Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged Propaganda

Garoto pede panfletos a carteiro para poder ler e ganha livros do mundo todo

1
Reprodução

Reprodução

Publicado no Yahoo

Matthew Flores tem 12 anos e só queria poder ler. Por isso, pediu ao carteiro que entregava correspondências em sua rua, em Salt Lake City, nos EUA, para deixar ali algumas propagandas que ele tinha para entregar. Dizia o garoto, seria a única leitura que ele teria acesso.

A história comoveu o carteiro: a criança não poderia ir a uma biblioteca pois sequer tinha dinheiro para o ônibus. A situação crítica da família também impedia, é claro, a compra de livros. Ron Lynch, o carteiro, resolveu então postar a história em seu Facebook e mudou o rumo das coisas para a criança.

“Enquanto entregava cartas neste complexo de apartamentos hoje, vi um garoto lendo propagandas e ele me perguntou se eu teria mais para ele ler. Ele disse que seu desejo era de ter livros e então respondi que a biblioteca tinha vários, mas ele me respondeu que sua família não tinha carro e ele não tinha dinheiro para o ônibus”, postou Lynch.

A história emocionou muitas pessoas, comovidas com o pedido final do carteiro: doações de livros. O que inicialmente seria o recolhimento de 50 exemplares novos para o menino se tornou um viral. Pessoas de todo o mundo enviaram livros para Matthew, que agora terá o que ler por muito tempo. E o melhor: prometeu que conforme acabar os livros, os repassará para outras crianças.

Propaganda de Aécio sobre educação tem erro de português

1

Vídeo mostra uma fala do Senador e ex-Governador de Minas Gerais sobre como teria melhorado as escolas durante o seu mandato

Publicado no Virgula

Uma propaganda do pré-candidato à presidência da República de Aécio Neves (PSDB) sobre educação, que está sendo veiculada no Youtube e na TV há uma semana, escorregou no português.

O vídeo, intitulado Aécio Neves ressalta os avanços na Educação de Minas Gerais, mostra uma fala do Senador e ex-Governador de Minas sobre como teria melhorado as escolas do estado durante o seu mandato.

Na sequência, é exibido um texto na tela: “Os alunos de Minas tem o melhor desempenho do Brasil”. O erro ortográfico se dá pela falta de acento: quando o sujeito é plural, a palavra “tem” leva o acento circunflexo. A forma correta seria, no caso, “Os alunos de Minas têm o melhor desempenho do Brasil”.

Assista aqui.

 

UFRGS é avaliada como a melhor universidade do País pelo segundo ano

0

Cinco cursos estão classificados com conceito 5: Administração, Design, Jornalismo, Publicidade e Propaganda e Relações Internacionais

Publicado no Terra

vestibularufrgsthiagocruzdivrepre

Foto: Thiago Cruz/UFRGS / Divulgação

A Universidade Federal do Rio Grande do Sul  (UFRGS) é a melhor universidade do Brasil na avaliação de indicadores de qualidade da Educação Superior, segundo resultado publicado hoje, pelo Ministério da Educação (MEC), no Diário Oficial da União. A Universidade manteve a nota da avaliação anterior, de 4,28 para o Índice Geral de Cursos, que corresponde ao conceito 5, valor máximo calculado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). A classificação envolveu 2.171 instituições de ensino superior entre universidades, faculdades e institutos públicos e privados.

 

O cálculo do IGC inclui a média ponderada dos Conceitos Preliminares de Curso (CPC) e os conceitos da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), responsável por avaliar os programas de pós-graduação das instituições. Já o CPC avalia o rendimento dos alunos no Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes – Enade (55% do total da nota), a infraestrutura (15%) e o corpo docente (30%).

A UFRGS obteve ainda índices de CPC elevados, 4 e 5, nas nove graduações em que foi avaliada em 2012. Cinco cursos da Universidade estão classificados com conceito 5: Administração, Design, Jornalismo, Publicidade e Propaganda e Relações Internacionais. A avaliação mostrou também bons índices alcançados pelos cursos de Ciências Econômicas, Psicologia, Direito e Ciências Contábeis que atingiram conceito 4.

 

O Reitor divide com toda a comunidade acadêmica o mérito de fazer da UFRGS a Universidade de melhor qualidade no Brasil. “É com muita alegria e orgulho que recebemos, pelo segundo ano consecutivo, a maior nota entre as universidades brasileiras em avaliação feita pelo MEC. Esse resultado se reflete em todas áreas  e só reforça o acerto na condução das políticas acadêmicas  e inclusivas até agora implementadas. A comunidade da UFRGS está, novamente, de parabéns.”

 

Em 2012, foram avaliados 8.184 cursos – sistemas federal, estaduaL e municipaL, tanto público quanto privado – nas áreas de ciências aplicadas, ciências humanas e áreas afins, além dos eixos tecnológicos de gestão e negócios, apoio escolar, hospitalidade e lazer, produção cultural e design. Desse total, 5.888 integram o sistema federal – instituições federais e particulares. Obtiveram CPC satisfatório 4.616 cursos – 4.255 em instituições particulares e 361 nas federais. Tiveram conceito insatisfatório outros 728 de instituições particulares e 33 das federais.

