Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged Redes

A nova era digital

0

1Cora Ronai, no Facebook

Um dia — que já devia ter sido ontem — todos os pais e mães terão uma conversa muito séria com os filhos a respeito da vida online. Essa conversa é ainda mais importante do que aquela clássica conversa sobre sexo da qual todos querem fugir, e deve começar cada vez mais cedo: a internet não esquece nada, e pode ser que, lá na frente, o destino profissional de uma pessoa possa ser prejudicado por uma bobagem que ela postou na adolescência. Pela primeira vez desde que o mundo é mundo, a vida das pessoas começa a ser registrada antes mesmo que elas venham o mundo, com as ultrassonografias postadas por pais orgulhosos nas redes sociais; o registro continua, implacável, pelos anos escolares, pela universidade, pelo trabalho. Uma busca das mais simples pode revelar hábitos alimentares, culturais e de consumo, amores e ódios. Nos tempos pré-internet, os humanos gozavam o benefício do esquecimento. Fomos geneticamente programados para isso, numa prova de que a natureza é sábia até socialmente: uma pessoa de 30 anos guarda muito pouco de quem era aos 15. Basta ver os cortes de cabelo e as roupas que tínhamos coragem de usar…

Mas a máquina não está só contra nós; ela está sobretudo a nosso favor. Calcula-se que, até 2025, toda a população mundial, estimada então em oito bilhões de pessoas, terá um celular em mãos — e, através dele, acesso a mais conhecimento do que nossos antepassados tinham mesmo nas melhores bibliotecas. Nunca nada se difundiu tão rápido quanto a tecnologia da informação. Apenas na primeira década do nosso século o número de pessoas conectadas à internet passou de 350 milhões para dois bilhões; os usuários de celulares saltaram de 750 milhões para mais de cinco bilhões. Estamos dando os primeiros passos num mundo radicalmente novo.

A nova era digital: como será o futuro das pessoas, das nações e dos negócios“, de Eric Schmidt e Jared Cohen (Intrínseca, 320 páginas, tradução de Ana Beatriz Rodrigues e Rogerio Durst) é uma ótima pensata sobre este mundo. Se você acha que o nome Eric Schmidt é vagamente familiar, você acha certo: ele foi o CEO do Google durante dez anos, e continua na companhia como presidente executivo; Jared Cohen é diretor do Google Ideas, e foi membro da equipe de planejamento político do departamento de estado norte americano. É muito interessante ler o que têm a dizer sobre os caminhos da tecnologia, quanto mais não seja pelos cargos que ocupam. Peter Drucker disse, uma vez, que a melhor forma de prever o futuro é inventá-lo; pois Schmidt e Cohen estão em posição privilegiada para faze-lo.

Os dois se conheceram em Bagdá, em 2009, durante uma conferência sobre o uso da tecnologia para a reconstrução social. Nos três anos seguintes, rodaram o mundo atrás de soluções originais, e da visão, em primeira mão, do eterno jogo de gato e rato entre governos e governados. Estiveram em países como a Coréia do Norte, o Malawi, a Mongolia, o Paquistão; conversaram com todo mundo que poderia ter algo a dizer, de Julian Assange a Carlos Slim, que se tornou o homem mais rico do mundo construindo um império de telecomunicações. Não por acaso, o forte do livro está nas considerações sobre governo e rede, sobre a inesperada força que ela passou a dar ao indivíduo e sobre o que significa o poder num mundo conectado.

“A nova era digital” não é um livro para nerds — ou só para nerds: os autores até se dão ao trabalho de explicar o que é a Lei de Moore. Também não é um “page turner”, que se leia como um romance. Mas se você se interessa por tecnologia e pela internet, e quer saber como o futuro está sendo visto a partir deste ano de 2013, ele é a melhor leitura que posso sugerir.

dica do Ailsom Heringer

Por ano, 3.000 professores desistem de dar aula em SP

0

Oito professores concursados pedem exoneração da rede estadual por dia

Salários baixos e pouca perspectiva estão entre os motivos que levam professores a abandondar a rede estadual (Thinkstock)

Salários baixos e pouca perspectiva estão entre os motivos que levam professores a abandondar a rede estadual (Thinkstock)

Publicado por Veja

A cada dia, oito professores concursados desistem de dar aula nas escolas estaduais de São Paulo e se demitem. Entre 2008 e 2012, a média de pedidos de exoneração foi de 3.000 por ano. Salários baixos, pouca perspectiva e más condições de trabalho estão entre os motivos para o abandono de carreira. Os dados são inéditos e foram obtidos por meio da Lei de Acesso à Informação.

