Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged vender livros

A loja dos livros impossíveis

0

Conhecida como a ‘loja dos livros impossíveis’ a Livraria Simples, em SP, quer ser um ponto de cultura e é a segunda da série ‘Livrarias do Brasil’

Talita Facchini, no Publishnews

Na segunda matéria da série Livrarias do Brasil, que quer mapear e apresentar iniciativas de livrarias independentes Brasil adentro, o PublishNews foi conhecer de perto a Livraria Simples, a “loja dos livros impossíveis” e que tem como objetivo ser um ponto de cultura e causar impacto social.

Localizada na Bela Vista (Rua Rocha, 259), bairro da região central de São Paulo, a história da livraria começou mesmo na Mooca, em 2016, quando dois amigos, Adalberto Ribeiro e Felipe Faya, juntaram seus acervos e começaram a vender livros para os amigos. Meses depois, a livraria mudou de lugar e tomou os cômodos de uma casa na Bela Vista, com livros do chão ao teto, um ar intimista e um jardim para quem quiser ler um livro ou apenas passar o tempo.

“Fizemos 80% da mudança em um fusca, o resto foi com o carro emprestado da mãe do Felipe, ou seja, fizemos tudo com um Fusca e um Corsa”, conta Adalberto, que trabalha com livros desde os 16 anos. O visual da livraria também foi construído aos poucos e com a ajuda de vários amigos: móveis usados, estantes de madeira reutilizadas, muito garimpo, cada item veio de um lugar diferente e ajudou a construir um ambiente aconchegante e que pudesse acolher o leitor.

Na casa, junto com a livraria funcionam dois outros projetos: uma tabacaria – a Marajó Tabaco – e o acervo do artista Otavio Roth, por isso a ideia de ser mais que uma simples livraria e se tornar um ponto de cultura.

Já o acervo começou com 900 livros – 700 de Adalberto e outros 200 de Felipe – e agora já conta com 11 mil exemplares. Segundo Adalberto, ele continua crescendo e se modificando todos dias. “Nosso acervo se move muito com base na demanda que recebemos, se qualquer pessoa vier aqui e perguntar se temos um livro específico, sistematicamente vamos responder que não, mas que podemos conseguir. Independente do livro que seja, se está esgotado há muito tempo, se é um livro de outro país, um livro em japonês, dificilmente vamos falar que não temos e ficar por isso mesmo”, explica deixando claro o porquê da alcunha de “loja dos livros impossíveis”.

A ideia da Simples é ser um espaço democrático, um ambiente agradável para dar acesso ao maior número de pessoas. “Nossa ideia foi criar um ambiente em que as pessoas não se sintam acanhadas de entrar. O importante é a nossa marca ficar na cabeça das pessoas e quando elas pensarem em comprar alguma coisa elas venham comprar com a gente”, conta Alberto.

Para ficar na cabeça das pessoas, tem que ser diferente e se fazer presente de alguma maneira. Além do ambiente, a livraria viu nos seus pacotes uma maneira de chamar atenção e ir para a casa do leitor junto com o livro comprado. “Os pacotes começaram desde o início, temos várias empresas parceiras da livraria que fazem as coisas acontecerem e a Veio na Mala é uma delas, que desde o começo fornecem os carimbos pra gente”, explicou. Junto com os pacotes personalizados a Simples acertou também no modo de administrar as redes sociais, e com legendas divertidas e imagens bem feitas, o Instagram da loja já faz sucesso. “Ele é muito divertido e dá muito trabalho, mas daria mais ainda se não fosse do jeito que é”, brinca Adalberto. “Ele tem essa coisa meio “tosca”, mas é divertido, chama atenção e dá um resultado muito legal, acho que conseguimos acertar na verdade”.

Outra ação da livraria são as entrevistas feitas com os moradores do bairro e foi o modo que a Simples encontrou de fazer parte da comunidade. Já passaram por lá o garçom do boteco da esquina, a dona do brechó da rua e até um bailarino poliglota com muita história para contar e cultura para compartilhar. As entrevistas são postadas no Instagram da loja para todo mundo poder acompanhar.

Adalberto Ribeiro, Felipe Faya, Felipe Berigo e Aline Tiemi, os nomes por trás da Simples sabem que têm que fazer muito com pouco se quiserem crescer. “Simples é o contrário do fácil”, lembra Adalberto, e junto com a vontade de fazer mais, surgiu em novembro passado a oportunidade de fazer parte da programação paralela do Sesc Paulista.

