Posts tagged Risco

Polêmica da simplificação de clássicos da literatura chega às escolas

0
Machado de Assis é um dos autores na mira das adaptações de obras clássicas

Machado de Assis é um dos autores na mira das adaptações de obras clássicas

Versões adaptadas de Machado de Assis e outros gênios da literatura pretendem aumentar o contato de jovens com a leitura. Especialistas se preocupam com “empobrecimento” do texto

Publicado no Divirta-se

Queridos pelos professores, Machado de Assis e José de Alencar não são autores de cabeceira para a maioria dos alunos. A dificuldade de entender obras clássicas, seja pela linguagem ou complexidade das tramas, reaviva o debate sobre o uso de adaptações literárias nas escolas. Embora a ideia das versões seja incentivar a leitura entre crianças e adolescentes, especialistas se preocupam com o empobrecimento dos textos.

Na semana passada foi alvo de críticas o projeto da escritora Patrícia Engel Secco, que teve apoio da Lei de Incentivo à Cultura para adaptar obras de Machado de Assis para uma linguagem atual. Um dos exemplos, que acirrou ânimos nas redes sociais, foi a troca da palavra “sagacidade” por “esperteza”, de compreensão mais fácil. A polêmica, entretanto, não é novidade nas escolas.

Iuri Pereira, professor de Literatura do Colégio Equipe, em Higienópolis, na região central de São Paulo, é contrário às adaptações. “Geralmente a mudança reduz, simplifica a obra”, diz. “E o mais difícil de Machado, por exemplo, não é a linguagem, mas os temas, que são próprios da maturidade.” Segundo ele, uma estratégia para abordá-lo com os mais novos é usar textos menores, como os contos.

Para a aluna do 3º ano do Equipe Marina Klautau, a aversão aos livros clássicos está ligada às exigências do vestibular. “Muitos colegas acabam mais preocupados em buscar análises sobre o livro do que em ler. Eles se concentram no que é cobrado na prova”, lamenta ela, de 16 anos. “A leitura é tratada como obrigação.”

Outra barreira nos originais, segundo Marina, é o vocabulário. “Para algumas palavras, tenho de procurar o significado. Mas isso não faz com que eu perca o interesse nos livros. Geralmente as pessoas se desmotivam pelas dificuldades de entender a linguagem”, relata.

Evolução

A visita constante ao dicionário, no entanto, pode ser proveitosa. É o que garante Pedro Souza, aluno do 9º ano do ensino fundamental da escola bilíngue Stance Dual, na Bela Vista região central de São Paulo. “Às vezes uma palavra desconhecida prejudica o ritmo de leitura, mas é bom para melhorar o vocabulário. Isso você não tem no livro adaptado”, diz o adolescente, de 14 anos.

Incentivado pelos pais professores, Pedro já se aventurou além dos tradicionais Machado de Assis e Monteiro Lobato e buscou até clássicos estrangeiros. Entre os colegas, porém, o gosto pelas bibliotecas não é o mesmo e a maioria prefere versões mais simples. “Muitos na turma reclamam de textos longos”, diz. “Buscam na internet resumos e até aplicativos que fazem a leitura do livro em voz alta.”

A cobrança, afirma o professor de Língua Portuguesa André Oliveira, deve seguir o nível de maturidade da classe. “Depende da idade do aluno, que deve ter repertório para entender a obra” alerta ele, que dá aulas no Colégio Ofélia Fonseca, em Higienópolis, no centro. Segundo Oliveira, o cuidado é escolher adaptações que não descaracterizem os originais. “Uma boa versão em quadrinhos, por exemplo, serve como estímulo para ler o clássico.”

Risco de simplificar literatura é subestimar leitores

O uso de adaptações na escola serve para aproximar o texto clássico da realidade do aluno. O risco, de acordo com professores, é subestimar a capacidade do jovem de desbravar trama ou linguagem mais complexa.

João Luís Ceccantini, professor de Literatura da Universidade Estadual Paulista (Unesp), é favorável a adaptar textos antigos, como os da Idade Média ou de antes de Cristo. “Já para obras mais recentes, como as do próprio Machado de Assis, eu resisto”, afirma. “Esse texto está próximo de nós, do ponto de vista literário e linguístico”, afirma.