A rede estadual tem 232.000 professores — 120.800 concursados, 63.000 contratados com estabilidade e 49.000 temporários.

A fuga de professores também é registrada na rede municipal de São Paulo. As escolas paulistanas têm média de 782 exonerações por ano desde 2008. Proporcionalmente ao tamanho das redes, o índice no estado é duas vezes maior. Além disso, a capital conseguiu ao longo dos anos ampliar em 12% o número de efetivos, enquanto a rede estadual tem 10.000 concursados a menos do que em 2008.

Os docentes que abandonaram o estado migraram para escolas particulares, redes municipais ou deram adeus definitivo às salas de aula. Este foi o caso do bacharel em educação física Marco Antonio Uzunian, de 30 anos.

Apenas um ano em uma escola estadual na Vila Carrão, na zona leste da capital, foi suficiente para ele desistir. Uzunian é um dos 2.969 efetivos que pediram exoneração em 2012. “Na escola eu não conseguia tocar um projeto de verdade, não há apoio nem companheirismo”, diz ele.

Crise — Nem a estabilidade do funcionalismo público tem impedido as demissões. Formado em matemática pela Universidade Federal do Paraná, Fabrício Caliani ingressou na rede estadual em 2004 e abandonou em 2009 para lecionar apenas na rede particular. “Escolhi ser professor por vocação e faço meu trabalho bem feito. Mas o que eu ganhava não compensava”, diz ele, que dava aula em Bastos, no interior paulista.

Mesmo sem ter emprego em vista, Eduardo Amaral, de 39 anos, pediu exoneração em abril de 2012 — depois de 8 anos na rede. “Além da questão do salário, da jornada e das condições de trabalho adversas, tem o próprio dia a dia da escola. É um ambiente hostil”, afirma ele, que hoje trabalha na Câmara Municipal de São Paulo.

Professor da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (USP), Romualdo Portella considera os dados muito altos. “Temos reconhecido que a questão-chave da educação é o professor. Precisamos ter atratividade de carreira, boa formação, retenção e avaliação”, diz.

A Secretaria da Educação defendeu que o número de exonerações representa somente 1,63% do total de efetivos. Em relação à diminuição do número de efetivados, a pasta argumentou que aposentadorias, mudanças e mortes devem ser levados em conta. O governo não informou quantos concursos realizou desde 2008.

O mundo cabe em 196 livros

1

A escritora britânica Ann Morgan decidiu que durante um ano leria uma obra de cada país do globo. Criou um site, escreveu sobre a experiência e prepara-se para publicar o resultado em livro. Diz que falta traduzir mais literatura lusófona.

Hélder Beja, no Ponto Final

ann2Ann Morgan fez a lista de países que queria visitar, ajustou planos de viagem para um ano, meteu o backpack às costas e partiu em direção à estante lá de casa. Sentou-se no sofá e pôs-se a ler.

Cada um viaja como quer e, no lugar de andar por aí nas aventuras do mundo, esta escritora britânica decidiu chamar a si as histórias dos 195 países reconhecidos pelas Nações Unidas, e ainda de Taiwan. “Descobri que os meus hábitos de leitura eram muito anglocêntricos. A maioria dos livros que lia eram de escritores britânicos e americanos, nunca lia traduções”, conta a autora por email. “Decidi passar um ano a ler um livro de cada país do mundo.”

