Cantora pop e atriz de 24 anos ganha sua ‘história completa’.
Livro do jornalista Chas Newkey-Burden será lançado na Bienal de SP.

Publicado no G1

Capa da biografia de Taylor Swift (Foto: Divulgação)

Capa da biografia de Taylor Swift (Foto: Divulgação)

“Ela é deslumbrante de um jeito óbvio, uma bela loira de pernas longas que ainda assim costuma brincar com o papel de esquisitinha e desajeitada”, descreve o jornalista Chas Newkey-Burden, na introdução de seu livro “Taylor Swift: A história completa”. A biografia da cantora e atriz de 24 anos será lançada durante a 23ª Bienal de São Paulo.

Newkey-Burden, autor de biografias de Amy Winehouse, Justin Bieber, Adele e Michael Jackson, narra a infância e o início da carreira de Taylor Swift – sua relação com os pais e os primeiros passos no mundo da música como cantora em igrejas. A narrativa passa pela adolescência, a consolidação como cantora pop, aos 17 anos, até o sucesso do seu quarto álbum, “RED”, de 2013.

O jornalista também aborda algumas polêmicas que envolvem Swift, como os conturbados namoros com John Mayer, Harry Styles e Jake Gyllenhaal, e o episódio com Kanye West durante o MTV VMA, quando o rapper subiu no palco e interrompeu o seu discurso de agradecimento pelo prêmio de Melhor Vídeo Feminino.

Leia, a seguir, vários trechos de capítulos diferentes do livro “Taylor Swift: A história completa”:

“Não era para Taylor Swift ter se transformado em cantora e compositora; era para ela ter sido corretora de ações. Seus pais até mesmo escolheram seu nome de batismo já tendo em vista a carreira nos negócios. A mãe, Andrea, quis um nome neutro para sua filha, que servisse tanto para um menino quanto para uma menina, justamente para que, quando crescesse e fosse procurar emprego na área de finanças, predominantemente masculina, ninguém soubesse de antemão se ela era homem ou mulher. Embora fosse um plano nascido do puro amor maternal, não viria a se tornar realidade.”

“Taylor então percebeu que não era tão “legal” quanto as outras crianças por causa da sua individualidade. Sofrendo a pressão dessas provocações e já antecipando a possibilidade de ser deixada de lado, ela resolveu ir contra sua natureza individualista e começou a tentar se misturar mais com os colegas. Foi nesse momento, entretanto, que aprendeu uma lição valiosa. Descobriu que quanto mais ela tentava parecer bacana aos olhos do pessoal da escola, menos eles a respeitavam. “Foi então que eu vi que tentar ser como todo mundo simplesmente não dá certo”, conclui. Houve um dia particularmente desagradável em que sugeriu a um grupo de conhecidas que se encontrassem no shopping mais próximo. Parecia um programa divertido. Ela ficou bem desapontada, no entanto, quando todas recusaram, alegando ter outros planos. Decidiu ir assim mesmo com a mãe. Chegando lá, elas então descobriram que o grupo de meninas estava no tal shopping. “Me lembro disso como se fosse ontem”, disse Andrea à revista Elle Girl. “Taylor e eu entramos em uma loja e lá estavam as seis menininhas que tinham dito a ela que estariam ‘muito ocupadas’.”

Taylor ficou abismada e muito magoada naquele dia. Andrea rapidamente a pôs no carro e foi para outro shopping bem longe dali para fazer suas compras. Quando se recorda daquele dia tão triste, Taylor diz que a lembrança “é daquelas bem dolorosas, das quais a gente nunca se recupera totalmente”. Ela é bastante grata à atitude que Andrea tomou naquele dia. Ao ir para outro shopping e se divertir por lá, elas deram uma boa resposta às meninas que a tinham ignorado. O shopping King of Prussia ficava a uma hora e meia de carro dali, mas a viagem valeu muito a pena.”

“Ainda que ‘White Horse’ estivesse programada para aparecer no terceiro álbum, ela foi incluída em Fearless depois que os produtores do sucesso televisivo Grey’s Anatomy ligaram para Taylor e perguntaram se poderiam incluir a faixa no episódio de abertura da quinta temporada. Receberam um ‘É claro que sim!’ da cantora, já que Grey’s Anatomy é seu programa de televisão preferido. Foi fácil dizer “sim”, mas também foi um momento muito emocionante, como ela disse depois. ‘Você deveria ter visto as lágrimas escorrendo pelo meu rosto quando eu recebi aquela ligação dizendo que eles queriam usar minha música’, ela diz.
‘Eu não poderia ter ficado mais empolgada. Esse é o sonho de uma vida inteira, ver minha música tocando em ‘Grey’s Anatomy’. Meu amor por essa série nunca diminuiu. É o meu relacionamento mais duradouro até hoje’. Ela mal podia acreditar em sua sorte.”

“Além de suas atividades como ator, Gyllenhaal também é muito badalado tanto por sua beleza quanto pela vida amorosa. Namorou as atrizes Kirsten Dunst e Reese Witherspoon. Foi escolhido pela revista People como uma das “50 pessoas mais bonitas” em 2006 e eleito pela mesma publicação como um dos “solteiros mais cobiçados” naquele mesmo ano. Também já esteve em diversas listas de “mais desejados” do mundo gay. Ele tinha terminado seu romance com Witherspoon dez meses antes de conhecer Taylor. Quando ela o encontrou pela primeira vez nos bastidores do SNL, já estava bem familiarizada com a história do rapaz. Uma fonte muito cautelosa da revista People disse que os dois “tomaram muito cuidado para não serem vistos muito juntos enquanto passeavam pelos bastidores”. A mesma fonte concluía: “Era difícil dizer se estavam gostando um do outro”. Há uma diferença de idade considerável entre eles, já que Gyllenhaal é nove anos mais velho que a cantora.”

“Muitos jornalistas, em especial do sexo masculino, já descreveram Taylor como uma mulher que jamais será feliz. Afinal, ela reclama dos homens com tanta facilidade que, alegam esses críticos, nunca haverá um pretendente que obedeça aos exigentes critérios que ela estabeleceu. Em vez disso, especulam, ela está destinada a ter uma vida de relacionamentos apenas temporários, todos fadados a terminar rápido e se transformar em música. É um veredito um pouco pesado, mas ela própria não discordaria totalmente dele, como podemos ver em “The Way I Loved You”. Nessa faixa, ela reclama de como, mesmo em um encontro com um cara legal, ela deseja secretamente estar com um bad boy. O rapaz na frente dela é bem mais sensato, o que de imediato causa inveja em suas amigas, mas ela se vê almejando todo o drama e a volatilidade de um relacionamento com um homem menos perfeito.”