Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged Protagonista

Clássicos da literatura podem ensinar mais do que livros de autoajuda

0

Publicado por UOL

1

A Metamorfose, Franz Kafka (Companhia das Letras): trata da vida do caixeiro-viajante Gregor Samsa que, numa determinada manhã, acorda e se vê transformado num inseto indefinido, mas asqueroso. A partir daí, ele passa a ser desprezado pela família, é mandado embora do emprego e perde toda a importância social que tinha. “Trata-se de um livro interessante para basear uma discussão mais profunda sobre o sentido da exclusão e da opressão. É uma obra densa, que leva à reflexão sobre a condição humana na modernidade, em que as pessoas só têm valor enquanto produzem”, afirma Ana Lúcia Trevisan, professora de literatura da Universidade Presbiteriana Mackenzie, em São Paulo.

1

Ensaio sobre a cegueira, José Saramago (Companhia das Letras): uma epidemia de cegueira é o mote encontrado pelo autor para ir fundo na análise do caráter humano. Na trama, numa tentativa de conter o surto, o governo decide colocar todos os habitantes infectados em quarentena. Impotentes, abandonados e desprezados, eles passarão a mostrar suas características mais primitivas. “Esta obra leva a uma reflexão sobre a sociedade moderna, que vive apenas de rótulos, sem considerar a essência de cada um”, fundamenta Silvio Pereira da Silva, professor da Universidade Metodista de São Paulo.

1

Dom Casmurro, Machado de Assis (Editora Lafonte): conta a história de Bentinho e Capitu, que se conhecem ainda crianças e se casam na idade adulta. O ciúme é o tema da narrativa. Quando nasce o filho do casal, o protagonista enxerga muitas semelhanças entre a criança e seu melhor amigo, o recém-falecido Escobar. Desconfiado da traição e sem provas, mas atormentado pelo ciúme, Bentinho destrói a família e o casamento. “A obra provoca um debate imenso entre os leitores sobre a culpa ou não de Capitu, mas o fato é que o ciúme conduziu o personagem à loucura e isto destruiu a vida dele e tudo o que ele tinha construído”, diz Roberto Juliano, professor de literatura do Cursinho da Poli.

Cabine Literária analisa “Inferno”, de Dan Brown

0

Gabriel Utiyama começa a vídeo-resenha com Dan Brown cantando! Em seguida, revela que o escritor tem planejamento para 12 livros com Robert Langdon, protagonista de 4 de suas obras.

Lançado há poucos dias, o novo livro de Brown já é o mais vendido nas principais listas.

No Brasil para lançar ‘Diário de um Banana 7’, autor Jeff Kinney comenta a série infantil

2
O escritor Jeff Kinney, autor do fenômeno infantojuvenil "Diário de um Banana", no hotel da zona sul de São Paulo (Rodrigo Capote/Folhapress)

O escritor Jeff Kinney, autor do fenômeno infantojuvenil “Diário de um Banana”, no hotel da zona sul de São Paulo (Rodrigo Capote/Folhapress)

Raquel Cozer, na Folha de S.Paulo

Jeff Kinney viu com desconfiança, em 2009, sua seleção pela revista “Time” como uma das cem pessoas mais influentes do mundo. Não era nem a pessoa mais influente de sua própria casa, argumentou o americano, casado e pai de dois meninos.
A reação irônica é algo reveladora sobre o autor e sobre a série que o fez merecer tal reconhecimento, “Diário de um Banana”, um dos maiores best-sellers do mundo hoje.

Aos 42 anos, com 75 milhões de livros vendidos desde 2007 –sendo 2,1 milhões no Brasil, onde estreou em 2008 pela Vergara & Riba–, Kinney conhece um sucesso que de fato não esperava.

Passou oito anos criando o “Diário” como uma obra em quadrinhos para adultos. Quando enfim conseguiu uma editora, descobriu que tinha produzido um livro infantil.

Sua criação é um híbrido de HQ com o diário de um garoto, Greg Heffley, em busca de aceitação social –uma espécie de Kevin Arnolds, protagonista da série de TV “Anos Incríveis (1988-1993), mais tímido e atrapalhado.