A tarefa, pode imaginar-se, não foi fácil. Aos naturais constrangimentos de tempo – era preciso ler cada livro em menos de dois dias para atingir o objectivo de cumprir tudo num ano – houve também dificuldade em conseguir encontrar títulos de vários países. As ajudas chegaram através das redes sociais e do site criado pela autora (ayearofreadingtheworld.com), com vários escritores, tradutores e leitores a facilitarem o processo.

As nações africanas de expressão portuguesa, particularmente São Tomé e Príncipe, foram um grande desafio, já que “os países africanos francófonos e lusófonos têm muito pouca literatura traduzida”. São Tomé acabou por ser uma das experiências mais interessantes de todo o processo. Confrontada com a ausência de qualquer livro de ficção traduzido para inglês, e depois de muitas dicas de cibernautas, Ann Morgan acabou por comprar uma série de exemplares de “A Casa do Pastor”, livro de contos de Olinda Beja publicado pela Chiado Editora, e por reenviá-los para vários voluntários na Europa e nos Estados Unidos da América que se ofereceram para fazer a tradução propositadamente para este projeto, dando origem ao novo “The Shepherd’s House”. “Foi uma das mais extraordinárias experiências colaborativas que alguma vez tive o privilégio de testemunhar”, diz Morgan.

De Moçambique veio uma das boas surpresas desta maratona de leitura. “Ualalapi”, romance de Ungulani Ba Ka Khosa, foi a escolha pouco óbvia de Ann Morgan, num país com outros nomes grandes e traduzidos, como Mia Couto e Paulina Chiziane. “Estava a preparar-me para ler ‘A Varanda do Frangipani’, de Mia Couto, quando recebi um comentário no site em que me diziam que devia ler ‘Niketche’, de Paulina Chiziane, porque é um cliché ler apenas Mia Couto e ela precisa de mais atenção”, conta a autora.

Influenciada pela sugestão, e com vontade de fugir aos lugares comuns, Morgan contactou a Alfama Books em busca da tradução inglesa do livro de Chiziane. Só que a tradução nunca chegara a ser terminada, apesar de existir até uma capa do pretenso livro – a editora faliu antes de publicá-lo.

Foi o editor da Alfama, Richard Barlett, quem acabou por colocar esta aventureira dos livros no caminho de Ungulani Ba Ka Khosa, dizendo-lhe que tinha uma tradução inédita de “Ualalapi”, livro que consta da lista de 100 melhores obras africanas do século XX publicada pelo Modern Library Board dos EUA. “Ter sido uma das poucas pessoas que algumas vez leu este poderoso clássico em inglês foi um enorme privilégio. Deixou-me triste pensar em tudo o que devemos estar a perder na nossa pequena bolha da língua inglesa e fiquei zangada por a literatura moçambicana, que existe numa língua tão comumente falada como o português, não ser mais traduzida e lida.”

Portugal clássico

Quando chegou a hora de ler um livro português, Ann Morgan esteve tentada a escolher um dos romances do único Nobel da Literatura das nossas letras, José Saramago, mas, mais uma vez, os conselhos dos leitores e amigos que foram acompanhando o seu projeto conduziram-na a outras paragens e a uma das obras mais curiosas de Eça de Queiroz: “O Mandarim”. “Este livro foi-me emprestado por uma mulher portuguesa que trabalhava no Guardian, onde eu também estava nessa altura. Ela soube do que eu estava a fazer e deu-me o livro. Foi um dos primeiros livros que alguém me deu para este projeto e fiquei muito sensibilizada com esse gesto de alguém que não conhecia. Foi por isso que decidi lê-lo.”

Ao conhecer as desventuras da personagem Teodoro, que viaja até à China, Morgan deu de caras com um autor do século XIX que, no entanto, “tem uma frescura na linguagem que a faz parecer muito mais recente”.

A obra lida pela escritora britânica foi na verdade “The Mandarin and Other Stories”, com outros contos de Eça a juntarem-se ao texto principal. “O Eça é divertido e experimental, e delicia ao meter-se com os leitores em certas ocasiões, desafiando-os do mesmo modo que desafia as suas personagens”, continua Ann Morgan, que espera pegar noutra obra do autor de “Os Maias”. “Provavelmente em 2020, quando der conta do acumular de todas as outras coisas maravilhosas em que fui tropeçando durante esta tentativa de ler o mundo”, brinca.

