Posts tagged Rio

Mostra sobre vida e obra de Paulo Leminski chega ao Rio

0
Paulo Leminski  em clique de João Urban Crédito: João Urban / Divulgação

Paulo Leminski em clique de João Urban Crédito: João Urban / Divulgação

Publicado no Glamurama

Depois de rodar mais de sete capitais brasileiras, a mostra “Múltiplo Leminski” abre a temporada 2016 da Caixa Cultural Rio de Janeiro trazendo vasto acervo do poeta Paulo Leminski – que morreu em 1989. A exposição, que entra em cartaz a partir deste sábado para convidados e domingo para o público, é a maior já realizada sobre a obra e a vida do escritor curitibano. São mais de mil objetos originais entre fotos, livros, pinturas, poesias, vídeos e filmes.

Com curadoria assinada por Alice Ruiz e pelas filhas do poeta, Aurea e Estrela Leminski, a mostra é resultado de anos de pesquisa e catalogação. Divididas em diversos espaços cênicos, as instalações revelam a multiplicidade do artista, que era ao mesmo tempo músico, compositor, romancista, tradutor, ensaísta, judoca e publicitário.

“Trazer esta exposição para o Rio de Janeiro é muito legal para a gente, pois a cidade tem um significado marcante na vida e obra de Paulo Leminski, não só porque ele morou na capital por duas vezes, no final dos anos 60, mas porque foi onde começou a ser jornalista e músico. Além disso, durante a década de 80, viajava frequentemente para o Rio para participar de eventos culturais, lançar livros e rever amigos e parceiros musicais”, explica Aurea Leminski.

Entre os objetos, máquina de escrever, livros escritos e traduzidos por ele, obras que faziam parte de sua biblioteca, entre elas dicionários em várias línguas, revistas, fotos, cadernos, recortes de jornais, entrevistas, cartas, poesias escritas em guardanapos, originais manuscritos e datilografados, histórias em quadrinhos, vídeos, discos e fitas cassetes.

Bibliotecas municipais do Rio de Janeiro estão abandonadas, diz sindicato

0
Acervo conta com cerca de 5 mil livros, entre literatura infantil e adulto

Acervo conta com cerca de 5 mil livros, entre literatura infantil e adulto

 

Publicado no Aqui Acontece

Apesar de a prefeitura do Rio de Janeiro ter assumido parte dos custos das bibliotecas parque da cidade até o fim de 2016, projeto do governo do estado, os equipamentos de responsabilidade do Poder Executivo municipal estão abandonados. A denúncia é do Sindicato dos Bibliotecários do Estado do Rio de Janeiro (Sindib-RJ).

Segundo a presidenta da entidade, Luciana Manta, a prefeitura sucateou o sistema de bibliotecas e transferiu os equipamentos da Secretaria de Cultura para a de Educação, além de extinguir outras.

“Caso da Biblioteca de Santa Teresa, que foi extinta de fato, mas que só não fechou as portas pela insistência da Associação de Moradores e Amigos de Santa Teresa (Amast) e pelo apoio do Sindib-RJ no movimento criado na época. Hoje, a biblioteca funciona sem verba, sucateada e sem segurança, já que não existe por ter sido extinta”.

A Secretaria Municipal de Cultura foi procurada pela Agência Brasil, mas não respondeu às ligações. No site da pasta, há uma lista de 12 bibliotecas populares do município, sendo que uma, na Gamboa, consta como fechada para obras.

A de Santa Teresa aparece na lista. A reportagem esteve no local e verificou que o lugar é pequeno, com cerca de 20 cadeiras e cinco estantes de livros, e exala forte cheiro de mofo.

O acervo conta com cerca de 5 mil livros, entre literatura infantil e adulto. A atendente informou que o local é frequentado por estudantes e moradores da área, mas que, no período de férias escolares, quando estivemos no local, não tem muita gente.

Na Biblioteca Popular Abgar Renault, localizada no interior do prédio da Prefeitura, na Cidade Nova, o acervo tem cerca de 10 mil livros e apenas uma mesa com quatro cadeiras. O local é acessado principalmente pelos funcionários da prefeitura.

