Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged fenômeno

Racionais no vestibular: intelectuais dividem-se sobre a questão

0

(foto: Klaus Mitteldorf/divulgação)

‘Oportunismo popularesco’, diz o poeta Augusto de Campos. ‘Gesto de reconhecimento’, afirma o filósofo Francisco Bosco

Cecilia Emiliana, no UAI

“Não sou artista. Artista faz arte, eu faço arma. Sou terrorista”, disparou Mano Brown em entrevista ao jornal O Dia, em 1998, referindo-se a Sobrevivendo no inferno, disco lançado no ano anterior, cujas faixas traziam contundentes denúncias ao racismo e à desigualdade social no Brasil. À margem das grandes gravadoras, o álbum do Racionais MCs – grupo de rap formado por Brown, Edi Rock, Ice Blue e KL Jay – vendeu 1,5 milhão de cópias e virou fenômeno da produção independente. Reverenciado por jovens da periferia e por playboys de classe média, o hit Diário de um detento se baseou nas anotações de Jocenir, sobrevivente do massacre de 111 presos na Casa de Detenção do Carandiru, ocorrido em 1992, em São Paulo.

Duas décadas depois, quem diria, a “rajada de rimas” dos manos da periferia paulistana “alvejou” a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Em maio, a instituição incluiu Sobrevivendo no inferno como leitura obrigatória para o vestibular em 2020. Pela primeira vez, um disco entrou na lista de textos recomendados aos vestibulandos. E o fez em grande estilo. Racionais está ao lado de Sonetos, de Luís de Camões, ícone da língua portuguesa, e de A teus pés, livro de poemas de Ana Cristina César. “É a periferia ocupando a academia!”, postou o grupo no Instagram. “É como se fosse um troféu depois de vencer várias lutas”, comentou Mano Brown. “Sobrevivendo no inferno é um ótimo livro de história”, afirmou KL Jay.

“Um disco de rap elencado junto a Camões é uma espécie de legitimação do saber fora dos padrões europeus, que são os acadêmicos. Esse padrão instituiu que o conhecimento de valor é o escrito e chancelado pela educação formal. A gente precisa entender que nas periferias brasileiras – e no Brasil, de certo modo, em que educação ainda é um privilégio –, quem cumpre o papel de espaço para a produção de conhecimento é a música”, afirma o cientista político Gabriel Gutierrez. Professor de produção cultural nas Faculdades Integradas Hélio Alonso, no Rio de Janeiro, ele pesquisa a obra do Racionais.

“Quem tem potência de pensamento, quem quer filosofar, mas não pode frequentar as escolas e universidades, faz música. O gesto da Unicamp soa como um reconhecimento dessa oralidade, dessa cultura de rua como espaço de elaboração do discurso”, defende Gutierrez. Há quem discorde radicalmente.

POPULARESCO “Pobre Camões!”, reagiu Augusto de Campos, de 87 anos, expoente da poesia concreta no Brasil, a respeito da lista divulgada pela Unicamp. “Chamo isso de oportunismo popularesco”, afirmou o respeitado escritor, ensaísta e tradutor.

Postado na internet em 2016, um encontro entre o rapper Renan Inquérito e Campos sugeria a simpatia do poeta pelo rap. Diante disso, a reportagem do EM entrou em contato com o intelectual para ouvi-lo a respeito da decisão da Unicamp. Campos não quis dar entrevista, mas enviou o seguinte comentário, por e-mail: “Tanto Ana Cristina como os Racionais não têm categoria para figurar ao lado de Camões numa prova vestibular. OK? Chamo isso de oportunismo popularesco”.

DIÁLOGO José Alves de Freitas Neto, coordenador da comissão organizadora do exame da Unicamp, explicou que as faixas de Sobrevivendo no inferno não só dialogam com o atual momento histórico brasileiro, como também com as mudanças promovidas nas universidades em prol da inclusão social. Em entrevista ao portal G1, Freitas Neto definiu o álbum como uma leitura do mundo pelos olhos de quem o vê sob uma perspectiva contra-hegemônica.

Na opinião do professor Gabriel Gutierrez, a obra do Racionais vai além disso. “Nessas letras não tem só um conjunto de denúncias. O grupo até viveu essa fase bem lá no início, quando lançou o primeiro trabalho, o disco Raio X do Brasil (1993). Já Sobrevivendo traz reflexões existenciais profundas, expressas em hits como Fórmula mágica da paz (‘Admirava os ladrão e os malandro mais velho/ Mas se liga, olhe ao seu redor e me diga:/ O que melhorou? Da função quem sobrou?’). Nesse canto, há o que talvez seja o maior dilema dos jovens brasileiros periféricos: o engajamento no crime versus a vida no subemprego. Estamos falando, portanto, de uma obra que, mais do que um retrato da realidade, faz uma cartografia do real, um mapeamento da subjetividade”, argumenta.

Para o pesquisador, pode-se comparar o registro humano encontrado no rap ao que se observa em clássicos escritos por William Shakespeare, Marcel Proust ou Sigmund Freud. “O complexo olhar de autores para sua realidade e seu tempo fez com que suas obras fossem parar no cerne da produção de muitos pensadores. Freud vai buscar a peça Édipo Rei, de Sófocles, para elucidar um de seus conceitos-chave, o complexo de Édipo. (O filósofo francês Gilles) Deleuze bebeu da fonte do (poeta francês) Antonin Artaud. Nas Américas, é a música que constrói esse inventário social. Por isso, faz muito sentido que tantas pesquisas acadêmicas se voltem ao Racionais na atualidade”, argumenta Gutierrez.