Dos outros países lusófonos, o projecto Reading the World levou a autora britânica a títulos como “A Casa dos Budas Ditosos”, do brasileiro João Ubaldo Ribeiro; “O Testamento do Sr. Napumoceno da Silva Araújo”, do cabo-verdiano Germano Almeida; “Unidade e Luta”, do guineense Amílcar Cabra; “O Assobiador”, do angolano Ondjaki; e “Crónica de uma travessia – A época do ai-dik-funam”, do timorense Luís Cardoso.

Foi aqui, no livro de Cardoso, que Ann Morgan encontrou aquilo que descreve como um dos melhores cruzamentos entre realidade e ficção. “The Crossing”, título da obra em inglês publicada pela Granta, é uma espécie de auto-biografia em que o autor hoje a viver em Portugal recorda a sua infância e adolescência. Ao mesmo tempo que torna a narrativa o mais pessoal possível, Luís Cardoso vai também pintando um fresco do passado recente muitíssimo conturbado de Timor-Leste. “Este livro é tanto sobre esquecer como sobre recordar. Enquanto o pai de Cardoso, traumatizado e exilado, molda a narrativa, o próprio Cardoso tenta reconciliar-se com as versões parciais de acontecimentos que encontra através das próprias memórias fragmentárias que tem da sua terra natal”, explica Ann Morgan. Para a autora, “The Crossing” é um livro “tocante, lírico e às vezes divertido sobre a busca de identidade numa terra que pôde apenas fugazmente ser chamada sua”. Cardoso consegue criar “uma obra de arte convincente a partir de um caleidoscópio de mudanças e de alianças pessoais e políticas”.

A grande China

Pensar em encontrar um livro das ilhas Comoro ou de Madagáscar que seja interessante e esteja disponível em inglês não pode ser uma tarefa fácil. E a certa altura percebe-se que Ann Morgan deixou cair o primeiro critério, da qualidade, para simplesmente conseguir encontrar um título que lhe permitisse seguir em frente.

No caso de nações como o Brunei e o Bahrain, o caso foi diferente: Morgan confrontou-se com histórias de escritores que, não tendo o inglês como primeira língua, decidem escrever em inglês para chegarem a maiores audiências. As insuficiências gramaticais e vocabulares encontradas em títuilos como “QuixotiQ”, de Ali Al Saeed, fizeram Morgan “valorizar ainda mais o papel das traduções”, para que escritores não se sintam compelidos a usar uma língua que não lhes é natural.

Se houve casos de escassez, houve naturalmente vários outros de fartura de opções, como por exemplo a China. “O meu conhecimento sobre literatura chinesa era praticamente inexistente, e fiquei muito feliz quando a tradutora Nicky Harman se ofereceu para me guiar por algumas opções”, prossegue Morgan. Depois de muita conversa e sugestões, a leitora escolheu “Banished!”, de Han Dong, um romance sobre uma família, a família Tao, banida da cidade de Nanjing e obrigada a recolher-se na aldeia de Sanyu no final dos anos 1960.

A trama de “Banished!” acompanha todas as mudanças na vida de uma família enredada nas teias do maoismo e “o resultado é uma narrativa comovente sobre o poder dos seres humanos para assumirem as suas identidades”, mesmo nas circunstâncias mais sombrias. “Há países como a Índia e a China onde o desafio é selecionar apenas um livro quando há tantas histórias maravilhosas por onde escolher”, conclui Morgan.

A vez de escrever

Ann Morgan não consegue eleger um livro ou um autor entre os muitos que leu, da América Latina ao Sudeste Asiático, nem mesmo entre os títulos portugueses que selecionou: “É impossível responder a isso. Direi apenas que há histórias extraordinárias e excepcionais, que mudaram a minha forma de pensar em muitos aspectos”.

