Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged Rumo

Jeff Bezos, o bilionário que empacotava livros

0

Fundador da Amazon vive em uma mansão perto de Bill Gates, mas chegou a empacotar livros quando criou a Amazon

Publicado na revista Veja

CEO da Amazon, Jeff Bezos, e sua mulher Mackenzie Bezos

Jeff é casado com MacKenzie Bezos, escritora (Kevork Djansezian/Getty Images)

O empresário Jeff Bezos, fundador da Amazon, atraiu todos os holofotes ao anunciar a compra do jornal ‘Washington Post’, um dos mais influentes do mundo, por 250 milhões de reais. Trata-se do negócio mais emblemático fechado pelo empreendedor desde a criação de seu site de comércio eletrônico, em 1995. Com a Amazon, ele não só revolucionou a forma como as pessoas compram produtos pela internet, como também sua maneira de ler livros – a empresa é a responsável pela popularização dos leitores digitais em muitos mercados.

 

Com a aquisição, o bilionário natural de Albuquerque, no Novo México, expande sua influência na mídia americana e mundial. Em abril, ele já havia anunciado um investimento de 5 milhões de dólares no site de notícias financeiras ‘Business Insider’.

Aos 49 anos, Bezos ostenta uma trajetória que poderia ser atribuída a célebres visionários americanos, como Howard Hughes e Henry Ford. Do menino que ajudava o avô a cuidar de um sítio no Texas durante as férias de verão, restou a teimosia – excessiva, por vezes. “Uma das coisas que se aprende com a vida rural é a autossuficiência. As pessoas fazem tudo sozinhas. Meu avô era um grande exemplo pra mim nesse aspecto: ‘se algo está quebrado, vamos consertar’. E para fazer algo novo, é preciso ser teimoso e ter foco até um limite que outras pessoas possam achar irracional”, disse Bezos ao escritor Richard Brandt, autor do livro ‘One Click: Jeff Bezos and the Rise of Amazon.com’.

Foi a teimosia que fez com que, em 1994, aos 30 anos, quando já era vice-presidente de firma D.E. Shaw, Bezos abandonasse a carreira em Nova York e partisse rumo à costa oeste para fazer parte do movimento de startups de internet que pipocavam de São Francisco a Seattle. O empresário, que hoje tem um patrimônio avaliado em 25,2 bilhões de dólares, segundo a Forbes, viveu por vários anos com a esposa, a escritora MacKenzie Bezos, numa casa de três quartos cujo aluguel custava 890 dólares, em um bairro operário de Seattle. A Amazon, que foi inaugurada em 1995 e funcionava num espaço sem mobília de 500 metros quadrados, faturou 61 bilhões de dólares em 2012. Segundo reportagem do Wall Street Journal, durante muitos anos Bezos ajudou a empacotar os livros vendidos pela empresa.

Da casa de aluguel, restam apenas memórias. Hoje, o bilionário vive com sua esposa e quatro filhos (três meninos e uma menina adotada na China) numa mansão em Medina, estado de Washington, não muito longe da casa de Bill Gates. A propriedade possui até mesmo um acesso ao Lago Washington, onde o bilionário costuma velejar. Ele também possui uma mansão em Beverly Hills, avaliada em 30 milhões de dólares, além de três apartamentos interligados em uma das torres do complexo Century Tower, em Manhattan.

Apesar de ter nascido no centro dos Estados Unidos, Bezos passou boa parte da infância em Miami, para onde sua mãe Jacklyn e seu padrasto Mike Bezos se mudaram durante a década de 1970. O pai de Jeff, Ted Jorgensen, abandonou a família quando o bebê tinha apenas um ano. Até os dez anos de idade, Jeff acreditou ser filho biológico de Mike.

Na escola, Bezos ganhou uma competição promovida pela Nasa ao escrever uma tese intitulada “O efeito da gravidade zero no ritmo de envelhecimento da mosca comum”. Como prêmio, ele foi chamado pela agência para conhecer o Centro de Voos Espaciais, setor especializado em foguetes e sistema de propulsão de espaçonaves. Depois de arqueólogo, a segunda opção de carreira para Jeff era ser astronauta. Alguns anos mais tarde, ele começou a desenvolver outra paixão: o interesse por computadores, talento que se revelou quando estudava física na Universidade de Princeton, uma das mais renomadas dos Estados Unidos.

