Barbara Heckler

O termo Tropicália batizou o mais radical movimento cultural já surgido no país. Nada ficou de pé. Suas cores, aliadas ao som das guitarras, se opunham ao tom cinzento e ao consevadorismo musical das canções de protesto. As ideias sobre o Brasil embutidas nas letras dos tropicalistas minaram a divisão entre direita e esquerda, uma bipolaridade que só seria questionada muitos anos mais tarde, com a queda do Muro de Berlim.

O álbum musical que marca o movimento é Tropicália ou Panis et Circencis, de 1968, elaborado coletivamente por Caetano Veloso, Gilberto Gil, Gal Costa, Os Mutantes, Tom Zé, Torquato Neto, Capinam e o maestro Rogério Duprat. Quatro décadas depois de seu lançamento, a pesquisadora Ana de Oliveira convidou escritores e artistas plásticos para reinterpretar, à sua maneira, cada uma das 12 faixas do disco-manifesto. O resultado foi reunido em um livro, que será lançado neste mês pela editora Iyá Omin. Entre os convidados, estão o renomado grupo assume vivid astro focus, liderado pelo artista brasileiro radicado em Nova York Eli Sudbrak, o compositor Jorge Mautner e o ilustrador Rico Lins.

Veja todas as ilustrações no site da revista Bravo AQUI

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments