Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged Romênia

Escrever livros para reduzir pena vira moda entre corruptos romenos

0

401132206252_615x300

Raúl Sánchez Costa, no UOL

Bucareste, 11 nov (EFE).- Escrever livros virou moda entre políticos e empresários que cumprem pena por corrupção na Romênia, uma medida que, além da inspiração literária, está ligada à lei penitenciária que diminui 30 dias de pena por cada obra publicada.

“Alianças matrimoniais na política dos príncipes romenos de Valáquia e Moldávia” e “Franquias versus Gestão na Indústria Hoteleira” são alguns dos mais de cem títulos que esta possibilidade propiciou nos três últimos anos e representou, no total, uma redução de pena de 2.700 dias.

Nos últimos sete anos, foram registrados apenas 20 livros escritos nas prisões, segundo dados divulgados à Agência Efe pela Administração Nacional de Prisões.

O escritor atrás das grades mais ativo é, sem dúvida, o empresário George Copos, ex-proprietário do clube de futebol Rapid de Bucareste, que cumpre uma pena de quatro anos por sonegação fiscal. Graças a obras sobre história romena e economia, todas de duvidosa qualidade, sua pena foi reduzida em cinco meses.

Outro preso, que ficou famoso com quatro obras durante os dois curtos períodos que passou atrás das grades foi o ex-primeiro-ministro social-democrata Adrian Nastase, condenado por financiamento ilegal de seu partido em 2012 e depois por suborno em 2014.

A lei romena que permite isto – única na Europa, segundo a Procuradoria Anticorrupção – não contempla nenhum limite de obras que podem ser publicadas para reduzir as penas, nem extensão das mesmas.

Todos os presos, independentemente da natureza de seu crime, podem na teoria se beneficiar desta vantagem penitenciária. Basta apresentar uma solicitação à administração penitenciária, que pode ou não conceder autorização.

A única condição é que estes livros, de conteúdo acadêmico ou científico, mas não literário, sejam publicados por uma editora reconhecida pelo Ministério da Educação.

“Se você escreve um, dois ou três títulos, então sua pena se reduz em 30, 60 ou 90 dias”, explicou em declarações à Efe em Bucareste Ion Cazacu, advogado de defesa de George.

Perante a recente avalanche de publicações surgiram disputas entre a Promotoria anticorrupção e os centros penitenciários que têm o poder de aprovar a redução das penas.

“Houve casos nos quais um promotor se opôs, mas o juiz aplicou a lei ao mostrar que está correto que o preso em questão possa se beneficiar da redução de pena”, lembrou o advogado.

“A Comissão Penitenciária é a única que decide se o trabalho cumpre as condições”, explicou Cazacu.

Outro dos beneficiados desta lei foi o ex-jogador do Barcelona e da seleção romena Gheorghe Popescu, que saiu recentemente da prisão. Um tribunal concedeu a ele liberdade condicional após passar um ano e oito meses na prisão por fraude fiscal e lavagem de dinheiro. O juiz avaliou que Popescu escreveu vários livros enquanto estava na prisão, um deles sobre o ensino do futebol nas escolas do país.

Entre as obras mais controversas escritas em uma prisão romena está uma de Sorin Ovidiu Vantu, um magnata dos meios de comunicação e fundador de um esquema piramidal fraudulento. Ele escreveu um livro sobre os vazios legais que lhe permitiram enriquecer após a queda do comunismo em 1990.

Já o excêntrico proprietário do Steaua Bucareste, Gigi Becali, soltou a imaginação com um livro sobre a espiritualidade cristã ortodoxa.

Diante de trabalhos deste tipo, todos autorizados para reduzir as penas de seus autores, a Promotoria Anticorrupção criticou o fato de que, na hora de conceder a redução de penas, não se leve em conta a qualidade das obras.

No entanto, os juízes romenos consideram que não é competência dos promotores “censurar” os trabalhos do ponto de vista científico, explicou o advogado de George Copos.

Assim, tudo indica que os presos famosos na Romênia vão continuar intensificando sua paixão pela escrita.

Cidade oferece transporte público de graça para passageiros que leem

0
Passageiros leem dentro do ônibus

Passageiros leem dentro do ônibus

Publicado no Catraca Livre

Victor Miron, um jovem da Romênia, queria promover a leitura em seu país. Ele acredita que é importante recompensar aqueles que leem, sem criticar os que não leem.

Com isso em mente, o jovem teve a brilhante ideia de não cobrar passagem de ônibus para pessoas que entram no veículo com um livro em mãos. Victor apresentou a ideia para o prefeito de sua cidade, Emil Boc, que, depois de um ano, aceitou a proposta.

Entre os dias 4 e 7 de junho de 2015, todos que estavam com um livro usaram o transporte público de graça.

O rapaz não parou por aí: ele também está trabalhando em outras campanhas. Uma delas é a Bookface, que oferece descontos em livrarias, salões de beleza e até em consultório de dentista para pessoas que tem uma foto de um livro em seu perfil no Facebook.

