Canal Pavablog no Youtube

Livro que inspirou Blade Runner terá nova edição no Brasil

0

Pela primeira vez com o nome do filme impresso na capa

Victor Aliaga, no IGN

Androides Sonham Com Ovelhas Elétricas?, livro de Philip K. Dick que inspirou um dos maiores clássicos da ficção científica no cinema (Blade Runner, é claro!), vai ganhar uma nova versão no Brasil, pela Editora Aleph, que havia publicado duas edições anteriormente.

A nova capa é ilustrada por Rafael Coutinho com design de Giovanna Cianelli, e a cena estampada homenageia o filme e retoma o ar policial noir do romance, ao mesmo tempo em que explora a atmosfera de dúvida e segredos presente na obra de Dick.

Vale ressaltar que esta é a primeira vez que o título imortalizado nos cinemas chega impresso no livro. “A ideia foi levar esse livro (que é um dos nossos favoritos do autor) para mais perto do público e fazer com que a sua história fique cada vez mais conhecida”, escreveu a Aleph, no Instagram.

A edição, que terá um total de 288 páginas, trará de volta o material presente nas versões anteriores publicadas pela editora, além de extras como: uma carta de Dick aos produtores do filme, a última entrevista concedida pelo autor, publicada na revista The Twilight Zone, e um posfácio escrito pelo jornalista e tradutor desta edição, Ronaldo Bressane, que traçou paralelos entre o filme e o livro.

Publicado originalmente em 1968, Androides Sonham Com Ovelhas Elétricas? conta a história de Rick Deckard, um caçador de recompensas que vive em uma San Francisco coberta pela poeira radioativa que dizimou inúmeras espécies de animais e plantas. Um novo trabalho pode ser o ponto de virada para melhorar seu padrão de vida e realizar seu sonho de consumo: uma ovelha de verdade, para substituir a réplica elétrica que ele cria em casa. Para isso, Deckard precisa perseguir e aposentar seis androides que estão foragidos, se passando por humanos. No entanto, as convicções do detetive podem mudar quando percebe que a linha que separa o real do fabricado não é mais tão nítida quanto ele acreditava.

O lançamento do livro está marcado para o dia 10 de abril de 2019.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

Escritor João Carlos Marinho, autor de ‘O gênio do crime’, morre em SP

0

João Carlos Marinho, autor do clássico ‘O gênio do crime’ — Foto: Reprodução/Facebook

Ele estava internado desde fevereiro em hospital na Zona Leste.

Publicado no G1

O escritor João Carlos Marinho, de 83 anos, morreu no domingo (17) em São Paulo. Autor do clássico juvenil “O gênio do crime”, ele estava internado desde fevereiro no Hospital Sancta Maggiore da Mooca, na Zona Leste.

Segundo parentes, o corpo de Marinho será velado a partir das 10h desta segunda no Cemitério do Araçá e enterrado às 16h no Cemitério da Consolação, ambos na capital.

Nascido no Rio de Janeiro em 25 de setembro de 1935, mudou-se com a família ainda criança para Santos e, depois São Paulo. Concluiu o colegial (atual ensino médio) na Suíça. Ao voltar para a capital paulista, cursou Direito na Faculdade do Largo de São Francisco, da Universidade de São Paulo (USP), e passou a advogar em Guarulhos, na Grande São Paulo.

Em 1969, quando ainda advogava, publicou sua obra-prima, “O gênio do crime”. O livro foi a primeira das 13 aventuras que o autor criou para a turma do Gordo. Nele, o personagem principal e seu grupo ajudam o dono de uma fábrica de figurinhas de futebol a descobrir um criminoso que falsificava os cromos mais raros.

Capa do livro ‘O gênio do crime’ — Foto: Divulgação

Segundo cálculos do próprio autor, foram cerca de 1,2 milhão de exemplares vendidos, em mais de 60 edições desde o lançamento. A obra foi traduzida para o espanhol e adaptada para o cinema em 1973, sob o título “O detetive Bolacha contra o gênio do crime”.

Além dos romances juvenis, Marinho escreveu quatro livros voltados para o público adulto, entre eles “O dueto dos gatos”.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

Encontrado o manuscrito de ‘Cem anos de solidão’ que García Márquez acreditava ter se perdido

0

A origem de “Cem anos de solidão”.

