Livraria Arlequim, no Paço Imperial, fecha as portas no dia 18 de maio Foto: Gustavo Miranda / Agência O Globo

Loja que fica no Paço Imperial está fazendo saldão de seus produtos

Jan Niklas, em O Globo

RIO — Uma das mais tradicionais livrarias do Centro do Rio de Janeiro irá fechar as portas. Em funcionamento há 25 anos, a Arlequim, que fica no Paço Imperial, se despede definitivamente dos cariocas no dia 18 de maio, confirma um funcionário da casa.

O local, onde também funciona um bistrô, é famoso por reunir um acervo de obras de filosofia, história, literatura e artes. Além disso, o espaço vende CDs de gravadoras independentes brasileiras, jazz e clássicos de selos importados e nacionais. A Arlequim contava ainda com uma programação cultural que recebia apresentações de música e lançamentos de livros.

— Aqui tem uma miscêlanea que é rara de se encontrar no Rio. Desde Thelonious Monk e Chet Baker, até Voltaire e Ingmar Bergman, de toda essa cultura você podia encontrar obras aqui — afirma o funcionário.

Até o fechamento definitivo do espaço, os produtos comprados pela loja (que não são consignados) estão sendo vendidos em um saldão com descontos de até 80%.

O Centro do Rio, cuja tradição de livrarias remete aos tempos de Machado de Assis — frequentador da Garnier, na Rua do Ouvidor — vem sofrendo com o fechamento de importantes lojas do ramo nos últimos anos . Em março deste ano, a Travessa teve que fechar sua loja na Avenida Rio Branco, pois o espaço, que é tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, avisou que o prédio vai entrar em obras.

No ano passado, a Livraria Cultura da Rua Senador Dantas encerrou as atividades após 6 anos funcionando no local. O fechamento ocorreu pouco antes da rede entrar com pedido de recuperação judicial, devido a crise do mercado editorial. Também fecharam as portas nos últimos anos o tradicional sebo Al-Farábi, point cultural localizado na Rua do Rosário, e a Livraria Marins, na praça Tiradentes .