Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged Projeto

Startup da semana: GoBooks

0

Empresa que aluga livros universitários com desconto negocia o seu primeiro aporte e prepara expansão

Ligia Aguilhar, no Estadão

O empreendedor Marcus Teixeira, de 24 anos, viveu uma situação clássica entre os estudantes universitários: ao longo do curso, se viu às voltas com a falta de dinheiro para comprar alguns livros e, ao terminar a graduação em Relações Internacionais, em meados de 2012, concluiu que muitas das publicações que adquiriu tratavam de assuntos com os quais não pretendia mais lidar na sua vida profissional.

O fundador da GoBooks, Marcus Teixeira, planeja a expansão da startup. FOTO: Divulgação

O fundador da GoBooks, Marcus Teixeira, planeja a expansão da startup. FOTO: Divulgação

Esse gasto desnecessário ficou martelando na cabeça de Teixeira até se transformar na premissa para o desenvolvimento de um negócio poucos meses depois. Ex-funcionário da aceleradora carioca 21212, Teixeira mergulhou no mundo do empreendedorismo, conheceu no local de trabalho seu futuro sócio – o engenheiro da computação Vitor Oliveira, 26 anos –, e identificou uma oportunidade no mercado para criar uma empresa de aluguel de livros universitários.

Em novembro do ano passado, entrou no ar a página-teste da GoBooks, que hoje não apenas aluga, mas também vende livros universitários no Rio de Janeiro. Funciona assim: o usuário entra no site, escolhe o livro desejado e faz o aluguel por um preço que, segundo o fundador, chega a ser 80% mais barato do que o valor de capa. O pagamento é concluído pelo Moip ou pelo PayPal e o livro é entregue no endereço indicado. No geral, o estudante pode permanecer com os itens alugados até o fim do semestre e, para facilitar a devolução, a empresa instalou pontos de coleta dentro das principais universidades cariocas. “Em duas semanas, tivemos mais de dez mil visualizações na página e recebemos e-mails de 2,5 mil estudantes interessados”, afirma Teixeira.

O projeto acabou selecionado para participar do programa de aceleração da 21212, onde o modelo de negócio foi aprimorado. “Aprendi uma metodologia e desenvolvi tudo na aceleradora. Lá, tive acesso a empresários de sucesso que provavelmente eu não teria facilidade de encontrar fora. A aceleradora foi um porto seguro”, diz.

Para criar o acervo da GoBooks, Teixeira e o sócio fizeram uma pesquisa com estudantes das principais universidades do Rio de Janeiro para saber quais eram os livros mais utilizados em cada curso de graduação. Atualmente, o site tem 120 títulos dos cursos de Administração, Economia, Engenharia e Medicina. O plano é expandir o acervo, o número de cursos atendidos e a área de atuação da empresa para todo o sudeste até o fim deste ano. Para isso, a GoBooks precisa de investimento. Os empreendedores dizem já estar em fase final de negociação com um fundo para iniciar a nova fase, que culmina com a graduação da empresa na aceleradora. Teixeira está otimista. Vai mudar para um escritório que – ressalta – já pertenceu ao Peixe Urbano. E onde espera, quem sabe, crescer tanto quanto os antigos donos.

Inspiração

A referência do modelo de negócio dos empreendedores é o site norte-americano Chegg, que faturou mais de US$ 200 milhões em 2011. O site começou alugando livros em papel, em 2007, inspirado no modelo de negócio da Netflix. Depois passou a vendê-los e, hoje, também trabalha com o aluguel de livros digitais.

O site da GoBooks foi reformulado recentemente. FOTO: Reprodução

O site da GoBooks foi reformulado recentemente. FOTO: Reprodução

Grandes varejistas como a Amazon também entraram no mercado de aluguel de livros nos Estados Unidos, neste caso, com as versões digitais. Algumas bibliotecas americanas já permitem o empréstimo de livros nos e-readers. Isso levou o segmento a enfrentar dilemas semelhantes aos vividos pelo mercado fonográfico. Algumas editoras se recusam a fornecer livros para bibliotecas e empresas que se dispõem a fazer o empréstimo das publicações, enquanto outras querem limitar o número de vezes que um livro pode ser emprestado, baseados no tempo de vida de um exemplar em papel. Tudo isso por conta dos direitos autorais.