México guarda cópia datilografada da grande obra do escritor colombiano.
O próprio autor deu a obra ao crítico literário Emmanuel Carballo

Anna Lagos, no El País

Talvez a melhor explicação sobre a prodigiosa imaginação de Gabriel García Márquez seja a de seu pai: “tinha uma capacidade para inventar além da realidade que via. Eu sempre disse que tinha dois cérebros. Ninguém me tira da cabeça a ideia de que Gabito é bicéfalo”, dizia dom Gabriel Eligio García. Usou esse formidável talento fabulador em suas obras, mas também gostava de fantasiar com histórias reais por trás de sua literatura. García Márquez fabricou uma lenda sobre os pormenores de sua legendária obra Cem Anos de Solidão. Despistava, afirmava que precisou mandar o original em duas partes à Editora Sudamericana porque ficou sem dinheiro na agência de correios e costumava dizer que não sabia onde estavam os manuscritos.

Um desses supostos textos perdidos apareceu na Cidade do México. No bairro Roma, no novo mostruário da Fundação Slim, em um quarto e diante de uma cama, em uma estante colonial, como sancta sanctorum, está o manuscrito de Cem Anos de Solidão que Gabriel García Márquez deu a seu amigo, o crítico mexicano Emmanuel Carballo (Guadalajara, 1929), com correções do próprio autor colombiano. O texto datilografado está protegido por uma caixa vermelha em formato de livro na qual se destaca sua lombada com duas faixas negras. Na primeira, se lê o nome do autor e da obra que causou o boom da literatura latino-americana; na segunda, está a legenda em maiúsculas: Cópia datilografada do romance presenteado a seu corretor o escritor mexicano Emmanuel Carballo. Mais abaixo diz com letras douradas: Na Cidade do México, 1965 – 1966.

“García Márquez se referiu várias vezes a esses manuscritos que havia perdido de vista. Fala de sua história, o que acontece é que fantasiou o relato, dizia não saber se existiam outras cópias das quais ele não se lembrava, do que duvido, porque não se ajusta à evidência material e à gênese do texto que eu pude rastrear”, diz Álvaro Santana-Acuña, principal pesquisador da Fundação García Márquez e autor do livro Ascent to Glory: How ‘One Hundred Years of Solitude’ Became a Global Classic (ascensão à glória: como Cem Anos de Solidão se tornou um clássico global).

A evidência material, o registro que aparece na edição comemorativa da obra da Real Academia Espanhola, constata que existem quatro manuscritos: “Pera Araiza (que se encarregou de passar a limpo o texto escrito à mão) datilografou o original com três cópias. Foi aquele o enviado no começo de agosto à Editora Sudamericana em dois pacotes postais. Álvaro Mutis levou pouco depois a Buenos Aires outra cópia; a terceira, sempre de acordo com o depoimento de García Márquez, “circulou na Cidade do México entre os amigos” que o haviam acompanhado nos momentos ruins, enquanto a quarta foi envidada a Barranquilla “para que fosse lida por três protagonistas íntimos do romance: Alfonso Fuenmayor, Germán Vargas e Álvaro Cepeda, cuja filha Patricia ainda a guarda como um tesouro”. As outras, supostamente, se perderam”. O próprio García Márquez fantasiou ainda mais o relato: “Em alguma parte do mundo, entretanto, podem existir outras cópias”, como explicou em um artigo de 2001 para o EL PAÍS chamado A odisseia literária de um manuscrito.

Seguindo o rastro oficial, atualmente se conhece a localização de somente três cópias: uma está na Universidade do Texas, que comprou o arquivo do escritor em 2011. Outra é a enviada a seus amigos em Barranquilla e Bogotá, hoje em poder da família Cepeda Samudio. E a cópia “que circulou na Cidade do México entre os amigos” deve ser, portanto, a que está exposta na capital mexicana após ser presenteada a Carballo. Do original, que García Márquez dividiu em dois, não há notícias.

“O que eu sei é que Gabo destruiu todos os esboços do romance, todos os rascunhos, diagramas… toda essa parafernália que vem com a escritura de um livro. Gabo se desfez de tudo isso, não sei de que forma, mas realmente a única coisa que resta do livro são esses manuscritos, como o que está no México”, diz seu filho Gonzalo García ao EL PAÍS. A primeira edição de Cem Anos de Solidão apareceu em 1967 e, assim que a tiveram em mãos, García Márquez confessou que ele e sua esposa rasgaram “o original anotado que Pera utilizou para as cópias, para que ninguém pudesse descobrir os truques de sua carpintaria secreta”.

O texto datilografado guardado no México fazia parte da biblioteca pessoal de Guillermo Tovar de Teresa, cronista da Cidade do México que morreu em 2013, cuja casa — com sua coleção de coleções — se transformou recentemente no terceiro Museu Soumaya, da Fundação Carlos Slim. Emmanuel Carballo, o crítico literário mais importante do México nessa época, era amigo íntimo de Guillermo Tovar de Teresa. “Guillermo e Emmanuel eram muito amigos e ele conseguiu, com essa capacidade de sedução que Guillermo tinha para conseguir seus objetivos de colecionador, que Carballo vendesse [o texto datilografado de Cem Anos de Solidão] a ele”, afirma seu irmão Fernando Tovar y de Teresa.

