Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged trabalho

Uma escola sem paredes

0

Publicado originalmente no Hypeness

Quem não gostaria de estudar na Vittra Telefonplan, na Suécia? O conceito deles aborda o fato de que o ambiente escolar é a maior ferramenta de aprendizagem. A escola tem cinco ambientes divididos em : A caverna (um espaço reservado para estudar), O laboratório (experiências e trabalho prático), Fogueira (Aulas em grupo), O furo (um lugar para desenvolver nossos impulsos), e o Teatro (Um lugar para se mostrar e descobrir coisas novas).

Criação do arquiteto Rosan Bosch.

10 fontes de inspiração para quem escreve

0


Publicado originalmente no Escrevemos.com

Diz-se que escrever é 90% transpiração e 10% inspiração, mas a verdade é que sem a segunda, a primeira torna-se ainda mais difícil. Para aperfeiçoar o seu talento e arte de escrever, um escritor tem de fazer uma coisa de forma consistente: escrever! Porém, nem sempre isso é tão fácil como parece e a folha branca ou o ecrã vazio que olha para si é prova disso mesmo. Para os momentos em que escrever parece impossível, inspire-se nestas sugestões.

  1. Caderno de escrita: não abdique dele nem por nada e tenha-o sempre por perto para anotar toda e qualquer ideia, conversa ou imagem que tenham suscitado o seu interesse. Lembre-se que as boas ideias nem sempre surgem quando mais precisamos delas, por isso, não há melhor inspiração para escrever do que ter um caderno de escrita recheado de ideias interessantes.
  2. Saia da rotina: a rotina pode ser inimiga da criatividade e da inspiração, por isso, se precisa de uma lufada de ar fresco na sua escrita, altere a rotina diária. Levante-se mais cedo e veja o nascer do sol; escolha um novo caminho para chegar ao trabalho; almoce num restaurante diferente; jante na varanda; em vez de ver televisão à noite, saia ou vá para a cama ler; inscreva-se num curso com um tema desconhecido; ouça um género de música diferente… alterar hábitos ativa o cérebro, que se torna especialmente atento às novidades que lhe está a oferecer. A sua escrita também agradece.
  3. Observar pessoas: esta é uma excelente atividade, não só para abrir a mente quando se está a sofrer de “writer’s block”, por exemplo, mas também como formar de estimular a criatividade. Haverá maior fonte de inspiração do que a humanidade e a forma como as pessoas vivem, de forma distinta e única, o seu dia-a-dia? Sente-se numa esplanada ou no parque da cidade e absorva a vida que o rodeia: vai sentir-se fascinado e inspirado para escrever sobre tudo aquilo que viu!
  4. Ler, ler, ler: para escrever bem e muito, um escritor também tem de ler muito e bem! Se busca inspiração para escrever, refugie-se num bom livro ou na sua revista preferida durante uma hora e deixe-se contagiar por todas as ideias, imagens e histórias que invadirem a sua mente durante essa pausa. Para uma verdadeira lufada de ar fresco, leia um livro sobre um tema completamente novo ou familiarize-se com o trabalho de um escritor que nunca leu.
  5. Veja um filme: os filmes são uma verdadeira fonte de inspiração devido não só à sua história e personagens, mas também graças ao seu estímulo visual e áudio (as bandas sonoras podem ser fabulosas e igualmente inspiradoras). Independentemente de ser um filme digno de um Óscar ou um filme mais light, a próxima vez que precisar de um pouco de inspiração extra para voltar a escrever com vontade, ligue o DVD ou, melhor, vá ao cinema. Histórias inspiram histórias…
  6. Faça exercício físico: algumas das nossas melhores ideias ocorrem não quando estamos a escrever, mas sim quando estamos a fazer outras coisas, como exercício físico, por exemplo. A concentração, a adrenalina e o bem-estar generalizado que advêm da prática de qualquer tipo de exercício físico são ingredientes chave para estimular a mente, a criatividade e uma vontade renovada para escrever. Quer escrever? Mexa-se!
  7. Citações e outras informações relativas à escrita: a inspiração é a força por de trás da criatividade e se precisa de dinamizar aquilo que escreve, inspire-se nos seus colegas, ou seja, noutros escritores. Qualquer escritor adora ouvir e ler o que inspira os seus conterrâneos, por isso, seja citações interessantes ou entrevistas sobre a vida, a rotina, o ato de escrever e onde é que outros escritores procuram inspiração… deixe-se contagiar pela paixão de escrever alheia!
  8. Música: a música é capaz de nos transportar para lugares longínquos, fazer-nos recordar momentos especiais e memórias guardadas, evocar todo o tipo de sentimentos, fazer-nos sonhar e sentir que somos capazes de fazer tudo aquilo que desejamos. Uma excelente fonte de inspiração para um escritor, não acham?
  9. Passear ao ar livre: uma das melhores inspirações no mundo é o contacto com a Mãe Natureza – seja um nascer ou pôr-do-sol, uma caminhada pela floresta, um passeio à beira-mar, andar de bicicleta no campo… para quem escreve, estes são cenários que vão dar-lhe a volta à cabeça da melhor maneira possível… só tem de apreciar ao máximo a beleza que o rodeia.
  10. Internet: nos dias que correm, não haverá maior fonte (para não dizer inesgotável) de inspiração concentrada do que a Internet. As possibilidades são infinitas e há sempre alguma coisa para inspirar todos os gostos: arte, vídeo, crafts, culinária, fotografia, moda, desporto, música, ciência, ficção, não-ficção…a inspiração está em todo o lado, só tem de estar recetiva a ela. A sua escrita agradece…

