Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged São Paulo

CCXP traz Evanna Lynch, a Luna Lovegood de ‘Harry Potter’, ao Brasil

0
Evanna Lynch começou a interpretar Luna Lovegood em 'Harry Potter e a Ordem da Fênix' (Foto: Divulgação)

Evanna Lynch começou a interpretar Luna Lovegood em ‘Harry Potter e a Ordem da Fênix’ (Foto: Divulgação)

 

Atriz participará da Comic Con Experience em dezembro em São Paulo.
Ela participou de quatro filmes da franquia do bruxo nos cinemas.

Publicado no G1

A atriz Evanna Lynch, que interpretou a bruxa Luna Lovegood na franquia “Harry Potter” nos cinemas, virá ao Brasil para participar da Comic Con Experience, em São Paulo. Ela estará no evento nos dias 3 e 4 de dezembro.

A irlandesa de 25 anos entrou na série que adaptou os livros de J. K. Rowling para os cinemas no quinto capítulo, “Harry Potter e a Ordem da Fênix”, e repetiu a atuação como a jovem com a cabeça na lua nas outras três produções finais.

Ela participará do evento em sessões de fotos, autógrafos para os fãs, meet and greet (no qual fãs poderão ter um breve encontro com a atriz) e em um painel. A 3ª edição da Comic Con Experience acontece entre os dia 1 e 4 de dezembro em São Paulo.

Argentina exibe manuscrito de Jorge Luis Borges encontrado no Brasil

0
Jorge Luiz Borges em imagem de 1981 na Cidade do México (foto: Upi Sabetta/AFP)

Jorge Luiz Borges em imagem de 1981 na Cidade do México (foto: Upi Sabetta/AFP)

 

Originais do conto ‘A biblioteca de Babel’, do escritor argentino, podem ser vistos na Biblioteca Nacional, em Buenos Aires

Publicado no UAI

O manuscrito do escritor argentino Jorge Luis Borges (1899-1986) usado para o famoso conto A biblioteca de Babel, encontrado no Brasil, começou a ser exibido em Buenos Aires, revelou o escritor Alberto Manguel, diretor da Biblioteca Nacional argentina.

“O documento estava em um ambiente lotado de papéis, quadros, fotos, mapas, cartas de rainhas e próceres como San Martín e Rivadavia. Me surpreendeu que, em uma pasta suja, tenha aparecido algo de tanto valor. Fiquei com a voz trêmula, foi uma emoção muito grande”, disse Manguel.

O original está escrito em letra minúscula. A obra pode ser observada na Biblioteca Nacional, que é dirigida há alguns meses por Manguel, um escritor que desenvolveu grande parte de sua carreira fora do país.

Borges foi autor de obras lidas e estudadas em todo o mundo como O Aleph. É considerado o maior escritor argentino da história e um dos grandes da literatura do século 20, mas não recebeu o Nobel.

Manguel trabalhava em uma livraria quando conheceu Borges e iniciaram uma amizade. O autor de História universal da infâmia, afetado pela cegueira, pediu a Manguel que lesse para ele em seu apartamento e isto aconteceu por quatro anos na década de 1960. Borges também foi diretor da Biblioteca Nacional.

Manguel levou o manuscrito para Buenos Aires como um empréstimo. Ele o encontrou quase ao acaso com um colecionador particular em São Paulo.

A biblioteca de Babel foi um dos contos incluídos no livro Ficções (1944), um dos pilares da obra borgeana. A ideia apresentada por Borges é a de um universo com uma biblioteca que contém todos os livros. É considerado uma metáfora sobre o infinito e foi objeto de estudos, inclusive do ponto de vista científico.

“É um autêntico tesouro. Estes papéis têm um valor material indiscutível e, por outro ladom um valor simbólico. Há poucos elementos que formam a simbologia universal e devemos a Borges um destes elementos: o conceito da biblioteca de Babel, que hoje podemos associar a Internet”, disse Manguel.

O valor material do manuscrito é avaliado em US$ 500mil.

Leitura é a chave do sucesso de escola estadual bem classificada no Ideb 2015

0

sam_3643

Unidade de ensino ficou entre as cinco melhores escolas dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental

Publicado no Portal do Governo do Estado de São Paulo

Uma das melhores escolas estaduais do Estado de São Paulo avaliadas no Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica), a E.E. Professora Nair de Almeida, unidade de Tempo Integral para alunos dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental, utiliza a leitura como principal ferramenta de aprendizado e transformação de seus alunos.

Situada no município de Serra Negra, a escola tem inúmeros projetos relacionados ao tema. Um dos destaques são as “sacolas mágicas da leitura”, atividade em que os alunos levam os livros da Sala de Leitura para casa, os leem e contam a história para os outros amiguinhos na sala de aula mas com um diferencial: sem falar o final da história. “O objetivo é fazer com que as outras crianças também queiram ler o livro. A cada semana fazemos a troca dos livros entre os alunos”, afirma Marisa Pietraseza Vadaher, coordenadora da unidade de ensino.