Em 1999, apenas quatro anos após a criação da Amazon, Bezos foi eleito Personalidade do Ano pela revista ‘Time‘.

Negócios excêntricos – O bilionário é conhecido por suas ideias incomuns. Uma delas é a de uma espécie de “airbag para celulares”, objeto capaz de detectar quando o aparelho está caindo e abrir a proteção antes de ele chegar ao chão, reduzindo o impacto. A ideia está patenteada mas o seu criador ainda não terminou de desenvolvê-la. Outro ponto inusitado na vida do empresário é a fundação da Blue Origin, uma empresa que desenvolve projetos de viagens espaciais.

Além disso, ele tem um projeto em andamento para construir um relógio de 70 metros de altura e fazê-lo perdurar por tantos anos quanto a humanidade existir. Para isso, Bezos financia um grupo, a Fundação Long Now, que está construindo o que ele chama de “O relógio de 10 mil anos” no interior de uma montanha em sua propriedade no Texas, próximo ao local onde a Blue Origin lança foguetes. Ele afirma estar construindo o relógio como um símbolo de responsabilidade e respeito ao longo prazo. Até agora, Bezos investiu cerca de 42 milhões de dólares no relógio.

Outras grandes ambições do empresário estão no campo astronômico. No ano passado, ele contratou especialistas para explorar o fundo do mar e encontrar os motores que impulsionaram o foguete Apollo 11 para o espaço. O fundador da Amazon espera encontrar ao menos um dos cinco motores e devolvê-los para a Nasa.

 

Realidade incendiária envolve o Ciclo de Leituras Públicas da USP

0

Encontros aproximam o público de peças do teatro ocidental com a mediação de profissionais da área artística

Publicado por Catraca Livre

As leituras acontecem na Sala Experimental Plínio Marcos, com capacidade de 50 lugares. (Reprodução)

As leituras acontecem na Sala Experimental Plínio Marcos, com capacidade de 50 lugares. (Reprodução)

O ato de ler e deixar que as palavras escritas percorram as veias passando pelo coração até à mente na forma de desenhos, cenários, rostos e sentimentos é um hábito que precisa ser mantido. Sua prática, fundamental para o desenvolvimento cultural do indivíduo, torna-se o pano de fundo do Ciclo de Leituras Públicas da USP, que já se encontra na 9ª edição.

Entre os meses de maio e junho, o Tusp (Teatro da USP) apresenta programação gratuita sempre às 15h das segundas-feiras, com mediação do agente cultural Otácilio Alacran. A seleção de textos se baseou na “realidade incendiária”, ou o momento crucial em que o personagem precisa tomar uma decisão e, consequentemente, definir o rumo da história. Tal necessidade surge justamente da repressão de ideias ou ideais e acende uma “fagulha” capaz de incinerar a atual condição daquela figura representada.

As peças compuseram o importante cenário do teatro ocidental e as leituras permitem que os participantes entendam o processo de construção das histórias, assim como estilo de cada dramaturgo. Confira a programação completa:

Maio

6/5 O Interrogatório – de Peter Weiss (1965)
13/5 Agreste – de Newton Moreno (2004)
20/5 Biedermann e os Incendiários – de Max Frisch (1958)
27/5 O Balcão – de Jean Genet (1956)

Junho

03/6 Jogos na Hora da Sesta – de Roma Mahieu (1976)
10/6 Novas Diretrizes em Tempos de Paz – de Bosco Brasil (2001)
17/6 A Morte de Danton – de Georg Büchner (1835)

Em livro, Pistorius conta acidente quase fatal e “prova de amor” bizarra

0
Um crime no dia dos namorados chocou a África do Sul: ídolo mundial do atletismo, Oscar Pistorius é acusado de matar a namorada, a modelo Reeva Steenkamp, a tiros dentro de casa em Pretória; entenda o caso Foto: AP

Um crime no dia dos namorados chocou a África do Sul: ídolo mundial do atletismo, Oscar Pistorius é acusado de matar a namorada, a modelo Reeva Steenkamp, a tiros dentro de casa em Pretória; entenda o caso
Foto: AP

Publicado por Terra

O jornal inglês The Mirror destrinchou episódios marcantes da vida do atleta paralímpico Oscar Pistorius, relatados no livro de memórias Blade Runner. Na obra, o biamputado que atualmente aguarda julgamento pelo assassinato da ex-namorada Reeva Steemkamp conta ter sofrido um acidente automobilístico quase fatal depois de uma briga com outra ex-parceira amorosa e uma surpresa no mínimo estranha para se reconciliar com ela.