Concurso e terceirização

De acordo com a presidenta da Sindib-RJ, há décadas estado e município não abrem concurso para bibliotecários. “São quase duas décadas sem concurso público para bibliotecários no âmbito da Secretaria de Educação. O Estado não abre concurso para a Secretaria de Cultura há mais de 25 anos, sem falar na pasta da Educação, que nunca fez concurso. Os bibliotecários lotados na secretaria foram do concurso para Fundação de Apoio a Educação Pública [FAEP] e, com a extinção do órgão, acabaram vinculados à SEE-RJ”.

Para Luciana, a intenção é terceirizar os serviços, como ocorre com as bibliotecas parque do estado, cuja administração é feita pela Organização Social (OS) Instituto de Desenvolvimento e Gestão (IDG). “O IDG não cumpre a lei que institui os pisos no estado e que deveria ser seguida em todos os editais para contratação de empresa prestadora de serviço. Ela aplica-se também à administração indireta, inclusive às organizações sociais contratadas pelo Poder Público. Encaminhamos ofício ao IDG, mas ainda não obtivemos resposta. O caminho será a justiça.”

Integrante do Movimento Abre Biblioteca Rio, o bibliotecário Chico de Paula questiona o modelo de gestão via OS para as bibliotecas parque. “Como o estado do Rio de Janeiro não realiza concurso para bibliotecário há cerca de 30 anos, acaba contratando uma organização social. Não vou entrar no mérito, mas o fato é que terceirizado é precário. Tanto que o governo pode não repassar a verba e, da noite para o dia, despedir todo mundo, como corremos o risco agora”.

Segundo ele, a terceirização só é permitida para atividades meio. “A terceirização nas bibliotecas parque é uma piorada. Pela legislação, somente as atividades meio é que podem ser terceirizadas. Poderia a segurança e o pessoal de limpeza, nunca os bibliotecários, jornalistas e historiadores. Mas como é contratação por uma organização social, ela terceiriza até a atividade fim.”

O IDG foi procurado e informou que apenas a Secretaria de Estado de Cultura pode se pronunciar sobre o assunto. A superintendente da Leitura e do Conhecimento da secretaria, Vera Schroeder, explicou que os profissionais que trabalham nas bibliotecas parque não são concursados justamente porque são contratados via OS.

“ Se você for estudar esse modelo de gestão via OS, pode ter crítica, achá-lo ele insuficiente ou não tão bom, mas um contrato de gestão não é um contrato de terceirização de um serviço. Muito pelo contrário, esse modelo já existe no Brasil há algum tempo. A acusação de não ter concurso para trabalhar nas bibliotecas parque é totalmente incorreta. O que deveria ser cobrado é um concurso dentro do próprio estado para contratar museólogos, bibliotecários e produtores culturais. Aí eu concordaria”, afirmou a superintendente.

Conforme Vera, o país também não consegue formar profissionais de biblioteconomia em número suficiente para suprir a demanda dos espaços de leitura do Brasil, o que acaba levando pessoas com outras formações a gerirem algumas bibliotecas, prática proibida por lei.

por Agência Brasil

Livro de Chico Buarque é rasgado e pichado em loja da Zona Sul do Rio

2

Chico6

Publicado no Jornal do Brasil

Depois do episódio no Leblon em que Chico Buarque foi hostilizado por um grupo de jovens, um homem entrou na livraria de um shopping na Zona Sul do Rio de Janeiro na manhã deste sábado (26) e pichou e rasgou um exemplar do livro “O irmão alemão”, do cantor e escritor.

Em uma das páginas do livro de Chico Buarque, a pessoa escreveu: “Petista, hipocrita (sic), ladrão de dinheiro público”. As informações foram divulgadas pelo jornal Correio do Brasil.

Na madrugada de terça-feira (22), o cantor e compositor foi hostilizado por jovens contrários ao PT na saída do restaurante Sushi, no Leblon. Apesar da agressividade dos jovens, o artista permaneceu calmo e ironizou a posição deles, dizendo que “com base na revista Veja, não dá para se informar”. Um dos agressores respondeu: “A minha opinião é a minha opinião”.

A onda de ataques fascistas tem gerado respostas. Um evento já havia sido criado em rede social em solidariedade ao cantor e compositor pelo caso no Leblon, intitulado “Rolezinho para tomar cerveja com Chico Buarque”. Na tarde deste sábado (26) o evento tinha mais de 23 mil pessoas confirmadas, e 34 mil interessados.

