Posts tagged Veja

Educadores não estão prontos para lidar com ‘Isadoras’

0
Imagem feita por Isadora Faber, de 13 anos, na Escola Básica Municipal Maria Tomázia Coelho, em Florianópolis, e publicada na página "Diário de Classe", no Facebook. Ela diz que as deficiências da escola começam na "porta de entrada"

Imagem feita por Isadora Faber, de 13 anos, na Escola Básica Municipal Maria Tomázia Coelho, em Florianópolis, e publicada na página “Diário de Classe”, no Facebook. Ela diz que as deficiências da escola começam na “porta de entrada” – Reprodução

Lecticia Maggi, na Veja

Aos 13 anos, a estudante Isadora Faber, de 13 anos, já detonou uma pequena revolução. Queixando-se, no Facebook, dos problemas de sua escola, atraiu em menos de dois meses cerca de 200.000 fãs para a página virtual “Diário de Classe”, motivou reportagens na imprensa e provocou uma reunião de emergência na Secretaria de Educação de Florianópolis, que resultou em promessas imediatas de providências para sanar as falhas. Saltam aos olhos no episódio a força que uma ferramenta como o Facebook, quando bem usada, pode ter em benefício da educação e também o quão desatentos e despreparados estão os educadores para isso. Prova disso é que a secretaria admitiu que conhecia as denúncias de Isadora, mas só decidiu tomar providências depois que o caso virou assunto nacional.

“As redes sociais são armas poderosíssimas e os jovens descobriram isso antes dos adultos”, afirma Maria Elisabeth de Almeira, professora da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). João Mattar, pós-doutor pela Universidade Stanford e especialista no uso de tecnologias na educação, concorda. Para ele, as instituições ignoram as redes sociais porque não sabem o que está acontecendo nelas. Quando tomam conhecimento, consideram que as manifestações não são importantes.

Entre os especialistas, é consenso que reprimir ou ignorar as queixas dos estudantes é a pior alternativa. “Um profissional sem experiência pode achar que apagar um comentário resolverá o problema, mas ele não lembra que provavelmente aquele texto já circula em outro ambiente virtual”, afirma Mattar. Ao se deparar com alguma crítica, os educadores devem procurar o estudante – via mensagem privada, por telefone ou pessoalmente – para ouvi-lo. “A escola precisa de uma atitude pró-ativa”, diz.

De acordo com o educador João Manuel Moran, especialista em novas tecnologias, a ação de Isadora foi inovadora. Para ele, os professores ainda veem a rede social como um repositório de queixas sobre professores ou provas, por exemplo. No momento em que as reclamações se dirigiram para a infraestrutura escolar e suas falhas, os docentes e direção foram surpreendidos. “Isadora contribuiu efetivamente para a melhoria do sistema. Isso é um fenômeno novo, para o qual as escolas não estão preparadas. Elas só reagem depois que algo acontece”, diz.

Para evitar surpresas desagradáveis, o secretário-adjunto de Educação do Estado de São Paulo, João Cardoso Filho, afirma que a secretaria está insistindo com os coordenadores pedagógicos das escolas para reativar os grêmios estudantis. O objetivo é estimular um canal pelo qual os estudantes se expressem – e reclamem. “A manifestação dessa aluna deve ter ocorrido porque ela não encontrava espaço para falar de suas angústias”, diz Cardoso Filho.

Nelson Rodrigues, aos 100, ainda é a cara do Brasil real

0
IMPÉRIO DA FANTASIA - O pernambucano Nelson em seu habitat, as ruas do Rio de Janeiro, nos anos 70, e contracenando com a atriz Léa Garcia na peça Perdoa-me por Me Traíres, de sua autoria: um autor fiel apenas à própria imaginação e sem grande apreço pela fronteira que separa o real do inventado

IMPÉRIO DA FANTASIA – O pernambucano Nelson em seu habitat, as ruas do Rio de Janeiro, nos anos 70, e contracenando com a atriz Léa Garcia na peça Perdoa-me por Me Traíres, de sua autoria: um autor fiel apenas à própria imaginação e sem grande apreço pela fronteira que separa o real do inventado / Amiccuci Gallo

