Vitrali Moema

6 motivos para ler livros de papel – com base no que diz a ciência

0

(Hemera Technologies/Thinkstock)

 

Do vocabulário à memória, a leitura traz bem-estar. E os resultados são melhores quando você lê livros à moda antiga.

Raquel Drehmer, no M de Mulher

E-books são práticos e ocupam um mínimo de espaço, audiobooks facilitam a vida de quem não consegue se dar o tempo necessário para parar e ler. Mas os livros de papel, mesmo não tendo estas conveniências todas, têm seu charme e ainda cativam muita gente.

E tem mais: estudos acadêmicos indicam que manter o hábito de segurar um livro à moda antiga e lê-lo virando as páginas, voltando para recapitular algum detalhe e sentindo aquele cheirinho de papel traz muito bem-estar.

Vamos a oito motivos científicos para não abandonar os velhos e bons livros de papel.

Ler livros de papel aumenta o vocabulário…

Um estudo conduzido pela Universidade da Califórnia (EUA) mostrou que leitores de livros de papel assimilaram 50% mais palavras novas do que os leitores das mesmas obras em e-book. Paralelamente, observou que as crianças que têm o interesse por livros infantis estimulado pelos pais conseguem construir frases completas mais cedo que as crianças que só veem TV.

… E evita o desgaste da memória

Assim como fazer atividades físicas trabalha os músculos e o sistema cardiovascular, ler exercita o cérebro. E, em vez de músculos definidos, o que se nota é a memória preservada. Pesquisadores da Universidade Tufts (Massachusetts, EUA) acompanharam por cinco anos voluntários que tinham acabado de entrar na terceira idade e constataram que os que mantiveram o hábito de ler livros e jornais de papel não tiveram perda de memória como aqueles que simplesmente deixaram a leitura de lado.

Ler também é um aliado na luta conta o Alzheimer

Oito professores da Case Western Reserve University (Ohio, EUA) analisou que idosos com os hábitos de ler, jogar xadrez ou montar quebra-cabeças têm 2,5 vezes menos risco de desenvolver Alzheimer do que aqueles que optam por ficar apenas em frente à TV.

Poder virar as páginas do livro ajuda na compreensão da história

Quem lê e-books tende a passar por cima de pedaços da história que não tenha entendido, alegadamente por preguiça de rolar a tela até encontrar o que tenha ficado no ar, enquanto os leitores de livros de papel não apenas voltam às páginas que ajudem a entender algo como também fazem anotações por escrito para fixar ainda melhor algum detalhe. Esta foi a conclusão de pesquisadores da Universidade de Karlstads (Suécia) após acompanhar o comportamento de leitura de 232 alunos voluntários.

Livros de papel ajudam a relaxar

Chegar em casa, tomar um banho e começar a ler um livro de papel x chegar em casa, tomar um banho e ir para a frente da TV: o que será melhor para relaxar? De acordo com um estudo da Universidade de Sussex (Reino Unido), a primeira opção funciona melhor para 68% da população. Os neuropsicólogos que desenvolveram a pesquisa entenderam que mergulhar na ficção ajuda na produção de hormônios do prazer (endorfina e dopamina), enquanto assistir à TV eleva os níveis de estresse.

Crianças que veem adultos lendo livros de papel gostam mais de ler

Quer que seus filhos gostem de ler? Leia livros de papel perto deles. Um estudo da Universidade de Montreal (Canadá) cravou que 75% das crianças que têm o exemplo de pais leitores em casa tomam a iniciativa de procurar livros para elas, seja em bibliotecas ou em lojas. Aproveite esses momentos de leitura em família para incentivar que os pequenos contem as histórias que estão acompanhando nos livros; além de ser uma ótima técnica de união, trabalha a oratória deles.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

Wild Cards | Hulu vai adaptar série de livros de George R.R. Martin

0

Lucas Nascimento, no Observatório do Cinema

O The Hollywood Reporter anunciou nesta terça-feira (13) que a Hulu está em negociações finais para transformar Wild Cards, criação de George R.R. Martin (Game of Thrones) em uma série.

O plano do serviço de streaming é desenvolver múltiplas séries através do universo de livros, histórias em quadrinhos e outros produtos criados por Martin e vários colaboradores a partir de 1987.

Uma sala de roteiristas será montada para desenvolver duas séries baseadas em Wild Cards, contando com Andrew Miller (The Secret Circle). Melinda Snodgrass, Vince Gerardis e o próprio Martin serão produtores executivos.

