Agressões ocorreram na escola municipal Ângelo Carana, em Catanduva.
Secretaria de Educação diz ter afastado professora após denúncias.

Câmera flagra agressões dentro de sala de aula contra crianças (Foto: Reprodução / TV TEM)

Câmera flagra agressões dentro de sala de aula contra crianças (Foto: Reprodução / TV TEM)

Publicado no G1

Câmeras de segurança flagraram uma professora agredindo crianças entre três e quatro anos na escola municipal Ângelo Carana, em Catanduva (SP). Nas imagens, feitas em agosto do ano passado, a professora dá tapas e puxa o cabelo dos alunos. Em uma delas, chega a sufocar uma criança. Em outra gravação, a mesma professora bate no braço do aluno, empurra a cabeça dele contra a mesa e deixa o menino sozinho na sala no escuro. O menino se senta no chão e é puxado pelo cabelo e arrastado.

A professora que aparece nas imagens foi afastada das salas de aula, mas continua trabalhando na secretaria de outra escola municipal.

Uma mãe, que não quer ser identificada, diz que percebeu as agressões quando o filho de três anos mudou de comportamento. Ao ser questionado, ele contou que apanhava na escola. Ela chegou a conversar com a professora, que negou as acusações. Revoltada, a mãe registrou o caso na polícia e comunicou a Secretaria de Educação de Catanduva. Outras mães também identificaram agressões nos filhos.

Na delegacia de Defesa da Mulher a delegada responsável não quis falar sobre o caso, mas confirmou as acusações contra a professora e disse ainda que as imagens solicitadas à Secretaria Municipal de Educação chegaram há poucas semanas e o material está sendo analisado. Sobre a demora em entregar as imagens para a polícia, a Secretaria de Educação informou que, assim que recebeu o ofício, encaminhou o material. De acordo com o delegado seccional de Catanduva Pedro Artuzo, o laudo da perícia irá indicar qual o tipo de crime foi cometido pela professora.

Oito meses depois do caso ser registrado, os pais das crianças agredidas questionam a punição dada à professora. Ela foi afastada das salas de aula e agora trabalha na secretaria de outra escola municipal. A confirmação de que a professora continua trabalhando em uma escola deixou as mães indignadas.

A assessoria da Secretaria de Educação de Catanduva disse que assim que recebeu a denúncia afastou das funções a professora que aparece nas imagens.

Enquanto as investigações do caso continuam, os pais tentam superar os traumas dos filhos. Segundo a Secretaria de Educação, toda a documentação e o relato da mãe foram anexados num processo administrativo interno e no processo civil, que estão em tramitação. A Secretaria disse ainda que defende a segurança e o bem estar dos alunos.