“Rolezinho com o Chico Buarque para dar um basta no Fascismo da direita contra o governo Dilma. Esperamos que ele compareça. Convide seus amigos…”, diz a descrição do evento.

A presidente Dilma Rousseff chegou a se manifestar publicamente na quarta-feira (23) em solidariedade a Chico Buarque. “O Brasil tem uma tradição de conviver de forma pacífica com as diferenças. Não podemos aceitar o ódio e a intolerância. É preciso respeitar as divergências de opinião. A disputa política é saudável, mas deve ser feita de forma respeitosa, não furiosa”, destacou a presidente Dilma.

“Reafirmo meu repúdio a qualquer tipo de intolerância, inclusive à patrulha ideológica. A Chico e seus amigos, o meu carinho”, completou a presidente.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva também divulgou nota, na noite de terça-feira. Para Lula, “é muito triste ver a que ponto o ódio de classe rebaixa o comportamento de alguns que se consideram superiores, mas não passam de analfabetos políticos”.

Escola carioca combate o preconceito com o ensino público compartilhando livros com moradores do bairro

0

em

Gabriela Portilho, Renata Massetti, Thaís Zimmer Martins, na Superinteressante

A SUPER viajou a convite da Fundação Lemann, realizadora da pesquisa Excelência com Equidade com apoio do Itaú BBA e do Instituto Credit Suisse Hedging-Griffo

Em meio à Barra da Tijuca, região nobre do Rio de Janeiro, alunos da Escola Municipal Rodrigues Alves seguem para uma praça com caixas de livros para distribuir. “Hoje tô sem dinheiro, filho”, diz uma moradora. “Não é venda, não. É só uma doação”, explica Pedro Henrique Barbosa, aluno do 8º ano.

A cena reflete um preconceito que o próprio programa de doação de livros foi pensado para desconstruir. “A escola pública ainda é vista como um lugar de crianças selvagens”, conta o comerciário Martin Hruby, 53, pai de Rodolpho, do 9º ano. “Mesmo em dias de calor, meu filho sai de casa com uma blusa por cima do uniforme para não ser identificado como aluno de escola pública. A gente precisa mudar isso”, diz.
Quebrando muros

O que quase ninguém sabe é que, em meio aos condomínios de luxo do bairro, está uma das melhores escolas da cidade. Avaliada no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) com nota 6,7, a Rodrigues Alvez fica acima da média das escolas particulares no Brasil. Quem frequenta as aulas, na maioria, são filhos de porteiros, empregadas domésticas e vigias que trabalham na região.

As manhãs de roda de leitura e doação de livros foram uma das iniciativas da Rodrigues para aproximar alunos e moradores e ajudar a romper as barreiras sociais ainda tão presentes no bairro e na cidade. “A ideia é que os alunos se acostumem a usufruir do espaços públicos que também são deles, e assim ampliem suas relações com a comunidade”, explica a professora de leitura Tânia Souza Lourenço.

A qualidade do ensino convenceu algumas famílias de classe média a apostar no ensino público. É o caso da tradutora Daniella Dias e do publicitário Felipe Barcellos, que decidiram juntos com a filha Lia sair do colégio particular. Antes de tomar a decisão, Daniella pesquisou pelo IDEB de diversas escolas da região, mas descobriu que nem sempre o índice é sinônimo de qualidade de ensino. “Algumas escolas têm ótimas notas no IDEB mas não são acolhedoras, ou têm dificuldades em lidar com questões sociais e emocionais dos alunos”, explica.

Na Rodrigues Alves, Lia conseguiu conciliar a acolhida com a qualidade de ensino. Atualmente, ela participa de diversas atividades extracurriculares dentro da escola como cinebooks e clubes de leitura e ainda aproveita para fazer novos amigos. Além de encontrar qualidade de ensino, Lia diz gostar de conviver com a diversidade. “Na escola particular, eu ficava muito presa a um mesmo universo.”

