Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged totalitarismo

17 livros que são armas contra a ascensão de regimes políticos tirânicos

0

Claudio Ribeiro, no Jornal Opção

No livro Sobre a Tirania: vinte lições do século XX para o presente (Companhia das Letras, 168 páginas, tradução de Donaldson M. Garschagen), recém-publicado no Brasil, o historiador americano Timothy Snyder oferece ao leitor uma lista de dezessete livros que, se lidos com atenção, podem servir como verdadeiras armas contra a irrupção de regimes políticos tirânicos.

A lista se encontra na “lição número 9”, intitulada “Trate bem a língua”, na qual podemos ler, como advertência inicial, o seguinte: “Evite proferir as frases que todo mundo usa. Reflita sobre sua maneira de falar, mesmo que apenas para transmitir aquilo que você acha que todos estão dizendo. Faça um esforço para afastar-se da internet. Leia livros.”

Capa do livro “Sobre a Tirania: vinte lições do século XX para o presente” (Companhia das Letras, 2017, 168 páginas)

Capa do livro “Sobre a Tirania: vinte lições do século XX para o presente” (Companhia das Letras, 2017, 168 páginas)

Pois bem, então, o que ler? É esta a questão que Snyder procura responder. E sua resposta começa pela literatura, indo de um clássico incontestável até um romance infantojuvenil de grande sucesso editorial:

“Qualquer bom romance estimula nossa capacidade de pensar sobre situações ambíguas e de julgar as intenções alheias. Os irmãos Karamázov, de Dostoiévski, e A insustentável leveza do ser, de Milan Kundera, talvez sejam adequados a nosso momento. O romance Não vai acontecer aqui, de Sinclair Lewis, talvez não seja uma grande obra de arte. Complô contra a América, de Philip Roth, é melhor. Um romance conhecido por milhões de jovens americanos e que oferece um relato de tirania e resistência é Harry Potter e as relíquias da morte, de J. K. Rowling. Se você, seus amigos ou seus filhos não o entenderam assim da primeira vez, vale a pena lê-lo de novo.”

Após a indicação desses cinco romances, Snyder indica onze livros de não ficção, que abordam a política e a história do século XX. E finaliza a lista indicando a leitura das Sagradas Escrituras, da tradição judaico-cristã. Para tanto, argumenta:

“Os cristãos podem retornar ao seu livro fundamental, que sempre é muito oportuno. Jesus ensinou que ‘é mais fácil um camelo passar através do buraco de uma agulha do que um único rico entrar no reino de Deus’. Devemos ser modestos, porque ‘quem se exaltar será humilhado e que se humilhar será exaltado’. E é claro que temos de nos preocupar com o que é verdadeiro e com o que é falso: ‘E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará’.”

Reuni, abaixo, todos os dezessete livros indicados. A maior parte está traduzida e publicada no Brasil. Referencio todas as edições, tanto as disponíveis no mercado editorial nacional quanto aquelas que ainda não estão.

É uma ótima oportunidade de leitura, sobretudo para quem está de férias!
Segue a lista:

1 – Os irmãos Karamázov, de Dostoiévski (Editora 34, tradução de Paulo Bezerra).

2 – A insustentável leveza do ser, de Milan Kundera (Editora Companhia de Bolso, tradução de Tereza Bulhões de Carvalho).

3 – It Can’t Happen Here [Não vai acontecer aqui], de Sinclair Lewis (Editora Signet Classics-Penguin Group).

4 – Complô contra a América, de Philip Roth (Editora Companhia das Lestras, tradução de Paulo Henriques Britto).

5 – Harry Potter e as relíquias da morte, de J. K. Rowling (Editora Rocco, tradução de Lia Wyler).

6 – “A política e a língua inglesa”, de George Orwell, presente no volume Como morrem os pobres e outros ensaios (Editora Companhia das Lestras, tradução de Pedro Maia Soares).
7 – LTI: A linguagem do Terceiro Reich, de Victor Klemperer (Editora Contraponto, tradução de Miriam Bettina P. Oelsner).

8 – Origens do totalitarismo, de Hannah Arendt (Editora Companhia de Bolso, tradução de Roberto Raposo).

9 – O homem revoltado, de Albert Camus (Editora BestBolso, tradução de Valerie Rumjanek).

10 – Mente cativa, de Czeslaw Milosz (Editora Novo Século, tradução de Dante Nery).

