1

Amanda Leonardi, no Literatortura

Escrever sempre foi algo bem peculiar e muitos se perguntam e repetidamente tentam responder a si mesmos de diversas formas o porquê da escrita literária. Afinal, por que escrevemos? A resposta para tal questão sempre pode mudar, talvez por poder ser várias respostas, talvez por ser uma razão viva, em constante desenvolvimento, portanto nunca determinada. Por que se escreve então? Para contar histórias? Talvez, também por isso. Para expressar nossa visão política, teorias filosóficas, reflexões metafísicas? Também, claro! Entretanto, nem toda escrita é igual, assim como nem todo escritor é igual – nenhum é igual, na verdade. Sim, isso é um pouco óbvio, mas é preciso relembrar que, apesar de escritores poderem ter estilos semelhantes (escritores de teatro, comédia, drama, romance, terror, suspense, poesia romântica, poesia parnasiana, etc), cada um escreve de um jeito próprio. Sim, no começo podemos absorver algo do estilo daqueles que mais lemos, de forma que nossa voz soe um pouco semelhante às de nossos autores mais lidos, assim como a voz de um jovem pode começar a soar como as vozes de seus pais.

Porém, depois de muita leitura e escrita, o escritor consegue encontrar a própria voz. E tal voz nunca é a mesma – mudamos sempre, portanto, não funciona assim: “hoje encontrei o meu estilo de escrita e vou escrever sempre dessa forma, agora resolvi que vai ser assim”, não! Escrever é como respirar, como sangrar, como nascer ou morrer dentro das palavras. A escrita é algo vivo que corre nas veias como sangue. O escritor renasce a cada palavra escrita, a cada texto encontra uma nova versão de si, um ângulo novo de sua alma. Por isso escrever é tão único – é o que nos torna o que somos, pois nos transforma à medida que nos descobrimos nas palavras. É um reflexo da essência do subconsciente que se joga no papel quando escrevemos. É construir um espelho com as palavras, ou uma estrada que leve a algum lugar antes invisível. Escrever pode ser muitas coisas, tudo ao mesmo tempo. Pode ser uma forma de se perder, de esquecer-se de si mesmo, de seus dilemas e apreensões, ao mesmo tempo em que pode ser a melhor forma de tentar resolvê-los, tentando encontrar a si mesmo em meio às letras que surgem no papel pelo impulso da escrita.

Palavras podem funcionar como sóis em formas linguísticas, estrelas feitas de letras que clareiam os cantos mais obscuros dos universos de nossos pensamentos. Algumas vezes tornam tudo tão perfeitamente visível que é como se o abstrato fosse sólido; palavras têm o poder de tornar a existência mais real, de tornar o efêmero algo que se pode visualizar, apesar de cada um acabar sempre o visualizando de forma distinta. É poder se guardar em palavras e depois se reencontrar, lembrar como pensava antes, repensar textos antigos, para que o escritor possa desenhar sua visão de mundo, talvez. Desenhar a alma com letras – ou algo da essência da mente humana que chamo de alma – uma forma de encontrar a própria alma, ou ir construindo-a letra por letra. Escreve-se para existir, para desenvolver os pensamentos e conversar com o próprio texto, de forma que ele vai se desenrolando, vindo de um infinito de ideias o qual nem era visível antes de se iniciar um texto. É uma forma de conversar consigo mesmo, talvez, de se usar palavras como lanternas para iluminar os labirintos da própria existência – ou construir o caminho desta.

Enfim, escrever pode ser um jeito de existir mais, uma forma de se salvar, de registrar pensamentos que transbordam de uma mente em chamas ou de tentar quebrar o gelo de uma alma congelada. As letras são habitações de almas humanas, ou podem ser. São cores linguísticas para dar vida a pensamentos sonâmbulos, para preencher o silêncio, o vazio das horas. As palavras podem ser remédios para curar certas sombras nocivas à mente, dificilmente perceptíveis por psicólogos ou qualquer outro profissional da área. Escrever pode aliviar dores invisíveis, é uma forma de sangrar sem morrer ou ficar com cicatrizes, pois, sim, as palavras são mágicas e podem virar um caminho de volta à vida, como diz uma das citações que veremos abaixo.

E, claro, palavras também são meios de contar histórias e construir mundos e seres novos, feitos de letras, vírgulas e memórias. A escrita, como muitos escritores dizem, é mágica, talvez por isso tantos que adquirem o hábito de tecer pensamentos com letras nunca mais param. E talvez por isso mesmo muitos tenham até chegado a escrever diversas vezes sobre o ato de escrever e o que os motiva a tal prática, que é um dos maiores e melhores vícios de suas vidas. E o que já escreveram sobre isso? Leia abaixo 30 citações de grandes escritores sobre as razões da escrita. E, se encontrar nas citações qualquer semelhança com as idéias deste texto aqui, é porque tais palavras são, sim, inspiradas nas palavras dos grandes mestres listados abaixo. E também porque algumas das razões para escrever são universais, assim como as razões para respirar.

