Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged Regime Militar

O ‘Poema 15’ de Pablo Neruda em 21 idiomas

0

Publicado por BBC

Pablo Neruda morreu em 1973, após o golpe de Estado no Chile

Pablo Neruda morreu em 1973, após o golpe de Estado no Chile

Há 40 anos, morria o poeta chileno Pablo Neruda, um dos mais traduzidos do mundo.

Ele faleceu apenas 12 dias a após o golpe de Estado que derrubou o presidente Salvador Allende e instaurou um regime militar no Chile, em 1973.

Neruda ganhou o Prêmio Nobel de Literatura em 1971 e sua obra é lida e recitada em muitos países de todos os continentes.

O escritor colombiano Gabriel García Márquez chegou a dizer que ele foi “o melhor poeta do século 20 em qualquer idioma.”

A BBC reuniu repórteres dos 21 idiomas nos quais transmite o Serviço Mundial para recitar o Poema 15, uma das obras mais conhecidas do poeta chileno.

Veja uma lista com dez filmes para assistir antes do vestibular

0

Professores indicam bons títulos para os últimos dias de férias

Publicado em O Globo

Que tal uma maratona cinematográfica para embalar os últimos dias de férias? Conversamos com professores de história e geografia que sugeriram ótimos títulos para quem quer aproveitar o tempo livre sem se distanciar dos estudos. Afinal, as produções recomendadas por eles estão recheadas de informações que podem ser muito úteis na hora do vestibular.

1 – “O ano em que meus pais saíram de férias”
(2006) Direção de Cao Hamburger
A lista começa com esta produção nacional que foi indicada ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro. A sugestão é do professor de História do GPI, Cesar Menezes. O filme narra a história de uma criança de 12 anos, que adora futebol e, na Copa de 1970, vê o seus pais, militantes políticos, terem que fazer uma “viagem forçada”. Como define Cesar, é uma bela e comovente narrativa sobre uma criança em meio ao duro regime militar no Brasil.

2 – “Os miseráveis”
(2012) Direção de Tom Hooper
A próxima dica do professor Cesar é para quem gosta de musicais. Este foi um dos grandes sucessos de crítica e bilheteria na virada de 2012 para 2013 em todo o mundo. O filme se baseia na obra homônima de Victor Hugo, publicada em 1862. Na trama do grande dramaturgo francês, a Paris do início do século XIX, aparece cheia de mendigos, fétida, insalubre e prestes a se rebelar contra a tirania dos reis absolutistas. “Um bom entretenimento para se compreender a história francesa, na primeira metade do século XIX”, define o professor.

3 – “O menino do pijama listrado”
(2008) Direção de Mark Herman
A trama se passa quase toda em um campo de concentração nazista, durante a Segunda Guerra Mundial. Na opinião do professor Cesar, é um filme muito interessante porque mostra os horrores do holocausto a partir da amizade entre uma criança judia e outra alemã.

4 – “Lincoln”
(2012) Direção de Steven Spilberg
Neste filme, o professor Cesar chama atenção para a primorosa atuação de Daniel Day-Lewis, no papel do presidente dos EUA, Abraham Lincoln. A história se passa na Guerra de Secessão. Na opinião de Cesar, é uma boa pedida para quem deseja conhecer a trajetória dos EUA no século XIX.

5 – “Guerra de Canudos”
(1997) Direção de Sérgio Rezende
O professor Cesar considera importante este filme que narra “um dos maiores dramas da História do Brasil, que foi a guerra de sertanejos contra as injustiças do poder público no alvorecer da República”. A trama traz como pano de fundo o drama de uma família dividida entre acompanhar Conselheiro na sua marcha ou continuar submetida à condição de miséria.

1 (mais…)

Professora afastada de colégio militar por discordar de livro didático ganha na Justiça direito de dar aulas

0

Felipe Bächtold na Folha de S. Paulo

Uma professora de história do Colégio Militar de Porto Alegre conseguiu na Justiça Federal o direito de retomar suas funções na escola após ser afastada por discordar do uso em sala de aula de um livro didático pró ditadura.

Silvana Schuler Pineda, 50, se recusou a adotar em classe obras da “Coleção Marechal Trompowsky”, em que são omitidas, diz ela, violações aos direitos humanos, assassinatos e tortura promovidas pelas Forças Armadas durante o regime militar (1964-1985).