Ex-vedete brasileira lança livro na Noruega

0

Jussara Calmon – ex-vedete lança livro na Noruega /Foto: Arquivo pessoal


Bruno Astuto, na Revista Época

Musa do extinto jornal O Pasquim, precursora dos seios de fora no Carnaval carioca e estrela do primeiro filme erótico nacional, Coisas Eróticas, que está completando 30 anos, Jussara Calmon está na Noruega para lançar a biografia Jussara Calmon – Muito Prazer, escrita por Fábio Fabrício Fabretti, em que narra os episódios de sua trepidante vida.

“Lancei para a comunidade latina em Aalesund (onde mora com o marido) e, no fim de novembro, vou levar o livro para uma cidade que se chama Mold. Em 2013, vamos fazer o lançamento em Oslo e Bergen com a ajuda da embaixada do Brasil daqui. O livro está tendo muita procura pelos brasileiros que moram aqui e os noruegueses estão bem curiosos”, diz Jussara à coluna.

“Já estou estudando propostas de editoras daqui que estão interessadas em traduzi-lo”, adianta a autora, que na publicação relata a violência do pai alcoólatra, os abusos do tio pedófilo, o trabalho como empregada doméstica e a vida nas ruas do Espírito Santo. Entre as passagens mais picantes, está o encontro com o ator americano Robert de Niro. “Ele ficou cinco dias atrás de mim até conseguir um encontro. Quando cheguei ao quarto, fui recebida por um rapaz brasileiro. De repente, Robert saiu de dentro do armário com uma toalha amarrada na cintura. Ele era um parque de diversões na cama”, conta.

Estudantes estão conectados, mas não têm hábito de ler

2

Imagem Google

Publicado originalmente no Terra.com

A pesquisa Escolas Estaduais do Rio do Janeiro – Percepções e Expectativas de Alunos revela que 92% dos estudantes do Ensino Médio da rede estadual estão conectados à internet, mas o hábito de ler não faz parte da vida deles. De modo geral: 14% dos 4 mil alunos consultados disseram não ter lido nenhum livro nos últimos cinco anos. Um livro foi lido no período por 11% dos estudantes; dois ou três livros por 26% e quatro ou cinco livros por 17%. O estudo foi efetuado pelo Instituto Mapear para a Secretaria Estadual de Educação do Rio de Janeiro.

Entre os alunos que leram mais que um livro em média nos últimos cinco anos, a pesquisa registrou que 14% leram entre 6 e 10 livros, 8% entre 11 e 20 e 10% leram mais que 20 livros em cinco anos.

A pesquisa Retrato da Leitura no Brasil, divulgada em março deste ano pelo Instituto Pró-Livro, registra que, na faixa etária entre 5 e 10 anos, as crianças brasileiras leram 5,4 livros, no ano passado. Entre os pré-adolescentes, de 11 a 13 anos, a taxa de leitura ficou em 6,9 livros por ano e entre adolescentes de 14 a 17 anos (mesma faixa etária da pesquisa realizada no estado do Rio de Janeiro) foram lidos 5,9 livros em 2011.

Os números são menores do que os registrados na pesquisa Retratos da Leitura no Brasil realizada em 2007, mas, segundo o Instituto Pró-Livro, a queda se deve a uma diferença de metodologia em relação ao estudo deste ano, não necessariamente à uma queda no número de leitores no País.

O baixo índice de leitura entre os alunos do Ensino Médio da rede pública estadual fluminense pode ser atribuído a um fator histórico, disse o subsecretário de Gestão do Ensino, Antonio Neto. O subsecretario informou que 70% dos pais de alunos não têm o Ensino Fundamental completo. “No ambiente familiar o aluno não encontra estímulo para a leitura”, disse.

