Posts tagged Universidade Yale

Como um livro entregue na solitária transformou preso em aluno de uma das principais universidades dos EUA

0
Reginald Dwayne Betts foi preso aos 16 anos por roubo à mão armada - arquivo pessoal

Reginald Dwayne Betts foi preso aos 16 anos por roubo à mão armada – arquivo pessoal

 

O americano Reginald Dawyne Betts era um garoto estudioso que nunca havia tido problemas com a Justiça – até cometer um “erro terrível” em dezembro de 1996, aos 16 anos.

Publicado na BBC Brasil

Um homem estava dormindo em seu carro no estacionamento do shopping de Springfield. Eu e um amigo o roubamos à mão armada e levamos seu carro”, conta ele.

“No dia seguinte, voltamos ao shopping para fazer compras e levantamos suspeitas por termos usado o cartão de crédito de outra pessoa. Saímos correndo, mas a polícia nos pegou.”

Betts foi preso e enviado a um reformatório juvenil. Três meses depois, foi julgado como adulto.

O juiz do caso chegou a dizer, antes de dar a sentença, que não tinha ilusões de que a prisão ajudaria Betts.

“Naquele momento pensei que ele me deixaria ir para casa, mas em seguida ele disse que eu poderia tirar algo bom dessa experiência, se assim o quisesse.”

Betts acabou provando que o juiz tinha razão. Hoje, aos 35 anos, acaba de se formar em Direito pela Universidade Yale, uma das instituições de maior prestígio dos Estados Unidos, é um poeta de sucesso. Ele diz que a virada em sua vida veio quando estava atrás das grades.
‘Milagre’

Condenado a nove anos de prisão, ele diz ter sido mandado várias vezes para a solitária por infrações como xingar um guarda ou se recusar a ser trancado em sua cela.

Uma dessas ocasiões provocou uma mudança radical em sua vida. “Algumas vezes acontecem coisas que parecem um milagre, e essa é uma delas.”

Ele conta que, em geral, livros eram vetados na solitária. Mas a regra não valia para detentos mantidos nesse regime para sua própria proteção.

“Você podia gritar para que alguém te mandasse um livro, e um completo estranho te enviava o que ele tinha”, afirma Betts.

Em uma dessas ocasiões, uma antologia de poemas escritos por negros, intitulada “Poetas Negros”, chegou às mãos do jovem detento. “Aquilo mudou minha vida.”
‘Valor à escrita’

Ler o poeta Etheridge Knight enquanto estava preso ensinou a Betts o 'valor da palavra escrita'

Ler o poeta Etheridge Knight enquanto estava preso ensinou a Betts o ‘valor da palavra escrita’

 

Um dos poetas que Betts leu foi Etheridge Knight (1931-1991), que escreveu sobre o período em que passou preso. “Ele não ficou culpando os outros, mas descreveu seus próprios problemas, experiências e vícios. Ele me fez dar valor à palavra escrita”, diz Betts.

“Knight, em especial, foi um sujeito que virou poeta na prisão e fez sucesso com seus textos após ser libertado. Ler ele e outros poetas me fez decidir ser também um poeta.”

Betts diz que isso o ajudou a aguentar o tempo que passou na prisão e, após sua libertação em 2005, o levou para um caminho completamente diferente.

Cinco anos depois, ele estava casado, tinha dois filhos e um emprego, estudava Literatura na faculdade e havia publicado livros antes de completar 30 anos.

Ele é o autor de “Uma Questão de Liberdade: Memórias de Aprendizado, Sobrevivência e Amadurecimento na prisão” e das coleções de poemas “Shahid Lê a Palma da Própria Mão” e “Bastardos da Era Reagan”.
Interesse pelo Direito

O período na prisão também despertou nele o interesse pelo Direito, mas ser advogado não era exatamente um objetivo de vida.

Mas Betts passou a vislumbrar essa possibilidade quando escrevia um dos seus livros de poesia na biblioteca da escola de Direito de Harvard.

“Quando estava na prisão, havia feito um curso básico de Direito, escrevi uma petição de habeas corpus por conta própria, trabalhei na biblioteca de livros jurídicos. Ao voltar para casa, participei a atuar como ativista. Meu mundo já estava dividido entre Direito e Literatura.”

Ele se inscreveu para faculdades de Direito e foi aceito em várias, entre elas quatro das universidades do grupo de elite dos Estados Unidos, a Ivy League, do qual Yale faz parte.

“Eu havia estado preso, e todos sabiam disso. Mas, quando me formei, fui escolhido para carregar a bandeira e liderar minha classe na entrada da cerimônia. Isso foi muito legal.”
Inspiração

Betts não esconde seu passado dos filhos. Recentemente, convidado a dar uma palestra na escola do filho mais velho, fez uma consulta a ele.

“Perguntei o que deveria falar, e ele sugeriu que falasse de mim. Respondi que, se citasse meus livros, teria que abordar meu período na prisão. Ele disse que deveria fazer aquilo, pois poderia ser inspirador para alguém”, diz Betts.

“Então, é meu filho quem me inspira hoje. Porque é fácil sentir vergonha de alguém que foi preso, mas ele sabe que alguém pode ter sua redenção: ir para a prisão e tornar-se uma pessoa diferente. Ele sabe quem sou hoje e que não deveria esconder os meus erros.”

O livro mais misterioso do mundo

1
Imagens do 'Códice Voynich'.

Imagens do ‘Códice Voynich’.