“O universo compartilhado de Wild Cards divergiu do nosso em 15 de setembro de 1946, quando um vírus alienígena desceu à Terra, mais especificamente à Manhattan, e matou 90% da população”, explicou Martin. “9% se tornaram mutantes deformados, e 1%, os mais sortudos, ganharam poderes inexplicáveis e incríveis”.

O autor comparou o seu universo de histórias, expandido por vários outros autores desde 1987 (tudo sob supervisão de Martin) com o universo da Marvel. “Antes de ser livros, quadrinhos ou games, Wild Cards é um universo completo e expansivo, tão excitante quanto o da DC ou da Marvel (talvez um pouco mais sombrio)”, brincou o autor em um post de seu site oficial.

Wild Cards ainda não tem previsão de estreia.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

A pista mais falsa de Agatha Christie

0

INVENTIVA A escritora britânica Agatha Christie em 1949: ela se inspirou em romances de mistério de Charles Dickens para criar os detetives Hercule Poirot e Miss Marple (Crédito: Popperfoto/Getty Images)

Biografia da rainha do crime explica de onde uma dona de casa tirou a imaginação macabra para se tornar a escritora mais vendida da história — e decifra o enigma de sua desaparição

Luis Antonio Giron, na IstoÉ

É raro decifrar o segredo de um gênio. Para explicá-lo, especialistas revolvem as origens familiares e a formação do indivíduo especial. No caso da escritora inglesa Agatha Christie (1890-1976), nada parece indicar que se tornaria a senhora do romance de detetive e a maior vendedora de livros da história, ao lado do dramaturgo William Shakespeare. Agatha, como Shakespeare vendeu 2 bilhões de exemplares desde que publicou o primeiro romance policial, “O Misterioso Caso de Styles”, em 1920, protagonizado por seu herói mais célebre, o detetive Hercule Poirot, com sua cabeça de ovo, bigodes encerados e alta capacidade cognitiva. A criadora de mistérios saborosos não passava de uma dona de casa conservadora amante da vida serena, especialmente da jardinagem e da gastronomia. Descobrir de onde ela tirou a imaginação a um só tempo macabra, complexa e irônica, é a meta do livro “Agatha Christie – Uma Biografia”, de Janet Morgan, lançamento da editora BestSeller.

Charada

Trata-se de um título clássico, publicado em 1986 e só agora no Brasil. A escritora Janet Morgan trabalha em gestão de novas tecnologias na Escócia. Em meados dos anos 1980, foi convidada pelos herdeiros de Agatha para escrever uma “biografia autorizada”: teve acesso exclusivo aos documentos pessoais da escritora e de seu segundo marido, o arqueólogo Max Mallowan. Ao mesmo tempo, Morgan foi persuadida a abordar a biografada de forma gentil. Mas o fator politicamente correto não a impediu de avançar sobre um dos enigmas dentro do enigma que foi Agatha Christie: por que e como ela desapareceu entre 3 e 13 de dezembro de 1926, quando já era celebridade, causando um dos casos mais ruidosos cobertos pela imprensa da época. Agatha nunca se pronunciou sobre o assunto.

Parte da resolução da charada repousa em sua formação vitoriana. Agatha Miller nasceu em Torquay, Devon, em uma família abastada. O pai, Frederick, era um americano investidor da bolsa. A mãe, Clara, e sua irmã mais velha, Madge, escreviam e publicavam contos e poemas. Sem ter frequentado escolas, Agatha aprendeu a ler e escrever com elas. Trabalhou em hospitais como voluntária e em uma farmácia, onde aprendeu os segredos dos venenos que iria usar em suas narrativa. Em 1914, casou-se com o coronel da marinha Archie Christie. O casal viveu seis anos em aparente harmonia. Em 1919, Agatha deu à luz sua única filha, Rosalind. Começou a publicar romances policiais, e se tornou popular. Ele se empregou na City. Os dois se mudaram para Londres. Lá, Archie começou a ter um caso amoroso com uma amiga de Madge, Nancy Neele, que trabalhava como secretária na City. Quando Archie confessou o affair e pediu divórcio, Agatha entrou em pânico.

