem querer, e achei que deveria ficar.

Os outros personagens que aparecem no quadrinho são Fê, a irmã de Armandinho, e o sapo.

Em pouco tempo, a tirinha tornou-se querida em Santa Catarina. Tanto que o nome foi sugerido em um concurso promovido pelo jornal que o veicula: leitores deveriam enviar a sugestão de nome e um motivo. Logo, “Armandinho nasceu por estar sempre armando algo”.

Sucesso inesperado

A página do Facebook nasceu em novembro do ano passado, e era curtida por amigos de Beck. Mas, sem querer, uma tragédia nacional trouxe fama para ela. Alexandre Beck e sua família se mudaram de Florianópolis para Santa Maria, no Rio Grande do Sul, no fim do ano passado. Como todos os outros moradores da cidade, sentiram o luto pelo incêndio da boate Kiss, em 27 de janeiro, onde 241 jovens morreram.

– Parecíamos doentes naquele fim de semana. Criei uma só tirinha aquele dia, falando sobre o tempo na cidade, e ela teve mais de 10 mil compartilhamentos e aumentou o número de curtidas na página.

Outra tirinha muito compartilhada, e que elevou o sucesso da página e a levou além do limites de Santa Catarina, foi a da prova em que o Armandinho deveria responder o que era “essencial à vida de todos os seres vivos” e começava com a letra A. Para o pai do personagem, era “água”, mas para Armandinho, “amor”.

Beck anda sem tempo para fazer os quadrinhos, e alimenta o Facebook com histórias antigas. Entre os comentários estão elogios e alguns pedidos, como o de um livro. O autor já conversava com um amigo sobre o assunto antes da página bombar.

– Esse papo foi há duas semanas, quando pensávamos numa tiragem de 500 exemplares. Que bom poder pensar grande hoje! As tirinhas estão prontas, mas ainda estou diagramando o livro. Quero lançá-lo ainda este ano, mas ainda não sei em qual editora. O intuito é que o livro possa ser olhado com calma e tranquilidade, e que pais possam ler com os filhos. E, principalmente, que os filhos possam ler com os pais.

Imortais fazem campanha para eleger FHC na Academia Brasileira de Letras

0

Publicado por Folha de S.Paulo

Após anos de sondagens e de negativas, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, 81, deve ser apresentado na quarta (27) como candidato à Academia Brasileira de Letras (ABL). Segundo acadêmicos ouvidos pela Folha, FHC aceitou o convite para se candidatar à cadeira nº 36, vaga com a morte de João de Scantimburgo, e sua eleição é considerada praticamente um fato consumado.

“Ele aceitou, eu sou testemunha”, disse a escritora e imortal Nélida Piñon, 75, ex-presidente da ABL e uma das responsáveis pelo convite formal a FHC, ao lado do senador José Sarney, 82, seu colega na instituição.

Segundo ela, a eleição de Fernando Henrique “é uma campanha vitoriosa, que quase não precisa mais prosseguir”, por já contar com a maioria dos votos dos 38 imortais (duas das 40 cadeiras estão vagas).

Além de Sarney e Piñon, a campanha pela entrada de Fernando Henrique inclui imortais como Marcos Vilaça, 73, ex-presidente da ABL, e Celso Lafer, 71, ex-ministro de Relações Exteriores do governo FHC.

Um imortal ouvido pela Folha, que preferiu não se identificar, garantiu que a eleição de FHC será “absolutamente tranquila”, porque o ex-presidente tem apoio quase unânime na Casa.

O convite a Fernando Henrique Cardoso aconteceu durante almoço na última sexta (22), num restaurante em São Paulo. Sarney, FHC e Piñon estavam reunidos com outros membros do conselho consultivo da Fundação Santillana no Brasil quando a escritora recebeu, por telefone, o aviso da morte de seu colega João de Scantimburgo.

Ela passou a informação a Sarney, que imediatamente sugeriu que convidassem Fernando Henrique a se candidatar. “O presidente Sarney foi o primeiro a citar, eu tinha quase certeza de que ele o faria, mas fiquei impressionada com esse gesto de grande elegância moral dele, porque eles tiveram problemas no passado”, disse Piñon.

Segundo a escritora, ela e o senador chamaram Fernando Henrique em um canto e, após informar-lhe sobre a morte de Scantimburgo, convidaram-no a se candidatar.

“Ele ficou perplexo com o convite, nós insistimos que era o momento, e ele aceitou. Eu ainda disse: ‘O senhor não vai desistir, hein? Olha que é muito sério, diante do presidente Sarney e de mim, daqui nós vamos já comunicar’, e ele disse que não havia problema, que aceitava”, disse Piñon.

“A carta [de candidatura] será entregue amanhã. O Celso [Lafer] virá ao Rio para trazê-la”, disse a imortal.

Segundo a praxe da ABL, a cadeira de João de Scantimburgo (1915-2013) será considerada vaga após a chamada “Sessão da Saudade” em sua homenagem, que será realizada amanhã, às 16h, na sede da instituição, no centro do Rio. Depois disso, os interessados em concorrer à vaga terão um mês para apresentar suas candidaturas. A eleição deve acontecer no final de maio.

O ex-presidente é um dos nomes célebres que a Casa de Machado tenta atrair há anos –outros, como Ferreira Gullar, Antônio Cândido e Chico Buarque, continuam recusando a candidatura à ABL.

Fernando Henrique só teria aceitado concorrer com a garantia de que seria eleito.

Segundo outro imortal, FHC nunca havia “corrido atrás” de se eleger porque queria ser aclamado.

