Canal Pavablog no Youtube

O livro “Bom Dia, Verônica” ganha adaptação em série pela Netflix

0

Victor Tadeu, no Desencaixados

Ontem (17) a DarkSide Books anunciou um banquete recheado de mistérios na hora do almoço, pois através das suas redes sociais revelou que o livro Bom Dia, Verônica, escrito pelo pseudônimo Andrea Killmore, vai ganhar adaptação em série pela Netflix, mais um título da editora sendo adaptado para o streaming.

Bom Dia, Verônica narra a história de Verônica, uma escrivã do Departamento do Homicídio e Proteção a Pessoa, porém sua vida começa tomar destinos imagináveis quando uma mulher tenta suicídio ao sair do escritório de Wilson Cavares e piora mais ainda quando uma mulher liga pedindo socorro.

Notando a falta de interesse das pessoas que ali trabalhavam para manter a proteção dessas vítimas, Verônica começa tomar atitude para solucionar o caso dessas mulheres, mas mal sabia ela da imensa e arriscada que seria essa.

Durante as semanas da XIX Bienal Internacional do Livro do Rio de Janeiro a editora aproveitou para revelar os verdadeiros escritores por trás dessa história, já que esse também era um dos mistérios deixavam os leitores incrédulos, pois em entrevista Andrea Killmore afirmava que seu verdadeiro nome ocultado era para manter sua segurança.

A Caveirinha conseguiu surpreender seu público ao revelar que Killmore, na verdade é Ilana Casoy e Raphael Montes, ambos escritores aclamados dentro do mercado editorial brasileiro, contendo obras de sucesso nas mais variadas livrarias do Brasil.

A Noiva Fantasma é outro livro também publicado pela DarkSide Books que ganhou adaptação pela Netflix, inclusive algumas informações sobre a produção foram reveladas.

Bom Dia, Verônica foi um dos primeiros livros de escritor nacional publicado na DarkSide Books, a história é extremamente instigante, misteriosa e inovada, durante a narrativa acompanhamos a introdução de assuntos assustadores, como necrófilo, golpe virtual, sequestro e entre vários outros que deixa o enredo único.

Essa será uma série protagonizada por Tainá Müller, mas que também apresenta Camila Morgado, e Eduardo Moscovis Elisa Volpatto, Silvio Guindane, César Melo, Adriano Garib e Antônio Grassi no elenco. A direção é sob responsabilidade de José Henrique Fonseca (Heleno) com produção da Zola Filmes.

Até o momento poucas informações sobre essa adaptação foram reveladas, mas conforme o andar da produção serão anunciados mais detalhes.

A previsão de lançamento é para 2020.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

Íntriseca lança “Pátria”, livro que vai virar série da HBO

0

Publicado no Bahia Social Vip

Bittori e Miren nasceram e cresceram no mesmo povoado do País Basco. Quando jovens, planejaram ser freiras mas acabaram casando e tendo filhos na mesma época — o que ajudou a reforçar ainda mais o elo entre as duas famílias.

De tão unidas, passavam a sensação de que nada seria capaz de colocá-las em campos opostos. Até o marido de Bittori ser morto pelo grupo paramilitar separatista ETA, que atuou na Espanha por meio século. A tensão se espalha pela pequena vila onde vivem e Miren adota uma postura radical depois que um dos seus filhos ingressa na organização considerada terrorista pelos governos espanhol e francês.

A monumental saga dessas duas famílias chega ao Brasil, pela Intrínseca, com status de fenômeno editorial. Lançada em 2016, vendeu mais de um milhão de exemplares em espanhol, foi publicada em 29 países e colecionou prêmios. O romance também vai ganhar adaptação para a TV: será a primeira série original espanhola produzida pela HBO, com estreia prevista para 2020.

Forçada a fugir com os filhos quando o marido é assassinado na porta de casa, Bittori decide retornar ao vilarejo onde morava quando o ETA anuncia o fim da luta armada, em 2011, para acertar as contas com o passado. Ignorando as advertências dos filhos para que superasse o ressentimento e enfrentando a hostilidade dos moradores do lugarejo, ela está disposta a descobrir os detalhes do crime e dar uma resposta à sua própria condenação como pária.