A partir daí surgiu a Feira de Trocas que ficou por lá durante dois meses, mas que deu tão certo que os sócios sentiram a necessidade de torna-la recorrente. “Conseguimos ainda juntar a troca de livros com o projeto do Otavio Roth. Quando vivo, ele tinha um projeto que chamava Árvore, em que crianças do mundo inteiro desenhavam em papéis no formato de folhas. A ideia dele era conseguir um milhão de papeizinhos, e com as feiras retomamos esse projeto. Realizamos uma oficina em que as crianças vão lá, desenham nas folhas e ganham um livro”. Para quem quiser ver a exposição, Liberdade para respirar, é só visitar o Sesc Bom Retiro.

Sobre os planos para o futuro, Adalberto não fala em números, para ele, o impacto social que a livraria pode causar é mais importante do que o lucro em si. E sobre sonhos, ele também prefere guardar segredo por enquanto, mas a ideia, é sempre se fazer presente. “‘Que ninguém se engane, só se consegue a simplicidade através de muito trabalho’, essa frase da Clarice Lispector acho que resume bem, ela combina muito com o nome da livraria e como levamos nosso trabalho”, lembra Adalberto.

A Livraria Simples funciona de segunda a sábado, das 10h às 18h, e de vez em quando aos domingos e feriados, como a própria página da loja já avisa.

Vestido de Batman, jovem vende livros em ônibus para pagar cursinho e se preparar para concursos públicos no AM

0

Estudante se veste de Batman em Manaus (Foto: Suelen Gonçalves/G1 AM)

Estudante se veste de Batman em Manaus (Foto: Suelen Gonçalves/G1 AM)

Luciano Neto comercializa exemplares nos ônibus e terminais de Manaus para custear estudos.

Adneison Severiano, no G1

Muitas pessoas que utilizam os ônibus do transporte coletivo de Manaus já se depararam com um “super-herói” entre os passageiros. Luciano Almeida Ferreira Neto, de 28 anos, se fantasia de Batman para vender livros e revistas educativas na capital. Com as vendas, ele custeia os estudos preparatórios para concursos públicos. Por onde passa o estudante ainda deixa pelo caminho mensagens e reflexões sobre a vida.

Em 2013, Luciano Neto interrompeu o curso de psicologia que fez por dois anos após ficar desempregado. Sem dinheiro para custear os estudos, Luciano teve a inspiração de vender livros a preços populares ao ver uma jovem comercializando obras em Manaus.

“Eu vi uma moça fazendo esse trabalho e vendendo as revistas educativas no ônibus no horário do almoço. Fiquei impressionado com a habilidade dela de se comunicar com as pessoas e isso me chamou atenção. Perguntei como era esse trabalho e ela explicou. Ela disse onde comprava os livretos e me levou no local onde vendia os materiais”, contou.

Papai Noel

Descaracterizado, as vendas não foram promissoras e Luciano Neto ficou apenas quatro meses comercializando os livretos e revistas. O estudante voltou a ocupar um trabalho formal como operador de máquina em uma fábrica de injeção plástica, mas ficou novamente desempregado em 2016. Ele então passou novamente a vender livretos educativos por apenas R$ 1.

“Pensei em voltar a vender os livros, mas queria uma forma de atrair as pessoas e tive a ideia de me caraterizar com uma fantasia de Papai Noel porque estávamos no Natal. As pessoas gostavam de comprar os materiais, tiravam fotos com Papai Noel e as crianças abraçavam. Vendo os exemplares baratos pois também é uma forma de incentivar as pessoas a buscar conhecimento”, relatou Luciano.

Após o natal e sem dinheiro para comprar indumentárias prontas em lojas, Luciano Neto teve que improvisar uma nova fantasia. Foi fantasiado de Batman que as vendas progrediram e o super-herói passou atrair os clientes.

“Acabou o Natal e precisava de outra fantasia para chamar atenção das pessoas. Como eu estava com pouco recurso tinha que criar uma fantasia de baixo custo. Tive a ideia criar a fantasia do Batman por ser mais acessível. Comprei a máscara no Centro e pedi para uma costureira amiga da família fazer a roupa. O Batman fez mais sucesso e quando eu passo nas ruas as pessoas acenam, tiram fotos, pedem para gravar vídeos para crianças falando para elas comerem”, disse o estudante.

