Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged rotina de estudos

É Carnaval! Devo estudar ou relaxar hoje?

0

Hoje é a segunda-feira, mas também é Carnaval: é hora de correr com os estudos ou aproveitar para descansar a mente para o ano que vem por aí?

Publicado no Universia Brasil

É Carnaval! Devo estudar ou relaxar hoje?

Hoje é a segunda-feira, mas também é Carnaval: é hora de correr com os estudos ou aproveitar para descansar a mente para o ano que vem por aí?

Manter o ritmo de estudos ou simplesmente “abandonar” os livros e aproveitar o “feriadão” de Carnaval para descansar?

Se a segunda opção for a sua escolha, há o risco de bater aquele peso na consciência frente aos compromissos com vestibular, universidade ou cursos técnicos que deixam o seu calendário recheado.

Hoje é segunda-feira, mas, embora seja início da semana, os eventos carnavalescos estão por toda parte. O clima festivo deixa o estudante ainda mais confuso e o questionamento não sai da cabeça: é Carnaval! Devo estudar ou relaxar hoje?

Confira, abaixo, algumas sugestões para balancear as duas coisas e avalie qual você considera melhor seguir.

Desacelerar é uma opção

Alguns especialistas não aconselham alterar a rotina de estudos. Entretanto, ponderam que o estudante deve refletir sobre o seu cronograma. Assim, uma alternativa é aproveitar o feriado de Carnaval para desacelerar.

Exemplo: encurtar de quatro para duas horas o tempo dedicado aos livros. A redução vai propiciar um momento de lazer no final do dia ou à noite. Daria até para pular Carnaval ou mesmo pegar um barzinho com os amigos.

Evite dormir e acordar muito tarde

Para não cessar a rotina de estudos e também não prejudicar a saúde, a recomendação é evitar abusos. Se você deseja manter-se empenhado no aprendizado, tente não dormir nem acordar tão tarde.

Mesmo mantendo o ritmo habitual dedicado aos livros, não deixe de separar um tempinho do seu dia para descansar. Maratona de estudos desnecessária pode prejudicar o nível de concentração e capacidade de assimilar o conteúdo estudado.

Ampliar os estudos com o tempo livre

Há quem tire proveito dos feriados para ampliar os estudos. No Carnaval, contudo, não há de ser diferente. Para atingir os objetivos no vestibular ou na universidade é preciso empenho e dedicação. Sem esforço, os resultados não são alcançados.

Portanto, se você se encaixa nesse perfil sabe que qualquer tempo livre pode fazer a diferença para atualizar o conhecimento.

Sendo assim, mantenha seus métodos nessa segunda-feira de Carnaval: continue com os exercícios, simulados e leituras de revistas e jornais para ficar atualizado.

A decisão é sua!

Independente das dicas trazidas neste texto, a decisão de estudar ou descansar no Carnaval é exclusivamente sua! Afinal, cada um sabe as dificuldades que têm e como lidar com elas.
Se você traçou um bom planejamento de estudos ao longo do ano, fique tranquilo e aproveite a folia, nunca deixando de lado, entretanto, os cuidados com a sua saúde.

Fonte: Shutterstock

Saiba qual é realmente o melhor horário para estudar e aprender muito melhor

0

direito-oab-concursos-horario-estudar-estudante

Publicado no Amo Direito

Muitas vezes somos pegos por várias dúvidas cruéis, e muitas delas nos perturbam sem dó, algumas são fáceis de resolver outras realmente temos que descobrir na prática e nesse mundo complicado dos concursos sabemos que se for para descobrir algo na pratica, melhor que seja antes da prova, pois assim da tempo de arrumar, na prova só dá tempo de marcar e torcer para estar certo.

Uma das muitas dúvidas que sempre tive é se existe hora certa para estudar, hoje com a concorrência cada vez maior e bem preparada, com editais cada vez maiores e complexos o tempo parece voar e as horas de estudos ficam insignificantes diante de tanta informação a se apreender. Mas será que existe uma hora certa de estudar? Tirando lógico o fato de que algumas pessoas funcionam melhor durante o dia e outras a noite, acredito que devemos estudar em todo e qualquer tempo que nos sobre, claro você deve ter em sua rotina de estudos um horário certo para se dedicar aos livros e resumos, uma hora do dia só sua de silêncio e concentração para estudar e isso muda de pessoa para pessoa, de acordo com os afazeres e a rotina de cada um, feliz de quem pode estudar no seu melhor horário de rendimento! Agora para que não pode paciência, pois não temos opção, ou estudamos e vamos para a luta, ou ficamos parados esperando a melhor hora e vamos deixando as oportunidades passarem por nossos olhos.