Augusto Nunes, na Veja

O dramaturgo Nelson Rodrigues inventou o teatro brasileiro em 1943, com a peça Vestido de Noiva. O romancista, com o pseudônimo Suzana Flag ou sem camuflagens, devassou e simultaneamente seduziu o universo habitado por aquela que muitos anos depois seria batizada de “nova classe média”. O cronista do Brasil real – enquanto colecionava achados metafóricos que o transformariam num frasista incomparável e concebia imagens magnificamente exatas – pariu criaturas que, conjugadas, mostram não o que os nativos da terra gostariam de ser, mas o que efetivamente são. O torcedor apaixonado do Fluminense descobriu que “a mais sórdida pelada é de uma complexidade shakespeariana” e foi o primeiro a coroar Pelé. Ele foi e fez tudo isso – e muito mais – em apenas 68 anos de vida. É compreensível que o dia da morte física de Nelson Rodrigues tenha sido também o primeiro dia do resto de sua eternidade.

A imortalidade de Nelson Falcão Rodrigues, nascido no Recife em 23 de agosto de 1912, é reafirmada pelo centenário do gênio. Diferentemente das efemérides do gênero, desta vez não foi preciso reapresentar o país a outra vítima da amnésia endêmica que chegou com as primeiras caravelas. Desde a década de 70, quando começou a transformar-se numa prova contundente de que nem toda unanimidade é burra, Nelson está livre da temporada no limbo a que são condenados os grandes mortos. De lá para cá, não se passou um só dia sem que estivessem em cartaz peças teatrais ou filmes baseados em sua obra, ou sem que fossem vendidos exemplares dos livros que continuaram a multiplicar-se em edições sucessivas. Também é certo que neste momento, em alguma esquina ou mesa de botequim, alguém está animando a roda de conversa com a evocação de uma frase ou criatura de Nelson Rodrigues. Ou apenas Nelson, porque basta o prenome para a identificação de um velho conhecido.

A admiração por Nelson hoje é compartilhada por todos os brasileiros com mais de dez neurônios – sejam quais forem a idade, a filiação política, a tendência ideológica, o signo, o peso e a estatura. E assim sempre será, porque os muitos grandes momentos de Nelson Rodrigues nunca ficarão grisalhos. A crítica de teatro Barbara Heliodora prevê que, como ocorre com a obra de William Shakespeare, pelo menos quatro peças de Nelson – Vestido de Noiva, Boca de Ouro, A Falecida e O Beijo no Asfalto – continuarão encantando plateias daqui a 500 anos. Os descendentes dos nossos tetranetos reconhecerão uma similar de Engraçadinha na garota ao lado, ou dormirão imaginando que espécie de veículo estará transportando Solange, a dama que, no Brasil do século XX, caçava aventuras no lotação.

“Ele será sempre um grande autor”, afirma Barbara Heliodora, que atribui a Nelson Rodrigues a subida aos palcos dos diálogos que reproduzem a língua falada pelas plateias. “Nelson era um repórter extraordinário, e foi muito influenciado pela experiência como jornalista”, diz. “Tinha um ouvido tão maravilhoso que conseguiu captar o brasileiro falando. Nós aprendíamos na escola que poderíamos falar errado, mas deveríamos escrever corretamente. Os autores escreviam certo, esquecidos de que aquilo era para ser falado.” Só depois de Vestido de Noiva os atores começaram a falar o português das ruas. A descoberta do diálogo em brasileiro fez de Nelson Rodrigues, segundo o crítico Sábato Magaldi, “um autor seminal, que fecundou a nossa dramaturgia”.

Se Barbara Heliodora consegue distinguir o jornalista do dramaturgo, os amigos do singularíssimo pernambucano criado no Rio de Janeiro sempre enxergaram um Nelson só, que parecia vários por ser, na definição do jornalista e escritor Otto Lara Resende, um feixe de paradoxos. “É um profundo individualista e vive da emoção coletiva”, disse Otto. “Foi um conservador e tem uma obra revolucionária. Orgulha-se de ser um reacionário e foi um dos autores mais censurados do Brasil.” O psicanalista e escritor Hélio Pellegrino achava que todas as versões do amigo viviam sob “o império da fantasia, em que realidade e invenção sempre se misturam”. Se a opção se impunha, a realidade sofria outra derrota: “Nelson é fiel à sua imaginação”.

