Contando e Cantando (Volume 2)

Posts tagged sabor

Concurso Cultural Literário (43)

39

1

LEIA UM TRECHO

“Você já olhou para alguém e teve a certeza de que queria ficar com essa pessoa pela vida inteira? Talvez você nunca tenha vivido um amor assim. Mas você também tem sorte, porque nunca sofreu. É estranho e absurdo, mas meu maior medo sempre foi que um de nós dois morresse e eu não tivesse falado o quanto eu o amava. O quanto o amo. Como não há ninguém como ele no mundo todo. As lembranças mais marcantes da minha vida são as de quando o conheci. E contar esta história é como viver de novo a época em que a vida era doce… Doce como morangos. Esta história é sobre aquele tipo de amor que só acontece uma vez na vida, mas que, quando acontece, faz você olhar para trás e sentir que tudo valeu a pena.”

Vamos sortear 3 exemplares de “Época de morangos”, o novo livro de Rafaella Vieira.

Para participar, basta responder na área de comentários: Qual o sabor do amor?

O resultado será divulgado no dia 5/2/13 às 17h30 neste post e também nas nossas redes sociais: Twitter e Fan page.

Boa sorte!

***

Parabéns aos ganhadores: George F P AraujoMemórias de LeituraCamila Peitz. =)

Por gentileza enviar seus dados completos para [email protected] em até 48 horas.

Livro recupera percurso profissional de Cacilda Becker

0

Maria Eugênia de Menezes, no Estadão

Nossa memória é curta. O cronista Ivan Lessa definia bem essa particularidade nacional. Gostava de dizer que, a cada 15 anos, o brasileiro esquece os últimos 15 anos. Mas será possível esquecer Cacilda Becker? Maria Thereza Vargas, reconhecida estudiosa do teatro brasileiro, acredita que sim. “Corremos esse risco”, diz. “É como se a imagem dela já estivesse se apagando.”

1Cacilda Becker: Uma Mulher de Muita Importância é uma tentativa de manter nítidos os contornos dessa figura. No livro, lançado recentemente pela Imprensa Oficial, Maria Thereza recupera, com imagens, relatos e análises, os passos daquela que foi nossa atriz maior.

As mais de 150 páginas do volume não trazem uma descrição distanciada, com o verniz próprio das biografias, mas o testemunho de quem acompanhou de perto parte significativa dessa trajetória. A autora tem recordações dos episódios que está a narrar. Os sofrimentos de Cacilda, os anos de ouro no TBC – Teatro Brasileiro de Comédia, a maturidade artística e o ímpeto de ter uma companhia própria. “Já contei tantas vezes essa história que estou me repetindo”, confessa a pesquisadora.

Em 1983, ela havia organizado, ao lado de Nanci Fernandes, o título Uma Atriz: Cacilda Becker. Lá, a intenção era elencar pessoas que foram determinantes para a intérprete. A influência de Maria Jacintha, diretora do Teatro do Estudante. O papel de Alfredo Mesquita, à frente do Grupo Experimental e da EAD – Escola de Arte Dramática. Os depoimentos de encenadores estrangeiros – como Ziembinski, Luciano Salce, Ruggero Jacobbi – sobre seu estilo de interpretação.

Nessa nova obra, o resultado tem sabor diferente. Ainda que continue voltado a seu percurso profissional, revela um pouco mais sobre a vida da Cacilda, especialmente na juventude. Outro acréscimo significativo são as críticas que ela recebeu, tanto no teatro como no cinema.

O que vale mais, o escritor ou o livro?

0

José Roberto Torero no Correio do Brasil

Escritorxlivro

Nos últimos anos, a figura do escritor tem ganhado mais importância que sua obra.

O que é mais importante, o criador ou a criatura?
Eu prefiro a criatura. Não me importa muito se um autor tem 18, 68 ou 118 anos, se é um office-boy, um acadêmico ou uma striper, se nasceu na Mooca, em Londres ou em Pokhara, a cidade-lago do Nepal.

O que me importa é o livro. Mas muitos preferem o escritor.

É claro que tem o seu sabor saber quem escreve uma obra. Eu mesmo, quando pego um livro na livraria, dou aquela olhada na orelha para ver a foto do autor e ler sua biografia. Mas isso deve ser apenas a cereja do bolo, não seu recheio; deve ser apenas uma nota de rodapé, não a cabeça da reportagem.

O culto à personalidade tem crescido tanto que em várias resenhas você fica sabendo onde nasceu o escritor, com quem ele é casado e o escândalo que deu em sua adolescência, mas quase nada sobre a obra.

A orelha está sendo mais valorizada do que as páginas do livro.

O cartunista Laerte, por exemplo, é brilhante desde os tempos da editora Oboré, quando fazia ilustrações para sindicatos, mas nunca ganhou tanto destaque quanto depois de praticar o crossdressing.

(mais…)

Go to Top