 

Melhores universidades do Brasil, com IGC 5
   UniversidadeIGC – ContínuoIGC – Faixa
Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)4,285
Universidade Federal de Lavras (UFLA)4,235
Fundação Universidade do ABC (UFABC)4,235
Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)4,185
Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)4,105
Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM)4,045
Universidade Federal de São Carlos (UFScar)4,035
Universidade Federal de Viçosa (UFV)4,015

Fundação Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA)

4,005

 

‘Chegava em casa estraçalhado emocionalmente’, conta ex-diretor de escola

0

Marcelle Souza, no UOL

De uma salinha na parte administrativa da escola, ele decide quase tudo: falta de papel higiênico, briga entre alunos, problemas de professores e questões burocráticas com a Secretaria de Educação. Mas quem é esse personagem que aparece nas nossas lembranças da infância como o temido chefe do colégio?

“Vou chamar o diretor já”, “o diretor vem vindo aí…”, Se eles estão fora da classe, basta apontar a cara no corredor para desembestarem em uma correria geral rumo a sala de aula. Como alguém pode ser simpático com uma propaganda tão eficiente? “Vai tomar uma suspensão do diretor”

“Eu chegava em casa todos os dias estraçalhado emocionalmente, é muito pesado, muito desgastante. Você trabalha com os extremos: a ingenuidade de uma criança e a canalhice de alguém que comete alguma irregularidade. Pensei várias vezes em desistir”, afirma Luiz Benedito Ponzeto, 67.

Diretor por dez anos, Ponzeto se aposentou e decidiu contar o cotidiano dessa função. Ele acaba de publicar o livro de crônicas “Diário de um diretor de escola”, com histórias ficcionais sobre o dia a dia da profissão.

Nos textos, Ponzeto mostra que a imagem de temido – quem nunca ouviu a frase “vou chamar o diretor” ou “você vai para a sala a do diretor”? – esconde um ser humano cheio de expectativas e problemas.

Luiz Benedito Ponzeto, ex-diretor

Luiz Benedito Ponzeto, ex-diretor

Uma bomba por dia para desarmar
Foram 30 anos de dedicação à escola, como professor de matemática, coordenador pedagógico e diretor de escolas públicas e privadas de várias cidades de São Paulo, e uma “bomba por dia para desarmar”. Há cinco anos, ele se aposentou e teve que romper com os desafios e êxitos da profissão. Precisava descansar.

O livro veio então da vontade de retratar o dia a dia da escola e foi resultado de um grupo de estudos e dos primeiros exercícios escrevendo crônicas. As histórias retratadas, diz o ex-diretor, são ficções, mas bem que poderiam se passar em muitas escolas do país. “Eu queria um texto alegre, ao mesmo crítico, que mostrasse a escola como uma coisa dinâmica, em constante transformação”, diz.

E o cotidiano do narrador do livro não é nada fácil. Imagine ter que virar técnico para resolver o problema no som de uma turma que vai fazer uma festa, conversar com a mãe de um garoto que brigou com os colegas na escola ou decidir entre abrir ou não um pacote suspeito enviado sem remetente.

Em uma das crônicas, a “bomba” do dia é a falta de papel higiênico. Arrecadar dinheiro com alunos? Fazer uma festa? Usar o dinheiro já repassado pelo Ministério da Educação? Ou aguardar a burocracia dos órgãos competentes? Com bom humor e uma dose de preocupação, o diretor dessa escola de mentirinha tenta resolver esse problema tão real.

Um dia de cada vez
Em um trabalho dinâmico, Ponzeto diz que o mais frustrante da função é ver projetos interrompidos e não atingir os objetivos traçados. “Como diretor, você não sabe o que aconteceu com aquela pessoa depois que ela saiu da escola, se valeu ou não todo o trabalho que foi feito”.

Acontece que o Jeferson já aparenta ser adulto, com barba na cara e tudo o mais. E a experiência que já acumulou na sua vida é maior do que a da equipe escolar inteira. Só estão mandando ele de volta para a escola porque foi pego num assalto junto com outros “menores infratores”. E como ainda é menor, não pode ficar fora da escola. Depois que foi pego, cumpriu uns meses na Fundação Casa. Agora está livre para recomeçar do zero, aqui na escola.

Conseguir mudar alguma coisa na vida de um aluno, por outro lado, é maior conquista de um diretor. “O trabalho com o ser humano é muito agradável, especialmente quando você se dedica à construção dele. É muito emocionante, até hoje é muito forte para mim”, diz.