Ao contar a trajetória das duas famílias, a ficção do autor Fernando Aramburu repassa três décadas da realidade do conflito basco e constrói um retrato detalhado de suas ambiguidades e tragédias. Numa narrativa ágil que se alterna entre o passado e o presente, cobrindo três décadas da vida dos personagens, ele explora ao mesmo tempo as marcas do luto dos familiares das vítimas e do sofrimento e motivações dos militantes perseguidos e presos.

Sem apelar para o maniqueísmo, ele revela quão difícil é superar um trauma tão arraigado, enquanto o perdão e a conciliação são essenciais para curar uma comunidade dividida pelo fanatismo e pela violência política.

Pátria fala do nacionalismo e do fanatismo que dividiram um país, mas também mergulha nas relações humanas, e por isso, é uma obra universal. Estão lá as mães devotadas, as picuinhas familiares, os percalços da amizade e do amor, as divergências ideológicas e morais. Assim como na vida, há nesse livro espaço para o drama e para o humor, para o ódio e para o afeto.

Nascido em San Sebastian, em 1959, Fernando Aramburu tem licenciatura em língua e literatura espanholas pela Universidade de Zaragoza. É autor de quatro coletâneas de contos, nove romances e volumes de não ficção, que lhe garantiram prestigiosos prêmios, como o Mario Vargas Llosa e o da Academia Real Espanhola.

Pátria, seu primeiro livro publicado no Brasil, é também seu romance de maior sucesso, publicado em 29 países, vencedor dos prêmios Nacional e da Crítica de Narrativa Castelhana, Euskadi, Strega Europeo, entre outros, e com direitos audiovisuais vendidos para adaptação em série. Aramburu mora na Alemanha desde 1985.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

Livraria nas montanhas oferece o prazer da leitura a 3.400 m de altura

0

Biblioteca laFetrinelli, Mont Blanc Foto: LORENZO PASSONI / ICON DESIGN

laFetrinelli ganhou o título de livraria mais alta da Europa – muito provavelmente do mundo

A. J. Oliveira, no Estadão

Em um pequeno espaço perto do topo de uma das maiores montanhas da Europa, abriu as portas recentemente uma loja de livros diferente de qualquer outra: a laFeltrinelli 3466. Situada no interior de uma estação de teleférico a uma altitude de 3.466 metros, ganhou o título de livraria mais alta da Europa – muito provavelmente do mundo. Foi construída em Ponta Helbronner, um dos cumes que despontam do icônico Mont Blanc, que não é um único monte, mas sim um maciço de montanhas dividido pela Itália, França e Suíça.

Para chegar lá, é preciso subir por 20 minutos a bordo de uma cabine ampla e moderna, com grandes janelas que proporcionam vista panorâmica da deslumbrante natureza selvagem dos Alpes. É como o bondinho do Pão de Açúcar, só que giratório, para que todos os até 80 visitantes a bordo tenham a chance de contemplar tanto as montanhas, quanto os dois cênicos vales lá embaixo, Ferret e Veny, além da charmosa Courmayeur. A cidade, destino famoso entre alpinistas, fica a poucos quilômetros da fronteira francesa.

Durante a subida, dá para ver do alto as cabras ibex, exímias escaladores nativas daquela região. No século 19, a espécie foi implacavelmente caçada e levada à beira da extinção: estima-se que, em 1856, havia só 60 animais confinados em uma reserva. Mas projetos de preservação conseguiram elevar o número de espécimes para 40 mil e reintroduzi-los pelos Alpes. Lá em cima, fica até um pouco difícil de respirar, já que o ar é mais rarefeito.