Outro argumento de Ceccantini é que a possibilidade de adaptação depende do tipo da obra. Para alguns clássicos, por exemplo, as adaptações permitem que os alunos conheçam a trama central, o que ajuda na construção do repertório. “Já no caso do Machado, as histórias são banais. A graça está em como é construída a narrativa.”

O escritor de livros infantojuvenis Cláudio Fragata explica que a adaptação bem feita exige um entendimento cuidadoso da obra e do público-alvo. “Tento buscar um viés que interessa ao jovem de hoje para conduzir a narrativa”, diz ele, que já adaptou obras de autores estrangeiros, como o francês Júlio Verne. “O texto original, para quem não está acostumado, é chato”, diz. “A adaptação ajuda a criar a prática de leitura.”

Dificuldades

Vera Bastazin, coordenadora do Programa de Pós-graduação em Literatura e Crítica Literária da Pontifícia Universidade Católica (PUC-SP), diz acreditar que o uso excessivo de versões revela a falta de intimidade dos professores com os clássicos. “A adaptação, muitas vezes, não é para o aluno, mas para quem dá aulas. A maioria dos professores não tem preparo e hábito de leitura”, alerta.

Outro problema, segundo ela, é que há muitos projetos de governo que usam as adaptações com visão simplista. “Ao reduzir o tamanho e facilitar a obra, entende-se que todo mundo vai gostar de ler. Isso é uma ilusão.”

10 Momentos em que se torna impossível ler livros

1

Douglas Eralldo, no Listas Literárias

Ok. Somos fãs dos livros e da leitura, mas existem determinados momentos que o prazer de ler um livro se torna praticamente impossível, e por mais que tentamos, a leitura não prossegue. Hoje o Listas Literárias publica 10 momentos em que dificilmente você será capaz de ler um livro:

1

1 – Dor de Cabeça: Pois é, não é só no momento de “namoro” que as dores de cabeça podem se tornar um grande vilão. Para quem gosta de ler, dores de cabeça também são um “empata leitura”, pois é praticamente impossível conectar-se a uma leitura em casos de dor de cabeça;

22 – Em Estrada Esburacada: Todo leitor aproveita cada momento para dedicar-se aos livros, por isso eles sempre nos acompanham durante as viagens. O problema é quando se trafega por estradas esburacadas, aí ou escolhemos salvar nossas pupilas sem correr o risco de deslocá-las, ou adiamos a leitura. E não vá pensando que isso aconteça só em estradas interioranas, esse Brasil tem uma boa quantidade de rodovias inimigas da leitura;

3 – No Rala e Rala: Não que eu pense que alguém já tenha tentado, ou faça (afinal os gostos são sempre surpreendentes, assim como a utilidade dos livros), mas certamente esse não é o melhor momento para ler livros;

4 – Vizinhos Funkeiros: Nada contra o exótico gosto de nossos amigos funkeiros, mas o problema é que não basta para eles gostar de funk, e como se estivessem no Facebook os danadinhos compartilham, quase sempre com um “puta som” seja na caranga, no buzão, ou no apartamento ao lado. Duvido alguém se concentrar na leitura com a risada do Mister Catra no último volume;

35 – Problemas de Visão: Esse é realmente complicado. Eu mesmo passei por isso antes de diagnosticar a necessidade de usar óculos. Se você não sabe que possui problemas de visão, e ainda assim insiste em ler livros chega um momento que isto se torna quase impossível. As palavras não se conectam, e como um imã em repulsão, os livros se distanciam de você;

6 – Na Feira: Você até pode ver leitores em locais públicos, inclusive em bares ou restaurantes, mas quero ver alguém encontrar alguém lendo no meio da feira. Certamente os constantes gritos com o preço do tomate e da cebola não contribuem para a concentração na leitura;

7 – Na hora do Futebol: Olha até acredito que as meninas consigam abandonar as novelas (alias os livros são melhores que elas mesmo) para a leitura de um livro, mas isso jamais, jamais acontecerá com os meninos. A fidelidade ao horário do futebol é tamanha, que se torna impossível ler naquele momento, independente do jogo que esteja passando na tevê;

8 – No Meio de um Bombardeio: Esse item entrou na lista porque dia desses selecionamos 10 imagens de soldados lendo durante o descanso no front. Agora imagina “as bombas pegando” o quão alto seriam jogados aqueles livros na correria;

9 – No meio da “DR”: Não que isso seja impossível, na verdade o que quero aqui é proteger a integridade física dos leitores do Listas Literárias. Certamente mergulhar em uma leitura durante uma discussão de relação seria um ótimo escape, além de tentador, mas isso, guardem bem, não é nem um pouco aconselhável;

