Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged roubo

Ladrões roubam livros raros de Galileu, Copérnico, Dante, da Vinci e Newton

0
(Foto: Flicker/ Creative Commons/ Barta IV)

(Foto: Flicker/ Creative Commons/ Barta IV)

 

Publicado na Galileu

Ladrões roubaram o equivalente a R$ 7,5 milhões em livros raros de um depósito, na Inglaterra. No melhor estilo Missão Impossível, os três bandidos fizeram buracos no teto do estabelecimento e desceram com cordas por 12 metros, evitando o acionamento dos alarmes de segurança.

A Scotland Yard confirmou que 160 publicações valiosas foram levadas, entre elas, obras dos séculos 15 e 16. O material mais caro foi De Revolutionibus Orbium Coelestium, importante obra de Nicolau Copérnico, que vale cerca de R$ 830 mil. Além de Copérnico, os ladrões investiram também em uma edição de 1569 da A Divina Comédia, de Dante Alighieri, e obras de Galileu Galilei, Isaac Newton, Leonardo da Vinci.

“Estou triste porque não são coisas que você pode comprar em qualquer lugar. Por trás destes livros existe muita pesquisa e trabalho”, afirmou ao Sky News Alessandro Meda Riquier, negociante de livros raros e vítima do roubo.

A polícia suspeita que o crime tenha sido encomendado por algum colecionar ou especialista em arte. Segundo o The Guardian, uma fonte próxima ao caso que não quis se identificar afirmou: “É impossível que as obras sejam vendidas para qualquer colecionador ou casa de leilão de respeito (…) Os livros pertecem a três colecionadores diferentes que representam o top do mercado”. A polícia continua trabalhando no caso, mas ainda não tem pistas.

Ladrões invadem galpão em Londres e roubam livros raros estimados em R$ 8 milhões

0

Dante-2

Gangue evita alarmes de sensores e escapa com obras de Da Vinci, Newton, Copérnico e Dante

Caio Soares, no Omelete

Em uma ação descrita por jornais britânicos como “cinematográfica”, a Scotland Yard confirmou que mais de 160 obras valiosas, entre eles uma edição de A Divina Comédia de Dante Alighieri datada de 1569, foram roubadas de um armazém localizado no Oeste de Londres no fim de janeiro.

De acordo com o Daily Mail, ladrões invadiram o galpão fazendo buracos na fibra de vidro do teto e desceram em equipamentos de rapel de uma altura de 12 metros enquanto desviavam dos alarmes. Estima-se que o valor dos livros cheguem à quantia de £2 milhões (aproximadamente R$ 8 milhões). Entre as obras roubadas, estavam manuscritos raros de Galileu, Isaac Newton e Leonardo da Vinci. Segundo especialistas, o livro mais valioso era uma edição de 1566 de De Revolutionibus Orbium Coelestium, de Nicolau Copérnico, avaliada em £ 215,000.

“Uma situação desta proporção nunca havia atingido o mercado de livros raros”, confessou Brian Lake, da Associação de Livreiros de Antiguidades. “Estes livros não vão ser vendidos em casas de leilões. Não estamos falando de Picassos ou Rembrandts ou até barras de ouro – esses livros seriam impossíveis de se rastrear. Algum especialista ou colecionador deve estar por trás disso”, disse uma fonte próxima à investigação.

A polícia metropolitana de Londres segue investigando e ainda não divulgou novas informações sobre o processo.

Primeira edição assinada de Cem Anos de Solidão é roubada em Bogotá

0
A feira termina esta segunda-feira em Bogotá EITAN ABRAMOVICH/AFP

A feira termina esta segunda-feira em Bogotá EITAN ABRAMOVICH/AFP

García Márquez autografou o valioso exemplar exposto na Feira Internacional do Livro de Bogotá que desapareceu sábado. “O livro faz parte do patrimônio do país.”

Joana Amaral Cardoso, no Publico

Uma primeira edição assinada de Cem Anos de Solidão, de Gabriel García Márquez, foi roubada da Feira Internacional do Livro de Bogotá, que termina esta segunda-feira e que homenageou o Nobel colombiano um ano depois da sua morte. O livro valeria cerca de 54 mil euros.

O exemplar raro estava em exposição numa vitrine selada na feira – na qual, como relatou o PÚBLICO nos últimos dias, a figura, o trabalho, as referências a García Márquez, estavam “por todo o lado” na feira anual, realizada no espaço de exposições da Corferias na capital colombiana, Bogotá. O livro estava exposto no pavilhão Macondo, assim baptizado em honra da localidade que serve de pano de fundo de Cem Anos de Solidão.

Gabriel García Márquez morreu em Abril de 2014 aos 87 anos e a obra roubada sábado à tarde, perto das 18h, segundo o diário colombiano El Heraldo, tinha um valor muito superior ao pecuniário para o seu proprietário – era “imensurável”. Isto porque já depois de ter comprado a primeira edição em 2006, o negociante de livros raros Álvaro Castillo Granada levou-o até Gabo, como também é conhecido o romancista, que o assinou com uma dedicatória: “Para Álvaro Castillo, o velho livreiro, como ontem e para sempre, o teu amigo Gabo”.