Interior da biblioteca laFetrinelli Foto: LORENZO PASSONI / ICON DESIGN

A livraria em si tem o tamanho de um bom apartamento: 60 m². Apesar de pequena, é aconchegante e convidativa. Com catálogo de 376 títulos e 1.726 volumes, a laFeltrinelli 3466 foi inaugurada em 21 de junho, a princípio com a ideia de ser algo temporário, uma pop-up store. Duraria só até setembro, para aproveitar a alta temporada dos meses de verão. “Mas vendeu tão bem, tanto livros quanto souvenirs, que decidimos manter”, afirma Maria Lagazzi, porta-voz da Skyway Monte Bianco, empresa que opera o teleférico.

Ela conta que a visão do Mont Blanc e a sensação de estar em um lugar único no mundo incentiva os visitantes a levarem uma recordação. Toda vez que alguém compra um livro na livraria mais alta da Europa, Ylenia Mareliati, atendente de caixa, usa um carimbo especial para eternizar nas páginas a lembrança da visita. “É belo trabalhar aqui com essa vista”, ela confessa. O ponto forte são os livros de montanhismo: uma vasta seleção de títulos conta histórias de superação de alpinistas e explora a relação do ser humano com a montanha.

Impossível não se arrebatar por elevadas reflexões ao folhear um bom livro em uma das mesinhas à frente da janela. Entre uma página e outra, novas ideias vão sendo absorvidas e ganham ares sublimes ao levantar o olhar e contemplar o gelo eterno do Mont Blanc. Mesmo no verão, lá em cima fazia 3 graus — no inverno pode chegar a menos 40. Há um mirante em cima da estação para admirar a magnificência e respirar o ar puro do cume.

Por trás do projeto da livraria, há um conceito que desdobra paralelos instigantes entre viajar, ler e subir a montanha. “Os leitores, como os próprios livros, têm dentro de si o desejo extraordinário de horizontes sempre novos, e o fôlego para ir adiante e buscá-los”, lê-se na placa em uma das paredes da sala que, até junho, abrigava uma exposição de cristais extraídos do subsolo da montanha. “Este lugar é feito para eles: leitores e livros. Um lugar único e inesperado onde se pode fazer uma pausa, encontrar novas histórias, imergir na leitura com o Mont Blanc como companheiro e fonte de inspiração.”

A verdade é que a parceria se mostrou bastante proveitosa para ambas as empresas. Como uma das maiores redes de livrarias italianas, com mais de 120 lojas espalhadas pelo país, a marca atrai visitantes para o teleférico, que por sua vez oferece ao grupo Feltrinelli a chance única de estar presente no ponto mais alto da Europa Ocidental – o Monte Elbrus, com seus 5,6 km de altura, chega a ser maior que o Mont Blanc.

Mas, tecnicamente, fica no Cáucaso, em território russo, então é meio europeu, meio asiático. Outra livraria com título curioso, que está até no Guinness Book, fica a 230 metros do chão, no 60º andar de um hotel em Xangai, na China: é a mais alta dentro de um prédio.

Em termos de altura absoluta, é claro que ela não chega nem perto da nova livraria alpina. Durante sua inauguração, a presidente da Skyway Monte Bianco, Federica Bieller, ressaltou seu significado. “Graças à abertura da laFeltrinelli 3466, nosso tecnológico teleférico valoriza ainda mais a subida, tornando-a uma excursão cultural”, explicou a executiva. “A valorização da cultura de montanha, passar adiante as palavras dos autores que a amaram e a desafiaram, o Mont Blanc como cenário para fantasiar”, diz Bieller.

Em funcionamento no lado italiano da montanha desde 1947, toda a infraestrutura passou por uma gigantesca reforma entre 2011 e 2015. Com um investimento de € 110 milhões, a capacidade de visitantes por ano cresceu de 100 mil para 300 mil. As estações formam um verdadeiro complexo turístico, com diversas atrações ao longo da subida. Na estação-base, Courmayeur: The Valley (O Vale) há apenas a bilheteria e um café.

Mas, na parada intermediária, Pavillon: The Mountain (A Montanha), a 2.173 metros de altitude, o visitante se torna explorador e tem uma miríade de atividades à sua disposição. No Buffet Alpino, pode degustar os deliciosos sabores da bela região do Vale de Aosta, onde fica Courmayeur; dentro da estação tem até cinema e centro de convenções, além de uma vinícola um tanto especial – a Cave Mont Blanc.