Nelson Rodrigues era perigosamente imaginoso tanto com desafetos quanto com os mais íntimos amigos. Um deles só descobriu que fora transformado no nome alternativo da peça que entraria em cartaz naquela noite ao ler o enorme letreiro em neon: “Bonitinha mas Ordinária ou Otto Lara Resende”. A brincadeira que ultrapassara os limites do sarcasmo suspendeu por algumas semanas as conversas diárias entre o autor da homenagem e o integrante do grupo que reunia o que a usina de superlativos qualificava de “amigos além da vida e além da morte”. Anistias concedidas por Nelson Rodrigues eram amplas e irrestritas, mas tinham prazo de validade. Consertado o estrago, o parceiro ofendido não demorava a pousar em alguma história contada por quem sempre desprezou a fronteira que separa o real do imaginado.

“A crônica policial piorou porque os repórteres de hoje não mentem”, lastimava o homem que ainda menino enfeitava com detalhes fantasiosos histórias de casais que se matavam por amor. Nas crônicas ou nos romances de Nelson, o verdadeiro tirava o irreal para dançar o tempo todo. Com um sotaque lisboeta que nunca existiu, Otto Lara Resende era repatriado de Portugal para contracenar com a cabra vadia, única espectadora de entrevistas imaginárias conduzidas em um suposto terreno baldio – ou, ainda, para testemunhar mais um assombro provocado pelo Sobrenatural de Almeida, que alterava bruscamente uma situação ou o resultado de um jogo do Botafogo. Passados mais de trinta anos, está claro que histórias e personagens jamais ficarão datados. As criaturas que se tornaram inverossímeis num Brasil menos primitivo viraram documentos de época.

Tem lugar assegurado no Museu Nacional do Maniqueísmo, por exemplo, o padre de passeata, religioso que comparecia em trajes civis às manifestações de rua contra a ditadura militar. Estará ao lado de sua versão feminina, a freira de minissaia, e a poucos metros da estudante de psicologia da PUC, que queria saber o que o cronista achava da morte de Deus, e da estagiária de calcanhar sujo, que se formara em jornalismo para esbanjar autossuficiência e mau humor nas redações. Todos nascidos em 1968, são filhotes do direitista atormentado pelas atividades clandestinas do primogênito, engajado na luta armada. Em alguns episódios, Nelson foi longe demais na louvação de uma ditadura que torturava e matava inimigos. Mas o conjunto da obra é tão luminoso que revoga as manchas escuras.

Outras invenções do ficcionista delirante são atemporais e continuarão por aí durante séculos. O idiota da objetividade, por exemplo. A vizinha gorda e patusca. Palhares, tão definitivamente canalha que, na casa do irmão, beija à força o pescoço da cunhada que passa pelo corredor. Esses seguirão contracenando com personagens que iluminam a face do Brasil que tenta, inutilmente, esconder as taras, as vergonhas familiares, a guerra conjugal, o adultério, os preconceitos, a sexualidade reprimida, a mesquinhez patológica. “Se todo mundo conhecesse a vida íntima de todo mundo, ninguém cumprimentaria ninguém”, resumiu Nelson Rodrigues.

REPÓRTER SEM FOLGA NEM PAUSA - Nelson diverte crianças de colégio com uma encarnação da “cabra vadia”, personagem que testemunhava entrevistas imaginárias que ele conduzia num terreno baldio: o olhar do jornalista alimentava o talento do escritor

REPÓRTER SEM FOLGA NEM PAUSA – Nelson diverte crianças de colégio com uma encarnação da “cabra vadia”, personagem que testemunhava entrevistas imaginárias que ele conduzia num terreno baldio: o olhar do jornalista alimentava o talento do escritor / Antonio Andrade / Arquivo / Agência O Globo