Qualquer hora é de estudar, afinal são inúmeras as matérias e pouco tempo para bater o edital, então por mais que tenhamos nosso ritmo e nosso horário especifico de estudo precisamos apertar o passo e buscar soluções criativas para nossa falta, ou má administração de tempo. Precisamos ter em mente que cada minuto faz diferença e que a questão, ou o a matéria que você deixou de ver cairá na prova e seu concorrente vai acertar, foi o tempo em que bastava decorar alguns artigos saber um pouco de português e matemática que a prova estava garantida, hoje os detalhes das questões estão sendo a verdadeira diferença entre o sucesso e a espera pelo próximo edital veja que não é a diferença entre sucesso e fracasso, pois por mais que você tenha ido mal em uma prova isso não quer dizer que você fracassou, pois cada prova que fazemos, por mais que o resultado não foi agradável nos deixa mais perto do sucesso e do futuro que queremos, aprendemos a cada dia e com cada erro. Eu levei um certo tempo para perceber isso, mas ainda bem que não é tarde, pois o certame que escolhi ainda não foi publicado, mas deve sair em breve, e faz um tempo estou debruçado sobre o edital anterior, fazendo questões e correndo contra o tempo estudando forte, além do tempo que estudo a noite após o dia de trabalho, procuro resolver o máximo de questões no trajeto que faço de casa para o trabalho, pois só nesse trajeto que leva cerca de 40 minutos de ônibus consigo resolver varias questões e depois a noite conferir meu índice de acerto pelo gabarito, é claro ainda não atingi a incrível capacidade de resolver questões de raciocínio lógico no ônibus, mas estou a caminho quem sabe com um pouco mais de prática.

O que importa é que esse tempo que eu perdia e antes me massacrava hoje passa e eu nem vejo, vou ali com um caderninho de questões por dia, e sigo nele até acabar depois faço a correção e vejo o resultado. É claro nem todos os dias dá para fazer isso, pois todos sabemos que transporte publico assim como concursos públicos não é um lugar onde sobram vagas, mas nesses dias de lotação excessiva em que as pessoas não tem espaço nem para seus pensamentos eu ligo meu Mp3, com fone é claro, pois ninguém é obrigado a estudar comigo, e vou ouvindo áudio aulas: direito constitucional, direito administrativo, isso ajuda a revisar o conteúdo e dá mais um gás nos estudos.

Fonte: estudos 10

Dicas infalíveis para passar no Vestibular

0
 É claro que a gente não aprende de um só jeito, mas conhecer as preferências do seu cérebro ajuda a escolher Foto: Mundo vestibular

É claro que a gente não aprende de um só jeito, mas conhecer as preferências do seu cérebro ajuda a escolher
Foto: Mundo vestibular

 

 

Publicado no Terra

1. Descubra o seu estilo de aprender

Se o autoconhecimento — saber quem você é, seus valores, suas aspirações e habilidades — foi fundamental para escolher o curso na hora de se inscrever no vestibular, saber um pouco mais sobre si mesmo também vai ajudar na hora de se preparar para o exame. Descobrir de que jeito você aprende melhor economiza tempo e energia!

Já percebeu como algumas pessoas fixam melhor a matéria desenhando esquemas? Que aqueles que precisam ler tudo em voz alta? E que outros vão direto resolver os exercícios, para só depois consultar a matéria?

É claro que a gente não aprende de um só jeito, mas conhecer as preferências do seu cérebro ajuda a escolher, por exemplo, entre começar a estudar literatura fazendo uma ficha de resumo ou atacando um simulado.

2. Faça um reconhecimento do terreno

Uma boa maneira de se preparar para o vestibular da faculdade dos seus sonhos é saber onde você está pisando. E a melhor maneira de fazer isso é analisar as questões dos anos anteriores de todas as matérias.

Procure os cadernos de prova e gabaritos dos três últimos anos — normalmente eles são publicados no site da própria universidade, na seção “vestibular”.

Com os cadernos de prova em mãos, reproduza a mesma situação de cada um dos dias da prova (não faça mais de uma prova por dia!!): reserve o tempo exigido para a resolução das questões, tranque-se no quarto com água e algum lanche, use apenas o material permitido na hora da prova e faça seu próprio simulado.

Depois de resolver tudo, confira o gabarito, anote o que tem dificuldade, reforce essa matéria e não descanse enquanto não compreender aquilo que não acertou. Faça o mesmo com as demais provas dos anos anteriores.