O texto datilografado tem algumas correções que supostamente são do próprio Carballo, onde podem ser vistos com mais clareza as correções do autor sob as rasuras. Essa versão também possui mais de 200 correções à mão do próprio García Márquez. “Do ponto de vista de críticos não são ajustes importantes, mas demonstram que era uma pessoa extraordinariamente perfeccionista. E pode-se ver como eliminava coisas quando o romance já estava terminado, ainda assim eliminou parágrafos completos, acrescentou algumas frases, principalmente para dar maior força poética e expressiva ao texto”, diz Santana-Acuña. O texto é testemunha da colaboração fundamental entre García Márquez e Carballo.

Emmanuel Carballo, que escrevia praticamente sobre qualquer livro publicado no México, fundou, junto com Carlos Fuentes, a Revista Mexicana de Literatura, além de colaborar como crítico no México na Cultura, suplemento cultural fundamental da época no qual publicaram, entre outros, Alfonso Reyes, Octavio Paz, Juan Rulfo, Carlos Monsiváis e Elena Poniatowska. “Em 1965 começa a escrever Cem Anos de Solidão e, no outono desse mesmo ano, Gabriel García Márquez se aproxima de Carballo e lhe diz: ‘estou começando a trabalhar nesse romance, gostaria que você o lesse’, então, durante um período que de acordo com Carballo durou um ano, García Márquez lhe levava todos os sábados, como se fosse um romance por partes, desses antigos do século XIX, o que havia escrito durante a semana. García Márquez se sentava com Carballo para conversar, discutir os personagens, o enredo de coisas que poderia mudar, que poderia melhorar. García Márquez evidentemente apreciava muito a opinião do crítico”, afirma Santana-Acuña.

A elite literária colombiana havia difamado a obra no começo. O crítico Eduardo Gómez disse que Cem Anos de Solidão não tinha “lógica interna e rigor estético”, fala “dos estreitos limites culturais do autor” da “falta de unidade na concepção dos temas” e da falta de rigor por misturar “fantasia e realidade indiscriminadamente”. No México, entretanto, Carballo o elogiou: “é um romance perfeito”, afirmou. “Antes de Cem Anos, Gabriel García Márquez era um bom escritor, agora é um escritor extraordinário, o primeiro entre seus colegas de equipe que escreve uma obra prima”, destacou no primeiro texto crítico sobre o romance, onde disse que o leitor estava diante de um dos grandes romances do século XX.

García Márquez escreveu sua obra em folhas de caderno (holandesas) no número 19 da rua La Loma, no bairro San Ángel, na Cidade do México. “Lembro de meu pai escrevendo praticamente o tempo todo que estava na casa, é uma das imagens mais presentes que tenho: ele sentado diante de uma máquina de escrever em seu estúdio, em uma casa pequena e muito austera; no estúdio onde escrevia havia quadros e livros e era, digamos, o lugar mais cálido da casa”, diz seu filho Gonzalo García.

Segundo a história que o próprio Gabo conta, a ideia de Cem Anos de Solidão surgiu em 1965, em uma viagem com Mercedes e seus dois filhos a Acapulco. “Eu me senti fulminado por um cataclismo da alma tão intenso e arrasador que quase não consegui desviar de uma vaca que atravessou a estrada”. García Márquez descreve no texto que escreveu no EL PAÍS: “Não tive um minuto de sossego na praia. Na terça-feira, quando voltamos à Cidade do México, sentei diante da máquina para escrever uma frase inicial que não podia suportar dentro de mim: ‘Muitos anos depois, diante do pelotão de fuzilamento, o coronel Aureliano Buendía lembraria daquela tarde remota em que seu pai o levou para conhecer o gelo’. A partir daí não parei um dia sequer, em uma espécie de sonho demolidor, até a linha final em que Macondo foi para a casa do c…”.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

5 filmes que você não sabia que foram inspirados em livros

0

Amanda Barros, no Desencaixados

Que o mercado literário cada vez mais está ligado às grandes produções cinematográficas é inegável, e cada vez mais os fãs estão tanto lendo os livros quanto assistindo aos filmes. Mas e aqueles filmes que você nem imagina que saíram das páginas de um livro?

Separamos nessa lista 5 filmes que são inspirados em livros e você, provavelmente, não sabia. Confira:

1 – Stardust – O Mistério da Estrela (2007)

O filme conta a história de Tristan (Charlie Cox), que se aventura em um reino de fadas para recuperar uma estrela. Ele, a estrela e uma mulher chamada Yvaine (Claire Danes) devem enfrentar um pirata e um grupo de bruxas malvadas.