No Brasil, a GoBooks usa a seu favor o argumento de que o aluguel é melhor para as editoras do que a fotocópia de trechos dos livros, prática comum entre os estudantes que não querem gastar com o livro original. ”Nós mostramos para as editoras que estamos criando um novo mercado e que ele é benéfico, porque é um espaço que elas sempre perderam para as cópias”, afirma Teixeira, que já fechou algumas parcerias, mas ainda enfrenta resistência de alguns selos. “Elas olham com medo por causa do que aconteceu com o mercado fonográfico”, diz.

A GoBooks trabalha com um modelo semelhante ao das livrarias. Os títulos são comprados em consignação para venda, enquanto alguns exemplares vão para aluguel. A startup também compra livros usados de estudantes, que antes tinham apenas os sebos como opção. Para garantir a qualidade, todos os livros alugados têm, obrigatoriamente, que ser exemplares da última edição. O ciclo de vida é curto – cada unidade pode ser alugada no máximo 3 vezes.

Para garantir a sustentabilidade do modelo, a empresa já organiza projetos para promover a doação dos livros que não forem mais usados. Pelos cálculos dos empreendedores, o aluguel de livros no Brasil é um mercado de R$ 2,9 bilhões – o cálculo é baseado no gasto de R$ 1,2 mil por estudante ao ano com a compra de livros universitários.

Atualmente, a GoBooks tem 5 mil usuários cadastrados. O desafio no curto prazo é escalar o modelo para cumprir a meta de chegar a outras regiões. Desafio maior do que esse só a concorrência de peso que pode surgir no futuro, se players como a Amazon, por exemplo, que possui operação no Brasil, decidirem replicar o serviço de aluguel de livros digitais no Brasil. A GoBooks planeja entrar no mercado de livros digitais em até três anos. “O Brasil tem algumas particularidades. Uma pessoa que presta concurso público não quer mais ver os livros de estudo depois que for aprovada em um exame. Há também um grande potencial com livros do ensino médio. O aluguel é só a ponta do iceberg. A Chegg tem patrocínios de bolsas e outras funcionalidades hoje. Há muito o que ser explorado”, conta Teixeira.

Presos do DF leem dez vezes mais que a média do brasileiro

0

De acordo com pesquisa, 70% dos presos e 80% das presas se tornam leitores assíduos

Gustavo Frasão no R7

Divulgação

Projeto remissão de pena: presos poderão ser beneficiados com 48 dias a menos na prisão se lerem uma obra literária por mês e fizerem uma resenha sobre o livro a cada 30 dias

Projeto remissão de pena: presos poderão ser beneficiados com 48 dias a menos na prisão se lerem uma obra literária por mês e fizerem uma resenha sobre o livro a cada 30 dias

Presos têm um grande potencial para leitura. Uma pesquisa de mestrado feita na UnB (Universidade de Brasília) mostra que os detentos do Complexo Penitenciário da Papuda, em Brasília, leem em média 3 livros por mês, dez vezes a média do brasileiro, de 0,33 livros mensais ou quatro por ano, de acordo com dados da 3ª edição da pesquisa Retratos da Leitura no Brasil, divulgada em 2012.

A pesquisadora Maria Luzineide Costa Ribeiro, responsável pelos estudos da UnB, disse que cerca de 70% dos presos que estão na PDF 1 (Penitenciária do Distrito Federal 1) no Complexo da Papuda, em São Sebastião, região administrativa do DF, tornaram-se leitores assíduos de livros de romance, ação, autoajuda  e literatura estrangeira dentro da cadeia. Os dados fazem parte da  dissertação de mestrado dela no curso de Letras apresentada no segundo semestre do ano passado.

Luzineide foi professora de Língua Portuguesa do sistema prisional durante 14 anos. Ela disse que nesse período observou que mesmo encarcerados e sem nenhum tipo de estímulo os internos tinham o hábito de ler. Interessada em pesquisar o assunto e confirmar essa impressão, ela levou a proposta para o Departamento de Teoria Literária e Literaturas da UnB e deu início aos estudos no ano de 2009.