11 – The Power Of The Powerles [O poder dos sem poder], de Václav Havel (Editora Routledge).

12 – “How to Be a Conservative-Liberal-Socialist” [Como ser um conservador-liberal-socialista], de Leszek Kolakowski, presente no volume Modernity On Endless Trial (Editora University Of Chicago Press).

13 – The Uses of Adversity [Os usos da adversidade], de Timothy Garton Ash (Editora Random House).

14 – O peso da responsabilidade, de Tony Judt (Editora Objetiva, tradução de Otacílio Nunes).

15 – Ordinary Men [Homens comuns], de Christopher Browning (Editora Harper Perennial).

16 – Nothing Is True and Everything Is Possible [Nada é verdadeiro e tudo é possível], de Peter Pomerantsev (Editora Faber & Faber).

17 – Bíblia de Jerusalém (Editora Paulus, vários tradutores).

Clássico da literatura A Revolução dos Bichos vai virar game

0

Todos games são iguais, mas alguns são mais iguais que os outros

Matt Davidson, no IGN

Uma equipe de desenvolvedores independentes se juntou para criar uma adaptação em game do clássico livro A Revolução dos Bichos (Animal Farm), escrito e lançado pelo autor norte-americano George Orwell em 1945.

Descrito no site oficial como um game do gênero “adventure-tycoon”, o game Animal Farm irá colocar os jogadores no papel de um dos animais vivendo na fazenda antes e durante da chamada “revolução dos bichos, mostrando assim os “altos e baixos do Animalismo”.

O lado “adventure” do game vai focar em escolhas, permitindo ao jogador decidir seu caminho nessa revolução animal. Já o aspecto “tycoon” vai focar no gerenciamento da fazenda, de modo que ambos estilos combinados vão criar uma “narrativa consistente”, permitindo que os jogadores experimentem as consequências de suas decisões de gerenciamento ao longo da trama.

AFbook1504781055945_original

Publicado originalmente em 1945, A Revolução dos Bichos é considerado uma das grandes obras da ficção moderna e é constantemente citado em listas de “melhores livros de todos os tempos”. Escrito sob o ponto de vista de animais vivendo em uma fazenda, Orwell quis refletir a ascensão do stalinismo na Rússia e fazer uma alegoria sobre os perigos do poder absoluto e de regimes totalitaristas. Foram exatamente esses os temas que conduziram a equipe criativa a desenvolver o game.

Imre Jele (fundador do Bossa Studios), disse ao site Polygon: “É a hora certa para a sociedade, uma vez que estamos nos encaminhado para uma era desconfortavelmente parecida com o universo descrito por George Orwell”, ressaltando ainda que o time quer que o jogador seja capaz de se identificar da mesma forma com o “opressor e os oprimidos”. Além de Jele, a equipe de desenvolvimento inclui Andy Payne (fundador da Just Flight e da AppyNation), Georg Backer (Fable), Jessica Curry (Everybody’s Gone to the Rapture, Dear Esther), Kate Saxon (Mafia III, Alien: Isolation, Witcher 3), entre outros.

É importante ressaltar que o projeto foi totalmente autorizado pelos herdeiros de George Orwell, os quais, de acordo com Jele, “discutiram nossos objetivos e ideias incansavelmente durante o processo, da forma que deveriam”.

Ainda não há informações sobre a data de lançamento, mas a equipe de desenvolvimento confirmou que o game será lançado para PC e “outras plataformas”.

5 lições que “A Revolução dos Bichos” nos ensinou

0

animalfarm_3096015a-large

Bruno Vaiano, na Galileu

Em 17 de agosto de 1945 a obra a A Revolução dos Bichos (“Animal Farm”) era publicada na Inglaterra. Na fábula distópica de George Orwell, autor do também clássico 1984, um grupo de animais revolucionários toma o poder dos donos humanos de uma fazenda e organiza um regime igualitário e justo no local. O equilíbrio é ameaçado, porém, por uma dupla de porcos totalitários. Não daremos mais spoilers, leiam!

O livro é uma sátira ácida das práticas do ditador Joseph Stálin e da própria história da União Soviética, feito por um socialista democrático crítico ao que o regime instituído pela Revolução Russa se tornara. E está, claro, repleto de lições sobre o que foi o mundo no meio século 20. Essas são algumas delas.