A professora, que integra o quadro de servidores civis da instituição, foi retirada em abril das aulas do nono ano e realocada em um curso preparatório, de frequência opcional, e também em tarefas de planejamento.

Antes disso, ela diz ter feito críticas ao livro em uma reunião de professores, na qual mencionou que a Associação Nacional de História contesta o uso da obra nas escolas. Na ocasião, também pediu que a direção confeccionasse um documento reafirmando por escrito a obrigatoriedade do uso do livro didático em sala de aula.

“Passei a sofrer pressão: ou eu voltava atrás ou seria punida”, diz a professora.

Os livros da série são editados pela Biblioteca do Exército. Segundo Silvana, o golpe de 1964 é explicado como necessário para resguardar a democracia no país diante do avanço do comunismo no governo de João Goulart.

“É um colégio militar, mas não posso deixar do lado de fora meus direitos e cidadania quando entro para trabalhar”, diz ela.

A professora também vê no afastamento uma retaliação por sua atuação em uma associação de servidores civis e afirma ainda que não é a única na escola a criticar a obra.

A decisão que determinou a volta ao trabalho original foi tomada no início do mês, mas ela só reassumirá as aulas após o fim do recesso escolar de julho.

(mais…)

Educadores podem levar suas turmas a visitas ao Memorial da Resistência

0

Aulas sobre a Ditadura Militar podem ficar mais interessantes na antiga sede do Deops-SP

Memorial da Resistência fica no antigo Departamento Estadual de Ordem Política e Social de São Paulo (Deops) / divulgação

Memorial da Resistência fica no antigo Departamento Estadual de Ordem Política e Social de São Paulo (Deops) / divulgação

Publicado por Catraca Livre

Se o período da Ditadura Militar brasileira continua vivo na memória dos que sofreram com os abusos do regime, para as novas gerações, esta fase da história do país tende a perder importância conforme novos acontecimentos viram notícia.

Por isso, é papel dos educadores ensinar aos mais jovens sobre o assunto. Conhecer a história é necessário para eliminar os resquícios do autoritarismo militar e evitar que ele se repita.

Para tornar mais vivas as aulas sobre o Regime Militar, o Memorial da Resistência convida professores e outros profissionais da educação a levarem suas turmas para visitas guiadas pelo local. O museu está localizado no antigo espaço carcerário do Departamento Estadual de Ordem Política e Social de São Paulo (Deops-SP), onde eram mantidos presos políticos.

Lá estão expostos conceitos e manifestações de controle, repressão e resistência política que marcaram a época da Ditadura Militar (1964 a 1985). Também é explorado o período autoritário do Estado Novo (1937 a 1945).

Gratuitas, as visitas acontecem de terça-feira a domingo, das 10h às 17h30, e podem ser agendadas a pelos telefones (11) 3324-0943/0944. Os grupos são conduzidos por profissionais do Memorial.

No Memorial estão expostos detalhes sobre o período da Ditadura Militar / divulgação

No Memorial estão expostos detalhes sobre o período da Ditadura Militar / divulgação

“Tudo passa na Lei Rouanet”, diz Lobão em entrevista

0

Publicado por Folha de S.Paulo

Em uma hora e meia de entrevista concedida em sua casa, em Pompeia, zona oeste de São Paulo, Lobão ampliou os ataques de seu livro.

Entre diversos assuntos, disse que o país se encaminha para um novo golpe de Estado, criticou o passado da presidente Dilma Rousseff e a postura da líder brasileira na Comissão da Verdade.

Retrato do músico Lobão em sua casa na cidade de São Paulo

Retrato do músico Lobão em sua casa na cidade de São Paulo

Mais fotos aqui

Sobre o meio artístico, reclamou de nomes consagrados captarem recursos via Lei Rouanet, e disse se orgulhar de ter recusado a autorização do Ministério da Cultura para captar R$ 2 milhões. Procuradas pela Folha, as pessoas citadas por Lobão não se pronunciaram até o fechamento desta edição.

Leia os principais trechos da entrevista. (LUCAS NOBILE)

*
Presidente Dilma e a Comissão da Verdade
Ela foi terrorista. Ela sequestrou avião, ela pode ter matado. Como que ela pode criar uma Comissão da Verdade e, como presidenta, não se colocar? Deveria ser a primeira pessoa a ser averiguada. Você vai aniquilar a história do Brasil? Vai contar uma coisa totalmente a favor com esse argumento nojento? Porque eles mataram, esquartejaram pessoas vivas, deram coronhadas, cometeram crimes.