A atividade também conta com a parceria da empresa Bioleve, que disponibiliza as sacolas para a unidade de ensino. “Nesse projeto utilizamos livros de histórias em quadrinhos, contos, entre outros gêneros”, conclui Marisa.

Outro projeto de grande importância é o “desafio dos livros”, no qual cada sala de aula possui uma ficha com dez livros para leitura. A criança que ler primeiro os dez títulos e contar para as professoras e coordenadoras ganha um prêmio.

Boa colocação no Ideb

O foco na leitura também rendeu à escola boa colocação no Ideb, divulgado no dia 8 de setembro pelo Ministério da Educação (MEC). Com percentual de 8,3 a escola estadual ficou entre as cinco primeiras colocadas entre as unidades que atendem os Anos Iniciais do Ensino Fundamental.

“Foi um conjunto de fatores que ajudaram nesse desempenho. Estamos fazendo um trabalho a longo prazo. Além do Ideb, também estamos crescendo muito no Idesp”, revela Claudia Cristina de Oliveira Costa, diretora da escola estadual.

Números gerais

São Paulo foi o primeiro Estado a ocupar o ranking dos três ciclos avaliados pelo Ideb. De acordo com os resultados, a rede estadual paulista aparece na 1ª posição na análise do 5º e 9º anos do Ensino Fundamental e 3ª série do Ensino Médio.

Nos Anos Iniciais (1º ao 5º do fundamental), São Paulo ocupa a liderança isolada da faixa, passando de 5,7 em 2013 para 6,4 em 2015. A média é superior à meta estabelecida pelo Governo Federal para o ano de 2019, que é de 6,3. Nos Anos Finais (6º ao 9º do fundamental), mais uma conquista importante: os alunos da rede estadual paulista avançaram de 4,4 para 4,7.

No Ensino Médio, ciclo que reúne a maior quantidade de alunos da rede estadual e os maiores desafios dos educadores de todo mundo, São Paulo também apresentou crescimento na média. Os estudantes saíram de 3,7 para 3,9.

Imagem: http://nairdealmeida.blogspot.com.br/

Edição 2016 do Pauliceia Literária aposta na crônica, diz curador

0
Manuel da Costa Pinto, curador do Pauliceia Literária. Foto: Reprodução / Divulgação

Manuel da Costa Pinto, curador do Pauliceia Literária. Foto: Reprodução / Divulgação

 

Evento, com início nesta quinta-feira (15), homenageia Luis Fernando Veríssimo e reunirá, entre outros, Marcelo Rubens Paiva, Humberto Werneck e Fernando Bonassi

Daniel Benevides, na Brasileiros

Depois de um ciclo sobre a obra do cineasta Hector Babenco, morto recentemente, a Associação dos Advogados de São Paulo (AASP) abre suas portas para a terceira edição do Pauliceia Literária nessa quinta (15), a partir das 11 horas, com entrada gratuita (confira a programação). A primeira mesa será com o homenageado Luis Fernando Veríssimo, num bate-papo com outro cronista, Humberto Werneck. Para o curador Manuel da Costa Pinto, em conversa com CULTURA!Brasileiros, “a crônica é o gênero brasileiro por excelência”.

Animado com o evento, que expandiu bastante os temas debatidos desde um início mais ligado à literatura policial, Manuel tem uma teoria curiosa – e não menos pertinente – sobre a crônica, gênero bem representado no Pauliceia: “a crônica realizou melhor que a poesia modernista de 1922 a aproximação da literatura com a linguagem coloquial, esse sentido de anotação do pequeno no dia a dia, que casa muito bem com um país que tem a sensação permanente de deslocamento, entre a experiência europeia e o sentimento marginal, por assim dizer.”

Ele também acha que a crônica, com sua “retórica desinflada”, mudou, está hoje mais próxima da realidade imediata, menos ligada à banalidade do cotidiano, como era com Rubem Braga, Fernando Sabino, Paulo Mendes Campos e outros. “Agora há um grande interesse por análises da situação política, social e cultural, face à selvageria de opiniões na internet, por assim dizer.”

Além do espaço dedicado à crônica, Manuel destaca a discussão sobre desaparecidos políticos, presente principalmente na mesa que reúne os escritores Bernardo Kucinski e Julián Fuks, mas também com Marcelo Rubens Paiva, que recentemente laçou o livro Ainda Estou Aqui, sobre, entre outras coisas, o sequestro e assassinato de seu pai, o deputado Rubens Paiva, durante a ditadura.

O curador ainda ressalta a importância da participação de autores como Alan Pauls, para ele, “melhor escritor argentino em atividade”, que veio de Berlim, onde está escrevendo livro novo; e de Cristóvão Tezza, “escritor de obra muito consistente, nem sempre prestigiado como merecia”, cujo livro de ensaios Espírito de Prosa, “espécie de autobiografia intelectual, infelizmente pouco comentado”, considera genial.