Depois de um ano em que o mais importante foram a disciplina e a capacidade de dormir poucas horas para continuar a ler, a autora está agora a trabalhar no livro que reunirá todos os textos que escreveu sobre esta experiência e que será publicado em 2015. “Será uma obra sobre a minha busca e sobre explorar a ideia de leitura e de cultura mundial, e no que isso pode ensinar-nos sobre a vida e as pessoas que nos rodeiam.”

O próximo projeto de Ann Morgan mantém o espírito de partilha de conhecimento e de apelo a outras pessoas para que participem daquilo que está a fazer – tudo porque “muitos cérebros são melhores que um”. Chama-se “If Women Ruled” e pretende ser um retrato de grupos de mulheres à volta do globo, que ocupem diferentes posições e tenham diferentes papéis nas sociedades em que estão inseridas. O site já existe (ifwomenruled.com) e o lema também: “What if History was Herstory?”.

Grupo americano dono da Anhembi Morumbi compra a FMU

0

Rede Laureate negociava compra havia um ano. Valor pode ter chegado a 1 bilhão de reais

Aula de microbiologia na FMU (Divulgação)

Aula de microbiologia na FMU (Divulgação)

Publicado por Veja

Uma das instituições de ensino superior privado mais cobiçadas do mercado, a paulistana FMU, foi vendida para a rede americana Laureate, que já é dona da Anhembi Morumbi. O negócio, estimado em 1 bilhão de reais, vinha sendo costurado havia quase um ano e foi confirmado nesta sexta-feira pela FMU. É a maior transação feita no setor desde a fusão que criou, em abril, o maior grupo de educação superior do mundo, com a união de Kroton e Anhanguera.

Fundada em 1968 pelo advogado Edevaldo Alves da Silva, a FMU tem cerca de 90 000 alunos e faturamento bruto estimado para este ano de 450 milhões de reais. Embora não esteja no topo do ranking das maiores instituições privadas do país, a FMU sempre despertou o interesse dos concorrentes por ser uma marca forte no mercado de educação. Ela tem em torno de 40 prédios só na cidade de São Paulo.

Em 2008, a instituição começou uma guinada. Os donos contrataram um grupo de executivos da concorrente Uninove, entre eles Arthur Sperandéo de Macedo, para promover uma reestruturação que tirasse a rede da estagnação. A FMU, que tinha como carro-chefe o curso de direito e foi criada para atender o público das classes A e B, decidiu reduzir o preço das mensalidades em 25% para atrair alunos com renda mais baixa.

A empresa, que antes disputava universitários com instituições como PUC e Mackenzie, passou a concorrer diretamente com redes mais populares, como a Anhanguera. “Isso deixou a empresa ainda mais interessante”, disse um executivo do setor. O problema é que o dono não tinha interesse de vender. “O professor Edevaldo fazia questão de dizer que não queria se desfazer do negócio”, disse um ex-funcionário da FMU. “Mas os filhos queriam e acabaram convencendo o pai.”

A venda para a Laureate inclui todas as unidades da FMU em São Paulo: Faculdades Metropolitanas Unidas (FMU), Faculdades Integradas de São Paulo (Fisp) e Fiam-Faam Centro Universitário. A aquisição não envolve o Centro Universitário de Brasília (UniCEUB), no qual o fundador tem 50% de participação. Segundo fontes do mercado, outro potencial comprador que chegou a sondar a FMU foi o americano Apollo Group. Há anos, a empresa tem tentado entrar no Brasil, sem sucesso.

Essa é a 12ª aquisição da Laureate no Brasil. Os americanos entraram no país em 2005, comprando uma fatia da Anhembi Morumbi, do professor Gabriel Rodrigues. O negócio é visto no setor como um dos primeiros na onda de consolidação que tomou conta do segmento de ensino superior privado no Brasil nos últimos anos — capitaneada por empresas controladas por fundos de private equity. A própria Laureate, com 750.000 alunos em 29 países, tem entre seus sócios o fundo de investimento americano KKR.

Embora seja mais lenta do que as concorrentes no processo de consolidação, a Laureate já adquiriu 11 instituições de ensino superior em oito estados do país, entre elas a Business School São Paulo e a Universidade de Salvador. Só na expansão da Anhembi os americanos investiram 120 milhões de reais.