Pistorius tinha um relacionamento conturbado com Vicky Miles, com quem namorava em 2006 e a quem o atleta paralímpico chamava de “o grande amor de sua vida”. Após uma forte briga, porém, o sul-africano teria resolvido pegar o carro às 3 da manhã rumo à casa da ex-namorada, a mais de 600 km de distância, para tentar a reconciliação. Ele dormiu no volante e quase morreu ao sofrer um acidente.

“Só acordei quando meu carro bateu em um guard rail. Um lado do veículo estava completamente destruído. Meu comportamento foi imperdoavelmente estúpido e me arrependo desse dia”, escreveu Pistorius. Dias depois, em 14 de fevereiro de 2006 – Dia de São Valentim, equivalente ao Dia dos Namorados em alguns países -, o atleta fez uma “loucura de amor” para tentar sensibilizar Vicky Miles.

Meu comportamento foi imperdoavelmente estúpido e me arrependo desse dia
Oscar Pistorious
Sobre acidente fatal que quase lhe tirou a vida em 2006

“No Dia de São Valentim de 2006, a Vicky acordou e encontrou a surpresa que eu havia preparado enquanto ela dormia. Enchi 200 balões coloridos, um por um, e pendurei nas árvores, no portão e no quintal da casa dela. Depois, peguei uma lata de spray e escrevi artisticamente: ‘eu te amo, tigrona’ na rua em frente à da casa. Ela ficou sensibilizada”, contou.

Curiosamente, Pistorius matou a sua então namorada, a modelo Reeva Steemkamp, exatamente sete anos depois da “prova de amor” que havia feito a Vicky Miles. O crime, cometido na casa do atleta paralímpico, ocorreu na madrugada do último dia 14 de janeiro.

Morta nesta quinta-feira pelo namorado Oscar Pistorius em incidente não-esclarecido, Reeva Steenkamp era modelo, tinha diploma em direito e seria estrela de reality show; veja Foto: Instagram / Reprodução

Morta nesta quinta-feira pelo namorado Oscar Pistorius em incidente não-esclarecido, Reeva Steenkamp era modelo, tinha diploma em direito e seria estrela de reality show; veja
Foto: Instagram / Reprodução

Veja mais fotos aqui.

Há 121 anos nascia J.R.R. Tolkien

0

550722_10151665589223018_1166629620_n
Biografia escrita por Marcelo Forlani no Omelete

Bloemfontein, capital do Estado Livre de Orange, na África do Sul, mudou a história de três diferentes mundos no dia 3 de janeiro de 1892. Nasceu ali John Ronald Reuel Tolkien, o primeiro filho do casal de ingleses Mabel e Suffield e Arthur Tolkien. Três anos depois do seu nascimento, Ronald, seu irmão Hilary (dois anos mais novo) e a mãe se mudavam para a Inglaterra. Aquela era a primeira grande mudança na vida dos dois meninos. Seu pai adoeceu e não conseguiu voltar para a sua terra natal. Mabel morou um tempo na casa dos pais, até alugar um chalé na zona rural de Birmingham. Ficar próximo aos avós e no meio do mato ajudou o menino a não sentir tanta falta da figura paterna e, principalmente, lhe ensinou a importância da natureza, sempre tão presente e viva na sua obra.

Passados quatro anos, os Tolkien saem de Sarehole para uma casa em Moseley. Foi no renomado colégio King Edwards que Ronald iniciou sua brilhante e longa história acadêmica. A mãe de Tolkien morreu quando ele tinha 12 anos. O padre Francis ficou encarregado da educação dos dois, que continuavam sua constante mudança de endereços. Quando dividia um quarto com seu irmão, no segundo andar da pensão da Sra. Faulkner, conheceu Edith Bratt, uma menina três anos mais velha que ele e futura mãe de seus filhos (John, Michael, Christopher e Priscilla).