Entre ensaios acadêmicos ou textos publicados na imprensa, não são poucas as menções a Sobrevivendo no inferno como fenômeno da cultura contemporânea. Pesquisador do rap, Paulo Roberto Souza Dutra, professor da Stephen F. Austin State University, no Texas (EUA), aponta o impacto do disco do Racionais sobre a juventude negra como um dos motivos que explicam tal reverência.

POTÊNCIA Dutra argumenta que o rap do grupo paulistano dialoga com o mundo negro da diáspora provocada pela escravidão, mas não se limita apenas a um canto de lamento. Para ele, o Racionais reafirma a cultura africana, além de tirar o jovem negro da periferia de um lugar subalterno para transformá-lo numa espécie de potência política.

“Isso é muito forte e explícito em Sobrevivendo. Estamos diante de um álbum que, na primeira faixa, traz uma saudação a Ogum e a oração de São Jorge. A terceira (Capítulo 4, versículo 3) começa com estatísticas: ‘60% dos jovens de periferia sem antecedentes criminais já sofreram violência policial/ A cada quatro pessoas mortas pela polícia, três são negras/ Nas universidades brasileiras, apenas 2% dos alunos são negros”, lembra o pesquisador.

Paulo Dutra pondera que o reconhecimento do rap é positivo, mas avisa: “É preciso ter em mente que ele não é literatura”. De acordo com o professor, ainda não se conseguiu compreender muito bem essa música. “Daí as tantas associações do gênero não só com a literatura, como com as artes e a filosofia, entre outros campos do conhecimento. Diria que ele é um marco literário, causando impacto semelhante ao do cinema nas letras. A sétima arte teve grande influência sobre a literatura, tanto esteticamente, incorporando recursos da narrativa cinematográfica, quanto tematicamente. Fenômeno recente, o rap que vem fazendo algo parecido com as letras”, conclui.

FAIXA A FAIXA

SOBREVIVENDO NO INFERNO

» Jorge da Capadócia
» Genesis (intro)
» Capítulo 4, versículo 3
» Tô ouvindo alguém me chamar
» Rapaz comum
» Faixa instrumental
» Diário de um detento
» Periferia é periferia (em qualquer lugar)
» Qual mentira vou acreditar
» Mágico de Oz
» Fórmula mágica da paz
» Salve

(foto: Bruno Veiga/Divulgação)

ENTREVISTA – FRANCISCO BOSCO (filósofo, ensaísta e compositor)
Em 2014, em artigo publicado na Revista Cult, você afirma que o surgimento do Racionais “é possivelmente o último grande acontecimento da cultura brasileira”. Ainda hoje acredita nisso?
Sim, acredito, e hoje ainda mais. Desde 2015, o Brasil teve seus canais de transformação institucional bloqueados por um governo ilegítimo que tentou impor uma agenda conservadora a toque de caixa. As energias mudancistas da sociedade se concentraram em larga medida nos chamados movimentos identitários. Ora, os Racionais foram os pioneiros da perspectiva racialista, isto é, de explicitação dos conflitos raciais, no campo de alta ressonância que é o da canção popular. É claro que já havia antes deles uma história dessa perspectiva no Brasil, história que tem em Abdias do Nascimento e o Movimento Negro Unificado um capítulo importante. É preciso ainda registrar que essa perspectiva começou a ser institucionalizada, a se tornar política de governo e até de Estado, nos anos FHC. Mas nada disso é comparável em termos de alcance cultural com o que os Racionais fizeram a partir de Sobrevivendo no inferno. Houve ali um verdadeiro cataclisma na cultura popular brasileira. Foi a primeira vez que, de dentro da própria cultura, questionou-se radicalmente os alicerces dessa própria cultura, ou seja, a autoimagem cultural associada ao encontro, à mistura, à cordialidade, à festa.

O que faz de Sobrevivendo no inferno um álbum tão emblemático?
Tudo o que falei acima, e que só se tornou possível porque o álbum é formalmente extraordinário. Nunca houve na canção brasileira uma lírica como aquela dos Racionais. Basta pegar a história da chamada “canção de protesto” no país. Os sambas dos anos 1930 são muito ingênuos perto daquilo. As canções a la Vandré são ideológicas, cheias de “mensagens”, mas completamente distantes da concretude avassaladora das letras de Brown. Mesmo a grande tradição dos anos 60/70 – Chico Buarque, João Bosco/Aldir Blanc etc. – é bem diferente: complexa, sofisticada, esplêndida, mas inevitavelmente metafórica, afastada da experiência direta daquele porão da sociedade brasileira, secularmente recalcado, que retornava no real (como todo recalcado) de uma forma incontornável pela poética de Sobrevivendo no inferno.

O que a inclusão de Sobrevivendo no inferno na lista da Unicamp significa enquanto fenômeno social?
Significa, em primeiro lugar, um gesto de reconhecimento da grandeza dessa obra. Isso tem implicações no modo como se pensa o cânone, os problemas relativos ao valor estético. Basicamente, estabelece que a excelência e a originalidade formais não são prerrogativas das classes médias e altas. Mas significa também que alunos terão a oportunidade de conhecer uma realidade de classe diversa da deles (de boa parte deles), e conhecerão o modo como o Brasil responde a essa realidade. Tem muita análise fina da realidade nas letras dos Racionais: o problema do reconhecimento, a relação entre capitalismo e sistema prisional, a necessidade de criar estratégias de bonding para fortalecimento das pessoas negras, a relação entre cultura do espetáculo e manutenção das desigualdades, entre outras questões.