10 – Quando Você Não Está Afim: Como eu disse o hábito da leitura é um prazer, um prazer que não nos ensinam na escola, pois lá esse hábito geralmente é uma obrigação. Mesmo aquele leitor mais dedicado tem dias que não está a fim de ler nada, eu mesmo as vezes passo por esses dias. Por isso não force, se naquela hora, ou naquele dia não estiver afim, simplesmente não leia;

As 20 editoras mais populares no Twitter (24)

0

1
Ontem (4/8) foi aniversário do stalker Barack Obama. A primeira-dama Michelle Obama usou o Twitter para desejar “happy birthday” ao marido. Bill Clinton também usou o microblog para cumprimentar o presidente. Ao que se sabe, nenhuma loira sensual colou na área para cantar “Happy Birthday, Mr. President” como a diva MM.

O Twitter é uma espécie de “autobahn da comunicação”, na qual as informações trafegam sempre em altíssima velocidade. Trafegar em velocidade baixa nesse ambiente geralmente significa alto risco. #cuidado

Vamos conferir como anda a tabela de classificação. A Gutenberg ultrapassou a Saraiva e agora ocupa a nona posição. A Leya também ganhou uma posição e está em 16º lugar. Pra completar as mudanças, a Nemo estreia na lista na vigésima posição.

Pé na tábua e daqui a um mês a gente mostra novamente o desempenho de cada bólido. 🙂

Ranking Julho

#1: 59.300 Intrínseca @intrinseca

#2: 53.900 Companhia das Letras @cialetras

#3: 51.200 Mundo Cristão @mundocristao

#4: 42.000 Editora Sextante @sextante

#5: 40.600 Editora Rocco @editorarocco

#6: 37.100 Galera Record @galerarecord

#7: 36.900 Editora CPAD @EditoraCPAD

#8: 33.000 Editora Novo Conceito @Novo_Conceito

#9: 32.100 Editora Gutenberg @Gutenberg_Ed

#10: 32.000 Editora Saraiva @editorasaraiva

#11: 30.000 Cosac Naify @cosacnaify

#12: 27.300 Editora Autêntica @Autentica_Ed

#13: 27.100 Editorial Record @editorarecord

#14: 25.400 L&PM Editores @LePM_Editores

#15: 24.000 Editora RT @revtribunais

#16: 22.600 Editora Leya @EditoraLeya

#17: 22.500 Casa Publicadora @casapublicadora

#18: 19.700 Suma de Letras @Suma_BR

#19: 18.900 Ultimato @ultimato

#20: 17.200 Editora Nemo @editoranemo

Ranking atualizado em 5/8

Aluna pode ter visão comprometida por causa de trote na escola

0

Estudante de 14 anos foi atingida por um ovo no olho direito, enquanto deixava o colégio, em Porto Alegre

Estudante precisou assumir uma dura rotina de medicamentos e cuidados Mauro Vieira / Agência RBS

Estudante precisou assumir uma dura rotina de medicamentos e cuidados Mauro Vieira / Agência RBS

Publicado em O Globo

Caso ganhou visibilidade na internet após desabafo da mãe da adolescente no Facebook

RIO – A estudante Isabela Hartmann Rost, de 14 anos, corre o risco de ter a visão comprometida após ter sido atingida por um ovo no olho direito, durante um trote na porta do Colégio Anchieta, escola tradicional de Porto Alegre (RS), onde estuda. Ela se preparava para entrar no carro do pai quando foi alvo da ação de um aluno do terceiro ano do ensino médio da mesma instituição. Atividade mais frequente nas turmas de primeiro período do ensino superior, o “trote” é uma ação comum entre os estudantes da região no início do ano letivo, de acordo com a Anchieta.

O episódio ganhou visibilidade na internet desde que a mãe de Isabela, Claudia Hartmann, passou a publicar desabafos no Facebook. Em um dos textos, ela conta que a garota tem agora uma nova rotina, nada agradável, na qual precisar ir, diariamente, ao banco de olhos da cidade ou ao oftalmologista para medir a pressão ocular. Além disso, a menina apresenta quadros de ansiedade por temer não voltar a enxergar como antes. Tanto que, logo ao acordar, pela manhã, procura logo um espelho para verificar se houve melhora no olho machucado, que permanece com sangue coagulado.

