Posts tagged Quero

Enigmas matemáticos que ninguém foi capaz de resolver valem milhões de dólares

0

Publicado na Livraria da Folha

Em “Os Mistérios dos Números“, Marcus du Sautoy, professor no Instituto de Matemática da Universidade de Oxford e pesquisador da Royal Society, apresenta cinco enigmas matemáticos que, até agora, ninguém conseguiu solucionar.

Autor reúne inúmeros problemas, contando a história por trás deles (Divulgação)

Autor reúne inúmeros problemas, contando a história por trás deles (Divulgação)

“Resolver um desses enigmas não lhe trará apenas renome na matemática –trará também uma fortuna astronômica”, escreve Sautoy. “Um empresário americano, Landon Clay, ofereceu o prêmio de US$ 1 milhão para a solução de cada um desses mistérios matemáticos”.

Pode parecer estranho que um empresário arrisque uma fortuna em charadas numéricas. Porém, basta lembrar de que a ciência, a tecnologia e a economia dependem dos números para gerar riqueza. A premiação de Clay é um investimento que provavelmente trará um lucro ainda maior.

A cada capítulo do livro, um dos mistérios matemáticos é exposto pelo autor –“O Estranho Caso dos Infinitos Números Primos”, “A História da Forma Imprecisa”, “O Segredo da Sequência Vencedora”, “O Caso do Código Impossível de Ser Quebrado” e “Em Busca da Predição do Futuro”.

“Nesses cinco capítulos, quero trazer a matemática para a vida, mostrar a você parte da grande matemática que descobrimos até hoje”, diz o autor. Além dos desafios milionários, Sautoy ensina como medir o tamanho de um país, criar uma senha impossível de ser violada, a ganhar no pôquer e no Banco Imobiliário, atirar corretamente um bumerangue e falsificar uma obra do pintor Jackson Pollock.

Marcus du Sautoy também é autor de “A Música dos Números Primos”. “Os Mistérios dos Números”, publicado no Brasil pela editora Zahar, tem lançamento previsto para o dia 22 deste mês.

Promoção: “O poder dos 10 mandamentos”

2

o poder dos 10 mandamentos

Num tempo em que a liberdade e a individualidade têm sido fortemente defendidas, toda e qualquer regra, por mais benéfica que seja, é tida como uma prisão. Os Dez Mandamentos, por exemplo, são vistos por muitos como um conjunto de proibições, criadas por um Deus carrasco e dominador.

O que William Douglas revela nesta obra é uma forma diferente de olhar para a lista divina, sob um ponto de vista não só positivo, mas que demonstra o caráter amoroso de Deus. E o autor vai além, demonstrando que a obediência aos Dez Mandamentos abre as portas para relacionamentos saudáveis, equilíbrio e uma vida de paz e contentamento.

Quer você seja ateu, judeu, evangélico, católico ou muçulmano, quero convidá-lo a esquecer, durante a leitura deste livro, a ideia de que os Dez Mandamentos foram criados com uma finalidade opressora ou que são exclusivos para seguidores desta ou daquela religião. Com essa abertura, poderemos examiná-los sob um novo paradigma: como um caminho para uma vida plena.

William Douglas

Nas entrelinhas dos Dez Mandamentos é possível perceber a assinatura, o caráter, a intencionalidade, as teses fundamentais e os pensamentos subliminares do personagem mais misterioso, complexo, afetivo, discreto e, ao mesmo tempo, presente do teatro da existência: Deus. Os Dez Mandamentos promovem a liberdade responsável, a generosidade, a tolerância, a justiça social, a saúde das relações sociais, enfim, como meu querido amigo William Douglas comenta, promovem a qualidade de vida e o sucesso em seus mais amplos sentidos.

Augusto Cury

Vamos sortear 3 exemplares de “O poder dos 10 mandamentos“, o primeiro livro de William Douglas publicado pela Mundo Cristão.

Para participar é simples:

* Faça o login
* Preencha os requisitos do aplicativo abaixo

O resultado será divulgado no dia 18/7 e os nomes dos ganhadores serão conhecidos aqui no post e no perfil @livrosepessoas.