Em 2010, ela voltou a penitenciária como pesquisadora e fez um primeiro levantamento. Aplicou questionários e avaliou os presos, que na Papuda são separados por crimes. Em 2011, ela e a equipe da UnB passaram 15 dias na cadeia promovendo oficinas literárias, com métodos dos próprios mestrandos da instituição.

— A recepção foi muito boa. Depois de coletar todos os dados, eu confirmei o que já sabia. Os presos realmente têm pré-disposição para a leitura.

Ela explicou que o próprio sistema ajuda a exercer esse hábito entre os internos, porque eles ficam 22h por dia dentro da cela. Os locais estão superlotados, mas por conta do ócio eles procuram ocupar o tempo fazendo leituras, mesmo com barulho, falta de espaço e conforto.

— Eles leem de dois a quatro livros por mês. Devem passar três ou quatro horas por dia lendo e se esforçam para concentrar na leitura, mesmo com o ambiente inadequado para esse procedimento.

Entre os autores preferidos estão Machado de Assis, Paulo Coelho e Oswaldo de Andrade. Os estilos de livros, no entanto, são os mais diversos. Os preferidos são temas de ação, romance, literatura estrangeira e até mesmo autoajuda.

(mais…)

Câmara aprova prazo para professor da educação básica concluir graduação

0

Proposta define que profissionais terminem licenciatura em seis anos

Créditos: Veja

Créditos: Veja

Publicado em O Globo

Docente que já estiver trabalhando não precisa cumprir determinação

A Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira (12) a proposta que fixa prazo de seis anos para os professores da educação básica com formação em nível médio concluírem o curso de licenciatura de graduação plena. O texto é um substitutivo do Senado ao Projeto de Lei 5395/09, do Executivo, e será enviado à presidente Dilma Rousseff para sanção.

O prazo de seis anos contará da posse em cargo de docente na rede pública de ensino e será válido para os professores com nível médio na modalidade normal (sem curso técnico). A proposta também prevê exceção à exigência de curso superior para os professores com ensino médio, na modalidade normal, que já estejam trabalhando, na rede pública, em creches, na pré-escola e nos anos iniciais do ensino fundamental quando da publicação da futura lei.

Caberá à União, aos estados e aos municípios adotar mecanismos para facilitar o acesso e a permanência dos professores da educação básica pública nos cursos superiores. Um dos incentivos será a concessão de bolsa de iniciação à docência.

Diretrizes Básicas

O texto aprovado altera a Lei de Diretrizes e Bases da Educação (9.394/96), cuja redação será adequada à Lei do Fundeb (11.494/07), que estende a educação obrigatória e gratuita dos 5 aos 15 anos para 4 a 17 anos.

O projeto original do Executivo tratava apenas de dois pontos: exigência de formação superior para docentes que atuam na educação básica, exceto na educação infantil; e exigência de nota mínima no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) como pré-requisito para ingresso em cursos de graduação para formação de docentes. Esse pré-requisito continuou no texto.

Uma das novidades em relação ao texto anteriormente aprovado pela Câmara é a imposição de regras comuns à educação infantil: carga horária mínima anual de 800 horas, distribuída em um mínimo de 200 dias de trabalho; atendimento à criança dentro de um mínimo de quatro horas para o turno parcial e sete horas para o integral; controle de frequência na pré-escola (60% de comparecimento); e expedição de documentação que permita atestar os processos de desenvolvimento e aprendizagem da criança.

Atendimento especializado

O substitutivo aprovado também amplia o conceito de alunos especiais. Além daqueles com deficiência, já contemplados, são incluídos aqueles com transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades ou superdotação. Eles deverão contar com atendimento educacional especializado em todos os níveis, etapas e modalidades, preferencialmente na rede regular de ensino.

O texto aprovado prevê, ainda, a realização de recenseamento anual de crianças e adolescentes em idade escolar, assim como de jovens e adultos que não concluíram a educação básica. A pesquisa prevista na lei era restrita ao ensino fundamental.