O colombiano Castillo Granada empalideceu e ficou em silêncio quando soube do desaparecimento do livro. Só na manhã de domingo disse aos seus colaboradores o que tinha acontecido. Diz ter comprado a obra com grande valor sentimental em 2006 numa livraria em Montevideu, no Uruguai. A capa, como escreve El Heraldo, era diferente das edições subsequentes, com um barco rodeado por folhagem.

Com o preço das primeiras edições a subir desde a morte do Prémio Nobel colombiano (atribuído em 1982 ao escritor), o negociante de livros não revela quanto pagou pelo exemplar. Mas lança o apelo através do Heraldo ao ladrão: “O livro faz parte do património do país”. E avisa que “é um livro impossível de comercializar”.

Quando o diário colombiano El Tiempo assinalava em 2013 os seus 25 anos de carreira como livreiro, Castillo Granada relata que uma das grandes alegrias da sua carreira foi ter tido nas mãos muitas raridades. “Já tive livros assinados por José Lezma Lima, García Márquez, Julio Cortázar, Paul Eluard, Louis Aragon, Borges”, elenca, destacando que “o livro mais valioso” que tinha na época na livraria era “’Canciones’, assinado pelo próprio Federico García Lorca”.

As autoridades estão a investigar o caso e, diz a BBC, a rever imagens do circuito interno de vídeo para tentar identificar o autor do roubo.

Alemanha devolve livros roubados de bibliotecas italianas

0

size_810_16_9_450398207
Publicado em Exame

MUNIQUE – Autoridades da Alemanha devolveram nesta sexta-feira 500 livros históricos, incluindo obras originais dos cientistas renascentistas Galileu Galilei e Nicolau Copérnico, roubados de bibliotecas italianas três anos atrás, a promotores de Nápoles.

A maioria dos livros, que valem cerca de 2,5 milhões de euros, foram tirados da biblioteca napolitana de Girolamini, segundo os promotores.

As autoridades alemãs os recuperaram em um casa de leilões de Munique a pedido dos italianos.

O ex-diretor da biblioteca Massimo De Caro foi condenado pelo roubo dos livros e cumpriu pena na prisão antes de ser posto em prisão domiciliar.

“Como diretor, seu papel era fazer de tudo para proteger e preservar os livros. Entretanto, ele inverteu sua função. Tirando vantagem de seu cargo, ele conseguiu retirar os livros”, disse o promotor Vincenzo Piscitelli, que foi a Munique buscar as obras.

“Ele desativou os alarmes e realizou suas atividades durante a noite ou nos feriados, quando os funcionários da biblioteca não estavam lá. Estava sozinho, tinha as chaves, todos sabiam que ele era o diretor. Por isso, conseguiu trabalhar com liberdade total”, acrescentou.

Os promotores ainda estão tentando descobrir quantos livros desapareceram ao todo da biblioteca, uma das mais antigas e ricas da Itália.

50 mil exemplares de ‘Diário de Um Banana’ são roubados

0

Centro de distribuição da editora foi invadido e ladrões levaram apenas os títulos da série best-seller de Jeff Kinney

Maria Fernanda Rodrigues, no Estadão

A editora V&R foi vítima de um crime raro: roubo de livros. Na madrugada de segunda-feira, ladrões levaram nada menos do que 50 mil exemplares da série infantojuvenil Diário de Um Banana de seu centro de distribuição, em Carapicuíba. Nenhum outro título foi roubado. “Foi um furto qualificado. Estamos falando de um best-seller, livros que estão bem expostos em livrarias de todo o País”, comentou Sevani Matos, diretora da V&R. A polícia investiga o caso.

Livros estão entre os mais vendidos para o público infantojuvenil

Livros estão entre os mais vendidos para o público infantojuvenil

Os livros de Jeff Kinney, que têm como protagonista o Greg, um garoto tímido, comum – um anti-herói que se tornou herói de muitos meninos -, e já foram adaptados para o cinema, estão entre os mais vendidos do mundo. Só no Brasil, já foram comercializados, segundo a editora, 5,1 milhões de exemplares – um feito e tanto. Aqui, foram publicados oito volumes em capa dura, além de caixas para colecionadores e outros títulos que são desdobramentos da história – como o Diário de Um Banana Faça Você Mesmo e o livro do filme. Internacionalmente, o número de vendas chega a 75 milhões de cópias. Os ladrões levaram apenas os títulos principais – um pouco de cada.

A diretora não tem muita esperança de reaver o material, a não ser que alguém faça uma denúncia anônima. “Livros não são como televisão, que têm número de série e de lote, por isso vai ser difícil encontrar. Imagino que eles serão comercializados a preço de nada, sem nota fiscal porque se existe o ladrão é porque existe o receptor”, disse.

O operação da editora neste fim de ano, no entanto, não será prejudicada, garante Sevani Matos. Há mais volumes em estoque e reimpressões são constantes. E os fãs de Greg podem esperar para abril o lançamento do 9.º volume da coleção.

Go to Top