“Tinha ‘Anos Incríveis’ em mente quando criei o ‘Diário’, porque era sobre a realidade das crianças, mas sob o ponto de vista de um adulto”, disse o autor em entrevista à Folha, na terça-feira (21), em São Paulo.

Em sua primeira visita ao Brasil, confortável na condição de autor de infantis, Kinney visitará escolas e fará tardes de autógrafos no Rio e em São Paulo –a edição paulistana será nesta quinta (23), às 17h, na Livraria Saraiva do Morumbi.

Veio lançar “Segurando Vela”, o sétimo livro da série, que saiu no país com 200 mil cópias há menos de um mês e já vendeu 42 mil delas. Isso lhe deu o terceiro lugar entre os best-sellers do site sobre mercado editorial Publishnews, cuja lista reúne todos os gêneros, incluindo adultos.

O sétimo “Diário de um Banana” fica atrás apenas de “Kairós” (Principium), do padre Marcelo Rossi, e do também infantojuvenil “A Marca de Atena” (Intrínseca), de Rick Riordan.

Pode ser um sinal de que crianças e adolescentes leem mais do que adultos –as listas infantojuvenis tendem a ter os melhores números de vendas–, mas também de que Kinney acabou abraçando parte do público adulto que imaginava inicialmente.

Sasha Grey: a ex-estrela pornô lança o seu primeiro romance

0

Entrou em mais de 200 filmes para adultos, mas nos últimos anos deu um novo rumo à sua carreira. Agora estreia-se na literatura.

1

Publicado por Público

Entrou em mais de 200 filmes para adultos, mas nos últimos anos a americana Sasha Grey, 25 anos, tem dado um novo rumo ao seu percurso.

Primeiro foi a protagonista do filme The Girlfriend Experience de Steven Soderbergh, tendo depois participado em vários projectos no universo da arte contemporânea (por exemplo, o artista plástico Julião Sarmento criou retratos dela) e lançou-se também na música com o projecto aTelecine, para além de actuar regularmente na condição de DJ pelo mundo. Faltava a literatura.

Dizemos faltava, porque acaba de lançar o seu primeiro romance, The Juliette Society, à volta de uma mulher que entra para um clube secreto, explorando os universos do sadomasoquismo. Trata-se de uma novela erótica que está a gerar enorme expectativa. Em Inglaterra diz-se mesmo que o seu livro se poderá tornar no sucessor do enorme sucesso de Cinquenta Sombras de Grey de EL James (Lua de Papel) , o livro em torno do sexo que se tornou num êxito o ano passado, vendendo pelo mundo cerca de 40 milhões de cópias.

O livro vai ter edição em mais de 40 territórios e, ao que parece, Hollywood já mostrou interesse em passar a história para o ecrã. Sasha Grey retirou-se da indústria porno há quatro anos. Agora escreve sobre Catherine, uma jovem estudante de cinema, que entra para um clube de sexo secreto. À imprensa tem dito que tentou criar qualquer coisa de muito diferente. “A maior parte das novelas desde género existem num mundo híper-fantasista, na linha das comédias românticas. Eu quis criar qualquer coisa que as pessoas pudessem sentir que lhes poderia acontecer também a elas. O meu personagem não anda à procura do par ideal.”

No livro, sexo e violência, andam a par, o que tem gerado algumas críticas junto das poucas pessoas que já leram a obra. Mas ela defende-se: “algumas coisas podem ser vistas como ofensivas por algumas pessoas, mas é preciso entender que existe uma larga comunidade de pessoas à volta do mundo que se sente ostracizada pelas suas manias sexuais e é necessário falar disso de uma forma totalmente aberta”, justificou.

Saiba quais são os clássicos da literatura que inspiraram grandes músicos

0

Debora Blezer, na revista Cifras

Livros são verdadeiras fontes de inspiração para as pessoas. Clássicos da literatura, filosofia, religião, entre inúmeros outros temas, possuem um valor inestimável para seus leitores. Como todas as artes estão ligadas, o mundo da música também é bastante influenciado pela leitura. Muitas das melhores canções da história foram inspiradas nos livros favoritos de seus compositores.