No início deste ano, a Laureate passou a deter 100% do capital da Anhembi Morumbi (até então, ela tinha apenas 51%). Na época, o presidente da Laureate Brasil, José Roberto Loureiro afirmou que novas aquisições estavam nos planos da companhia. O executivo destacou que a estratégia era buscar escolas de boa reputação em suas regiões.

Com a aquisição da FMU pela Laureate, reduzem-se as opções de grandes empresas de educação que ainda não foram compradas pelas principais consolidadoras do setor. A São Judas, também de São Paulo, é uma das mais assediadas pelos concorrentes, junto com Unip e Uninove.

Hotéis criam áreas de leitura para reter hóspedes e ganhar mais

0

Livros estão sendo colocados em áreas de destaque, como lobbies e bares, para deixar o ambiente mais confortável para seus clientes, principalmente os mais jovens

Publicado no iG

Em muitos quartos de hotel materiais para leitura se tornaram extremamente raros – abra a gaveta da escrivaninha e talvez encontre uma bíblia, ou uma edição das Páginas Amarelas. Porém, alguns hotéis estão começando a ver os humildes livros sob um novo ponto de vista, à medida que buscam novas formas de convencer os hóspedes, especialmente os mais novos, a passar mais tempo nos lobbies e bares.

Cada vez mais, os hotéis guardam livros em áreas de destaque, realizando encontros e leituras com a presença dos autores. Embora a tendência tenha surgido em hotéis-butique, hotéis como o Library Hotel, em Nova York; o Heathman Hotel, em Portland, Oregon; e o Study at Yale, em New Haven, Connecticut estão espalhando a ideia pelas redes.

Daniel Rosenbaum/The New York Times
Hóspedes em um espaço reservado para leitura com livros sobre presidentes e esportes no hotel Renaissance, em Washington

Para essas redes, uma biblioteca – ou, ao menos, a impressão de uma – permite que o lobby passe de um lugar formal para uma atmosfera mais caseira, algo que clientes mais jovens sempre procuram. Adam Weissenberg, vice-presidente dos grupos de viagem, hospitalidade e lazer da Deloitte, afirma: “Minha impressão é a de que isso está relacionado a uma mudança no público”. E acrescenta que “viajantes mais jovens querem fazer parte da comunidade”.

Assim como qualquer outra mudança em um hotel, sempre existe a questão financeira. A receita com os quartos subiu 6,3% em 2012, comparada com o ano anterior, mas o faturamento com comida e bebida subiu apenas 2,3%, de acordo com a PKF Hospitality Research Trends.

Para os hotéis, o desafio é convencer os hóspedes a gastar mais tempo – e dinheiro – nos restaurantes e bares, ao invés de se aventurarem do lado de fora. O hotel Indigo Atlanta-Midtown, por exemplo, tem um espaço separado no lobby chamado de Biblioteca, com livros, jornais e café. O Indigo Nashville Hotel também possui uma área similar a uma biblioteca.

A Country Inns and Suites, que conta com 447 hotéis na rede, fechou um acordo exclusivo com a Penguin Random, conhecido como “Read It and Return Lending Library” (Biblioteca ‘Leia e Devolva’, em tradução livre), que permite que os hóspedes emprestem um livro em um endereço e devolvam em outro, quando voltarem a se hospedar na rede. Scott Meyer, vice-presidente sênior do Country Inns, explica que o objetivo é dar aos hóspedes – 40% dos quais estão viajando a negócios – “algo que eles não esperam”.

Desde o início de julho (uma versão desse programa havia estreado em 2001), o hotel oferece romances de Dean Koontz, Steve Berry e outros autores da Random House, além de livros infantis. Um blog corporativo mostrava um trecho do último de Koontz, “Deeply Odd”, publicado em março. Os livros de ambos os autores à disposição na rede fazem parte dos títulos mais antigos do catálogo. Berry ficou entusiasmado com a nova divulgação de seu trabalho. Ele se referiu ao método como “a forma mais simples, eficiente e despojada de colocar livros nas mãos dos leitores”.