Lista: Os 10 escritores mais ricos de todo o mundo

2
 A fortuna da britânica autora de ''Harry Potter'' supera US$ 1 bilhão


A fortuna da britânica autora de ”Harry Potter” supera US$ 1 bilhão

 

O segundo lugar é ocupado por um brasileiro, considerado um fenômeno do século 20.

Aqui você confere a lista dos mais ricos e muito amados autores de livros, em um mundo onde o cinema, como no caso de ‘’#Harry Potter’’, e as séries de televisão acabam por divulgar bastante essas obras, que costumam marcar gerações. Confira abaixo:

Edimarcio Augusto Monteiro, no Blasting News

1 – J. K. Rowling (US$ 1 bilhão)

A britânica, de 52 anos, é especialmente conhecida por ser autora da série de fantasia infanto-juvenil “Harry Potter”, uma das franquias de maior sucesso do cinema e a de maior sucesso na #Literatura, vendendo mais de 400 milhões de cópias em todo o mundo.

2 – Paulo Coelho (US$ 500 milhões)

Atualmente com 70 anos, é o único brasileiro da lista.

Notório por escrever “O Alquimista”, o livro brasileiro mais vendido na história, é considerado um fenômeno literário do século passado.

3 – Stephen King (US$ 400 milhões)

O norte-americano, com 69 anos, é um dos mais notáveis escritores de horror e ficção. O conjunto da obra já vendeu quase 400 milhões de cópias, mas também escreve sobre outros temas, como fica claro no seu livro “À Espera de Um Milagre”. Atualmente, dois filmes baseados em sua obra estão em cartaz “IT – A Coisa” e “A Torre Negra”.

4 – James Patterson (US$ 390 milhões)

Também nascido nos Estados Unidos, fez sua fama escrevendo romances policiais com elementos de suspense, tendo como personagem mais famoso Alex Cross, um psicólogo forense.

5 – Danielle Steel (US$ 375 milhões)

Atualmente com 70 anos, é muito conhecida por dramas românticos e o seu total de livros vendidos atinge 600 milhões de cópias em todo o mundo.

Detém uma incrível marca: passou incríveis 39 semanas consecutiva nas lista dos mais vendidos do jornal New York Times. Além disso, 22 obras suas já foram adaptadas para o cinema.

6 – Nora Roberts (US$ 340 milhões)

Já alcançou a marca de 200 títulos, sendo a primeira mulher a entrar no “Hall da Fama dos Escritores Românticos dos Estados Unidos”. Se a marca de Danielle Steel de 39 semanas foi boa, Nora já conseguiu manter seus títulos incríveis 861 semanas nessa lista do New York Times.

7 – Tom Clancy (US$ 300 milhões)

Mistura ação, ficção científica, aventura militar e vários outros ingredientes em sua obra. Infelizmente, faleceu em 2013. Entre suas paixões estavam os carros e relógios Rolex, além de games. Inclusive, sua marca foi licenciada para vários jogos eletrônicos.

8 – John Grisham (US$ 200 milhões)

Era advogado e escrevia no tempo livre, mas após 300 milhões de cópias vendidas, ele vive longe dos tribunais em uma mansão localizada em uma fazenda do Mississipi (EUA). Mas sua paixão jurídica pode ser conferida em seus livros que giram em torno das figuras que fazem do Direito sua profissão.

9 – Jackie Collins (US$ 180 milhões)

De nacionalidade inglesa, ela fazia romances picantes muito antes de “50 Tons de Cinza”, e já teve livros banidos pelo “conteúdo erótico”. Adora visitar países exóticos e já vendeu 500 milhões de livros.

10 – Dean Koontz (US$ 145 milhões)

Era assistente social e professor de inglês. Seu sonho sempre foi ser escritor, mas não tinha tempo para escrever. Foi então que a sua esposa lhe fez uma tentadora proposta, para que pudesse seguir o seu sonho. Ela o sustentaria por cinco anos. Após 450 milhões de exemplares vendidos, o casal permanece junto e ela administra a carreira do esposo.

Liberdade de expressão: número de palavrões aumenta em obras literárias

0

20170819185333484306u

Palavrões usados em na literatura aumentaram consideravelmente nos últimos 60 anos, segundo estudo norte-americano. Para especialistas, o fenômeno mostra que há mais liberdade de expressão e individualismo nas relações sociais

Vilhena Soares, no Correio Braziliense

Em 1972, o comediante George Carlin criou uma esquete chamada As sete palavras que não se pode dizer na televisão. O show foi usado como protesto contra o governo, que censurava a tevê aberta norte-americana à época, e fez com que o artista fosse preso inúmeras vezes durante as apresentações. Depois de 40 anos, a peça virou objeto de estudo de uma dupla de cientistas. Elas contabilizaram a presença dos impropérios ditos por Carlin em milhares de livros e detectaram um aumento do uso dos palavrões com o passar dos anos. As investigadoras acreditam que essa constatação reflete uma mudança no comportamento da sociedade, agora marcada por maior individualismo e liberdade de expressão.