O longa é baseado no livro homônimo de Neil Gaiman e é como um conto de fadas adulto, com direito a bruxas, fadas, diversos outros seres encantados, e claro, o amor. O livro foi publicado em 1999 e até hoje cativa fãs das mais diversas idades.

2 – Sierra Burgess é uma Loser (2018)

O filme conta a história de Sierra (Shannon Purser), uma adolescente inteligente, mas fora dos padrões de beleza do ensino médio. Quando um incidente de confusão de identidade resulta em um romance inesperado em sua vida, ela se vê precisando se juntar a garota mais popular da escola para poder ficar com o menino que gosta.

O longa é uma versão moderna da peça de teatro clássica Cyrano de Begerac, lançado em 1897, onde um homem escrevia poesias para sua amada, mas o rosto que ela pensava ser dele era de outra pessoa, então ele achou melhor assim, pois achava que ela o acharia muito feio se soubesse quem ele era de verdade. No filme, os gêneros dos personagens foram trocados e se passa nos dias atuais.

3 – E Se Fosse Verdade? (2005)

A comédia romântica E Se Fosse Verdade? conta a história do arquiteto David Abbott (Mark Ruffalo). Quando ele se muda para um novo apartamento descobre que a inquilina anterior, Elizabeth Masterson (Reese Witherspoon), é uma espécie de espírito que vai conviver com ele, mas ela nega que está morta. Entretanto, o que ele mais quer saber é por que só ele consegue ver a mulher?

O filme é inspirado no livro homônimo, que foi lançado em 1999, de um escritor francês chamado Marc Levy. A história explora vida após a morte, espiritualidade e amor. A obra foi a primeira da carreira do autor e ele escreveu com o intuito de criar uma história que seu filho pudesse ler quando ficasse adulto, assim virou um sucesso já na sua primeira publicação.

4 – Um Olhar do Paraíso (2009)

Nesse filme é contada a emocionante história de Susie Salmon (Saoirse Ronan), a menina estava está voltando para casa quando foi estuprada e assassinada por George Harvey (Stanley Tucci), um vizinho que mora sozinho. Susie, que agora está em um local entre o paraíso e o inferno, observa a situação de sua família com sua perda e lida com o sentimento de vingança e a vontade de ajudar sua família a superar sua morte.

O longa é baseado no livro Uma Vida Interrompida: Mémorias de um Anjo Assassinado, lançado em 2002, da autora Alice Sebold. A história do livro permeia o mesmo universo e é ficcional, mas o fato a ser observado é que a autora é sobrevivente de um estupro que sofreu na faculdade e por isso viu na escrita uma forma de falar sobre o assunto. O enredo é emocionante e mostra um triste retrato de agressão contra mulheres e crianças, mas também a pureza de suas almas.

5 – Ponte Para Terabítia (2007)

Jess (Josh Hutcherson) se sente um estranho na escola e até com sua própria família que não entende muito bem seus gostos e aspirações, é a partir daí que ele conhece a aluna nova, Leslie (AnnaSophia Robb). Uma garota extrovertida, decidida e cheia de convicções que vem para agitar a vida do garoto. Juntos eles descobrirão o reino mágico de Terabítia.

O livro homônimo que inspirou o filme foi lançado em 1977 e é da escritora Katherine Paterson, a autora criou a história como forma de ajudar o filho a superar um grande trauma que teve na infância, e a história tomou proporções imensas chegando a ganhar duas adaptações. Na adaptação de 2007, seu filho, já adulto, se tornou roteirista do filme.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

Cemitério Maldito ganha vídeo legendado e nova data de estreia no Brasil

0

Bruno Tomé, no Observatório do Cinema

Cemitério Maldito, dirigido por Kevin Kölsch e Dennis Widmyer, acaba de ganhar um featurette. Com ele, uma nova data de estreia foi anunciada para o Brasil – o terror chegará no dia 9 de maio agora, e não mais em abril.

No vídeo inédito, os diretores e o elenco comentam sobre o filme baseado na obra de Stephen King. “Se você quiser fazer um filme realmente aterrorizante, tem que voltar ao mestre do terror, Stephen King”, opina Dennis Widmyer.

“Cemitério Maldito ficou conhecido como a obra mais aterrorizante de King”, completa Kevin Kölsch.

O elenco do novo filme conta com Jason Clarke (O Primeiro Homem), John Lithgow (The Crown) e Amy Seimetz (Alien: Covenant), que protagonizam a história sobre um cemitério amaldiçoado.

O livro de King já foi transformado em filme no ano de 1989, com direção de Mary Lambert. No final desse ano, a obra completa 35 anos desde que foi lançada pelo autor.

A estreia de Cemitério Maldito acontece em 9 de maio no Brasil.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

Go to Top