Participe! 😉

a Rafflecopter giveaway

***
Atenção:

Os requisitos são:

– Tweet about the giveaway: é só clicar no botão “twitter” que será dado RT automaticamente em seu perfil. Quanto mais vezes clicar nesse botão, mais pontos vai fazer e aumentar as chances de ganhar o livro.
– Easy entry for all Ed. Mundo Cristão fan on facebook: Clique no botão para curtir a fan page da Mundo Cristão
– Easy entry for all Livros e Pessoas fan on facebook: É só clicar no botão para curtir a fan page do Livros e Pessoas
– Follow @mundocristao on twitter: É só clicar no botão para seguir o perfil da Mundo Cristão
– Follow @livrosepessoas on twitter: Basta clicar no botão para seguir o perfil do Livros e Pessoas

Escritor doa manuscritos de John Lennon à Biblioteca Britânica em troca de redução de impostos

0

Publicado por UOL

O escritor britânico Hunter Davies exibe manuscrito de John Lennon doado à Biblioteca Britânica (Yui Mok/PA/AP)

O escritor britânico Hunter Davies exibe manuscrito de John Lennon doado à Biblioteca Britânica (Yui Mok/PA/AP)

O escritor britânico Hunter Davies, autor da única biografia autorizada sobre os Beatles, doou uma coleção de manuscritos e cartas de John Lennon que incluem as letras originais de “Strawberry Fields Forever” e “She Said She Said” para a Biblioteca Britânica, acervo nacional do Reino Unido.

A doação foi a primeira sob as regras de uma nova programa cultural britânico no qual pessoas são encorajadas a doar documentos em troca de uma redução nos impostos devidos ao governo. As informações são da BBC.

Davies afirmou que a Biblioteca Britânica é a “casa perfeita” para as letras de Lennon. O ministro da Cultura do Reino Unido, Ed Vaizey, afirmou que a “incrivelmente generosa” doação é um “testamento para a forte cultura de filantropia” no país.

Uma verba de 30 milhões de libras (cerca de US$ 45 milhões) está disponível atualmente para o novo programa, iniciado em março, e que permite aos contribuintes participantes reduzirem em até 30% o valor de impostos devidos num prazo de cinco anos.

A estimativa é que Davies vá reduzir em US$ 480 mil dólares o valor que deve pagar em impostos à Receita britânica.

Carta de John Lennon vai para Biblioteca Britânica após ser doado pelo escritor Hunter Davies

Carta de John Lennon vai para Biblioteca Britânica após ser doado pelo escritor Hunter Davies

“Quero que minha coleção dos Beatles seja mantida unida, em um único lugar, e em exibição pública, e a Biblioteca Britânica é a casa perfeita para isso”, afirmou o escritor, de 77 anos. “Estou realmente contente de que o novo programa tenha me ajudado a conseguir fazer isso”, completou.

O autor recebeu os manuscritos diretamente de Lennon, de quem ficou amigo nos anos 60, e os colecionava desde então.

Promo de quinta (5)

16

promo-de-quinta-mob-publishnews

“Nada jamais continua, tudo vai recomeçar!”
Mario Quintana

Olá, fissurados em livros.

A semana está passando rapidamente e já é quinta-feira, dia de 2 felizardos ganharem livros superlegais, presente do PublishNews e do Livros e Pessoas, dupla mais afinada que muitas sertanejas. 😛

A editora que vai participar hoje com a gente é a Objetiva e o livro escolhido foi o lançamento Livre – A jornada de uma mulher em busca do recomeço. Toda trabalhada na generosidade, a galera de lá mandou 2 kits com livro + mochila + squeeze. #todasquer

Olha só o que a Oprah Winfrey disse sobre essa obra:

“Eu amo este livro. Quero gritar isso do topo de uma montanha. Quero gritar na internet. Amo tanto e quero tanto falar sobre ele que decidi reinventar meu clube do livro.”

 

Hoje vamos fazer diferente. Para concorrer, basta deixar um comentário neste post dizendo algo que você deseja recomeçar ainda neste ano. Essa demonstração de coragem e de disposição certamente vai inspirar outras pessoas a compor novas páginas na aventura da vida. #natorcida

No final da tarde divulgaremos os nomes dos internautas sorteados. Boa sorte! :-)

Big abraço

 

***

Parabéns: Pamela Pecegueiro e Ro Angarten :-)

Lygia de todas as letras

0

Às vésperas de completar 90 anos, a escritora faz das memórias uma contínua celebração da vida e lembra sua trajetória sempre marcada por ‘vocação e paixão’

1

Mariana Timóteo da Costa, em O Globo

Lygia Fagundes Telles mora quase na esquina da rua Oscar Freire, em São Paulo. Sai pouco de casa mas, quando sai, gosta de conversar com leitores, a quem chama de cúmplices, adora quando eles vêm lhe tomar satisfação sobre um personagem. De quando em vez, janta fora com amigos. Vai quase toda semana ao chá da Academia Paulista de Letras. À Academia Brasileira, no Rio, vai pouco agora, porque anda de birra com aviões e aeroportos, “muitos cheios e apertados”. É avó duas vezes, de Lúcia e Margarida; bisavó de Marina e ainda fuma cigarro “quando dá aquela saudade”. Lygia é, sobretudo, escritora (acima, ela lê trecho do conto “A disciplina do amor”). Considerada uma das melhores ficcionistas brasileiras, autora de romances como “As meninas” e “Ciranda de pedra”, entre outros clássicos, gosta de “lutar com as palavras”, como dizia o amigo Carlos Drummond de Andrade. E comemora 90 anos no próximo dia 19 sem nunca ter parado de escrever, desde menina. Inéditos? Sim, ela tem. Festa? Não, ela não quer chá especial na Academia, nem vai ao Rio para as homenagens que acontecerão dia 18 no Instituto Moreira Salles (IMS), para onde doou seu acervo em 2004. Lygia, no entanto, agradece o carinho.