O romance dos dois é um parágrafo à parte nesta história. Filha de mãe solteira, Edith também ficara órfã há pouco tempo quando os dois se conheceram. Segundo consta na biografia de Tolkien, ela era bastante bonita, baixa, esguia, de olhos cinzentos, um rosto firme e límpido e cabelos curtos e escuros. Os dois foram proibidos de se relacionar pelo padre Francis, que se preocupava com o rumo da vida do jovem rapaz. Ambos continuaram se encontrando e trocando cartas até que ela foi transferida para outra cidade. Obediente, Tolkien só voltou a procurá-la após completar 21 anos. Quando isso aconteceu, ela estava noiva de outro, pois achava que aquele amor havia sido esquecido. Tolkien conseguiu convencê-la de que eram feitos um para o outro e se casaram em 22 de março de 1916.

Na época em que se dedicava exclusivamente aos estudos, Tolkien fundou com seus amigos de colégio a T.C.B.S (Tea Club Barrovian Society). O clube do chá (tea club) remete às tardes em que os garotos passavam na biblioteca tomando chá enquanto estudavam para as provas finais. Depois, já de férias, eles mudaram os encontros para a loja do Barrow, daí o nome Barrovian Society, ou sociedade barroviana.

Com o estouro da Primeira Guerra Mundial, Tolkien teve que se alistar para defender o exército inglês. No front ele pegou uma doença chamada febre das trincheiras, causada pela falta de higiene, e voltou para a Inglaterra. As baixas para o T.C.B.S. foram mais profundas do que isso. Alguns de seus membros fundadores acabaram sucumbindo. A amizade entre eles, porém já havia transformado suas vidas. Toda esta cumplicidade pode ser vista na obra de Tolkien, principalmente na lealdade da Comitiva do Anel, em O Senhor dos Anéis.

Enquanto se recuperava da doença começou a rabiscar O Livro dos Contos Perdidos (The Book of Lost Tales), que mais tarde virou O Silmarillion (The Silmarillion). É neste momento que Tolkien começa a desenvolver o seu universo de orcs e elfos baseados nas lendas finlandesas que ele tanto estudou. Com o fim da Guerra, Tolkien volta a Oxford e retoma seus estudos e carreira acadêmica.

Com a estabilidade, o professor passou a dedicar atenção especial à família. Enquanto corrigia um bolo de provas, uma folha em branco foi o impulso que precisava para começar a colocar no papel as histórias que contava para os filhos. Tudo começava com numa toca no chão vivia um hobbit e as histórias narravam as aventuras de Bilbo Bolseiro, um ser menor que um anão, de pés grandes e peludos, pertencente a esta raça chamada hobbit.

A história caiu nas mãos do editor Stanley Unwin que, depois de ver a velocidade com que seu filho de 10 anos lia a obra, decidiu publicá-la. O Hobbit (The Hobbit – 1937) só tinha um problema. As 310 páginas de sua versão original foram consideradas muito poucas pelos leitores, que a esta altura já podiam ser chamados de fãs. Uma continuação foi encomendada ao escritor, mas com toda a sua responsabilidade (com as aulas) e detalhismo, Tolkien levou nada menos do que 12 anos para terminar O Senhor dos Anéis (The Lord of the Rings), que foi lançado em três volumes – os dois primeiros em 1954 e o terceiro no ano seguinte.

Em 1959, Tolkien, já famoso pela sua obra, se aposenta como professor. As Aventuras de Tom Bombadil, Tree and Leaf e Smith of Wootton Major foram publicados respectivamente em 1962, 1964 e 1967. No ano de 1965, uma versão pirata de O Senhor dos Anéis  é lançada nos Estados Unidos. A obra influencia os hippies que difundiam sua ideologia pacifista da Califórnia para o mundo. Sua esposa faleceu em 1971, aos 82 anos. Um ano depois, ele volta para Oxford e recebe o título de Comandante da Ordem do Império Britânico e de Doutor Honorário em Letras pela Universidade de Oxford.