Após conferir as questões e sua pontuação, com a cabeça fresca, analise o tipo de questão, se tem “pegadinha” e qual a proporção de questões fáceis, médias e difíceis, por exemplo. Isso não garante que você adivinhe como vai ser a próxima prova, mas deixa você mais tranquilo e preparado para o que está por vir.

3. Fique um pouco offline

Na hora da prova, você não vai poder usar o celular, o computador, a calculadora ou qualquer tipo de ajuda. Na sua rotina de estudos, inclua uns momentos completamente desligado de aparelhos eletrônicos, internet, redes sociais, música, celular, calculadora.

Além de ajudar na concentração e fazer com que os viciados não passem mal na hora da prova por não poderem usar celular, resolver as questões sozinho treina o raciocínio e a agilidade, qualidades importantes para quem quer passar no vestibular. Ou você quer perder minutos preciosos da prova de matemática porque não está acostumado a fazer contas de dividir e multiplicar sem a calculadora do lado?

4. Saco vazio não para em pé… nem estuda direito.

Cuide do corpo e da mente para aguentar a maratona de estudos. Não é o momento de encarar dietas malucas, virar noite na base do café + refrigerante + energético + guaraná em pó, ou se entupir de doces e chocolates “pra dar energia”. É uma época de privações, sim, mas não de se detonar. Dê ao corpo as três coisas que ele mais vai precisar: dormir, comer, mexer.

-Dormir: estabeleça uma rotina de quantidade de horas de sono, com hora para dormir e para acordar, respeitando os seus limites. Algumas pessoas precisam de 10 horas de sono para funcionar no dia seguinte, outras sentem-se bem com 5 horas. Descubra a quantidade ideal de sono para você e siga essa rotina.

-Procure manter essa rotina também nos fins de semana. É que uma noite maldormida, seja por motivo de estudo ou de festa, tem muito mais consequências do que dificuldades de raciocínio, concentração e memória no dia seguinte. Pesquisas indicam que o organismo pode levar até 10 dias de sono normal para se recuperar de uma noite em claro!

-Comer: assim como o sono, sua alimentação precisa ser regrada, sem excessos ou privações. Prefira os alimentos naturais aos industrializados e procure comer frutas, verduras e legumes. Eles fornecem as vitaminas que seu cérebro vai consumir para resolver aqueles exercícios todos!

-Evite o excesso de cafeína, principalmente à noite, e tome muito cuidado com os doces e chocolates em excesso. Eles dão a sensação de aumento de pique num primeiro momento, mas em seguida acontece o efeito rebote: a glicose cai a níveis mais baixos do que antes, fazendo com que você entre num ciclo de consumo de mais doces ou, dependendo do organismo, sinta-se fraco e até mesmo tenha desmaios. Vai ficar fora de casa muitas horas com aulas no cursinho? Carregue sempre um lanche leve e saudável na mochila.

-Mexer: pode ser que você não consiga encaixar a academia ou o futebol com os amigos por uns tempos enquanto estuda para o vestibular. Mas se puder, ótimo! Uma caminhada, natação ou passeio de bicicleta também ajudam a desestressar a mente e oxigenar o corpo.

-Faça também pequenos intervalos nas horas de estudo para se mexer. Levante da cadeira, alongue a coluna, os braços e pulsos, relaxe os ombros e respire! Faça isso a cada 45 minutos, aproximadamente. Se estiver no cursinho, aproveite os intervalos para caminhar pela sala, esticar as pernas, dar uma volta pelo corredor. A tensão nos ombros e pescoço pode prejudicar o fluxo de sangue e, consequentemente, a oxigenação do cérebro, tudo o que você não quer quando está estudando!

5. Troque a procrastinação pelo foco

Deixar para a última hora é um verdadeiro tiro no pé para o vestibulando. Se você tem a tendência de empurrar as tarefas chatas com a barriga e arrumar desculpas para não seguir seu plano de estudo, combata a procrastinação com técnicas que ajudam a manter o foco — e algumas fazem a gente produzir mais sem nem perceber o tempo passar.

6. Leia mais para escrever melhor

Os livros obrigatórios, revistas semanais, artigos em jornais, algum livro mais leve sobre um assunto de que você gosta…
A leitura ajuda muito a organizar as ideias para fazer a redação do vestibular, dá repertório e cultura, elementos para argumentar bem, vocabulário mais rico e reforça a gramática e ortografia.

E além de melhorar a redação, ler bastante ainda tem dois ótimos efeitos colaterais: ajuda a se expressar melhor nas questões dissertativas e, no caso de jornais e revistas, garante que você não vai ficar boiando nas questões sobre atualidades.

