Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged Sindicato Nacional

Bienal do Rio termina com mais vendas em relação a 2011

0

Foram vendidos 3,5 milhões de exemplares contra pouco mais de 2,8 milhões na edição anterior

Publicado na IstoÉ Dinheiro

A Bienal do Livro de 2013 vendeu quase 700 mil livros a mais que a edição de 2011, conforme divulgado neste domingo (8) pelos organizadores do evento. Foram 3,5 milhões de exemplares em 2013, contra pouco mais de 2,8 milhões de dois anos atrás. Apesar do crescimento, o número de frequentadores diminuiu: este ano, foram 660 mil visitantes, 10 mil a menos que os 670 mil de 2011.

Sônia Jardim, presidenta do Sindicato Nacional dos Editores de Livros, chamou a atenção para a presença de jovens no evento. “Passaram por nossos corredores autores de diferentes perfis, mas é impossível não destacar a grande presença dos jovens. Eles sempre deram brilho à Bienal, mas nos últimos anos vêm se tornando o maior público leitor do país”.

Tradicional destino de excursões escolares, a Bienal de 2013 recebeu 145 mil estudantes, quase um quarto do público total.

O número de autores presentes no evento, 163 brasileiros e 25 estrangeiros, foi um recorde, segundo os organizadores. Neste ano, foram investidos R$ 5 milhões na programação cultural, 20% a mais que em 2011.

Outro dado foi o número de livros vendidos por comprador, que saltou de 5,5 para 6,4, de 2011 para 2013, uma alta de pouco mais de 16%.

Em 2014, o evento ocorrerá em São Paulo. A Bienal do Livro volta à capital fluminense entre 20 e 30 de agosto de 2015.

Bienal do Livro RJ: abertura marcada por tom político e cobranças ao governo

0

Ministra ouve pedidos de proteção a direitos autorais e liberação de biografias

Sem visitas de escolas na quinta-feira, primeiro dia da Bienal do Livro do Rio foi pouco movimentado (foto: Daniela Dacorso / O GLOBO)

Sem visitas de escolas na quinta-feira, primeiro dia da Bienal do Livro do Rio foi pouco movimentado (foto: Daniela Dacorso / O GLOBO)

Maurício Meireles, em O Globo

RIO — O primeiro dia da 16ª Bienal do Livro do Rio, que começou na quinta-feira, no Riocentro, foi marcado pelo tom político. Na cerimônia de abertura, com a presença da ministra da Cultura, Marta Suplicy, a presidente do Sindicato Nacional dos Editores de Livros (Snel), Sônia Jardim, cobrou do governo o respeito aos direitos autorais e uma posição a favor das biografias não autorizadas.

Em seu discurso, Sônia falou dos avanços do mercado em 30 anos de história da Bienal do livro, mas apontou dois retrocessos: a pirataria de livros e o veto das biografias não autorizadas estabelecido pelo Código Civil.

— De 1983 para cá, avançamos, mas demos alguns passos para trás. Naquele ano, eu me lembro de um concurso de cartazes para uma campanha contra a reprografia. Já se falava, então, do prejuízo que as cópias causavam para as editoras. Hoje, a ameaça é ainda maior — afirmou Sônia. — Por isso, defendemos que a nova lei de direitos autorais proteja o autor, sem permitir a cópia integral ou de grandes trechos dos livros, sob pena de desestimular a produção intelectual do país.

A presidente do Snel também pediu que provedores de internet continuem a aceitar notificações extrajudiciais para tirar do ar conteúdos que violem os direitos autorais. Para Sônia, a Justiça brasileira “não tem agilidade” para combater a pirataria na internet. Ela afirmou, ainda, que, com a proibição das biografias, histórias de grandes personagens deixam de ser escritas. Sônia lembrou que os editores movem, no Supremo Tribunal Federal, uma ação para declarar inconstitucionais os artigos 20 e 21 do Código Civil, que vetam biografias não autorizadas.

A ministra da Cultura falou sobre os direitos autorais, mas ignorou a polêmica das biografias.

— Temos clareza de que o autor precisa ser protegido, mas quem ignorar a internet vai ficar no século passado. O autor deve poder viver do que ele cria. Como autora de nove livros, entendo essa reivindicação, mas temos que ver a questão com um pé no século XXI. O projeto (de uma nova lei de direitos autorais) já está na Casa Civil — disse Marta.

A ministra da Cultura comemorou ainda a regulamentação do Vale-Cultura, benefício de R$ 50 para trabalhadores que ganham até cinco salários mínimos. Marta espera que o benefício passe a funcionar em outubro e disse querer o apoio do setor livreiro, pedindo que as livrarias estampem em suas vitrines que aceitam o Vale-Cultura.

Go to Top