Hannah VanLandingham, estudante de pós-graduação da Universidade de San Diego, e Jean M. Twenge, pesquisadora da mesma instituição norte-americana, analisaram o conteúdo de dezenas de milhares de livros publicados entre 1950 e 2008 e catalogados na base de dados do Google Books. “Os livros são um produto cultural ideal para examinar o uso da linguagem, já que permaneceram relativamente inalterados como meio, em contraste com as mudanças significativas que ocorreram em outras mídias”, justifica Twenge.
A dupla detectou que os autores norte-americanos usaram 28 vezes mais as sete palavras ditas por Carlin em 2000 do que no início da década de 1950. “Quarenta e cinco anos após a rotina de George Carlin, você pode dizer essas palavras na televisão e nos livros. Os resultados sugerem que elas se tornaram um tabu muito menor ao longo do tempo”, avalia Twenge. Para as autoras, o resultado da análise, publicado recentemente no periódico SAGE Open, serve como um termômetro das mudanças comportamentais da sociedade nos últimos 60 anos.

“O aumento dos impropérios nos livros faz parte de uma tendência cultural que vai em direção à exacerbação do individualismo e da livre expressão, fenômeno que foi constatado também em pesquisas anteriores”, diz Twenge, que ressalta que essas mudanças não são constatadas apenas na literatura. “Se os livros refletem tendências culturais mais amplas, esses resultados sugerem que outros produtos semelhantes, como filmes e programas de tevê, podem demonstrar a mesma característica.”.

Mestre em literatura e crítica literária pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP), Conceição Russo acredita que o fenômeno também se deu no Brasil. Palavras consideradas palavrões no início do século foram banalizadas com o passar do tempo. “Em determinado período histórico, quando o contexto religioso era suficientemente forte para influenciar a liderança política e os costumes de um país, mandar alguém para o inferno tinha uma força muito mais avassaladora do que no contexto atual”, ilustra.

Conceição Russo também avalia que essa transformação é permeada por um processo de individualização das relações sociais. “Nesse sentido, concordo com as pesquisadoras quando afirmam que a sociedade ficou individualista. Nos dias atuais, em vez de mandar alguém para o inferno, basta mandá-lo para a progenitora que o pariu e que recebe remuneração pela venda do próprio corpo. O efeito na troca do coletivo pelo individual é com certeza muito mais devastador, tendo em vista que nos transformamos em uma sociedade narcisista”, explica.

Já quanto à liberdade de expressão, a especialista faz algumas ressalvas. Segundo ela, indubitavelmente, a literatura reflete um momento histórico de acordo com o contexto social em que está inserida, mas quantificar os palavrões nas obras como indicativo de maior autonomia pode não ilustrar a realidade em questão. “Já vivemos épocas de bastante opressão, com falta de liberdade de expressão. Embora censurados para publicação, os termos eram utilizados pelos escritores”, justifica. “Também é possível perceber esse fato se sairmos do campo literário e caminharmos pelas mídias de comunicação, sejam as televisivas, sejam as publicitárias, cuja censura ainda é implacável. Entretanto, ao percorrermos alguns países cuja ditadura reprime os direitos e os deveres dos cidadãos, notamos que essa liberdade continua sendo bastante relativa.”

Termômetro cultural

O impacto cultural do movimento turbinado pelo comediante também foi um motivador para as pesquisadoras. “Patrick, o irmão de Carlin, comentou uma vez que essa peça foi uma experiência de libertação para milhões de pessoas que eram jovens naquele momento. Ele tirou essa restrição dos ombros de muitos e as transformou em algo comum”, comenta VanLandingham.

Segundo a autora, estudar as mudanças no uso da linguagem em livros é importante porque eles são um “lugar útil” para observar e quantificar as mudanças culturais. “A cultura inclui o contexto e a pessoa, e os produtos culturais capturam esses fatores. E, talvez, o mais importante: eles moldam as ideias individuais e são uma das fontes mais comuns de percepção de normas”, diz.

Vladimir Melo, mestre em psicologia pela Universidade Católica de Brasília (UCB), ressalta que outras formas de expressão também refletem as mudanças sofridas pela sociedade e servem como objetos utilizados por estudiosos para reconstruir e compreender a história. “As artes plásticas, a música e o cinema, por exemplo, retratam o espaço e o tempo de uma obra.Todas essas artes mudaram em função das transformações históricas e sociais. Se observarmos com atenção, podemos verificar as repercussões das transformações nas manifestações culturais. A comunicação é dinâmica e a sua mudança retrata também a alteração do contexto em que ela ocorre”, explica.

Melo ressalta que outras mudanças estão por vi, principalmente devido à forma como a educação formal é feita hoje. “A alfabetização vem sendo acompanhada por um processo tecnológico e audiovisual cada vez mais prematuro. Não sabemos como e nem o quanto isso vai interferir na comunicação e na arte, mas sabemos que as próximas gerações podem nos trazer essas respostas.”

Mais sinceros
Uma pesquisa realizada por cientistas da Universidade de Maastricht, na Holanda, mostra que as pessoas falam mais palavrões quando estão sendo honestas. Os investigadores chegaram a essa conclusão ao entrevistar 276 voluntários, que foram questionados sobre os palavrões favoritos e em qual frequência os usavam. Em uma segunda etapa, os participantes responderam a um questionário usado para desenhar perfis psicológicos. Por meio de uma escala de confiabilidade, os cientistas mediram em quais situações os analisados eram honestos e associaram esses momentos ao uso mais frequente dos impropérios.

A influência da internet

Ao comparar a quantidade de palavrões escritos em quase 60 anos, as pesquisadoras norte-americanas fizeram também uma ligação entre duas formas de linguagem: a escrita e a oral. Segundo Vladimir Melo, mestre em psicologia pela Universidade Católica de Brasília (UCB), em análises feitas a partir de produções mais atuais, a influência da internet nesse contexto deve ser considerada.