7. Não faz mal pular os obstáculos de vez em quando

Sabe quando a gente empaca em uma questão difícil? Em vez de ficar remoendo e se desgastando para chegar à solução, às vezes o melhor mesmo é deixar o problema de lado, dar um tempo, fazer outras coisas ou estudar outras matérias e voltar um, dois dias depois, com a cabeça fresca. O mesmo vale para o dia da prova do vestibular. Encontrou uma questão muito difícil? Pule para a seguinte e volte depois para resolver.

8. Crie seu próprio código de estudo

Alguns usam canetas coloridas, outros preferem resumir tudo em fichas e há aqueles que criam ícones e símbolos para representar conceitos. Não existe uma fórmula única de sucesso para as anotações do vestibulando. O ideal mesmo é descobrir o que funciona para ajudar você a memorizar, compreender, analisar e absorver o conteúdo.

9. Pergunte… e responda!

Se estiver frequentando aulas, aproveite para perguntar, tirar todas as dúvidas. Não tenha vergonha, mesmo que a pergunta pareça boba para você. Leve para a sala de aula aqueles exercícios e questões de prova que você não conseguiu resolver.

Ensinar também ajuda a aprender, sabia? Encontre colegas com quem você tem afinidade e recorra a eles para trocar conhecimento. De repente ele precisa de ajuda em uma matéria que para você é tranquila e pode te ajudar naquelas que você tem mais dificuldade… algumas pessoas até estudam melhor em grupo.

10. Ligue os pontos

Procure enxergar a conexão entre temas, disciplinas e atualidades. Muitas universidades incluem questões multidisciplinares em suas provas do vestibular, seja no formato objetivo ou dissertativo.

Ter uma visão mais ampla e conectada das coisas também ajuda a fixar conceitos e a combater o “branco” na hora da prova. É só ir puxando o fio do raciocínio que você consegue lembrar do que precisa.

Ele passou em 11 vestibulares de medicina, mas avisa: ‘objetivo está longe’

1

Publicado em UOL Educação

meu-objetivo-nao-e-passar-no-vestibular-isso-e-vazio-o-meu-objetivo-e-ser-medico-diz-vitor-classmann-1453983448821_615x470

‘Meu objetivo não é passar no vestibular. Isso é vazio. O meu objetivo é ser médico’, diz Vitor Classmann

Nessa época do ano, quem circula por qualquer cidade do Rio Grande do Sul observa, nas sacadas dos apartamentos ou nas janelas das casas, faixas felicitando os estudantes que acabaram de ser aprovados no vestibular.

Vitor Classmann, de 18 anos, que mora na pequena São Martinho, interior do Estado, ganhou também sua faixa de “parabéns, bixo”.

O rapaz foi aprovado em 11 vestibulares de medicina, desde julho do ano passado. Só nesse verão, ele foi aprovado em três universidades federais: UFCSPA (Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre), UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina) e UFPR (Universidade Federal do Paraná).

Claro que Classmann está feliz e, de certo modo, orgulhoso. Mas, no fundo, o jovem não se entusiasma com tanta comemoração.

Para ele, seu objetivo mesmo ainda está distante. Ele não sonha em ser estudante de medicina, mas sim, médico.

“Passei por um obstáculo, claro. Mas, agora, tenho um processo para trilhar. É o início de uma nova fase”, afirmou, sem nenhuma arrogância.

O jovem acabou de fazer sua matrícula na UFCSPA, onde foi selecionado por meio do Sisu (Sistema de Seleção Unificada) com a nota do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio). A escolha foi um tanto óbvia: ele quer fazer uma universidade pública e ficar o mais perto possível de sua família e de seus amigos.

“A UFCSPA é uma das melhores do Brasil. Sempre foi uma universidade que eu vislumbrei muito. Ela é referência em oncologia, cirurgia geral e psiquiatria, que são áreas que me atraem. A infraestrutura é impecável”, explicou.

Rotina de estudos

A vida em Porto Alegre não o assusta tanto. O estudante passou 2015 na cidade, fazendo cursinho no Método Medicina. Sua rotina era intensa. Vitor assistia às aulas de manhã e de tarde. Por vezes, ficava algumas horas a mais no cursinho tirando dúvidas. Durante a noite, estudava mais um pouco. Mas não muito, diz o rapaz.

“Quando eu chegava em casa, tomava banho, comia e descansava. Depois, se eu estava empolgado, me sentindo bem, estudava 4, 5 horas. Quando não me sentia bem, estudava uma hora. Fui muito me conhecendo e a partir daí fui estudando”, contou.

“Eu prezava muito pelo meu bem estar. Acho que o ano de vestibular não está deslocado da sua vida. Você não pode se transformar em um robozinho, decorando fórmulas. Em 2015, não deixei de sair ou conversar com meus amigos”, completou.