Preparação

Com as vendas das revistas e livretos, Luciano conseguiu recursos para custear o cursinho preparatório online de concursos que custa R$ 590. Percorrendo diariamente ônibus e terminais, o estudante vende até 100 exemplares por dia e tem lucro diário de até R$ 50.

Luciano Neto se veste de Batman para chamar atenção de passageiros em Manaus (Foto: Suelen Gonçalves/G1 AM)

Luciano Neto se veste de Batman para chamar atenção de passageiros em Manaus (Foto: Suelen Gonçalves/G1 AM)

O estudante mora com avó aposentada na comunidade Grande Vitória, na Zona Leste da capital. Mesmo rotina intensa, ele concilia o trabalho informal com os estudos e os primeiros resultados já começaram a surgir.

“Em 2016, eu fui um dos aprovados do concurso da Ufam para auxiliar de administração. Porém, não fiquei entre os classificados. Eram 10 vagas e fiquei em 14º lugar. Eram 800 candidatos para uma vaga a concorrência. No concurso do IBGE de 2016 gabaritei a prova de matemática, acertei todas as questões. Estou esperando para saber se fui aprovado para o cargo de assistente censitário administrativo. Eu comecei estudar para um possível concurso do Tribunal Regional Eleitoral mesmo ainda não tendo edital lançado e estudo para outros concursos à noite, mas quando tem edital aberto estudo também durante o dia. Quero ter um bom cargo e vou fazer concurso até passar. Faço concurso para ter mais qualidade de vida e estabilidade financeira no serviço público”, disse o estudante.

Diariamente, Luciano Neto também leva mensagens motivacionais para pessoas nos ônibus e terminais de Manaus. “Além dos materiais educativos eu levo uma mensagem de motivação para as pessoas, pois motivação tem que ser todo dia para a pessoa se renovar. Eu acredito em sonhos, eu acredito em projetos e ideias. Eu falo com as pessoas e levo elas a refletirem a importância do convívio social entre as pessoas. Abordo assuntos sobre respeito aos mais velhos e gentileza do homem com a mulher. Estamos em uma sociedade que tenta justificar a modernidade para não ser gentis e falo para as pessoas que riqueza não traz felicidade”, afirmou.

ONG em Macapá vai ‘vender’ livros em troca de boas ações

0

Livros serão 'comprados' com boas ações, em Macapá (Foto: Nexa/Divulgação)

Livros serão ‘comprados’ com boas ações, em Macapá (Foto: Nexa/Divulgação)

 

Clientes precisam demonstrar algum ato de atenção ao próximo para ‘comprar’ livro. ONG recebe doações de livros até o dia 27 de abril para trocar em feira no dia 29.

Fabiana Figueiredo, no G1

Uma campanha em Macapá quer incentivar a leitura e estimular gestos de bondade gratuitos entre as pessoas. A 4ª edição do projeto “Feira 1010 maneiras de comprar um livro sem dinheiro” acontecerá no dia 29 de abril, em um shopping no bairro Trem, Zona Sul da capital.

O projeto é realizado nacionalmente e no Amapá é organizado pela ONG Núcleo de Ex-Achievers do Amapá (Nexa), que leva educação empreendedora a jovens. De acordo com o vice-gerente da Nexa, Willian Amorim, de 19 anos, o projeto começa com a arrecadação dos livros e depois há a “compra” dos produtos cujo “pagamento” é alguma boa ação.

“Além de proporcionar essa reflexão do uso do dinheiro, é também para fazer a pessoa voltar a fazer algo que ela foi esquecendo com o tempo, e valorizar as pessoas. São 1010 ações que as pessoas vão precisar fazer para ‘comprar’ um livro”, explicou Amorim.

Para colocar em prática o evento, a ONG está recebendo livros de diversos segmentos. As doações acontecem até o dia 27 de abril em postos de arrecadação na sede do Sebrae Amapá e na escola Augusto Antunes, em Santana, a 17 quilômetros da capital. Não são aceitos livros didáticos, mas os de estilo literário, gibis, revistas e até mesmo paradidáticos podem ser doados para o projeto.

Após as doações, os livros serão catalogados e se estiverem em boas condições serão colocados à disposição na feira, que acontecerá durante todo o dia 29 de abril. Para adquirir o produto, a pessoa deve obedecer a uma ação indicada em cada livro, como ligar para alguém e dizer que ama, falar que os amigos são pessoas importantes, entre outros gestos gratuitos de bondade.