“A liberdade individual, hoje em dia, é muito maior, e isso se reflete na literatura, que retrata o contexto social, cultural e econômico do autor. A tecnologia também tornou a escrita mais fácil de ser difundida e os blogs são a grande vitrine de textos informais, alguns deles até transformados em livros”, justifica. Para Vladimir Melo, a oralidade tem influenciado mais a escrita devido à forte presença do audiovisual, principalmente no cotidiano de crianças e jovens. “Isso pode ser constatado pela força do YouTube nessa geração”, exemplifica.

Rita Martins, psicanalista e professora da Faculdade Integrada Hélio Afonso, no Rio de Janeiro, também acredita que a pesquisa norte-americana mostra um movimento de transformação da comunicação, agora influenciado pelos avanços tecnológicos e pelas novas formas de interação. “Para mim, essa mudança é um movimento natural, que reflete também a informalidade das relações. Vemos isso em detalhes, como na relação que existe entre pais e filhos, com muito mais liberdade hoje. Na parte escrita, antigamente, não podíamos utilizar dados da internet. Agora, a maioria dos estudos tem fontes da web, até com os links reproduzidos no trabalho. Há uma série de mutações ocorrendo, assim como as vistas no estudo”, compara.

A psicanalista acredita que um olhar sobre culturas diferentes poderia trazer dados ainda mais interessantes. Segundo ela, analisar os orientais, que costumam ser mais fechados e prezar o coletivo em vez do individual, renderia outro resultado. “No Brasil, acredito que também teríamos dados interessantes devido à diferença que existe em cada região do país, gerada durante o período de colonização”, complementa.

Por que este professor quer que você demita o seu coach

0
Svend Brinkmann (Foto/Divulgação)

Svend Brinkmann (Foto/Divulgação)

Para filósofo dinamarquês, ler autoajuda não traz sucesso e fazer coaching é mais perigoso do que parece. Veja a entrevista exclusiva

Claudia Gasparini, na Exame

São Paulo — Olhe bem para o espelho, respire fundo e repita para si mesmo em voz alta: o 1º passo para o sucesso é… esquecer a autoajuda. O 2º passo é demitir o seu coach. Pelo menos se você for convencido pelas ideias de Svend Brinkmann, professor na Universidade de Aalborg, na Dinamarca.

Autor do livro “Stand Firm: Resisting the Self-Improvement Craze” (em tradução livre, “Fique firme: Resistindo à mania do autodesenvolvimento”), ele é crítico ferrenho da psicologia positiva e da crença de que a felicidade é uma escolha.

Em entrevista por telefone a EXAME.com, o filósofo dinamarquês afirma que parte da indústria da autoajuda só contribui para reforçar o problema que ela própria diz combater: a infelicidade causada pelo individualismo e pelo desinteresse em soluções coletivas.

Brinkmann faz um diagnóstico parecido sobre o efeito do coaching para o mundo do trabalho. “O próprio conceito de coach [“treinador”, em inglês], que vem do mundo dos esportes, pressupõe que você está competindo com os demais para vencer o jogo. Há um perigo em enxergar a vida como uma partida em que há vencedores e perdedores”, explica. Caminho contrário: Abaixo a competição nas empresas

A seguir, confira os principais trechos da conversa com o professor, em que ele fala sobre as relações entre produtividade, sucesso e ética — e dá um conselho para os brasileiros enfrentarem a situação amarga do mercado de trabalho sem cair em “discursos motivacionais baratos”:

EXAME.com – O que há de errado com a autoajuda?

Svend Brinkmann – Na verdade, o problema não é a autoajuda em si. Não nego que livros desse tipo podem ajudar certas pessoas, até porque também há bons títulos dentro desse gênero. Ainda assim, no geral, essas obras só reforçam o problema que supostamente deu origem a elas.

Incutem a ideia de que felicidade é uma escolha individual, algo que “só depende de você”. E quando as pessoas fracassam — o que acontece com qualquer ser humano — elas se enxergam como as únicas responsáveis pela própria derrota. Elas se sentem culpadas por algo que não estava sob seu controle.

A autoajuda é um sintoma de um outro problema, subterrâneo, mais grave, que é o individualismo. As pessoas se sentem desligadas umas das outras, completamente sozinhas, quando acreditam que podem atingir seus objetivos de vida, por conta própria, se seguirem “7 passos para a felicidade” ou algo parecido.

Livros com “receitas” como essa frequentemente viram best-sellers. Por quê?

Todo mundo deseja ser feliz, fazer fortuna, ter muitos amigos, construir uma carreira incrível. Apresentar esse objetivo como algo que depende só de você, como indivíduo, é algo muito atraente. A ideia se popularizou tanto que podemos dizer que está presente em tudo, inclusive na forma como as pessoas entendem o desenvolvimento das suas competências no trabalho. Aprenda: Como construir uma carreira à prova de crise

Numa era de incertezas como esta que vivemos, as pessoas se viram cada vez mais para dentro de si mesmas para tentar ter sucesso. A indústria da autoajuda ofereceu ferramentas a elas nesse sentido. Antes, não havia essa ideia de que era sua responsabilidade ser feliz. Era algo mais diluído em práticas culturais. Agora virou uma questão individual.

Qual é a origem desse fenômeno?