1. Que a tradução de um título pode ser um spoiler

Em inglês, o título da fábula ácida de Orwell é mais simples: “Animal Farm”, que em tradução literal é algo como “fazenda dos animais”. Ou seja, não diz nada sobre o fato de que os animais da fazenda em questão organizariam uma revolução.

Em Portugal, os tradutores também não foram menos cruéis que aquele amigo dos comentários de uma matéria sobre Stranger Things. Houve a versão “A Quinta dos Animais”, idêntica ao inglês – “quinta” é fazenda em português de Portugal –, mas também houve o comprometedor “O Triunfo dos Porcos”.

É difícil discordar do apelo das versões lusófonas. Afinal, entre as incontáveis opções de uma livraria, você escolheria uma menção discreta ao fato de que há animais em uma fazenda ou uma promessa de guerra civil no chiqueiro? Pois é. O título pouco revelador da edição original, porém, não impediu que ele se tornasse um hit literário do pós-guerra, cujas vendas continuam aumentando até hoje (Trump, alguém?).

2. Que alianças diplomáticas e militares não se baseiam em ideais, mas em interesses

Orwell foi combatente na Guerra Civil Espanhola, espécie de “ensaio” para a Segunda Guerra Mundial que foi coberto também pelo então repórter Ernest Hemingway. Lá, conheceu de perto o horror propagado pelo exército soviético de Stálin – e percebeu que o sanguinário regime totalitário não tinha nada a ver com o socialismo democrático em que acreditava.

Para piorar a situação, a aliança formada entre Inglaterra e União Soviética para combater a Hitler – é difícil de acreditar que logo após o final da guerra a suposta “amizade” diplomática se tornaria a Guerra Fria – gerou uma cartilha de práticas midiáticas que tinham o intuito reabilitar a imagem da URSS no imaginário britânico. A ideia era fazer a população acreditar que o “terror vermelho” – que entre execuções em massa, trabalhos forçados e fome foi responsável pela morte de algo entre três milhões e 60 milhões de soviéticos – era uma invenção da propaganda nazista, justificando a aliança.

Orwell, que na época trabalhava no grupo de mídia BBC, pediu demissão, e escreveu o livro motivado a revelar, de maneira velada e alegórica, o real caráter do regime stalinista.

3. Que rock n’ roll e literatura são uma ótima combinação

Não foram só leitores comuns que aprenderam muito com A Revolução dos Bichos. No topo da lista de ídolos que fizeram música inspirada na obra de Orwell está o Pink Floyd com o álbum Animals. Em 1987 o R.E.M. escreveu a canção “Disturbance at the Heron House” com o escritor britânico em mente, às vésperas do anúncio de que o conservador George H. W. Bush – pai do Bush que era presidente na época dos ataques de 11 de setembro – iria concorrer à presidência.

O grupo punk The Clash usou uma imagem de uma animação inspirada no livro de Orwell como capa do single “English Civil War”, lançado em 1979, e em uma menção mais discreta, o Radiohead cita a obra em um dos versos da canção “Optimistic”.

c

4. Que na guerra a liberdade de expressão é muito relativa

Não houve censura estatal instituída formalmente na Inglaterra durante a Segunda Guerra. Mas o medo de discordar da posição governamental gerou um notável processo de autocensura, completamente voluntário. Poucas editoras, durante o conflito, teriam coragem de manchar a própria imagem junto ao Ministério da Informação publicando obras que ameaçassem, mesmo que de forma velada, a visão positiva da opinião pública sobre a aliança entre Estados Unidos, URSS e Inglaterra.

Orwell afirmaria posteriormente, em um artigo escrito na revista Partisan Review, que “agora é impossível imprimir qualquer coisa que se oponha demais à Rússia. Livros contrários à Rússia aparecem por aí, mas a maioria é de editoras católicas e tem um ponto de vista religioso e reacionário.”

5. Que força física sem consciência política não significa nada

Orwell teve a ideia para sua fábula distópica após se dar conta de que o ser humano é capaz de domar e comandar animais pelo fato de que eles, apesar de mais fortes, não têm consciência de que estão sendo dominados, e que uma relação parecida se estabelecia entre patrões e o proletariado.

Ou seja, se serviu do próprio princípio da fábula, a inversão entre o papel humano e o animal, como paralelo para a organização do trabalho na sociedade capitalista, para então demonstrar que as relações de poder que se formariam entre os próprios proletários após a revolução poderiam deturpar o ideal socialista. Uma aula de história.

*Sob supervisão de Nathan Fernandes.

Go to Top