Leia a seguir um trecho do livro:
Uma bomba por dia para desarmar

“Isso aqui está mais para filme de ação do que para instituição de ensino. Mas por que alguém me mandaria uma bomba dessas? Se as xerifes da escola não conseguiram saber a origem desse troço, de nada adianta eu perguntar para Deus e o mundo. Só vou é dar bandeira e colocar mais lenha na fogueira. E muito menos seguir a sugestão da Sandra. Já imaginou o bairro todo ouvindo a sirene da polícia chegando aqui na escola? Vai ser sopa no mel, ou é mel na sopa, nunca sei. As mães invadirão a escola desesperadas para salvar os seus filhos, atropelando os das outras, descompensadas e histéricas: todas elas. Não, isso não, a imprensa, o Datena, Jornal Nacional… E quem vai abrir então? Fiz a pergunta para mim mesmo, estou sozinho na sala, sem pão doce com recheio e nem água com açúcar. Vai que elas têm razão. Dar uma de herói é que eu não vou, nunca tive essa vocação, por isso mesmo fui ser diretor de escola. Mas e os alunos? Se souberem que eu afinei: “amarelou hein diretor”, não admito ser chamedo de bundão. Pensando bem, quem faria uma maldade dessas comigo? Não tenho nenhum inimigo conhecido, tenho conhecido inimigos, isso sim, mas são professores; acho que não saberiam montar uma bomba, muito menos caseira, nem existe mais laboratório de ciências.”

Juli Zeh – A escritora com muitas qualidades

0

1

Rafael R., no Casmurros

Conheci o livro de Juli Zeh por causa de uma propaganda que eu vi na MTV. Durava quase dois minutos e tinha como trilha sonora a bombástica canção “Movement”, do LCD Soundsystem. Ao final, aparecia em letras garrafais o título A menina sem qualidades.

Talvez você não saiba, mas esse esse título faz referência direta ao livro O homem sem qualidade, de Robert Musil, considerado por dez entre dez críticos como a maior obra literária do século XX. Tudo o que você quiser saber sobre esse catatau de 1280 páginas, muito mais comentado do que propriamente lido, está espalhado na internet em resenhas, análises, comentários etc. Sua beleza está escondida num complexo emaranhado de referências políticas, econômicas e culturais do período que antecipa a Primeira Guerra Mundial. Musil queria fazer um livro sobre todas as coisas que existiam no mundo, a coisa levou anos e tomou proporções gigantescas até que seu editor recortou uma parte do projeto e publicou um livro quase enciclopédico por onde desfilam toda a sorte de personagens e histórias. Tem muito humor, apesar de parecer cabeçudo.

Pois bem, a obra de Musil entrou em domínio público justamente em 2013 e quando vi a chamada na TV achei que fosse alguma homenagem. Foi assim, que cheguei em Juli Zeh. Na verdade, o livro foi publicado em 2004 e descobri que o título em alemão não é Das Mädchen ohne Eigenschaftenseu, mas Spieltrieb – uma daquelas famosas palavras alemãs que são bem difíceis de traduzir. Muito sabiamente, a edição em português traduzida por Marcelo Backes, tem um apêndice com diversas notas explicativas (que ajudam muito o leitor) e inclui uma rápida explicação do tradutor para a adoção do título. Lá, Backes conta que o título, em tradução literal, a tal palavra em alemão significa algo como ‘lidicidade’ ou ‘pulsão para o jogo’. Acho que as duas possibilidades estariam aquém da beleza da história e dariam ao livro um ar um tanto esquisito. Foi comparando com outras traduções que Backes descobriu a versão francesa com o título de La fille sans qualités. Fazia todo o sentido, na medida em que o livro é quase uma atualização (uma releitura, uma homenagem, um estudo) ao livro de Robert Musil. Além disso, a escolha ajuda na circulação do nome de Juli Zeh – uma revelação da literatura alemã contemporânea inédita no Brasil, até então.

1

O enredo gira em torno do jogo perverso estabelecido por dois adolescentes Ada e Alev contra seu professor Smutek. Ela tem uma inteligência acima da média, leu todos os clássicos mais importantes da literatura aos 16 anos e sente um vazio existencial incapaz de ser preenchido. Ele encarna o duplo perfeito dela no desprezo pelas pessoas e pelo mundo. Juntos eles começam a seduzir e chantagear Smutek, um professor muito popular no colégio em que estudam.

Tal qual Musil, A menina sem qualidades é ambicioso, um liquidificador de referências culturais da música pop e da literatura tendo como mentores Musil e Vladimir Nabokov – o nome da protagonista Ada tem ligação com o romance Ada ou ardor, de Nabokov. De modo resumido, o enredo funciona como uma espécie de sátira sobre os dilemas da crítica ao mundo contemporâneo (o grande vazio de sentido que ronda as pessoas, a crise de identidade, os problemas econômicos etc.), e sobre as dificuldades da adolescência.

Muito viram uma filiação a tradição alemã de livros tendo jovens adolescentes como tema principal: vai desde a peça O despertar da primavera, de Frank Wedekind a Debaixo das rodas, de Herman Hesse; passando inclusive por outro livro de Musil, O jovem Törless.

A menina sem qualidades teve tanto impacto que já ganhou uma versão para o teatro e para o cinema. Foi Marcelo Backes quem sugeriu para o diretor Felipe Hirsch a adaptação para a série da MTV. A trilha sonora conferiu um ar demasiado ‘cult’. No livro, a banda favorita de Ada é Evanescence.

Go to Top