Antes da eleição de que FHC participará haverá outra, no próximo dia 11, para escolher o sucessor do poeta Lêdo Ivo (1924-2012), que morreu em dezembro passado, deixando vaga a cadeira nº 10. Onze candidatos estão na disputa, entre eles a jornalista Rosiska Darcy de Oliveira, considerada favorita, o poeta Antonio Cicero e a historiadora Mary Del Priore.

O ex-presidente Fernando Hernrique Cardoso, em foto de novembro de 2012; imortais fazem campanha para elegê-lo na ABL (Eduardo Knapp/Folhapress)

O ex-presidente Fernando Hernrique Cardoso, em foto de novembro de 2012; imortais fazem campanha para elegê-lo na ABL (Eduardo Knapp/Folhapress)

Sujeira está saindo do tapete, diz procurador sobre redações do Enem

0

Oscar Costa Filho vai anexar as redações que citam receita de miojo, hino do Palmeiras e com erros de ortografia no processo contra o Enem

No texto sobre a imigração no Brasil, estudante aproveitou para citar o hino do seu time do coração Foto: Reprodução

No texto sobre a imigração no Brasil, estudante aproveitou para citar o hino do seu time do coração
Foto: Reprodução

Publicado por Terra

Autor de diversas ações questionando o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), o procurador federal do Ceará Oscar Costa Filho disse nesta quarta-feira que vai anexar ao processo que move na Justiça contra o Ministério da Educação (MEC) as cópias de redações com erros de ortografia e que citam uma receita de miojo e o hino do Palmeiras. Segundo Costa Filho, os textos mostram a necessidade de permitir que os estudantes tenham direito a questionar a correção de suas redações. Atualmente, a correção é disponibilizada apenas para fins pedagógicos.

Essas novas denúncias mostram que a sujeira está saindo debaixo do tapete. Sujeira que nós sabíamos que existia e que sabemos que tem muito mais. E é justamente por isso, por saber que a correção não é bem feita, que o governo simplesmente não permite recorrer da nota”, afirmou o procurador em entrevista ao Terra por telefone.

Segundo Costa Filho, de nada adianta saber depois do fim do prazo de matrícula nas universidades que um texto recebeu boa nota mesmo citando a receita de uma massa instantânea. “Vou anexar (os textos) ao processo para que a juíza tome seu convencimento e entenda que o Enem não pode ser realizado sem regra expressa com a possibilidade de recursos”.

O procurador afirmou ainda que muitos estudantes se sentem injustiçados com a nota que recebem pela redação, mas não têm o direito de recorrer porque um termo de ajuste de conduta (TAC) firmado entre o Ministério Público e o MEC determina que a correção seja apenas para caráter pedagógico, de aprendizagem. “Esse TAC permite que a sujeira seja levada para debaixo do tapete”, diz o procurador ao criticar a decisão da Advocacia-Geral da União (AGU) de apresentar um pedido ao MPF para que o procurador seja afastado das ações do Enem.

“Hoje sofro uma verdadeira caçada humana por causa do Enem. O governo não pode mais usar o seu poder para sacrificar os direitos dos estudantes”, completou.

Polêmicas na redação

Imagens publicadas por um estudante do interior de São Paulo no Facebook mostram que ele tirou 500 pontos na redação do Enem – em uma escala que vai de zero a 1 mil – mesmo depois de ter incluído trechos do hino do Palmeiras entre os parágrafos sobre a imigração no Brasil.

Segundo reportagem do jornal O Globo, outro estudante recebeu 560 pontos depois de ter inserido um parágrafo com a receita para fazer miojo. Em outros casos, candidatos tiraram a nota máxima mesmo com textos com erros de ortografia. A forma de correção da redação do Enem já foi motivo de centenas de ações judiciais nos últimos anos de estudantes que se sentiam injustiçados com a nota recebida.

Segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), as redações receberam as devidas notas, já que não fugiram do tema proposto em sua totalidade e não apresentaram palavras ofensivas.

Cinquentenário da Mônica, de Mauricio de Sousa, causa “incômodo” em Jaguar

1

Bruno Molinero, na Ilustrada

Acostumado às páginas do extinto jornal “O Pasquim” e aos bares da orla carioca, o ratinho Sig, personagem criado pelo cartunista Jaguar, trocou o copo de cerveja por um campo cheio de flores e passarinhos.

“Eu vi as comemorações pelos 50 anos da Mônica nos jornais e resolvi ressuscitar o Sig em uma charge com ela. Foi o desenho mais difícil da minha vida”, contou Jaguar, por telefone à Folha.

Primeiro, Jaguar teve que comprar algumas revistinhas da personagem. “Nunca tinha lido.” Em seguida, ele tentou copiar os traços de Mauricio de Sousa.

Desenho de Jaguar sobre o aniversário de 50 anos da personagem Mônica, criada pelo cartunista Mauricio de Sousa (Jaguar)

Desenho de Jaguar sobre o aniversário de 50 anos da personagem Mônica, criada pelo cartunista Mauricio de Sousa (Jaguar)

“Fiz tudo rigorosamente igual. As florzinhas, os passarinho, o Sol. De tão ruim que é o desenho, demorei quatro horas para desenhar. É mais fácil copiar o Steinberg [cartunista que serviu de inspiração para “O Pasquim”] do que um desenho ruim.”

A Turma da Mônica, entretanto, responde por mais de 85% do mercado brasileiro de quadrinhos infantojuvenis. “Ele acha que aquilo é desenho, e todo mundo acha maravilhoso. Mas eu estou muito velho para ganhar inimigo novo”, completa.

Em casa desde que descobriu uma cirrose avançada, o passatempo de Jaguar agora é mexer em seus arquivos.

“Lembrei que o Sig está fazendo 49 anos. Ele é o único rato que afundou junto com o navio”, ri, referindo-se a “O Pasquim”. E o comandante? “Não posso beber, mas ainda não afundei.”

Go to Top