Os primeiros livros de autoajuda foram lançados na metade do século 20. Um dos exemplos mais famosos é “O poder do pensamento positivo”, lançado em 1952 pelo [pastor norte-americano] Norman Vincent Peale.

Uma curiosidade é que Peale foi o sacerdote da família de Donald Trump desde quando ele era criança, em Manhattan, e chegou a conduzir sua cerimônia de casamento [com a primeira esposa, Ivana]. Trump já citou “O poder do pensamento positivo” como um livro bastante inspirador para ele.

O livro de Peale fala sobre como você pode conseguir o que quiser se tiver pensamentos positivos. E veja o que aconteceu com Donald Trump! É um perigo. Eu pessoalmente sou bastante cético com relação a Trump e, assim, temo que essas técnicas sejam usadas para fins problemáticos.

Como essas técnicas aparecem no mundo do trabalho?

O mundo do trabalho se tornou muito psicologizado. Não são apenas as minhas competências que preciso desenvolver, mas também a minha personalidade, os meus sentimentos mais íntimos. Para ser um bom profissional hoje, preciso fazer cursos de desenvolvimento pessoal, coaching e por aí vai.

O empregador não pede apenas para o funcionário vender o seu tempo por uma certa quantia de dinheiro, mas também vender a si mesmo, a sua personalidade. Se eu me entregar nesse sentido, eu realmente não tenho nada mais que é meu. Esse é o problema.

Que tipo de mentalidade deveria existir, então?

Deveríamos pensar em termos mais coletivos. Não sou contra os objetivos que os livros e cursos de autoajuda pregam. Eu também quero que as pessoas sejam felizes e conquistem seus sonhos! [risos] Mas nós precisamos pensar na forma como tentamos fazer isso. Precisamos lembrar que os nossos males e tristezas têm uma natureza política. Portanto, os desafios precisam ser resolvidos de forma social, e não só individual.

Quando seguem o discurso do autodesenvolvimento, as pessoas tentam ser versões melhores de si mesmas, mas esquecem que também são responsáveis pelas demais. Vivemos numa sociedade que não dirige a sua atenção às necessidades dos outros. A alternativa à autoajuda, a “antiautoajuda”, seria ajudar o outro em vez de ajudar a si mesmo.

O autodesenvolvimento – isto é, estar interessado no próprio aperfeiçoamento pessoal e profissional – exclui a possibilidade de cuidar das outras pessoas?

Não, em princípio não. Teoricamente é possível ter um foco no seu próprio desenvolvimento sem deixar de pensar nos demais. Mas, na prática, essa atenção que você dirige a si mesmo, por meio da autoajuda, dificulta o pensamento nos outros.

Muita gente diz que você precisa primeiro amar a si mesmo para então amar o outro. Elas citam aquela instrução que recebemos em viagens aéreas: em caso de despressurização, coloque a máscara de oxigênio antes em você, e só então ajude a pessoa ao seu lado. Para mim isso está completamente errado. Não no sentido literal do avião, claro! Mas, na vida, precisamos estar lá para o outro, incondicionalmente, e não pensar antes em nós mesmos.

Para aproveitar a metáfora, imagine que a humanidade é um avião em queda livre. Hoje, as pessoas só estão preocupadas em respirar nas suas máscaras de oxigênio. Estamos chamando isso de autoajuda, “mindfulness”, e por aí vai. Ocorre que ninguém se levanta para checar que se há algum piloto na cabine, tentando salvar o avião. Se fizessem isso, descobririam que a cabine está vazia.

O que deveríamos fazer? Assumir o controle da cabine e tentar salvar o avião da queda. O que estamos fazendo? Estamos concentrados em respirar nas nossas máscaras individuais. O que quero dizer com essa imagem é que estamos numa sociedade desestruturada, que está enfrentando muitas crises, como um avião caindo. E nós somos esses passageiros que ficam sentados em suas poltronas, concentrados na sua própria felicidade e no seu próprio sucesso, nas suas máscaras de oxigênio.

Deveríamos sair dos nossos lugares e buscar uma solução sistêmica se quisermos salvar o avião, ou o mundo, do desastre. Não vamos melhorar o mundo se apenas melhorarmos nós mesmos. Precisamos agir juntos.

O mundo de trabalho está cada vez mais competitivo. Não seremos menos produtivos se tirarmos o foco do autodesenvolvimento?

Todos nós queremos ter um emprego e contribuir para o progresso. Não há nenhum problema em ser produtivo, em adquirir novas competências para trabalhar melhor. O problema é que o discurso sobre maximizar a produtividade tem uma consequência paradoxal. Ele deixa as pessoas cansadas e tristes, o que as torna menos criativas e menos eficientes.

Seres humanos fazem um bom trabalho quando se sentem seguros, quando sentem que podem confiar nos seus chefes, nos seus colegas. A economia moderna, a economia do conhecimento, precisa de pessoas que tenham coragem de desenvolver novos produtos e novas ideias. Todo mundo sabe disso. Mas o sistema que temos não tem dado sustentação a esse fato.

Talvez seja uma herança da velha sociedade industrial, por exemplo, que os empregadores ainda falem de seus funcionários como “recursos humanos”. Como se pessoas fossem recursos comparáveis a carvão ou petróleo. Coisas que se deve explorar, usar, otimizar.

Em primeiro lugar, isso é antiético, pessoas não são recursos, são seres humanos, com dignidade e direitos, elas não são coisas. Em segundo lugar, não é produtivo. Na vida moderna, precisamos trabalhar em equipe, com autonomia, com horários flexíveis. O modelo de trabalho mudou, exige mais liberdade. As pessoas precisam ser tratadas como pessoas, não como recursos humanos.