Nova York oferecerá e-books no metrô

0

Trechos de obras digitais estarão disponíveis via tecnologia NFC

O usuário aproxima seu smartphone de um sensor NFC e baixa as primeiras 10 páginas de um livro de sua escolha (Divulgação)

O usuário aproxima seu smartphone de um sensor NFC e baixa as primeiras 10 páginas de um livro de sua escolha (Divulgação)

Publicado em O Globo

RIO – A biblioteca pública de Nova York está desenvolvendo um sistema que oferecerá trechos de livros famosos aos usuários do metrô na cidade.

Desde a popularização da internet, o uso de bibliotecas públicas vem diminuindo consistentemente nos EUA, com tímidas retomadas em 2003 e 2009, mas caindo sem parar desde então, atingindo baixa recorde em 2013. O advento dos dispositivos móveis inteligentes, porém, — smartphones e tablets —, permitiu acesso a informação on-line a partir de quase qualquer lugar. Isso motivou estudantes a criar o projeto.

Mas um obstáculo precisava ser superado: o acesso à internet é errático nos trens do metrô de NY — as operadoras não garantem conectividade ao longo de todo o trajeto nas dezenas de linhas de trens subterrâneos. Assim, para criar um modo de acesso a conteúdo bibliográfico, optou-se pela tecnologia NFC (Near Field Communication), que permite transferir dados apenas aproximando o dispositivo do usuário de um sensor especial.

Com isso, o passageiro munido de um smartphone dotado de NFC só precisaria aproximar seu aparelho de um dos cartazes do metrô, escolher dentre um conjunto de títulos e baixar um pacote de dados contendo as dez primeiras páginas de um dos best sellers disponíveis no acervo da biblioteca — o suficiente para entretê-lo durante a viagem. Ao terminar a leitura, o usuário receberá um lembrete de que pode continuar a leitura gratuitamente indo fisicamente até a biblioteca, com direito a um mapinha indicando a filial mais próxima da instituição.

A ideia do projeto é dos estudantes Max Pilwat, Keri Tan e Ferdi Rodriguez, que lhe deram o nome de “Underground Library”. No entanto, o projeto por ora ainda é uma campanha conceitual, mas os estudantes esperam que seu vídeo convença as autoridades a tocar adiante a ideia.

Serviço de conteúdo educacional da Apple chega 1 bilhão de downloads

0
Divulgação

Divulgação

Publicado por Veja

A Apple anunciou nesta quinta-feira que o seu serviço de distribuição de conteúdo educacional, o iTunes U, alcançou a marca de 1 bilhão de downloads desde o seu lançamento – em 2007. De acordo com a companhia, o projeto é responsável por oferecer o maior catálogo de material didático gratuito do mundo, com mais de mais de 2.500 cursos públicos, 75.000 aplicativos e 10.000 livros interativos. Entre os colaboradores, estão escolas e grandes universidades, como Stanford, Berkley, MIT e Yale.

De acordo com a companhia americana, os educadores de 30 países, incluindo o Brasil, podem criar cursos que serão distribuídos entre os 155 países onde o aplicativo do serviço pode ser baixado. Cerca de 60% dos downloads acontecem fora dos Estados unidos, o que garante visibilidade às instituições e material de qualidade aos estudantes estrangeiros. “Por causa do iTunes U, eu consegui incentivar pesquisas sobre a relação entre o excesso de informação e o stress na China”, afirmou o professor americano Dan Stokols.

“Com todo esse conteúdo oferecido pelo iTunes U, os estudantes poderão aprender com muito mais facilidade” afirmou Eddy Cue, vice-presidente de software para internet e serviços na Apple. “Existem cursos no serviço que são acessados por mais de 250.000 estudantes. Isso é um fenômeno na forma em que aprendemos e ensinamos.” O serviço pode ser acessado a partir do iTunes.

Criado em 2007, o serviço é mundialmente conhecido por oferecer material didático no formato de textos, vídeos e aplicativos gratuitos. O conteúdo é dividido por categorias e tipos de instituição de ensino, que vão desde escolas primárias até universidades.

dica do William Vidal

Go to Top