O estopim, a causa da ditadura militar foram eles. Desde 1935, desde a coluna Prestes, começaram a dar golpes de Estado. Em 1961, começaram a luta armada. Era bomba estourando, eu estava lá. Minha mãe falava: você vai ser roubado da gente, o comunismo não tem família.

Quase um milhão de pessoas saíram às ruas pedindo para o Exército tomar o poder.

Acham que a junta militar estava a fim de dominar o Brasil? Não vejo nenhum desses presidentes militares milionário. E massacram os caras.

Regime militar
Não acredito em vítima da ditadura, quero que eles se fodam. Eu fui perseguido, passei quatro anos perseguido por agentes do Estado. Por que eu tinha um galho de maconha? Me botaram por três meses na cadeia. Nem por isso eu pedi indenização ao Estado. Devo ter sofrido muito mais do que 90% desses caras que dizem que foram torturados.

Editoria de Arte/Folhapress

Editoria de Arte/Folhapress

PT
Esses que estão no poder, Dilma, Emir Sader, Franklin Martins, Genoíno, estavam na luta armada. Todos esses guerrilheiros estão no poder. Porra, alguma coisa está acontecendo! Em 1991, só tinha um país socialista na América Latina, hoje são 18. São neoditaduras pífias. A Argentina é uma caricatura, o Evo Morales, o Maduro. Vão deixar o comunismo entrar aqui? É a mesma coisa que botar o nazismo. A América do Sul está se tornando uma Cortina de Ferro tropical. Existe uma censura poderosíssima perpetrada por uma militância de toupeiras. Quem está dando golpe na democracia são eles, o PT está há dez anos no governo.

Golpe de Estado
Todo mundo fala da ditadura, do golpe militar, isso nunca esteve tão vivo. Os militares estão cada vez mais humilhados. As pessoas têm que entender que nenhum país civilizado conseguiu ser um país com suas Forças Armadas no Estado em que está a brasileira. Eles fizeram a Força Nacional, uma milícia armada, uma polícia política. Está tudo pronto para vir um golpe e as pessoas não estão vendo.

Ministério da Cultura
Se você tirar o Ministério da Cultura, o que não é sertanejo universitário morre. Eu recusei R$ 2 milhões do Ministério da Cultura para fazer uma turnê. O ministério libera tudo, e impressionam as temáticas: bandas mortas se ressuscitam para comemorar um aniversário de vida que não tem!

O próprio Barão Vermelho! Todos pediram grana [via lei de incentivo]: Barão, Paralamas.

O Gilberto Gil é o rei, um dos que mais pedem [recurso via Lei Rouanet]!

O cara foi ministro! Como é que as pessoas podem aturar isso? A Paula Lavigne é a rainha [da Lei Rouanet].

Por que os intelectuais brasileiros, diante de uma situação asquerosa como esta, ficam calados?

Tropicália
Todos esses mitos da Semana de 22 foram perpetuados por movimentos como o concretismo, o cinema novo, a Tropicália.

Sempre tive muito desinteresse pela Tropicália. Tom Zé, Jards Macalé e João Donato sempre foram melhores do que os que estão aí hoje representando o movimento, tanto o da bossa nova quanto o da Tropicália. João Donato dá de mil no João Gilberto porque ele é um puta compositor e pianista. Mas nunca tem o mérito, é tudo o pistolão, quem tem amigo, é da máfia. É conchavo o tempo todo. O Gilberto Gil, a Preta Gil, é um absurdo. Ganhou um império atrás dos benefícios do pai.

Rap
Os Racionais são o braço armado do governo, são os anseios dos intelectuais petistas, propaganda de um comportamento seminal do PT. Não acredito em cara ressentido.

Emicida, Criolo, todos têm essa postura, neguinho não olha, não te cumprimenta. Vai criar uma cizânia que nunca teve, ódios [raciais] estão sendo recrudescidos de razões históricas que nunca aconteceram aqui.

Estão importando Black Panthers, Ku Klux Klan. Tem essa coisa de “branquinho, perdeu, vamos tomar seu lugar”. Como permitem esse discurso?

Go to Top