Os posts da mãe são compartilhados por colegas e internautas e já receberam comentários que ironizam ou minimizam a situação. Em resposta, na tarde desta quarta-feira (13), Isabela pediu à mãe para digitar um texto seu, já que ela não pode ficar diante do computador:

“Eu não acho esses trotes uma atitude legal, e sei que por ter essa opinião muitos poderão vir me chamar de chata, careta. Mas é que notei os riscos dessa brincadeira (…). A minha visão piorou, porque estou com o olho bem inflamado. (…) os anti-inflamatórios aumentaram, ainda tem o risco de descolamento de retina tardio”, diz a garota, em um trecho do post.

O presidente do Sindicato dos Estabelecimentos do Ensino Privado no Estado do Rio Grande do Sul (Sinepe-RS), Osvino Toillier, adiantou que o assunto será debatido com as escolas na próxima segunda-feira, durante uma reunião. Segundo ele, o objetivo será buscar maneiras de evitar episódios semelhantes, por meio de uma atuação compartilhada entre pais, professores e alunos.

— Sabemos que os adolescentes têm, muitas vezes, atitudes inconsequentes. Então, precisamos encontrar maneiras para evitar que cheguem até incidentes como este — disse, pontuando que o episódio é visto como um caso isolado pela entidade.

A direção do Colégio Anchieta ainda não localizou o aluno responsável pelo “trote” e informou, em nota, que ainda avalia as providências que serão tomadas.

Leia a íntegra do comunicado da escola:

“Diante do ocorrido entre um aluno do terceiro ano do ensino médio e uma aluna de série inferior, o Colégio Anchieta está tomando as providências cabíveis preconizadas pelo seu Regimento Interno. O fato, sem dúvida, é profundamente lamentável e inaceitável. As avaliações que estão sendo feitas pela Direção e o Serviços terão como balizamento os princípios e valores da instituição, em geral, e a proposta da Convivência Escolar, em particular, que se pauta por um adequado convívio social. Agredir um colega sempre é um desrespeito aos princípios da convivência humana em qualquer lugar, sendo merecedor dos procedimentos cabíveis que se aplica”.

Médicos da Inglaterra vão receitar livros de autoajuda

0

Publicado no Boa Informação

Médicos da Inglaterra vão prescrever livros, além de medicamentos, para pacientes com ansiedade e depressão.

Numa iniciativa endossada pelo governo e que tem o apoio de associações médicas, médicos vão encaminhar pacientes a bibliotecas em busca de uma série de títulos de autoajuda voltados a pessoas com problemas de saúde mental entre leves e moderados.

Os pacientes também estão sendo encorajados a buscar o que a revista “The Bookseller” descreve como “romances e livros de poesia edificantes ou inspiradores”.

Destacando a capacidade terapêutica da literatura, a organização Reading Agency (que promove a leitura no Reino Unido) citou pesquisas indicando que ler reduz os níveis de estresse em 67%.

A entidade –que é parceira do programa “Livros sob Receita”, anunciado no início deste mês– disse que, de acordo com o “New England Journal of Medicine”, a leitura reduz o risco de demência em mais de um terço.

PRESCRIÇÃO MÉDICA

A lista dos 30 títulos de autoajuda que estarão disponíveis sob receita a partir de maio inclui obras como “The Feeling Good Handbook” (manual para se sentir bem), “How to Stop Worrying” (como deixar de se preocupar) e “Overcoming Anger and Irritability” (superando a raiva e a irritabilidade).

“Há evidências crescentes de que obras de autoajuda podem beneficiar quem tem problemas de saúde mental”, disse Miranda McKearney, diretora da Reading Agency.

Os doentes frequentemente recorrem à internet para buscar orientações às vezes pouco confiáveis sobre sintomas e curas. Agora os médicos poderão emitir uma receita com a qual os pacientes ganharão inscrição imediata em sua biblioteca local e acesso a títulos recomendados.

É a primeira iniciativa de biblioterapia a ganhar apoio oficial de autoridades de saúde e bibliotecas.

Os responsáveis por campanhas de promoção de bibliotecas públicas aplaudiram o programa, mas acham que não está sendo feito o suficiente para proteger as próprias bibliotecas. Duzentas instituições foram fechadas no ano passado, e outras 300 correm o risco de fechar ou de ser entregues aos cuidados de voluntários neste ano.

(mais…)

Go to Top