Os habitantes desse universo fantástico têm o olho rútilo e o lábio trêmulo, reagem à adversidade com arrancos de cachorro atropelado, seu pensamento é tão raso que uma formiguinha poderia atravessá-lo com água pelas canelas. Grã-finas com narinas de cadáver suportam maridos com três papadas e três bochechas em cada lado do rosto. A cabeça dos intelectuais tem a aridez de três desertos, os especialmente infelizes se sentam no meio-fio para chorar lágrimas de esguicho, caem tempestades de quinto ato do Rigoletto, há homens bonitos como havaiano de cinema, faz um calor de rachar catedrais e existe gente varada de luz como santo de vitral. Um mundo assim, espalhado por dezessete peças, nove romances, sete livros de contos e crônicas e milhares de artigos em jornais, merece mais que uma única vez sobre a face da Terra. O mundo maravilhoso que Nelson Rodrigues criou merece existir para sempre.

Obsessivo confesso e sem cura, obcecado especialmente pela morte, Nelson jurava que, durante a infância, fugia da escola para assistir a velórios. Aos 13 anos, estreou como repórter de polícia no jornal do pai, cobrindo um caso de suicídio passional. Adolescente, ouviu o som do tiro de revólver disparado por uma mulher que, inconformada com o noticiário que lhe devassara a vida íntima, resolveu vingar-se com o assassinato do dono do jornal, Mário Rodrigues, ou de algum de seus filhos. À morte do irmão, o ilustrador Roberto Rodrigues, seguiu-se a do pai. Depois vieram os anos de pobreza, a tuberculose que lhe impôs duas internações em Campos do Jordão, as chuvas do trágico verão carioca de 1966 que mataram o irmão Paulo e toda a família, o fim angustiante do primeiro casamento, as turbulências do segundo, o nascimento da filha cega, as torturas infligidas ao seu filho Nelsinho no cárcere. Em 21 de dezembro de 1980, o homem que passou a vida inteira pensando na morte se foi. Nunca se saberá se já tinha descoberto que era imortal.

Livros digitais são uma nova bolha?

0

Imagem Google

Sérgio Rodrigues, na Veja.com

Estou convencido de que os livros digitais são uma nova bolha tecnológica, e de que ela vai estourar nos próximos 18 meses. Eis a razão: a publicação digital é inextricavelmente ligada às estruturas do marketing nas redes sociais e ao mito de que a mídia social funciona para vender produtos. Não funciona, e só agora começamos a ter estatísticas verdadeiras sobre isso. Quando o marketing das redes sociais entrar em colapso, destruirá a plataforma na qual se baseava o sonho de uma indústria formada por escritores autopublicados.

Em sua tentativa de demolir no “Guardian” de hoje (em inglês) a lógica da autopublicação digital – e não a do livro digital em si, embora o trecho acima não deixe isso tão claro – Ewan Morrison apresenta números desconcertantes e compra briga com muita gente, inclusive o brasileiro Paulo Coelho, um defensor da publicação gratuita na internet como estratégia para escritores se fazerem conhecidos do público.

Depois de viajar a Cuba, o escritor argentino [Julio Cortázar] iniciou uma lenta transformação. Pouco a pouco, ele deixou de buscar uma revolução cultural vanguardista que mudasse a vida e começou a defender as revoluções políticas que transformavam as sociedades. Cuba preencheu um vazio político que havia em sua vida e do qual antes não se envergonhava. A partir de 1968, ele se converteu em um militante ativo, convidado habitual a conferências e fóruns em apoio às revoluções que incendiavam a América Latina. Sua escrita também mudou. Em 1973, ele publicou o “Livro de Manuel”, um romance com estrutura vanguardista, mas com um conteúdo claramente ideológico. A fantasia deixava de iluminar as vidas surrealistas de seus personagens e começava a avivar a utopia latino-americana. Mas qual projeto tinha mais opções de triunfar? O dos surrealistas que pretendiam alterar as consciências e as vidas, ou o dos revolucionários que queriam transformar as estruturas do Estado? Cortázar morreu em 1984, quando ainda se vislumbrava a possibilidade de a revolução marxista transformar o mundo. Se tivesse vivido mais cinco anos, talvez houvesse percebido que a verdadeira revolução que mudou a vida no Ocidente foi outra, a vanguardista, a que incitava a ter uma existência beat, surrealista e apaixonada.