Seu espumante Cuvée des Guides, com apenas cem garrafas produzidas ao ano, tem propriedades únicas por conta das baixas pressão atmosférica e temperatura naquela altitude. Do lado de fora, um passeio pelo Jardim Botânico Saussurea, que reúne mais de 900 espécies de plantas e flores de várias partes do mundo, oferece um vislumbre da natureza alpina, com uma profusão de insetos voando, pulando e zunindo por toda parte.

Montanhistas podem ir e vir como quiserem pelo ambiente ao redor, fazendo trilhas nos meses mais quentes, mas recomenda-se sempre o acompanhamento de guias. “A montanha é livre, nós não freamos ninguém”, afirma Lagazzi. O mesmo vale para esquiadores, que podem descer o Mont Blanc no inverno, mesmo sem grandes estruturas para a prática. É preciso ter experiência. “Não é como esquiar em pista”, ela diz. Já quando chega na estação final, Punta Helbronner: The Sky (O Céu), o explorador vira peregrino.

Aqui, no ponto mais alto da Europa, ou em outra perspectiva, o ponto mais baixo do céu, além da laFeltrinelli 3466 e do observatório 360 graus, é possível fazer uma leve refeição ou tomar um café no bistrô panorâmico, e até atravessar a vertiginosa passarela toda de vidro SkyVertigo. A sensação é de estar caminhando pelo céu sobre o gelo eterno do cume lá embaixo. Àquela altitude, o clima muda rápido: Lagazzi dá a dica de fazer a subida de manhã, quando a visibilidade é melhor. Tocar o céu e regressar ao vale é um pouco como começar e concluir a leitura de um bom livro – não se é mais o mesmo no final.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

Pepetela vem ao Brasil para lançar ‘O Quase Fim do Mundo’

0

Pepetela é um dos principais autores africanos Foto: Tiago Queiroz/Estadão

 

O escritor angolano Pepetela lança seu romance pós-apocalíptico no Sempre Um Papo e na USP

Maria Fernanda Rodrigues, no Estadão

O escritor angolano Pepetela, um dos principais nomes da literatura africana contemporânea, vem ao Brasil em outubro para dois encontros com leitores e para lançar o romance O Quase Fim do Mundo pela editora Kapulana.

No dia 15, das 19h30 às 21h, ele estará no Sempre Um Papo, em conversa com Afonso Borges, idealizador do projeto, no Sesc 24 de Maio. No dia seguinte, Pepetela estará na FFLCH-USP, para um debate sobre O Quase Fim do Mundo e uma sessão de autógrafos.

Com prefácio da também angolana Ana Paula Tavares, o livro, publicado originalmente em 2008, tem início em uma cidade africana fictícia e acompanha um grupo de pessoas que sobreviveram a um evento apocalíptico de origem desconhecida.

Na história, o médico Simba Ukolo, ao voltar para casa após um dia de trabalho, presencia um clarão que ilumina todo o céu. Na sequência, toda a vida na terra é aniquilada, sobrando apenas as roupas das pessoas, algumas plantas e poucos animais. Aos poucos, Simba percebe que não está só e um grupo de sobreviventes, de origens e perfis diversos, começa a se formar: uma senhora religiosa, uma adolescente, uma pesquisadora americana, um aviador sul-africano, um curandeiro etíope, uma historiadora somali, um ladrão, um mecânico, um pescador, uma criança.

Quem é Pepetela

Pepetela nasceu Artur Carlos Mauricio Pestana dos Santos, em Benguela, em 1941. Começou a faculdade em Lisboa, se exilou em Paris em 1962 e partiu para a Argélia seis meses depois – lá, ele se formou em Sociologia e trabalhou na representação do MPLA (Movimento Popular de Libertação de Angola) e no Centro de Estudos Angolanos, que ajudou a criar. Em 1969, aderiu à luta de libertação angolana, em Cabinda, quando adotou o nome de guerra Pepetela, e onde foi guerrilheiro e também responsável no setor da educação. Em 1972, foi transferido para a Frente Leste de Angola, onde desempenhou a mesma atividade até ao acordo de paz de 1974 com o governo português.