Na noite de 3 de dezembro de 1926, ela saiu de carro de sua casa, sem avisar a criadagem. Bateu o carro no meio do caminho e o abandonou. Isso aguçou as suspeitas da polícia e a sede de novidades da imprensa. Os jornais passaram a publicar manchetes e especulações. O escritor de mistério Edgar Wallace declarou que não acreditava que Agatha tivesse se suicidado. “Ela quer chamar atenção do marido”, arriscou. A polícia convocou batalhões de cidadãos para vasculhar a região onde ela sumiu. Enquanto isso, Agatha hospedou-se em um hotel balneário, sob pseudônimo, Teresa Neele, usando curiosamente o sobrenome da rival. Lá se manteve discreta, mas chegou a discutir o seu próprio desaparecimento com os hóspedes. Quando a política finalmente a descobriu, em 14 de dezembro, parecia não reconhecer o marido e a filha.

Estudiosos acham que o episódio ensina sobre o método de narração de Agatha, seu tesouro mais bem guardado. Ela teria usado seu conhecimento de manipular personagens e pistas falsas para testar um enredo na vida real – e obter publicidade. Morgan discorda: “Ela prezava a privacidade, jamais faria isso. Também não teria usado o recurso moderno de viver dentro da trama. Seu método de escritura era puramente intelectual.” A solução pode ser mais simples. “Ela parece ter sido vítima de uma espécie de amnésia”, diz Morgan. “Mas ainda hoje restam dúvidas.” Ela cometeu não um crime, mas um sumiço perfeito.

Chave da escrita

Após o episódio, Agatha recompôs a vida, casou-se com um arqueólogo, viajou ao oriente e a lugares exóticos e seguiu a escrever histórias até os últimos dias de vida. Em suas excursões, nunca deixou de levar um caderno de anotações, onde registrava personagens, histórias e situações impensáveis. Também usava ditafone. Em seguida, estruturava as histórias em cadernos maiores, a caneta ou a lápis. Depois, de forma perfeita, datilografava seus livros. “Nunca escreveu sobre o que não sabia”, diz Morgan. Ela atribuiu o sucesso e a permanência de sua obra à arte narrativa. “Os livros de Agatha duram porque são boas histórias, ainda que, algumas vezes, irremediavelmente improváveis. Uma vez fisgado, o leitor quer saber o que vai acontecer. Elas abordam mitos, fantasias e obsessões compartilhados por pessoas de todo tipo: jornadas, disputas, morte, sexo, dinheiro, assassinatos, conspirações, transformações, poder, o triunfo do simples sobre o complexo, a importância do mundano e também do cósmico.” Segundo a escritora P.D. James, ela alimentava uma obsessão pela pureza. “Os crimes de Agatha são desprovidos de sangue”, afirmou. “A resolução dos mistérios visava ao restabelecimento da ordem, que ela amava acima de tudo.” Foi essa fórmula simples que lhe deu a glória literária.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

Star Wars | Livro sobre as personagens femininas da saga é lançado nos Estados Unidos

0

Alexandre Guglielmelli, no Observatório do Cinema

Não há dúvidas que o Universo de Star Wars tem se tornado mais inclusivo à personagens femininas nos últimos anos, para desespero de alguns fãs mais conservadores. A jornalista Amy Ratcliffe lançou um livro especial que discorre sobre as mulheres da Galáxia.

Women of the Galaxy traz ao plano principal Leia Organa, Rey, Rose Tico, Jyn Erso e outras 71 personagens da obra de George Lucas.

O livro retrata e investiga o papel das personagens femininas na franquia. Suas influências, construções e importância na obra geral. O tomo também traz ilustrações originais, indo da guerreira Jedi Aayla Secura à vilã Capitã Phasma.

As ilustrações que acompanham o projeto foram produzidas por 18 artistas femininas ou não-binárias. Algumas delas retratam personagens que nunca apareceram nos filmes, apenas em projetos satélites, como HQs e livros.

Star Wars: Women of the Galaxy foi lançado pela editora Chronicle Books. Sua versão em inglês em capa dura já pode ser adquirida no site da Amazon por 19 dólares.

Confira algumas das ilustrações do livro abaixo:

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

Sandman | Confira detalhes do box de luxo que conta com toda a série

0

Fabio de Souza Gomes, no Omelete

A Panini divulgou detalhes do Box Sandman – Coleção Definitiva, que reúne todos os volumes do clássico de Neil Gaiman em uma caixa especial. Confira as imagens:

O volume reúne Absolute Sandman do Volume 1 ao Volume 5, além da edição definitiva de Morte e uma edição de luxo de Sandman Prelúdio.

O produto conta com venda exclusiva na Loja Panini e na CCXP 2018 e, atualmente, está em fase de pré-venda. O início do envio é a partir de 12 de dezembro.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

Go to Top