O antropólogo e ensaísta colombiano Carlos Granés publicou no Sabático um belo artigo sobre as raízes surrealistas (tardias) do escritor argentino Julio Cortázar, a propósito da reedição de “O perseguidor” pela Cosac Naify.

*

Dickens é um estilista tão brilhante, sua visão de mundo tão idiossincrática e no entanto tão reveladora, que seria possível afirmar que seu tema é seu tratamento único de seu tema, num eco daquela frase de Mark Rothko, “O tema da pintura é a pintura” – a não ser, claro, pelo fato de que o grande tema de Dickens não era tão subjetivo nem tão exclusivista, mas incluía tanto do mundo quanto ele conseguisse abarcar. Se a prosa de ficção de Dickens tem “defeitos” – excessos de melodrama, sentimentalismo, tramas forçadas e finais felizes fabricados – trata-se de defeitos de seu tempo, ao qual, mesmo com toda a sua grandeza, Dickens não resistia, por não ser um espírito rebelde; no fundo ele era um artista das multidões, na linha do entretenimento teatral, sem nenhum interesse em subverter as convenções do romance como fariam seus grandes sucessores D.H. Lawrence, James Joyce e Virginia Woolf.

No “New York Review of Books”, a escritora americana Joyce Carol Oates resenha (em inglês) a recém-publicada biografia Charles Dickens: a life, de Claire Tomalin, e me faz mergulhar num exercício imaginativo provavelmente vão, mas irresistível: quais seriam os defeitos da grande literatura do nosso tempo, aqueles que só ficarão nítidos para os críticos do futuro?

Volta da música às escolas afina catálogo de editoras

0

Raissa Pascoal,  na Veja

Mortos há mais de um século, os compositores Tchaikovsky, Bach, Mozart e Chopin acabam de ganhar nova vida com a coleção Os Compositores, recém-lançada pela editora Panda Books. A ideia da publicação, longe de ser a comemoração de alguma data importante da música clássica, romântica ou barroca, é pegar carona em uma iniciativa aprovada ainda na gestão Lula. Em 2008, a lei nº 11.769 voltou a colocar as aulas de música como obrigatórias nas séries do ensino básico, mudando a Lei de Diretrizes e Bases da Educação, de 1996. Como o programa das escolas é um dos motores mais fortes do mercado de livros, diversas casas editoriais aproveitaram a deixa para apostar em títulos musicais.

Além da Panda, Companhia das Letras e Melhoramentos preparam lançamentos de olho na nova lei, que começou a valer neste semestre. Os Compositores, a coleção da Panda pensada para crianças de 5 a 7 anos, conta momentos da vida dos músicos com textos curtos e de fácil compreensão, acompanhados de CDs com trechos de peças de cada compositor. “Os livros propõem opções de trabalho aos professores. Temos uma equipe de divulgação nas escolas e estamos vendendo bastante para colégios particulares e planos de governo, em nível estadual e municipal”, diz Tatiana Fulas, coordenadora do projeto no Brasil. A coleção, trazida de Barcelona, foi criada pela escritora catalã Anna Obiols e ilustrada por seu parceiro profissional, Subi, que já preparam novos capítulos, como os do alemão Beethoven e do russo Stravinsky.

A editora paulista também prepara dois livros ligados à música em estilo almanaque, como parte da coleção Uma Introd


Ritmos brasileiros
– Apesar de a lei não determinar o modo como a música deve ser ensinada, o Ministério da Educação (MEC) recomenda que as escolas transmitam noções básicas de música, de instrumentos de orquestras e regionais, de cantos, ritmos e danças, principalmente brasileiros. Seguindo essa linha, a dupla Palavra Cantada, formada pelos músicos Paulo Tatit e Sandra Peres, teve a ideia de criar as coleções Brincadeiras Musicais e Brincadeirinhas Musicais, baseadas em seus anos de experiência em uma banda infantil.ução para Crianças, que já conta com volumes sobre o universo e o meio ambiente. Também importadas, as obras falam de balé e orquestra e trazem indicações para que a criança escute as faixas relacionadas no CD que vem junto com o livro.