Daniel Rosenbaum/The New York Times
Redes de hotéis estão apostando em espaços para leitura para atrair hóspedes jovens aos ambientes comuns

Em junho, o Hyatt Magnificent Mile, em Chicago, terminou uma reforma completa que inclui um bar cheio de livros e revistas, além de alguns computadores. Marc Hoffman, COO da Sunstone Hotel Investors, proprietária do hotel, conta que também levou o conceito da biblioteca para outros hotéis da rede, incluindo o Renaissance Washington, D.C., Downtown Hotel, que tem livros sobre presidentes e esportes; para o Newport Regency Beach Hyatt, na Califórnia; e o Boston Marriott Long Wharf, onde afirmou que livros sobre os Boston Celtics, sobre pesca e baseball são os mais populares. “Estamos criando espaços onde as pessoas possam relaxar”, diz.

Livrarias e sites que vendem livros para hotéis relatam um crescimento nos negócios. A livraria Strand, em Nova York, por exemplo, vende livros para o Library Hotel e o Study at Yale, bem como para hotéis em Dallas, Houston, Nova Orleans, e Filadélfia, entre outros. Jenny McKibben, chefe das contas corporativas da loja, estima que 60% das vendas para clientes corporativos são feitas para hotéis e empresas de design que trabalham para hotéis.

Segundo Jenny, antes da recessão, entre 15 e 20 hotéis ligavam todos os anos para encomendarem livros. Agora, com os hóspedes mais interessados e novas tecnologias que permitem que os hotéis confiram fotos e listas de títulos, o número de hotéis que fazem encomendas subiu para 40 ao ano. “Esse é o novo item de luxo”, afirma a respeito dos livros.

Enquanto isso, hotéis-butique tornam a experiência nas bibliotecas ainda mais personalizada. No Library Hotel, em Nova York, onde cada andar tem um número designado de acordo com o sistema decimal de Dewey e os quartos têm livros que acompanham essa classificação, foi realizado um concurso de haicais em abril para celebrar o Mês Nacional da Poesia.

Steven Perles, advogado internacional que trabalha em Washington e figurinha carimbada no hotel, não participou do concurso, mas durante uma temporada recente, refletiu sobre a escolha de local. “Os livros são parte importante do que chama a atenção”, diz, embora tenha ficado no quarto designado para as línguas eslavas e não entendeu nada do que os livros diziam. Ainda assim, ele dá uma nota alta ao hotel pelos serviços prestados

A Powell’s Books, em Portland, Oregon, fornece livros para o Heathman Hotel, que fica na cidade. Os autores que se apresentam na biblioteca ou no Arlene Schnitzer Concert Hall, e que ficam no hotel, sempre passam pelo ritual de assinar a obra mais recente e acrescentá-la à coleção do hotel. O hotel tem quase 2.100 obras assinadas pelos autores, incluindo Saul Bellow, Stephen King e Greg Mortenson. Os hóspedes podem entrar na biblioteca todas as noites.

Alguns hotéis passaram a realizar leituras com os autores. Pouco antes da segunda posse do presidente Obama, Lewis Lapham, editor da Lapham Quarterly e ex-editor da Harper’s Magazine, leu trechos do livro “A Presidential Miscellany”, de sua autoria, no Saint Regis Hotel, em Washington.

O Algonquin Hotel, em New York, deseja tirar proveito de sua rica história literária, enchendo uma das suítes com livros da editora Simon & Schuster. Em uma noite recentemente, mais de 125 pessoas se reuniram no lobby principal do hotel para ouvir Chuck Klosterman, jornalista, ensaísta e colunista de ética do “The New York Times”, para a leitura do livro ” I Wear the Black Hat “, publicado pela Simon & Schuster.

Hoffman conta que os livros do hotel poderiam se tornar souvenires. Ele explica que todos os livros tinham o nome do hotel e admitiu que alguns dos hóspedes os levavam para casa. “Desejamos que eles se lembrem da viagem, de como se divertiram, e que voltem para cá”, diz.

Go to Top