Agora todo mundo pode vender livros novos ou usados na Amazon

0

Amazon: pessoas físicas e jurídicas podem vender livros dentro da Amazon.com.br (Chris Ratcliffe/Bloomberg)

Amazon: pessoas físicas e jurídicas podem vender livros dentro da Amazon.com.br (Chris Ratcliffe/Bloomberg)

Com novo marketplace na Amazon.com.br, sebos, editoras, livrarias e mesmo pessoas físicas podem vender livros novos ou usados pelo site da varejista

Victor Caputo, na Exame

São Paulo – A Amazon está a caminho de se tornar a melhor amiga de sebos e de quem tem muitos livros encalhados em casa. Isso porque a empresa lança hoje seu marketplace para a venda de livros.

Com o marketplace, pessoas físicas e jurídicas poderão vender livros novos e usados dentro do site da Amazon. “Nosso foco neste lançamento é aumentar o nosso catálogo”, falou a EXAME.com o diretor para livros impressos da Amazon.com.br Daniel Mazini.

O resultado imediato deve ser bastante satisfatório para a empresa. Com alguns parceiros iniciais (que envolvem grandes sebos e até editoras), há um salto de 150 mil para 250 mil títulos em português sendo vendidos dentro do site—uma adição de 100 mil novos títulos portanto. Esse novos títulos são exemplares esgotados, raros, entre outros. A partir de hoje, o número de livros oferecidos deve aumentar com a abertura do cadastro de vendedores.

Para o consumidor, pouco muda. Ao entrar na página de um produto, o comprador poderá ver se aquele título é vendido por terceiros dentro do site. A listagem completa oferece informações sobre preço, estado do exemplar (caso não seja novo) e taxa de entrega. A partir disso, o cliente pode escolher se quer comprar da própria Amazon ou de algum outro vendedor.

Para quem vende

A Amazon oferece dois tipos de perfil de vendedores, o profissional e o não profissional. No profissional, é preciso pagar uma mensalidade (que não será cobrada nos primeiros 3 meses) de 19 reais que traz alguns benefícios (sobre os quais comento dentro de algumas linhas).

O não profissional não chega a ter limitações nas vendas, mas a depender do número de unidades de livros vendidos, acaba pagando mais do que a mensalidade dos profissionais. A cada livro vendido, uma taxa de dois reais deve ser paga para a Amazon. Além disso, a empresa fica com 10% do valor da transação–incluindo o preço do produto somado ao frete cobrado.

Por conta disso, a empresa aconselha que o vendedor assine a conta profissional caso tenha previsão de vender mais do que 10 livros ao longo do mês (10 x R$ 2 = R$ 20, número maior do que os 19 reais da assinatura). Toda a estrutura de pagamentos é gerenciada pela Amazon. O comprador pode, inclusive, escolher por pagar em vezes sem qualquer efeito para quem vende.

Outro benefício da novidade é a possibilidade de vender livros para o exterior—eles são Estados Unidos, Canadá e México (este último somente para os assinantes profissionais). “Finalmente poderemos concretizar um antigo sonho do nosso fundador, Sr. Messias A. Coelho: vender livros no exterior”, afirma em comunicado Cleber Aquino, gerente de e-commerce do Sebo do Messias, um dos parceiros iniciais da Amazon neste lançamento.

A assinatura da conta profissional ainda traz benefícios como atualização por API, criação de políticas de fretes diferenciadas por região do país, cadastro de múltiplos livros por tabela, entre outros.

Garantia Amazon

Tradicionalmente, a empresa fundada por Jeff Bezos tem uma obsessão de aliar preços baixos a uma experiência de alta qualidade para o consumidor.

Por conta disso, a Amazon ficará de olho em quem vende dentro de seu site. Reclamações constantes e problemas não resolvidos serão analisados e podem levar à remoção do vendedor do marketplace. Isso porque o comprador fica coberto pela Garantia de A a Z, da Amazon, ao efetuar uma compra no marketplace–seja a Amazon ou não o vendedor em questão.

Isso garante que o produto será entregue no estado de conservação cadastrado no site. Caso o vendedor não deixe o consumidor satisfeito, a Amazon entra em campo. A empresa poderá devolver o dinheiro integral do consumidor que se sentir lesado.

O marketplace para livros da Amazon entra no ar hoje. Você pode obter mais informações e se cadastrar como vendedor neste link.