“Em Orquestra, o autor fala sobre os grandes compositores, os instrumentos musicais e o maestro. Balé relembra as grandes montagens e de como funciona a dança”, diz Tatiana. Ao contrário de Os Compositores, esses dois livros são indicados para servir de consulta em bibliotecas e não vêm com indicação de atividades para o professor.

 

Os livros, lançados pela editora Melhoramentos, tratam apenas de ritmos brasileiros, como o maracatu e a congada. Os volumes das duas coleções são compostos de livro, CD e DVD pensados para cada série do ensino fundamental I, que abarca crianças entre 2 e 10 anos. Os DVDs trazem demonstrações de brincadeiras feitas a partir das músicas do Palavra Cantada, que podem ser acompanhadas pelas letras e cifras impressos nos livros. Um dos protagonistas das coleções, o personagem fictício Bebeléu, cuida de apresentar à criançada vocabulário técnico e comentários sobre timbre, harmonia, pulso, ritmo e melodia. “Queríamos uma coisa simples e imediata, para ter empatia direta e comunicação fácil, sempre na base de curtir a música, sem ficar preso à linha racional.

A música é uma manifestação espiritual e subjetiva”, diz Tatit.

“Vários municípios estão adotando a coleção, como Niterói, São Gonçalo e Goiânia”, diz Tatit. A obra, lançada no final do ano passado, teve divulgação diferenciada para as livrarias e para as escolas. As coleções dos professores vêm acompanhadas com um livro auxiliar com propostas de trabalho, criado pelos educadores Gabriel Levy e Berenice Almeida.

Também motivada pela aprovação da lei, a Companhia das Letras está elaborando uma coleção sobre músicos brasileiros, com biografia e partituras. Segundo Júlia Schwarcz, editora responsável pelos selos Cia das Letras e Cia das Letrinhas, que é voltado aos pequenos leitores, a coleção foi idealizada pela professora de música Maria Clara Barbosa e deve trazer volumes sobre música brasileira, com nomes como Noel Rosa, música regional, com Villa-Lobos (classificado dessa forma depois de estudos de Maria Clara sobre sua obra, que trata de temas regionais), e música clássica, ainda sem um personagem. “O primeiro livro será uma biografia de Noel Rosa, narrada em primeira pessoa. É uma conversa do sambista com São Pedro sobre a ideia de escrever um livro contando sua vida. O santo trabalha como um editor, que fala de toda a época de Rosa, do samba e da música brasileira”, diz Júlia.

Os livros, ainda sem data de lançamento, serão divididos em duas partes. A primeira, da biografia, será escrita por Luciana Sandroni, ganhadora do prêmio Jabuti de 1998, com Minhas Memórias de Lobato, e a segunda, com as partituras dos arranjos de músicas dos compositores, será assinada por Maria Clara.

Ainda que não tenham sido motivados pela lei, outros livros poderão pegar carona nela. É o caso de Som, de Emmanuel Bernhard, e Viva o Ritmo, de Edgard Poças, compositor da Turma do Balão Mágico, ambos da Companhia Editora Nacional. No primeiro, o autor propõe experiências para explicar aspectos do som, como condução, altura e eco. No segundo, Poças utiliza suas letras para criar brincadeiras com o ritmo das canções. “Não tinha a pretensão de ser didático. O livro fala da música atuando, com brincadeiras relacionadas às letras. Em alguns momentos também fala de ritmo, com o personagem do maestro Vira-Bolos. Só esse pedaço já vale como um livro de música”, diz Poças.

 

Música nas escolas

A lei nº 11.769, aprovada pelo ex-presidente Lula em 18 de agosto de 2008, alterou a Lei de Diretrizes e Bases da Educação, de 20 de dezembro de 1996, tornando novamente obrigatórias as aulas de música nos ensinos fundamental e médio. A primeira vez que a obrigatoriedade da disciplina foi lei aconteceu em 1932, quando Getúlio Vargas aprovou o projeto do compositor Heitor Villa-Lobos, então Superintendente de Educação Musical e Artística do governo federal.

Go to Top