Posts tagged sozinhos

5 coisas que te deixam mais burro

0

publicado no Ciência Maluca
Tudo sempre ter que ter uma consequência. E às vezes ela não é das melhores. Por exemplo: tomar um refrigerante bem gelado numa tarde de verão pode parecer uma boa ideia. Mas se você faz isso com frequência talvez esteja ficando mais burrinho. E sabe aquelas reuniões chatas e intermináveis? Avisa seu chefe que ela também te deixa menos espertinho. E a lista não para por aí, dá uma olhada nas coisas que acabam com a sua inteligência.

debiloide1

VIVER NUMA CIDADE GRANDE
Pesquisadores da Universidade de Michigan, nos Estados Unidos, dividiram voluntários em dois grupos: um teria de passear por um parque e outro por uma avenida movimentada. Depois dos passeios, todos fizeram alguns testes. Quem andou pela cidade tinha uma memória pior, problemas de aprendizado e conseguia se concentrar menos. Tudo culpa do excesso de coisa acontecendo: uma confusão de vários sons, cheiros, luzes. Por mais que você não perceba, seu cérebro está trabalhando loucamente. Aí ele fica congestionado – e trabalha mais lentamente.

FAZER REUNIÕES
Segundo pesquisa americana, a gente foi feito pra trabalhar sozinho – nosso cérebro funciona melhor assim. Eles avaliaram o QI de alguns voluntários e pediram a eles para resolverem alguns testes de lógica, em duas situações: sozinhos ou com um grupo pequeno de pessoas. E eles se saíam melhor quando estavam sozinhos. É que quando estamos em grupo, como acontece em reuniões, além de usar o raciocínio, nosso cérebro ainda precisa colocar pra trabalhar o lado social.

TOMAR MUITO REFRIGERANTE
Na receita de todo refrigerante vai xarope de milho rico em frutose. É seis vezes mais doce do que o açúcar comum – e mais barato. Só tem um problema: ele deixa você lento na hora de aprender e memorizar informações. Foi um pessoal da Universidade da Califórnia que comprovou. Eles ensinaram a alguns ratos o trajeto para sair de um labirinto – deixando pelo caminho rastros e pistas para que eles não esquecessem como chegar até a saída. Depois, dividiram os ratos em dois grupos: metade receberia uma alimentação saudável, rica em ômega-3, enquanto os outros seriam alimentados com o tal xarope de milho. Por seis semanas eles seguiram a dieta. Depois disso, os pesquisadores os colocaram mais uma vez no labirinto. Como era de se esperar, os bichinhos que seguiram a dieta com ômega-3 se saíram bem melhor: encontravam mais rápido a saída.

TER RESSACA
Sim, segundo pesquisa da Universidade Keele, no Reino Unido. Dizem eles que, durante a ressaca, o desempenho da nossa memória de trabalho (memória de fácil acesso, que torna possível ler e compreender uma frase do início ao fim) cai de 5% a 10%. E ainda nos deixa mais lentos: uma pessoa de 20 anos fica tão ágil quanto uma de 40 anos. O etanol e a desidratação formam o time de culpados. Quando o corpo tenta se livrar do álcool, algumas moléculas tóxicas são formadas. E é por isso que a gente dá uma emburrecida no dia depois da bebedeira.

MULHERES BONITAS
A pesquisa holandesa só incluiu homens heterossexuais (então não dá pra saber se são os belos do mesmo sexo que emburrecem os gays). Depois de interagirem com homens ou com mulheres, todos os voluntários tiveram de fazer alguns testes. Quando haviam conversado com uma mulher, a capacidade cognitiva dos homens caía. E quanto mais o voluntário a achava bonita, maior era essa confusão mental. Segundo os cientistas, a explicação vem daquela bobeira daquele papo que justifica até traições: homens são mais motivados pelo acasalamento. Aí procuram sinais de interesse no comportamento feminino. E isso os deixa biologicamente confusos.

Professor no Brasil se sente sozinho, diz pesquisadora

0

ProfessoralousaKarina Yamamoto, no UOL

“O professor no Brasil se sente sozinho, ele tem muito pouco apoio, se compararmos sua situação com a dos seus colegas na OCDE [Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico]”, afirma pesquisadora brasileira Gabriela Moriconi.

“Ele não recebe a preparação adequada durante a faculdade [50% não tem didática para tudo o que ensina], não foi formado para lidar com os problemas práticos da sala de aula [40% diz não ter treinamento para a prática] e não tem o apoio suficiente [nos países ricos, há aconselhamento profissional e psicológico para os alunos, por exemplo]”, completa Moriconi.

Pesquisadora da FCC (Fundação Carlos Chagas), Moriconi faz parte do time responsável pela nota sobre o Brasil na Talis, pesquisa da OCDE com 34 países e territórios para mapear as condições de trabalho dos professores. O levantamento foi divulgado na manhã desta quarta (25), em Paris.

Os resultados da pesquisa internacional chamam atenção também para a carga horária média desses profissionais – no Brasil, o docente trabalha cerca de 25 horas semanais nas aulas contra a média de 19 horas dos países que participaram do estudo.

“Na maioria dos países da OCDE, o professor trabalha em uma única escola, em tempo integral e leciona, em média, 19 horas na semana. Aqui no Brasil, o número de alunos com o qual o professor trabalha quase dobra se pensarmos que os docentes ensinam 25 horas e em salas com mais alunos. Fora a grande parcela que diz trabalhar como professor em tempo parcial, o que significa que ele pode ter um outro trabalho para o qual deve dedicar seu tempo”, diz Moriconi.

E ela propõe um questionamento: “Diante dos dados [de gasto de tempo com planejamento de aula], ficam algumas perguntas: mesmo que ele queira, será que o professor brasileiro consegue preparar uma aula em que os alunos tenham tantas oportunidades de aprender quanto dos seus colegas em países da OCDE? Ele tende a ter mais turmas, já dá seis horas a mais de aula em média, mas gasta o mesmo tempo com planejamento”.

Dedicação

Em sala, o professor usa 67% do seu tempo para dar aula — em 20% do tempo está mantendo a disciplina e em 12% cuida de questões administrativas como distribuir material ou conferir a presença dos alunos. Para se ter uma ideia, na Finlândia, país considerado bom exemplo na educação, os docentes dão aula em 81% do tempo.

“No Brasil, via de regra, as redes contratam o professor para ser um dador de aula, o que pode ocorrer em diversas escolas, de modo fragmentado”, diz Moriconi a respeito do nosso sistema com um currículo fragmentado e pouca valorização da carreira desse profissional.

“Em muitos outros países, o professor é contratado para ser um profissional daquela escola específica, que atua de diversas formas para que os alunos tenham a oportunidade de aprender: tanto na sala de aula, quanto sendo um tutor que acompanha a vida escolar de um grupo de alunos, ou sendo o mentor de outro professor menos experiente, seja assumindo a responsabilidade por alguma política da escola (como a política de comportamento dos alunos, por exemplo), etc. Por isso, a carga horária de aulas é menor e parte do tempo é utilizado para que o professor não só se prepare melhor para suas aulas, mas também desempenhem essas funções.”

Go to Top