A Revista Rolling Stone fez uma seleção com os dez livros que abriram a mente de alguns artistas.

Confira e aproveite as sugestões de leitura.

Neil Young – As Brumas de Avalon

Em sua autobiografia lançada em 2012, Neil Young revela alguns de seus favoritos na música e no cinema. O cantor também fala de literatura e aponta seu livro preferido: As Brumas de Avalon, de Marion Zimmer Bradley. “Há muito neste livro que tem a ver comigo pessoalmente”, conta.

Jay-Z – The Seat of the Soul

O rapper aponta The Seat of the Soul, do norte-americano Gary Zukav, como seu livro predileto. Na obra, o autor argumenta que a alma desenvolve de acordo com o desenvolvimento dos poderes latentes de uma pessoa. Jay-Z diz ter se inspirado muito com o livro. O livro ainda não ganhou edição brasileira.

Nick Cave – O Evangelho Segundo Marcos

A influência da religião é notável na carreira de Nick Cave, e não surpreende que um de seus textos preferidos seja O Evangelho Segundo Marcos, segundo livro do Novo Testamento. Cave tem uma interpretação bastante interessante sobre o livro, dizendo que este é o único evangelho em que Cristo é mostrado comprometido com sua luta épica, em vez de só observar calado o que acontecia. Existem vários livros que analisam detalhadamente este evangelho, como este escrito por Steiner.

Mandy Moore – Um Amor Para Recordar

A cantora leu Um Amor Para Recordar, escrito pelo romancista Nicholas Sparks, ao ser escolhida para interpretar a protagonista Jamie no cinema (no filme Um Amor Para Recordar). A obra tornou-se o livro de cabeceira da cantora.

Mick Jagger – O Mestre e a Margarida

O Mestre e Margarida é um dos preferidos do vocalista dos Rolling Stones. O romance de Mikhail Bulgakov explora a visita do diabo a cidade ateia de Moscou. O livro foi um presente de Marianne Faithfull, quel Mick namorou entre 1966 e 1970, e até serviu de inspiração para a música “Sympathy for the Devil”.

Robert Smith – O Estrangeiro

O hit polêmico do The Cure, “Killing an Arab”, sempre foi associado com racismo e preconceitos contra árabes, mas a verdade é que Robert Smith quis reunir os melhores momentos de angústia espiritual capturados pela obra O Estrangeiro, de Albert Camus, um de seus livros prediletos. A canção não integra mais o repertório do The Cure e nem foi inclusa nas reedições especias do álbum.

Beyoncé – Waiting to Exhale

Seu livro de cabeceira é Waiting to Exhale, de Terry McMillan, cuja adaptação para o cinema ganhou o título de Falando de Amor. É um livro sobre amigas que perdem a esperança em encontrar o homem de seus sonhos.

Morrissey – Junto a Grand Central Sentei-me e Chorei

Ele trabalhou em biblioteca e é completamente devoto do escritor Oscar Wilde, mas seu livro preferido é By Grand Central I Sat Down and Wept, ou em português, Junto a Grand Central Sentei-me e Chorei, de Elizabeth Smart. Trata-se de um romance no formato de poesia em prosa sobre o affair da autora com o poeta George Baker, com quem foi casada. A obra, publicada em 1945, foi considerada um clássico do gênero.

Jack White – Harpo Speaks

Para o músico, o livro que fica no topo de sua lista é Harpo Speaks, autobiografia de Harpo Marx (dos irmãos Marx) escrita em parceria com Rowland Barber. Nas palavras de Jack White: “É o melhor livro que já li, apesar de que não ser para qualquer um”. Detalhe: Harpo era o personagem que nunca falava nos filmes dos irmãos.

Cazuza – O Lobo da Estepe

Em uma entrevista para uma revista adolescente nos anos 80, o cantor brasileiro declarou que O Lobo da Estepe, de Herman Hesse, era seu livro favorito. Mais: tinha mudado sua vida. O livro conta a história de Harry Haller, um alcoólatra de cinquenta anos, intelectualizado, angustiado e que não vê saída para sua tormentosa condição. É um dos clássicos do escritor.

Go to Top