Com apenas 228 alunos, a Rodrigues tem turno integral. Os professores trabalham 40 horas semanais, fato incomum no ensino público brasileiro, em que 70% dos professores trabalham menos de 40 horas por semana e 46% trabalham em mais de uma instituição. O quadro de professores é pequeno, com apenas 12 docentes, e estável. A maioria deles tem cursos de especialização ou mestrado. “A grande vantagem de dessa dedicação integral é criar uma relação próxima entre os professores. Fazemos tudo juntos. Pensamos em projetos para escola mesmo no nosso tempo livre. É uma relação de trabalho e também de muita amizade”, diz a professor de biologia Amanda Regina da Fé.

Uma das disciplinas que está no currículo do Ginásio Carioca, mas que a Rodrigues Alves aprimorou, é o Projeto de Vida. A professora auxilia os alunos a planejar o futuro. Entenda:

Na diretoria, a música clássica ligada o dia inteiro dá a tônica da gestão. Com formação em Educação Física, Filosofia e Direito, Alexandre Magno Borja iniciou uma reforma administrativa em 2008, remanejando os professores descomprometidos com os resultados. “Aqui, ficaram apenas aqueles que tinham vontade de fazer uma escola melhor. Queria um time forte e aberto a novas experimentações”, explica.

Ele também reaproximou os pais da escola. Em vez das tradicionais reuniões, propôs um grande café da manhã. “Os pais têm que se sentir parte do processo, além de compartilhar ideias e soluções para os problemas da escola, que são também da comunidade”, explica.

Com a casa em ordem, a coordenação pedagógica se abriu para um novo modelo de ensino: o Ginásio Experimental Carioca (GEC). Lançado em 2011 pela Secretaria Municipal, o programa propõe turnos integrais de ensino com atividades extracurriculares, como cineclubes, oficinas de HQ, xadrez, aulas de idiomas, teatro e disciplinas de projeto de vida, que ajudam na orientação vocacional.

Em quatro anos de GEC, o IDEB da escola dobrou e os problemas de indisciplina diminuíram drasticamente. Hoje, boa parte dos alunos que sai do Rodrigues Alves ingressa em escolas concorridas e tradicionais do município, como Sesc e Pedro II. Os alunos comemoram: “É bom estudar onde se tentam coisas novas e se experimenta. Isso motiva a gente a fazer o mesmo na vida”, conclui Lia.

Crise financeira fecha bibliotecas usadas como vitrine eleitoral no RJ

0

bibiote

Ronald Lincoln, em Folha de S.Paulo

Duas bibliotecas de referência do Rio terão suas atividades suspensas a partir desta quarta-feira (25) por falta de recursos do governo estadual. O fechamento das bibliotecas-parque da avenida Presidente Vargas, no centro do Rio, e do município de Niterói vai ocorrer por tempo indeterminado.

As unidades instaladas nas favelas de Manguinhos, zona norte, e Rocinha, na zona sul, vão funcionar em horário reduzido, de 12h às 18h. Anteriormente a abertura do espaço ocorria às 11h, e o fechamento, às 19h.

A decisão foi tomada na tarde desta terça-feira durante uma reunião entre representantes do governo estadual, da secretaria de cultura e do Instituto de Desenvolvimento de Gestão (IDG), organização social responsável por administrar as bibliotecas.

A secretaria de cultura, por meio de nota, afirmou que o fechamento é reflexo da “forte retração da economia brasileira”, que “está gerando impactos significativos nas finanças de todos os estados”.

Matriz das unidades, a biblioteca da avenida Presidente Vargas passou por uma reforma que durou quatro anos, e foi entregue no início do ano passado, com 200 mil livros e 20 mil filmes. As obras custaram R$ 71 milhões.

Durante a reinauguração, o então governador Sérgio Cabral chegou a afirmar que abertura da representava “o epicentro de um novo projeto de conceito de biblioteca no Brasil”.

No período de campanha eleitoral, no fim do ano passado, o atual governador Luiz Fernando Pezão prometeu construir outras bibliotecas, chegando a 20 unidades em todo o estado. As quatro unidades foram usadas em diversos programas eleitorais do então candidato.

Agora, no entanto, as bibliotecas-parque são mais uma das vítimas da crise econômica que afeta o Rio. Nesta terça-feira, a Uerj (Universidade do Estado do Rio) iniciou uma paralisação de sete dias devido à ausência de serviços terceirizados de limpeza e segurança.

Go to Top