‘Evito que voltem para o lixo’, diz vendedor de livros usados em Bauru

0

Círso de Jesus Novaes vende livros na Feira do Rolo de Bauru há mais de 20 anos (Foto: Ednan Gomes/G1)

Círso de Jesus Novaes vende livros na Feira do Rolo de Bauru há mais de 20 anos (Foto: Ednan Gomes/G1)

 

Há mais de 20 anos Cirso Novaes comercializa livros usados a R$ 1.
Nesta terça-feira (14) é comemorado no Brasil o Dia do Vendedor de Livros.

Publicado no G1

O dia do vendedor de livro no Brasil é comemorado nesta terça-feira (14) e para saber um pouco mais sobre essa profissão, cada vez mais rara com a existência das grandes livrarias e da possibilidade de adquirir as obras pela internet, o G1 conversou com os responsáveis pelas bancas de livros de uma das feiras mais famosas de Bauru (SP), a Feira do Rolo, que é realizada todos os domingos na área central da cidade.

Ao chegar em uma dessas bancas, o olhar passa por clássicos de Machado de Assis, uma coletânea de poetas brasileiros até chegar a uma edição rara de ‘A Muralha’, livro da escritora Dinah Silveira de Queiroz. Em meio ao vai e vem das pessoas com suas sacolas de compras, é possível folhear tranquilamente alguns livros da literatura norueguesa ou ler algo do colombiano Gabriel Garcia Márquez. Essas obras estão à disposição de quem passa pela feira.

Os livros vendidos há mais de 20 anos por Círso de Jesus Novaes dividem o espaço com peças de diversas máquinas e outros “cacarecos” em uma lona branca estirada sobre os paralelepípedos da Rua Júlio Prestes, no centro da cidade. Ele conta que começou a participar da feira como uma forma de aproveitar os materiais de reciclagem que recolhia. “Sempre trabalhei com esse tipo de material e, no meio deles, eu achava muitos livros em bom estado ou que poderiam ser arrumados. Então eu comecei a trazer eles para feira e a colocar junto com as outras coisas que eu vendia. Pelo menos assim eles não voltariam para o lixo”, conta ele que vende a R$ 1 cada um dos exemplares.

Não muito distante da lona de Círso, é possível encontrar uma mesa com os livros vendidos por Chico Carioca. Sua relação com a Feira do Rolo começou em 1997, quando começou a negociar LP’s, produtos que atualmente ainda são vendidos por ele.

Depois que passou a frequentar a feira, Carioca, como é chamado pelos amigos, começou a se interessar por livros e, em especial por biografias. “Com o tempo meu interesse pela leitura aumentou e no ano de 2000 eu comecei a vender livros aqui”, conta ele que no momento está lendo a biografia da cantora Maysa e ficou surpreendido quando soube que ela morou por um período em Bauru, quando tinha apenas 2 anos.

Desde 2000, Chico Carioca vende livros na Feira do Rolo em Bauru (Foto: Ednan Gomes/G1)

Desde 2000, Chico Carioca vende livros na Feira do Rolo em Bauru (Foto: Ednan Gomes/G1)

 

Para ele, vender livros nas manhãs de domingo na Feira do Rolo é uma forma de dar acesso à literatura para a população. Os preços oferecidos por ele variam dos R$ 5 aos R$ 30. É possível encontrar em ótimo estado de conservação, por exemplo, o livro “Fim”, escrito pela atriz Fernanda Torres, por apenas R$ 8. Em duas livrarias diferentes de Bauru o preço do mesmo livro é de R$ 37,90.

“No Brasil, principalmente por causa dos impostos os livros vendidos em livrarias são muito caros. Vender esse material a preços populares em um local muito popular é uma forma de facilitar esse acesso”, comenta. De acordo com Carioca, os produtos que ele vende, em sua maioria, são doações de pessoas que estão de mudança e não podem levar os livros.

Com o passar do tempo, muitos clientes de Carioca tornaram-se seus amigos. Eles fazem até pedidos de livros que querem, e ele dá um jeito de arrumar para satisfazer a clientela. “Eu acho que 90% dos meus clientes são fixos. Eu acho que isso acontece porque no nosso país a leitura precisa ser mais incentivada para as pessoas de todos os níveis sociais. Não se pode obrigar as crianças lerem nas escolas. É preciso incentivar. A diferença entre essas duas palavras é grande”, afirma.

Go to Top