Veja mais imagens da iniciativa:

 

lendo-livro-onibus-02

lendo-livro-onibus-03-450x253

lendo-livro-onibus-04-450x338

lendo-livro-onibus-05-450x358

Brasil conquista medalha inédita em olimpíada internacional de astronomia

0

thumb-65568-medalha-para-brasileiros-resized

Publicado no Bonde
Na mesma semana em que Artur Ávila Cordeiro de Melo, matemático brasileiro, conquistou a Medalha Fields, o Brasil teve outra conquista na área de ciências exatas, protagonizada por alunos do ensino médio. Cinco estudantes conquistaram a medalha de prata em prova por equipe na 8ª Olimpíada Internacional de Astronomia e Astrofísica, conquista inédita no país. O evento, que terminou no último domingo (10), ocorreu na cidade de Suceava, na Romênia. O grupo brasileiro também obteve, nas provas individuais, duas medalhas de bronze e três menções honrosas.

A equipe desembarcou hoje (14) no Brasil, após viagem de 30 horas. “Essa competição tem nível muito elevado, e os alunos brasileiros se destacaram”, diz o coordenador de Educação em Ciências do Museu de Astronomia e Ciências Afins (Mast), no Rio de Janeiro, Eugênio Reis, que acompanhou os estudantes. Segundo ele, “esses jovens que voltam com a medalha mostram para os demais que isso é uma coisa possível; que basta se dedicar, que se tem chance”.

Ao todo, participaram da olimpíada 208 estudantes, de 39 países. O Brasil é um dos países que participa da Olimpíada desde a primeira edição. A prova de equipe varia a cada ano, e a elaboração fica a cargo do país que sedia o evento. Na última edição, os grupos tiveram 90 minutos para calcular a trajetória de dois mísseis que deveriam atingir um asteroide, em rota de colisão com a Terra, e salvar o planeta.

Para as contas, puderam usar apenas objetos contidos em uma caixa: réguas, massa de modelar, barbante e papel milimetrado. A medalha de ouro ficou com o Canadá e a de bronze com a Lituânia.

A preparação dos estudantes vem desde o ano passado, com a Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica, voltada para estudantes de escolas públicas e particulares. No ano passado foram 800 mil inscritos em todo o país. Os participantes que se destacaram foram convidados a continuar estudando.

Os selecionados passaram por várias etapas, que incluíram uma prova presencial. Além dos cinco estudantes que participaram da competição internacional, foram escolhidos cinco para participar da competição latino-americana, que será no Uruguai, de 10 a 16 de outubro. Haverá também cinco suplentes. Os finalistas tiveram aulas, participaram de oficinas e de observações astronômicas.

“Foi uma experiência indescritível”, sintetiza Felipe Vieira Coimbra, de 16 anos, que acabava de entrar em casa quando conversou com a Agência Brasil. Ele é aluno do segundo ano do Instituto Dom Barreto, em Teresina (PI). O colégio particular está entre as notas mais altas no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Como astronomia não está no currículo escolar, Felipe diz que todo o estudo que teve foi por conta própria, com livros e apostilas usadas em universidades.

Além da medalha de prata, o jovem carrega no currículo duas medalhas de ouro na Olímpíada Brasileira de Física. Ele diz que prefere não restringir os planos para o futuro, mas adianta que pretende seguir na área de exatas e cogita o Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) como objetivo. “Na escola, é quase um clichê, as exatas são as matérias menos populares. Mas não sou o único no Brasil, tem muita gente que se destaca, o Artur é um exemplo”.

Estudantes brasileiros participam de olimpíada de astronomia na Romênia

0

unnamed-(2)

Yuri de Castro, no Extra

Cinco estudantes vão representar o país na 8ª Olímpiada Internacional de Astronomia e Astrofísica (IOAA, na sigla em inglês) que acontece na Romênia. Ao todo, o evento reune 183 estudantes de 42 países. O evento acontece entre os dias 1º e 11 de agosto, na cidade de Suceava e contém provas práticas e teóricas de astronomia e astrofísica na programação.

Os estudandes Allan dos Santos Costa (Bauru, SP), Daniel Charles Heringer Gomes (Mogi das Cruzes, SP), Daniel Mitsutani (São Paulo, SP), Felipe Vieira Coimbra (Teresina, PI) e Pedro Guimarães Martins (Belo Horizonte, MG) cursam o Ensino Médio e conseguiram a classificação para a IOAA por meio de bons resultados na Olímpiada Brasileira de Astronomia e Astronáutica (OBA), provas seletivas realizadas pelo Observatório Nacional (ON/MCTI) e pelo MAST e, finalmente, uma uma prova presencial que indica a seleção final.

Os líderes da equipe serão os astrônomos Dr. Gustavo Rojas, da Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR) e Dr. Eugênio Reis, do Museu de Astronomia e Ciências Afins (MAST/MCTI).

Preparação

Antes da viagem para a Europa, os estudantes participaram de dois treinamentos intensivos com astrônomos e especialistas, na cidade de Passa Quatro, Sul de Minas Gerais. A programação foi dividida em grupos de estudos, oficinas de atividades e observação do céu noturno, com e sem instrumentos, resolução de exercícios e realização de provas simuladas.

O grupo também contou com um planetário digital móvel cedido pelo MAST para estudar o céu do hemisfério norte por meio de projeções. Ainda aprenderam a montar e a manusear dois diferentes tipos de telescópios. Antes de embarcarem, os estudantes revisarão lições importantes sobre o céu do Hemisfério Norte no Planetário de Santo André (SP).

Leia mais: http://extra.globo.com/noticias/educacao/vida-de-calouro/estudantes-brasileiros-participam-de-olimpiada-de-astronomia-na-romenia-13406337.html#ixzz38uhCKjep

Go to Top