Na Dinamarca e em muitos países, há estatísticas assustadoras sobre a quantidade de profissionais com depressão, ansiedade, estafa por causa dos seus empregos. Esse tipo de coisa não poderia existir em um mundo civilizado. Nós deveríamos conseguir trabalhar sem passar por esses problemas. Você se identifica? 8 sinais de que você pode estar com depressão

Qual é a sua definição de sucesso?

De forma simplificada, ter sucesso é ser capaz de cumprir as suas obrigações. Algumas delas são comuns a todos os seres humanos, algumas são específicas de cada um de nós. Não acho uma boa ideia falar sobre sucesso sem falar em compromissos e obrigações.

Se você perguntar para um coach como Tony Robbins, um dos mais famosos do mundo, ele dirá que sucesso é fazer o que você quer, quando você quer, onde você quer, com quem você quer. Eu questiono isso. E se o que eu quero não for digno? E se o que eu quero for prejudicial para os outros? Se esse for o caso, eu serei realmente bem-sucedido se conseguir o que quero?

Acho que não. Eu preciso ter um objetivo digno. Mas, para saber o que é um objetivo digno, preciso fazer uma avaliação ética da minha vida. Não posso definir sucesso sem ética. Ter sucesso é conseguir fazer muito bem o que eu preciso fazer.

O título de um dos capítulos do seu livro é “Demita o seu coach”. Por que o coaching é algo descartável na sua opinião?

O próprio conceito de coach [“treinador”, em inglês], que vem do mundo dos esportes, pressupõe que você está competindo com os demais para vencer o jogo. Há um perigo em enxergar a vida como uma partida em que há vencedores e perdedores. Talvez o coaching faça algumas pessoas pensarem nesses termos e por isso é potencialmente perigoso.

Além disso, o coach muitas vezes age como um mero espelho seu. Ele fará você olhar ainda mais para si mesmo. No fundo, ele só reforça o individualismo, só cria um ciclo de autorreflexão perpétuo. Não precisamos de mais insights sobre nós mesmos. Precisamos olhar para fora.

Qual é o seu conselho para os brasileiros, que atualmente estão sofrendo com a alta nos índices de desemprego e a escassez de oportunidades em meio à crise?

É importante estar atento para não cair em discursos motivacionais baratos. Quando a economia de um país vai mal, é quase constrangedor ouvir alguém dizendo frases como: “Basta que você esteja motivado para ter sucesso”.

O título original do meu livro, em inglês, é “Stand firm” [“Fique firme”, em português]. Mas para um país que está enfrentando múltiplas crises, como o Brasil, seria importante acrescentar a palavra “juntos” a essa mensagem: “fiquem firmes juntos”.

É importante não transformar a solução em mais um projeto individual. Pensar só em si mesmo é uma tentação muito grande em tempos de crise. Mas eu espero que as pessoas percebam que, a longo prazo, será melhor para todo mundo se buscarem soluções coletivas para os seus problemas.

Livros de colorir: entenda fenômeno em 10 cifras impressionantes

0

G1 lista números do filão que está ‘salvando’ o mercado editorial em 2015.
Obras já venderam R$ 25 milhões e influenciaram vendas de lápis de cor.

Os seis lviros para colorir mais vendidos de 2015 até aqui (Foto: Divulgação)

Os seis lviros para colorir mais vendidos de 2015 até aqui (Foto: Divulgação)

Cauê Muraro, no G1

Chamam-se “jardineiros” os salvadores do mercado editorial brasileiro em 2015. Não precisam ler uma linha sequer: as ferramentas são estojos de lápis de cor. O apelido é referência ao grande best-seller do ano no país: “Jardim secreto”, da escocesa Johanna Basford. A obra encabeça o atual acontecimento literário do país – livros de colorir para adultos. O G1 consultou editoras e analistas de mercado e separou dez cifras impressionantes que explicam o boom (veja abaixo).

Eles são antiestresse, interativos, sintoma da infantilização do mundo atual – as opiniões a respeito dos títulos para colorir variam.

“Eles estão movimentando gráficas, editores, ilustradores. Mas, óbvio, é um fenômeno que vai acabar. Todo ano tem algo assim”, afirma ao G1 Cassia Carrenho, gerente-geral do PublishNews, portal que analisa o mercado. Dois exemplos de ondas anteriores: livros eróticos, como “Cinquenta tons de cinza”, e os religiosos. “O mercado editorial não lança moda, ele só segue a moda. Uma tendência em todas as áreas, não é só no editorial, de voltar um pouco às raízes, o ‘handmade'”, continua Cassia.