Em 1975, até a independência de Angola, foi membro do Estado Maior da Frente Centro das FAPLA (Forças Armadas Populares de Libertação de Angola) e participou na fundação da União de Escritores Angolanos. De 1976 a 1982, foi vice-ministro da Educação. A partir daí, exerceu funções na universidade e em instituições de literatura e cultura.

Livros de Pepetela publicados no Brasil

Pepetela estreou na literatura em 1972, com As Aventuras de Ngunga. Autor de mais de 20 livros, ele está presente nas livrarias brasileiras com Mayombe, leitura também de vestibular, Se o Passado Não Tivesse Asas, A Sul. O Sombreiro, sobre o qual ele falou em entrevista à TV Estadão em 2012, O Planalto e a Estepe, O Cão e as Caluandas e A Geração da Utopia. Suas obras são publicadas no Brasil pela Leya e, mais recentemente, também pela Kapulana.

Leia trechos de O Quase Fim do Mundo, de Pepetela

“Chamo-me Simba Ukolo, sou africano, e sobrevivi ao fim do mundo. Se o fim do mundo quer dizer o aniquilamento absoluto da humanidade, haverá algum exagero na afirmação, pois escapou alguém, eu, Simba Ukolo, na ocorrência. Isso foi a primeira impressão, sozinho na minha cidade natal. Terrível sensação de solidão e de perda, mas sobretudo uma tontura de incredulidade. Dava mesmo para acreditar em coisa mais absurda? Viria a descobrir depois, não era de fato o único, havia sobreviventes, embora talvez não fossem todas as pessoas mais desejáveis com quem partilhar os despojos dos bilhões de humanos desaparecidos.”

“Foi quando se deu o relâmpago, chamo-lhe assim à falta de melhor palavra. Uma luz intensa, como um flash num céu azul, indolor. As trovoadas secas são comuns na região, a chuva vem depois. Até pode não vir chuva nenhuma. E foi isso mesmo que pensei, apenas uma trovoada seca. Só muito mais tarde associei essa luz intensa e o fato de ir passando, a partir daí, por carros mal estacionados ao longo da estrada, alguns mesmo no meio da estrada, vazios, imbambas abandonadas ao deus dará, bicicletas caídas, e nem rasto de gente. Alarmado, cheguei aos bairros periféricos, onde se acumulavam os excluídos de todos os processos econômicos e sociais, milhares e milhares de seres a lutarem desesperadamente para viverem um dia a mais. E os bairros estavam vazios. Pensei, terá havido um festival de música, única razão levando toda a gente para fora dos bairros? Ou um culto monstro de uma igreja que oferece todas as curas?”

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

Lupita Nyong’o será protagonista de série baseada em livro de Chimamanda Ngozi Adichie

0

Produção será exibida na HBO Max, futuro serviço de streaming da Warner Media

Publicado na Jovem Pan

“Americanah”, um dos livros de maior sucesso da escritora Chimamanda Ngozi Adichie, vai virar série. A informação foi divulgada neste sábado (14) pelo site “Deadline”, que afirma ainda que a protagonista será a atriz Lupita Nyong’o.

Segundo a publicação, a produção será exibida na HBO Max, futuro serviço de streaming da Warner Media. Danai Gurira — que também esteve em “Pantera Negra” — será a roteirista e produtora executiva.

“‘Americanah’ tem sido um projeto de paixão para mim desde que li o belo romance de Chimamanda em 2013. É um conto que é ao mesmo tempo oportuno e atemporal. A HBO Max é o parceiro perfeito para dar vida a essa história profunda e célebre, e estou emocionado que Danai traga ao projeto sua inteligência e compreensão das histórias e do mundo de ‘Americanah’”, disse Nyong’o sobre o projeto.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

Go to Top