Nas famílias de classe média, que costumam assinar jornais e periódicos, os estudantes conseguem ter mais acesso a algum tipo de leitura. “No caso das famílias mais pobres, nós não vemos isso. Vemos grandes dificuldades. O papel da escola passa a ser mais importante, porque é um quadro que tem que ser revertido desde os anos iniciais da educação”, disse Neto. A pesquisa foi pautada no Ensino Médio e mostra que a leitura tem que ser fortalecida desde os anos iniciais do Ensino Fundamental, “para que no Ensino Médio, o aluno tenha uma convivência com o livro muito maior”.

Neto observou que, “como o mundo ideal não existe”, é preciso trabalhar com a realidade. Para fomentar ações que incentivem o gosto pela leitura entre os alunos, a Secretaria Estadual de Educação do Rio utiliza ferramentas, como a Semana de Artes das escolas públicas estaduais.

A iniciativa foi resultado de trabalhos efetuados por escolas da rede estadual que envolveram várias linguagens, entre as quais música, dança, pintura, literatura, vídeo e teatro. ¿Essa ação de fomento à arte está necessariamente ligada à leitura”, disse. Foram cinco dias de ações escolares, o que levou a secretaria a decidir ampliar o evento no próximo ano.

Outra ação de incentivo ao hábito de ler entre os estudantes é o Salão do Livro das Escolas Estaduais. O evento é anual e constitui uma oportunidade de as unidades escolares adquirirem novos livros para os estudantes. Cerca de 141 unidades participaram da última edição, que teve uma verba de R$ 8 milhões.

Novas ações estão sendo formatadas com o objetivo de serem introduzidas na rede de ensino em 2013. Neto esclarece que a secretaria não trabalha com o conceito de bibliotecas, mas de salas de leitura nas escolas. O acervo dessas unidades considera uma proporção média de três livros, “pelo menos”, por aluno, conforme determina a legislação atual para bibliotecas.

A secretaria criou, no ano passado, a função de “professor agente de leitura”. Esse profissional começará a ser colocado nas escolas ainda neste semestre com a função de fomentar a leitura. Ele terá também a atribuição de criar estratégias para que o aluno “utilize e trabalhe com esses livros”.

“Não deixe que suba à cabeça”, aconselha McEwan a jovens escritores

0

Ian McEwan
Divulgação

Publicado originalmente no Primeira Edição

O escritor inglês Ian McEwan, um dos principais nomes da décima edição da Flip, disse ontem, durante entrevista em Paraty, que os jovens escritores brasileiros selecionados pela revista literária “Granta” não deveriam deixar a fama subir a cabeça.

Em 1983, McEwan foi ele próprio selecionado para uma edição da “Granta” com os melhores jovens romancistas britânicos.

“Não deixe que isso suba à cabeça”, disse, em resposta a que conselho daria aos jovens colegas.

“É importante o que você continuará a fazer na manhã de quarta-feira. Elimine o barulho de prêmios, entrevistas, listas. O mundo moderno adora listas.”

“Tenho um conselho de duas palavras: compareça, esteja lá todo dia, não importa se estiver mal, você tem que estar na sua mesa de trabalho todo dia às dez da manhã”, declarou.

McEwan –que neste sábado (7) participa de um debate na Flip com a americana Jennifer Egan– esteve, na última quinta-feira, no coquetel de lançamento da edição brasileira da “Granta” em Paraty.

“Senti-me fora de lugar e com inveja. Adoraria estar nos meus vinte e tantos, trinta e poucos anos. Lembro que, em 83, eu tinha publicado quatro ou cinco livros, não era um novato completo. E foi muito interessante, porque muitos dos 20 escolhidos já eram meus amigos.”

Além dele, nomes como Salman Rushdie e Martin Amis ampliaram sua projeção ao publicar na “Granta”, uma das mais influentes revistas literárias do mundo, que no Brasil é editada pela Alfaguara.

Indagado sobre a importância de cursos de escrita criativa, ele declarou que “é muito difícil ensinar literatura”.

“Você pode ensinar técnicas, mas é importante dar às pessoas a moldura, o contexto. A maioria dos bons escritores que fizeram esses cursos normalmente já chegaram bons escritores.”

O autor inglês está lançando o romance “Serena” (Companhia das Letras) mundialmente no Brasil –só depois sairá nos países de língua inglesa.

McEwan explicou que se tratou de uma “grande sorte e maravilhosa oportunidade”. Como havia a Flip em julho, o seu editor brasileiro pediu que ele corresse e ele diz ter ficado feliz.

O romancista contou que está próximo do Brasil desde que seu filho o acompanhou à Flip em 2004, se encantou com o país e, ao voltar para a Inglaterra, arranjou uma namorada brasileira e aprendeu português.

Go to Top