— Tenho birra de aniversário desde os 10 anos, quando já escrevia e minha mãe me preparou uma festa linda. Minhas amigas não apareceram. Eu era “alucinadote”, esqueci de dar os convites e só descobri quando a festa já tinha começado. Aniversário é uma data boa quando se é jovem. Depois da velhice brutal, chega, não quero mais.

O encontro acontece em seu apartamento. Quem lê assim esta frase, logo no início da conversa, pode achar que Lygia entristeceu. Bobagem. A “velhice brutal” é dita repleta de doçura, com um sorriso largo no rosto (“A Clarice Lispector, que quase nunca sorria, dizia para eu rir menos se quisesse ser levada a sério, mas não adianta, sou risonha mesmo”).

As frases vêm acompanhadas de presentinhos. Lygia oferece fotos, de 1941, com as amigas de da Faculdade de Direito do Largo São Francisco (“éramos poucas e todas virgens, acabei me casando com um professor”, conta, lembrando sua união com Goffredo da Silva Telles Júnior, da qual nasceu seu único filho, Goffredo Neto, morto em 2006). Distribui, com dedicatória, seu livro preferido, “A disciplina do amor” (Companhia das Letras), reeditado com carinho por ela mesma em 2010 — além de vários recortes com textos seus e do segundo marido, o cineasta Paulo Emílio Sales Gomes. Lamenta não ter para dar a cópia de uma em que aparece, com Paulo Emílio, no túmulo de Karl Marx no Cemitério de Highgate, em Londres. A imagem foi capturada pelo jornalista Vladimir Herzog, em 1970, cinco anos antes de ele ser morto pela ditadura.

— O Paulo (fundador da Cinemateca Brasileira e morto em 1977) era comunista, amava o Marx, odiava o Getúlio Vargas. Quem me deu esta foto foi o filho do Herzog (Ivo) há pouco tempo. Guardarei para sempre.

Mesmo sem querer festa, Lygia usa a data para lembrar a vida. Tudo passa por “vocação e paixão”, expressão que repete sempre. São as memórias que a alegram, a fazem produzir e, especialmente, afastam qualquer medo da morte.

— Penso nos meus mortos, se vou estar com eles ou não.

Os mortos de Lygia já estão o tempo todo com ela, que não guarda datas porque, como já escreveu, “veio o vento e soprou o calendário”, mas conhece a riqueza dos detalhes. Ela quase não lê coisa nova, prefere reler Drummond, Manuel Bandeira, João Cabral e Melo Neto e Guimarães Rosa, que “me fazem companhia, gosto deles e não me esqueço”. As lembranças. Com Paulo Emílio, por exemplo, descobriu Pasárgada.

— Eu amava o poema do Manuel Bandeira, achava lindo e dizia para ele: que bom que você inventou essa Pasárgada! E ele me dizia: “Lygia, mas ela existe”. Eu não acreditava, até que eu e Paulo fomos ao Irã e a visitamos (a cidade da antiga pérsia). Voltei para o hotel e mandei logo um cartão para o Manuel: “Manuel, tinha Pasárgada mesmo!”. Sempre fui um horror em geografia.

1

Com a amiga Clarice Lispector se divertiu num encontro literário em Bogotá. Imitando a língua presa de Clarice, Lygia conta que as duas fugiam para “beber e fumar” pelos bares colombianos.

— Clarice ficava louca com as esmeraldas colombianas, saíamos de braços dados pela Colômbia. Uns meninos ofereciam umas coisas para a gente na rua e a gente dizia: “Já somos loucas pela nossa natureza, não precisamos de nada mais”.

Clarice, aliás, é autora de um dos muitos eloquentes elogios feitos a Lygia ao longo de sua trajetória. “Com Lygia há o hábito de se escrever que ela é uma das melhores contistas do Brasil. Mas, do jeitinho como escrevem, parece que é só entre as mulheres escritoras que ela é boa. Erro: Lygia é também entre os homens escritores um dos escritores maiores”, escreveu Clarice certa vez. (mais…)

Go to Top