Duas mesas chamam atenção pelo aspecto menos habitual. Em uma delas o poeta sul-coreano Oh Sae-Young, trazido em parceria com o Instituto Coreano de Tradução Literária, não publicado no Brasil, conversa com Moacir Amâncio, que se tornou um especialista em cultura judaica. “Ambos têm uma percepção da vida moderna, mas ao mesmo tempo um pé em tradições religiosas.” A outra junta duas escritoras com grande experiência no mercado editorial, Ana Luisa Escorel, designer e publisher da Ouro sobre Azul, que publica, entre outras, a obra de seu pai, Antonio Candido, e Milena Busquets, escritora catalã que trabalhou por muitos anos na editora Lumen, fundada nos anos 1960 por sua mãe, a também escritora Esther Tusquets Guillén.

Sobre a proliferação de festivais literários num país que lê pouco, Manuel considera que o público leitor é ainda proporcionalmente grande, dado o tamanho continental do Brasil. Mas reconhece que, com o formato proposto pela Flip, mais informal que os antigos eventos acadêmicos e menos comercial que as feiras de livros, o interesse do público “acaba mais voltado para o escritor enquanto personagem do que para a obra em si. É um fenômeno que revela um pouco o espírito do tempo, a maneira como as pessoas lidam com a cultura.”

Elvira Vigna, autora cultuada, que acaba de lançar o romance Como se Estivéssemos em Palimpsestos de Putas, cancelou sua participação no evento. Veronica Stigger, também uma escritora extremamente interessante, fará a mesa com o próprio Manuel como mediador. Complementam a ótima escalação do Pauliceia Literária Ana Miranda, Ana Cássia Rebelo, José Luís Peixoto e Raimundo Carrero.

Após ler 560 livros, garota de 11 anos cria biblioteca em SP

0

638591-940x600-1

Simone Machado, na Folha de S.Paulo

RESUMO Aos 11 anos, Kaciane tornou-se conhecida pela paixão por livros: já leu 560. Moradora de um bairro pobre de São José do Rio Preto (SP), ela promoveu campanhas e construiu sua própria biblioteca –um quarto no fundo de casa, com cerca de 5.000 títulos. Os próximos passos são uma biblioteca móvel e lançar um livro.

*

Minha paixão pelos livros começou bem antes que eu pudesse me dar conta. Minha mãe diz que, com três, quatro anos, eu já era apaixonada por livros e cadernos, e a minha brincadeira preferida era de escolinha.

No quintal de casa, com meus irmãos mais velhos, aprendi a ler e a escrever. Aos sete, na escola, conheci o que era uma biblioteca. Incentivada por uma professora, li meu primeiro livro, “As Aventuras de Pedro, o Coelho”, da autora Beatrix Potter.

Tinha mais ou menos cem páginas, cheias de desenhos, que li em poucas horas. Ali começava a minha paixão. Adorei a sensação de poder entrar na história, conhecer personagens e viajar para lugares que jamais imaginei.

Na mesma semana voltei para a biblioteca e peguei outros livros. Desde então, esse é meu principal passatempo.

Todos os dias, não vejo a hora de chegar da escola e fazer meu dever, depois fechar a porta do quarto e abrir meu mundo particular. Hoje leio, em média, cem livros por ano. E já li 560 títulos.

O SONHO

Quando eu tinha nove anos, minha família saiu do aluguel e se mudou para a nossa casa própria, em um conjunto habitacional de baixa renda. A maioria das crianças não tinha muito lazer e ficava a maior parte do tempo nas ruas, ociosas.

Foi então que surgiu a ideia de construir uma biblioteca no quintal, nos fundos de casa. Assim eu poderia apresentar para todas as crianças da vizinhança aquele universo tão fantástico.

Aos poucos fui contando para as pessoas meu projeto e pedindo doações de livros, mas recebi apenas 40 títulos.

Aí pensei: como meu aniversário estava próximo, fiz um vídeo e publiquei na internet. Em vez de presentes comuns, pedi livros para montar a biblioteca.

Meu vídeo chegou até um empresário da cidade. Foi ele quem doou todo o material para a construção da biblioteca. Em poucos meses, meu sonho virou realidade.

A biblioteca é toda colorida, tem mesinhas e um espaço para as crianças. São cerca de 5.000 títulos, livro para todos os gostos e idades.

Como ela fica no fundo de casa, para chegar tem que passar por dentro da nossa cozinha. Mas nada disso importa para mim. Minha mãe e minha irmã me ajudam a receber as crianças do bairro.

O LIVRO

Assim como nos livros, quero que minha história vá além. Agora em outubro estou prestes a realizar mais sonhos: lançar meu primeiro livro e criar uma biblioteca itinerante. Minha vontade é que crianças de outros bairros carentes também tenham a oportunidade de viajar pelo mundo da leitura.

Já ganhei materiais e acessórios para montá-la e ela já está quase pronta. Está ficando linda! Já meu livro, sou suspeita para falar, mas ele também está lindo. Estou completamente apaixonada por ele.

Chamado “Tanto Faz ou Qualquer Coisa: Histórias de Kaciane”, fala da minha história, de preconceito, de amizade, entre outros temas.

Ele já está na pré-venda e vai ser lançado no mês das crianças, em outubro. E assim eu vou seguindo, sonhando, realizando e escrevendo um capítulo novo a cada dia.

Go to Top