Nas horas de muita ansiedade, o jovem tentava desviar um pouco a atenção. Um dos alvos foi a sobrinha recém-nascida, por quem Classmann é apaixonado.

“Era só eu ficar nervoso que começava a pensar na Letícia, minha sobrinha. Ela mora com a minha irmã em Ijuí, no interior do Estado. Ela nem sabe, mas era minha válvula de escape em pensamento”, contou.

Formação

Até 2015, Classmann nunca havia morado longe de São Martinho. Até a quinta série (hoje sexto ano), o jovem estudou em uma escola pública da cidade. A mesma em que a mãe se aposentou como professora de geografia.

Depois, se mudou para um colégio particular na cidade de Três de Maio, onde era bolsista. Levava uma hora para ir e outra para voltar de ônibus. No fim do 3º ano chegou a passar no vestibular de medicina em uma universidade particular, mas, por não ter condições de pagar a mensalidade, achou melhor fazer um ano de cursinho em Porto Alegre.

Foi a primeira experiência fora de casa de Classmann que foi morar em uma pensão, parceira do cursinho, com outros seis colegas. A viagem da capital à São Martinho leva seis horas. Por isso, o jovem voltou para casa apenas quatro vezes durante o ano. A saudade acabou sendo amenizada com a internet.

Agora, em 2016, para o curso de medicina, o estudante vai ter de morar em outro lugar da cidade. Ele está ansioso em relação à nova moradia e, principalmente, à vida na universidade.

“Na verdade, não tenho muita noção de como vai ser. Quero começar logo e saber como vai ser essa nova etapa”, disse.

Aprovada em medicina pelo Sisu deixou emprego para estudar em casa

0

Mariana Silva criou rotina para estudar sozinha e nunca fez cursinho.
Estudante resolveu provas antigas do Enem e conquistou vaga na UFPE.

mariana-ferreirinha-ed

Publicado em G1

Enquanto muitos estudantes recorrem aos cursos pré-vestibulares para reforçarem os estudos para as provas, Mariana Silva, de 28 anos, preferiu ir no sentido contrário: trocar a sala de aula pela a da sua casa e estudar no próprio ritmo.

“Gosto de ficar em casa porque tem menos estresse. Eu já me cobro bastante, não preciso de cobrança de cursinho”.

A estratégia deu certo e Mariana foi selecionada pelo Sistema de Seleção Unificada (Sisu) para cursar medicina na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). A lista da chamada regular do Sisu foi divulgada pelo Ministério da Educação nesta segunda-feira (18).

Formada em administração pública, Mariana se interessou por medicina quando trabalhou como atendente no SUS (Sistema Único de Saúde). “Gostava muito do meu trabalho lá. Me aproximei da área da saúde e percebi que estava gostando”, lembra.

Logo ela começou a prestar vestibulares para mudar de carreira. Trocou de emprego por um menos cansativo, mas que exigia que ela viajasse sempre. “Um dos motivos do porquê eu não conseguia me vincular a nenhum curso [pré-vestibular]”, conta a estudante. Foi quando resolveu estudar por conta própria.

Além dos livros, Mariana também recorreu a videoaulas, estudou através de plataformas online e fez provas antigas e simulados. Mesmo se empenhando, a estudante não conseguiu entrar em nenhuma universidade. Ela então decidiu dar uma pausa nos estudos até junho do ano passado. “[Quando] prestei um vestibular sem estudar e fui bem, aí pensei ‘acho que se eu estudar mais um pouco dá certo’”.

Mariana decidiu ficar um tempo sem trabalhar para se dedicar totalmente aos livros. Ela desenvolveu uma rigorosa rotina de estudos e focou no Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) para conquistar a vaga em medicina.

“Fiz planilhas com as quatro provas do Enem, coloquei o ano da prova, número da questão, assunto, se acertei ou errei e quanto tempo eu gastava em cada questão”, explica. Dessa maneira, Mariana conseguiu identificar suas afinidades e dificuldades em cada matéria e guiou seus estudos a partir do seu desempenho.

Em média, Mariana estudava 8 horas por dia. “Mas sempre estava pensando no vestibular. Fazia coisas relacionadas, como ler o jornal e assistir filmes”. Para a estudante, cada pessoa deve conhecer seu ritmo de estudo e, para aquelas que querem se aventurar sozinhas, aconselha: “Tem que conhecer bem a prova que você quer prestar, ter uma noção do que cai e saber o quanto você tem que se aprofundar. E, a partir disso, criar um plano de estudos”.

Go to Top