 

Publicado no El País

Os segredos do Código Voynich permanecem sem respostas. Trata-se de um enigma em forma de livro antigo e desordenado de 234 páginas e 22,5 por 16 centímetros, que há 50 anos dormita nas estantes da Biblioteca Beinecke, da Universidade Yale, à espera de que alguém desvende seu mistério. Caderno botânico de plantas inexistentes? Tratado cosmológico? Obra de iniciação esotérica? Código élfico? Livro cabalístico? Relato bélico? Catálogo de poções para magia? Solução anticoncepcional para mulheres medievais pecadoras? O diário de um extraterrestre? Estudo sobre a transmutação da pedra filosofal?

Fraude perpetrada por um gênio? Há quem ainda acredite nisso, mas faz tempo que esta hipótese perdeu força. Exatamente desde que, nos anos 40, o linguista norte-americano George Zipf formulou a Lei de Zipf sobre a frequência das palavras utilizadas em um texto. Segundo esse princípio, o vocábulo mais utilizado aparece o dobro de vezes que o segundo mais utilizado, o triplo de vezes que o terceiro, o quádruplo que o quarto, e assim sucessivamente. Os estudiosos confirmaram há tempos que o texto de Voynich segue essa matemática da palavra… e evidentemente ninguém no século XV (data cientificamente comprovada da origem do texto) podia conhecer essa teoria.

Há mais de um século o código, descoberto de forma casual em 1912 pelo livreiro lituano Wilfrid Wojnicz entre as prateleiras da Villa Mondragone —uma mansão perto de Roma que pertenceu à família Borghese—, continua passando por cima da lógica científica e ocasionando a mesma dose de hipóteses descabeladas e tentativas sérias de resolução. Não se sabe quem o escreveu nem quem o ilustrou, nem com que intenção. Não se sabe em que idioma está escrito. Há quem o identifique com o sânscrito, outros preferem aparentá-lo com uma possível língua oriental, talvez indiana, há quem fale do tâmil e até de um experimento de língua universal comparável ao esperanto. Não se sabe se no final das contas é uma linguagem criptografada (nem os maiores especialistas norte-americanos em decodificação de códigos militares foram capazes de solucionar a questão com um mínimo de confiabilidade).

Somente no mês passado Stephen Bax, professor da Universidade de Berdfordshire, no Reino Unido, afirmou que havia decifrado 14 símbolos dos milhares que povoam o livro. Uma certeza reina sobre o mistério: em 2011, o teste de Carbono 14 realizado no manuscrito por uma equipe da Universidade do Arizona apontou a data aproximada da criação do Voynich: um dia entre 1404 e 1438. O dia em que —provavelmente, só provavelmente— um monge concluiu, sobre a mesa de um scriptorium do norte da Itália e com o olfato da paciência, o que 600 anos depois a fiel e dedicada seita dos seguidores do Código Voynich continua chamando de livro impossível.

Imagens do 'Códice Voynich'.

Imagens do ‘Códice Voynich’.

 

Entre semelhante emaranhado de incertezas, o aparecimento de qualquer notícia confirmada em torno desse enigma editorial precisa ser recebido como o que é: um marco. Pela primeira vez, e além das reproduções mais ou menos bem-sucedidas elaboradas no passado, o Voynich terá sua cópia: a editora espanhola Siloé, com sede em Burgos, foi escolhida pela Universidade Yale entre aspirantes de todo o mundo para clonar o manuscrito.

Juan José García e Pablo Molinero são os dois sócios-proprietários da Siloé, uma editora especializada há 20 anos em clonar com igual zelo em sensibilidade e rigor livros de épocas medievais, volumes miniaturizados, códigos, cartulários de toda espécie. Apenas 30 livros editados em duas décadas dão conta do trabalho de ourivesaria posto em pé por esses editores apaixonados por sua obra, e agora emocionados com essa autêntica goleada editorial.

“Soubemos da existência do Voynich em 2005 e nos dissemos imediatamente: ‘Temos de copiá-lo’. O que mais nos estimulou a isso foi o fato de que é um dos livros mais solicitados para exposições no mundo. E é mais simples para uma instituição como a Biblioteca Beinecke, em vez de colocar entraves para o empréstimo de vez em quando, anunciar: já existe uma réplica exata do código, foi feita por uma editora espanhola e você pode dirigir-se a ela. Esse foi um bom argumento para que nos concedessem o projeto”, explica Juan José García em uma das salas do pequeno museu do livro antigo Fadrique de Basilea, no centro histórico de Burgos, uma vitrina dos fac-símiles das obras produzidas pela editora ao longo de sua trajetória (Beato de Ginebra, Libro de horas de Laval, Vida y milagros de San Luis, Codex Calixtinus de Salamanca, Cartulario de Valpuesta… tudo isso em um museu particular e “sustentável, nas palavras de seus responsáveis, já que neste caso as obras expostas, além do mais, estão à venda).

Já faz dois anos que os responsáveis pela Biblioteca Beinecke lhes anunciaram que eram os escolhidos para o contrato pelo qual suspiravam editores de todo o mundo. A partir daí os sócios da Siloé, detentores de 12 prêmios nacionais do Ministério da Cultura por melhor trabalho editorial na modalidade de fac-símile e expositores habituais nas feiras de Paris, Nova York e Frankfurt, têm negociado o convênio de edição e as condições de trabalho para clonar o Voynich. “Esse tipo de decisão”, explica Juan José García, “não é tomada da noite para o dia. Nas universidades norte-americanas as coisas têm maturação e se medita muito. Há departamentos quase estanques sobre todo tipo de matéria, e leva anos até que se ponham de acordo”.

Mas o momento da verdade chegou. Em fevereiro (mais…)

Go to Top