Posts tagged Sem Saber

Jornalista dá versão politicamente incorreta da história do mundo em novo guia

0

Danúbia Guimarães no Portal Imprensa

O jornalista Leandro Narloch já passou pelas redações de revistas como Veja, Superinteressante e Aventuras na História, mas de uns anos para cá tem se dedicado a um trabalho mais autoral. Logo em sua estreia como escritor, em 2009, integrou a lista dos dez livros mais vendidos do País, feito repetido também em 2011. O “Guia Politicamente Incorreto da História do Brasil” e o “Guia Politicamente Incorreto da América Latina”, respectivamente, trouxeram informações nada convencionais sobre personagens como Zumbi dos Palmares, Santos Dumont, entre outros heróis da história, caindo quase que automaticamente no gosto dos leitores mais jovens.
Lançado no início de agosto, o “Guia Politicamente Incorreto da História do Mundo”, da editora Leya, chega com proposta semelhante. Reunindo dois anos de pesquisas e, pelo menos, 150 estudos e materiais de referência, a obra promete contrariar muitos fatos dados como concretos da história tradicional dos livros didáticos mundo afora.
No guia, o leitor terá acesso a informações que apontam, por exemplo, que Dalai Lama não teria sido um governante tão “zen” quando comandava o Tibete. Segundo o autor, “a maior parte dos tibetanos vivia em um rígido sistema de servidão. Transgressores e criminosos eram punidos com açoites e amputação de orelhas, braços e olhos”.
Como diferencial, o livro traz ainda uma pesquisa exclusiva e polêmica realizada na Câmara dos Deputados. Ao longo do dia, os governantes eram questionados se concordavam ou não com uma série de frases sem saber que se tratavam de citações do ex-ditador fascista Benito Mussolini.   Segundo Narloch, o objetivo era “mostrar que quando é tirado o nome do líder italiano, a ideia de que o Estado deve ter total poder sobre as escolhas individuais permanece arraigada”.
A seguir, o jornalista fala à IMPRENSA sobre o processo de produção e apuração de seu mais novo livro e o impacto que ele deve causar.
IMPRENSA Como foi o processo de apuração de seu novo livro? Como elegeu fontes confiáveis diante da incapacidade de comprovar 100% a veracidade dos fatos?
LEANDRO NARLOCH – Procurei falar com especialistas no assunto. Para falar sobre Hitler e o nazismo, por exemplo, falei com o Ian Kershaw, que é um grande historiador e um de seus biógrafos mais importantes [do ex-líder nazista]. Também fui até Oxford, na Inglaterra, consultar alguns pesquisadores, além do material de consulta, que foram cerca de 150 publicações. Foram dois anos de entrevistas e pesquisas.

Em Itaquaquecetuba, biblioteca de escola está guardada em armários há 5 anos

0

Camila Ribeiro, no Mural

Os alunos da escola estadual Maurício Alves Braz, no Jd. Maragogipe, em Itaquaquecetuba, Grande São Paulo, contam com uma biblioteca improvisada desde que um incêndio em 2008 reduziu a cinzas os livros da instituição. Desde então, os estudantes encontram dificuldades para fazer as pesquisas solicitadas por professores.

Para amenizar a situação, a diretoria improvisou e colocou os livros em três armários antigos de escritório. Os estudantes podem emprestar títulos sobre temas como história, entretenimento e literatura por um prazo de 15 dias. Porém, o serviço não está disponível em todos os horários.

1

Armários onde ficam guardados os livros da biblioteca da escola

Quem estuda na parte da manhã, por exemplo, é prejudicado. “Somos orientados a procurar o funcionário responsável à noite, o que deixa mais difícil o nosso acesso a leitura”, conta o aluno Lucas*.

Beatriz, 14, frequentou a escola por três anos e meio sem saber que poderia emprestar livros. “Estudei da quinta a oitava no Maurício e não era muito divulgado aos alunos da manhã que a escola tinha livros para nossa utilização”, conta. Ela mudou de escola no começo deste ano.

Júlia, 16, cursa o Ensino Médio à noite e é uma das leitoras assíduas dos livros da escola. Ela costuma emprestar de dois a três exemplares de cada vez. “Gosto muito de ler e acho importante ter este hábito para conseguir um desenvolvimento melhor nas matérias”, diz a estudante, que tem Machado de Assis como um de seus autores preferidos.

Contudo, quando o conteúdo exigido não é encontrado na escola, ela vai até uma lan house, já que não possui computador em casa e os equipamentos do laboratório de informática da escola foram roubados. “Gastamos até R$ 2,00 por hora de acesso, sem contar a impressão do que foi pesquisado”, diz Júlia.

Fachada da escola estadual Maurício Alves Braz, localizada no Jd. Maragogipe

Fachada da escola estadual Maurício Alves Braz, localizada no Jd. Maragogipe

Outra opção de consulta é a Biblioteca Municipal, no Centro, a cinco quilômetros do bairro. O caminho é feito de ônibus, com custo de R$ 5,80. Lá, o trabalho escolar pode ser feito a mão ou em um telecentro que fica no local.

A Secretaria Estadual de Educação disse que a escola Maurício Alves Braz foi incluída no programa Sala de Leitura e que o acervo foi reorganizado e disposto em uma sala para atender aos alunos. O órgão informou ainda que foi iniciado um processo de seleção para contratar um professor para cuidar do espaço. Entretanto, a reportagem do Mural conversou com os alunos após o recebimento desta resposta, e eles disseram que os livros continuam nos armários.

Em relação a sala de informática, o governo informou que o espaço será equipado com 21 computadores, cuja instalação está prevista para ser iniciada na próxima semana.

*Os nomes usados nesta reportagem foram trocados a pedido dos entrevistados.

Go to Top