Montagem/Facebook/Acervo Pessoal

Montagem/Facebook/Acervo Pessoal

Rodolfo Viana, no Brasil Post

Nesta quinta-feira (16), foram apurados os votos e anunciados os vencedores da 56ª edição do Prêmio Jabuti, a mais tradicional premiação literária no Brasil. E, mais uma vez, a apuração contou com uma polêmica: contrariando o regulamento, o jurado B não deu várias notas às obras das categorias Capa e Artes e fotografia, o que afetou o resultado final. Diante disso, a decisão da curadoria foi dar às obras a nota 8, a nota mínima do Jabuti.

Como é de praxe, a identidade dos três jurados de cada uma das 27 categorias permanece em sigilo até 18 de novembro, dia em que serão anunciados os vencedores do Livro do ano de ficção e Livro do ano de não ficção.

A’O Globo, Marisa Lajolo, presidente do conselho curador, afirmou: “A decisão vira jurisprudência para outros casos nesse ano, que espero que não aconteçam. Nos próximos anos será necessário incluir uma regra a esse respeito no regulamento.”

Além disso, na avaliação do curador Frederico Barbosa, o jurado B tentou manipular o resultado da categoria Contos e Crônicas, atribuindo nota 8 aos concorrentes mais famosos da categoria — Cristóvão Tezza, Luiz Vilela, Rubem Fonseca e Milton Hatoum. “Há um vício de julgamento. Cheira a manipulação. Mas a regra de limitar notas de 8 a 10 surtiu o efeito desejado pela CBL”, disse Barbosa.

A jornalista Raquel Cozer, da Folha de S.Paulo, afirmou em seu perfil no Twitter que, apesar das notas mínimas, os autores não foram afetados:

1

Há um precedente para considerar tentativas de manipulação. Em 2012, o jurado C — mais tarde revelado como o crítico e editor Rodrigo Gurgel — distribuiu notas zero, o que colocou em xeque a legitimidade do resultado. Para que isso não voltasse a ocorrer, a organização limitou a nota mínima para 8.

CONFIRA OS VENCEDORES DAS PRINCIPAIS CATEGORIAS

Romance

1º lugar: ‘Reprodução’, de Bernardo Carvalho (Companhia Das Letras)

2º lugar: ‘A maçã envenenada’, de Michel Laub (Companhia Das Letras)

3º lugar: ‘Opisanie Świata’, de Veronica Stigger (Cosac Naify)

Conto e crônica

1º lugar: ‘Amálgama’, de Rubem Fonseca (Nova Fronteira)

2º lugar: ‘Você verá’, de Luiz Vilela (Editora Record)

3º lugar (empate): ‘Nu, de botas’, de Antonio Prata (Companhia Das Letras)

3º lugar (empate): ‘Um solitário à espreita’, de Milton Hatoum (Companhia Das Letras)

Poesia

1º lugar: ‘Bernini – Poemas 2008-2010’, de Horácio Costa (Demônio Negro)

2º lugar: ‘Ximerix’, de Zuca Sardan (Cosac Naify)

3º lugar: ‘Jardim das delícias’, de Marcus Vinicius Quiroga (Marcus Vinicius Quiroga)

Biografia

1º lugar: ‘Getúlio – Do governo provisório à ditadura do Estado Novo (1930-1945)’, de Lira Neto (Companhia Das Letras)

2º lugar: ‘Wilson Baptista: o samba foi sua glória!’, de Rodrigo Alzuguir (Casa da Palavra)

3º lugar: ‘O castelo de papel’, de Mary del Priore (Rocco)

Reportagem

1º lugar: ‘1889’, de Laurentino Gomes (Editora Globo)

2º lugar: ‘Holocausto Brasileiro’, de Daniela Arbex (Geração Editorial)

3º lugar: ‘Um Gosto Amargo de Bala’, de Vera Gertel (Editora José Olympio)

Infantil

1º lugar: ‘Breve História de um Pequeno Amor’, de Marina Colasanti (FTD)

2º lugar: ‘Da Guerra dos Mares e das Areias: Fábula Sobre as Marés’, de Pedro Veludo (Quatro Cantos)

3º lugar: ‘Poemas que Escolhi para Crianças’, de Ruth Rocha (Editora Moderna)

Juvenil

1º lugar: ‘Fragosas Brenhas do Mataréu’, de Ricardo Azevedo (Ática Editora)

2º lugar: ‘As Gêmeas da Família’, de Stella Maris Rezende (Editora Globo)

3º lugar: ‘Uma Escuridão Bonita’, de Ondjaki (Pallas Editora)

Tradução

1º lugar: ‘A Anatomia da Melancolia’, tradução de Guilherme Gontijo Flores (Editora UFPR)

2º lugar: ‘Antologia da Poesia Clássica Chinesa’, tradução de Ricardo Primo Portugal (Editora Unesp)

3º lugar: ‘O Capital: Crítica da Economia Política, Livro I: O Processo de Produção do Capital’, tradução de Rubens Enderle (Boitempo Editorial)

Raquel Cozer divulgou a lista completa dos vencedores na Folha.