1. Escrever é mágico, é tanto a água da vida quanto qualquer outra arte. A água é grátis. Então beba. Beba e preencha-se -Stephen King

2. Escrever não é vida, mas acho que às vezes pode ser um caminho de volta à vida. – Stephen King

3. A vida não é um suporte para a arte. É ao contrário. – Stephen King

4. Se não escrevo para esvaziar minha mente, eu enlouqueço. – Lord Byron

5. Eu crio arte. Às vezes, arte verdadeira. E, às vezes, isso preenche os espaços vazios na minha vida. Alguns deles. Não todos. – Neil Gaiman

6. Amanhã pode ser tudo um inferno, mas hoje foi um bom dia de escrita, e em bons dias de escrita, nada mais importa. – Neil Gaiman

7. O mundo sempre parece mais interessante quando você acaba de criar algo que não existia antes. – Neil Gaiman

8. Escrever é fazer com que a vida faça sentido. Você trabalha a vida toda e talvez tenha conseguido encontrar sentido em uma pequena área dela. – Nadine Gordimer

9. Eu devo escrever tudo, a qualquer custo. Escrever é pensar. É mais do que viver, é viver conscientemente. – Anne Morrow Lindbergh

10. Não se escreve por se querer dizer alguma coisa, escreve-se porque se tem alguma coisa para dizer. – Scott Fitzgerald

11. Escreva o que não deve ser esquecido. – Isabel Allende

12. Escrever é quando vôo, escrever é quando começo incêndios. Escrever é quando tiro a morte do meu bolso esquerdo, atiro-a contra a parede e a pego de volta no rebate.- CharlesBukowski

13. Essas palavras que escrevo me protegem da completa loucura. – CharlesBukowski

14. Escrever é uma maneira de falar sem ser interrompido. – Jules Renard

15. Escrevemos porque não queremos morrer. É esta a razão profunda do ato de escrever. – José Saramago

16. No fundo, todos temos necessidade de dizer quem somos e o que é que estamos a fazer e a necessidade de deixar algo feito, porque esta vida não é eterna e deixar coisas feitas pode ser uma forma de eternidade. –José Saramago

17. Eu nem sequer gosto de escrever. Acontece-me às vezes estar tão desesperado que me refugio no papel como quem se esconde para chorar. E o mais estranho é arrancar da minha angústia palavras de profunda reconciliação com a vida.– Eugénio Andrade

18. Escrever é ter a companhia do outro de nós que escreve. – Vergílio Ferreira

19. Eu escrevo sem esperança de que o que eu escrevo altere qualquer coisa. Não altera em nada… Porque no fundo a gente não está querendo alterar as coisas. A gente está querendo desabrochar de um modo ou de outro… – Clarice Lispector

20. Escrever te dá a ilusão do controle, até que você percebe que é só uma ilusão, que as pessoas irão trazer suas próprias impressões para dentro do que você escreveu. – David Sedaris

21. Escrever é uma forma socialmente aceitável de esquizofrenia. – E.L. Doctorow

22. O papel de um escritor não é dizer aquilo que todos somos capazes de dizer, mas sim aquilo que não somos capazes de dizer.- AnaïsNin

23. Escrevemos para saborear a vida duas vezes – no momento e em retrospetiva.- AnaïsNin

24. Enquanto escritor, as palavras são a sua tinta. Utilize todas as cores.- Rhys Alexander

25. Escreva sobre aquilo que sabe e aquilo que adora. Quando nos conseguimos expor no papel, chama-se a isso boa escrita.- Joel Chandler Harris

26. Escrever é a única coisa que, quando o faço, não sinto que deveria de estar a fazer outra coisa.- Gloria Steinem

27. Se não quer ser esquecido quando morrer, deve escrever algo que valha a pena ler ou fazer alguma coisa sobre a qual vale a pena escrever.- Benjamin Franklin

28. Qualquer pessoa pode fazer história. Mas apenas um grande homem pode escrevê-la. – Oscar Wilde

29. Se tem um livro que você quer ler, mas ainda não foi escrito, então você deve escrevê-lo – Toni Morrison

30. Não há maior agonia do que carregar uma história não contada dentro de você – Maya Angelou

E você, leitor, por que escreve? Concorda com os autores citados? Não? Comente nos dizendo o que o/a leva a escrever!