Em 2 de setembro de 1973, em Bornemouth, J.R.R. Tolkien faleceu, aos 81 anos. O mundo real em que vivemos, o mundo das fantasias que imaginamos, e a Terra Média que, junto com ele, descobrimos.

Que bom!

dica da Luciana Leitão

Brasil fica em penúltimo lugar em ranking de qualidade de educação

0

Publicado originalmente na BBC [via Terra]

O Brasil ficou em penúltimo lugar em um ranking global de educação que comparou 40 países levando em conta notas de testes e qualidade de professores, dentre outros fatores. A pesquisa foi encomendada à consultoria britânica Economist Intelligence Unit (EIU), pela Pearson, empresa que fabrica sistemas de aprendizado e vende seus produtos a vários países.

Em primeiro lugar está a Finlândia, seguida da Coreia do Sul e de Hong Kong. Os 40 países foram divididos em cinco grandes grupos de acordo com os resultados. Ao lado do Brasil, mais seis nações foram incluídas na lista dos piores sistemas de educação do mundo: Turquia, Argentina, Colômbia, Tailândia, México e Indonésia, país do sudeste asiático que figura na última posição.

Os resultados foram compilados a partir de notas de testes efetuados por estudantes desses países entre 2006 e 2010. Além disso, critérios como a quantidade de alunos que ingressam na universidade também foram empregados.

Para Michael Barber, consultor-chefe da Pearson, as nações que figuram no topo da lista valorizam seus professores e colocam em prática uma cultura de boa educação.

Ele diz que no passado muitos países temiam os rankings internacionais de comparação e que alguns líderes se preocupavam mais com o impacto negativo das pesquisas na mídia, deixando de lado a oportunidade de introduzir novas políticas a partir dos resultados.

Dez anos atrás, no entanto, quando pesquisas do tipo começaram a ser divulgadas sistematicamente, esta cultura mudou, avalia Barber.

“A Alemanha, por exemplo, se viu muito mais abaixo nos primeiros rankings Pisa sistema de avaliação europeu do que esperava. O resultado foi um profundo debate nacional sobre o sistema educacional, sérias análises das falhas e aí políticas novas em resposta aos desafios que foram identificados. Uma década depois, o progresso da Alemanha rumo ao topo dos rankings é visível para todos”.

No ranking da EIU-Person, por exemplo, os alemães figuram em 15º lugar. Em comparação, a Grã-Bretanha fica em 6º, seguida da Holanda, Nova Zelândia, Suíça, Canadá, Irlanda, Dinamarca, Austrália e Polônia.

Cultura e impactos econômicos
Tidas como “super potências” da educação, a Finlândia e a Coreia do Sul dominam o ranking, e na sequência figura uma lista de destaques asiáticos, como Hong Kong, Japão e Cingapura.

Alemanha, Estados Unidso e França estão em grupo intermediário, e Brasil, México e Indonésia integram os mais baixos. O ranking é baseado em testes efetuados em áreas como matemática, ciências e habilidades linguísticas a cada três ou quatro anos, e por isso apresentam um cenário com um atraso estatístico frente à realidade atual.

Mas o objetivo é fornecer uma visão multidimensional do desempenho escolar nessas nações, e criar um banco de dados que a Pearson chama de “Curva do Aprendizado”. Ao analisar os sistemas educacionais bem-sucedidos, o estudo concluiu que investimentos são importantes, mas não tanto quanto manter uma verdadeira “cultura” nacional de aprendizado, que valoriza professores, escolas e a educação como um todo.

Daí o alto desempenho das nações asiáticas no ranking. Nesses países o estudo tem um distinto grau de importância na sociedade e as expectativas que os pais têm dos filhos são muito altas.

Comparando a Finlândia e a Coreia do Sul, por exemplo, vê-se enormes diferenças entre os dois países, mas um “valor moral” concedido à educação muito parecido.

O relatório destaca ainda a importância de empregar professores de alta qualidade, a necessidade de encontrar maneiras de recrutá-los e o pagamento de bons salários.

Há ainda menções às consequências econômicas diretas dos sistemas educacionais de alto e baixo desempenho, sobretudo em uma economia globalizada baseada em habilidades profissionais.

imagem via Internet

Go to Top