Outra facilidade óbvia para trazer sucessos internacionais de colorir ao Brasil: eles não precisam ser traduzidos. Além disso, é comum que o “leitor”, depois de concluir a pintura, compre uma segunda obra. E eventualmente uma terceira, uma quarta… As próximas tendências do setor devem ser livros para colorir de nicho, temáticos. A nova leva terá títulos sobre gatos e bichos em geral, além de clássicos para colorir (tipo “O pequeno príncipe”) e uma série sobre “cidades do mundo’. O êxodo rural dos jardineiros era mesmo questão de tempo.

livros-de-colorir_1

Os livros de colorir também reduziram o estresse do mercado editorial do Brasil ao amenizar a crise do setor. Venderam R$ 25,18 milhões entre janeiro e maio deste ano e evitaram queda do faturamento geral com relação a 2014. O número está em um estudo do Sindicato Nacional dos Editores de Livros (Snel) e do Instituto de Pesquisa Nielsen.

livros-de-colorir_2Escrito – ou desenhado – pela escocesa Johanna Basford, “Jardim secreto” iniciou sua trajetória por aqui a tempo de aproveitar o Natal: saiu, muito calculadamente, em 27 de novembro. Desde então, virou o líder absoluto do ranking nacional, com 880 mil cópias (e contando…), informa a Sextante. “No nosso catálogo, entra em não ficção, mas poderia entrar em arte ou em autoajuda, pois transcende essa categorização”, afirma a gerente de aquisições da Sextante, Nana Vaz de Castro. Versátil, também transcendeu o status de livro-presente-natalino. “Em abril foi realmente um escândalo.” É que era “véspera” do dia das mães.

livros-de-colorir_3Com mais de meio milhão de exemplares vendidos desde o lançamento, em abril, o vice-campeão do ano no Brasil também é assinado por Johanna Basford. A Sextante informa que tem pelo menos outros oito títulos para colorir previstos para os próximos meses – incluindo um obrigatório sobre gatos.

livros-de-colorir_4Nem só de jardim e floresta vive o filão dos livros para colorir. A categoria se divide em subespécies: tem, por exemplo, a vertente “gatos” (por enquanto, apenas os animais, mas nunca se sabe), a vertente “mandalas” e a vertente “datas comemorativas” (“Mãe, te amo com todas as cores” para o dia das mães e “Amor em todas as cores” para o dia dos namorados”). O Instituto Nielsen – responsável junto do Sindicato Nacional dos Editores de Livros (Snel) pelo Painel das Vendas de Livros do Brasil – calcula que existam pelo menos 76 títulos de colorir para adultos circulando atualmente. Por enquanto.

livros-de-colorir_5O portal PublishNews, que monitora o mercado editorial brasileiro, informa que cinco dos dez livros de não ficção mais vendidos do ano, entre janeiro e maio, são títulos de colorir para adultos. Mas por que não ficção? “Teve até uma tendência a colocar como autoajuda. Mas, se não fosse para relaxar – o que, aliás, é um grande marketing –, seriam o quê? Livros de ilustração. É não ficção”, justifica ao G1 Cassia Carrenho, gerente-geral do site.

livros-de-colorir_6É culpa das mães. Graças a elas, ou ao dia delas, maio foi um mês especialmente bom para os livros de colorir: os oito primeiros colocados no top ten de não ficção foram de colorir, mostra PublishNews. Sintomaticamente, “Mãe, te amo com todas as cores” foi o quarto colocado no ranking de maio. Comparando com o mesmo mês de 2014, neste ano as vendas cresceram 27% em volume e 21% em faturamento, totalizando R$ 115,8 milhões – em 2014, foram R$ 95,7 milhões.

livros-de-colorir_8O Instituto Nielsen informa que o preço médio dos livros de colorir é de R$ 27,98 – considerando todos os segmentos, o preço é R$ 39,26. O mais caro dentre os “coloridos” pesquisados é “Netter anatomia para colorir”, que custa R$ 91,73. Mas ele tem função didática e é voltado a público específico. O vice-campeão é a versão em inglês de “Floresta encantada”, que sai por R$ 64,54. O mais barato de todos é “Contos de fada supercolorir”, com preço médio de R$ 7,89.

945-preco-do-estojoCom 120 cores, o estojo metálico top de linha da Faber-Castell é o mais caro da marca, que o descreve como voltado a “profissionais [designers, ilustradores] e amadores exigentes”. De acordo com a fabricante, há “jardineiros exigentes”, que gastaram R$ 945 para adquirir um desses, com itens importados da Alemanha. A empresa informa, no entanto, que os favoritos dos consumidores dos livros de colorir são os estojos aquareláveis de 48 cores (R$ 80) e de 36 cores (R$ 60).

livros-de-colorir_9Um efeito colateral do fenômeno foi o aumento das vendas de lápis de cor. O G1 apurou que chegou a faltar o produto em grandes redes do setor. A Kalunga informa que houve alta de 210% das vendas em maio de 2015 na comparação com o mesmo mês do ano passado. Canetas hidrográficas e apontadores também saíram mais. Na Armarinhos Fernando, a procura por lápis de cor chamou atenção sobretudo por ter ocorrido fora do período “voltas às aulas”, em que as vendas são tradicionalmente altas. A Faber-Castell informa que, em abril, as vendas cresceram cinco vezes em relação a abril de 2014. Desde então, houve reforço na produção dos estojos de 36 e de 48 cores.

livros-de-colorir_10Editado pela independente Bebel Books, “Suruba para colorir” convenientemente não tem qualquer ilustração na capa. Na  contracapa, um aviso: “18+”. Assinado pelo jornalista e escritor Xico Sá, o texto ali avisa: “Tons de cinza um cacete”. Segundo a editora, o projeto nasceu de “uma brincadeira entre amigos’. São 34 ilustrações, de nomes como Laerte, Adão, João Montanaro e Fabio Zimbres. A primeira edição saiu com 1,8 mil exemplares.  A segunda, com 3,6 mil. Diante do sucesso e dos pedidos, chegou-se a uma terceira – com 25 mil exemplares, um recorde da editora. “Pra gente, é um número inimaginável. Nem nos meus sonhos mais dourados eu iria ter conseguido”, comemora ao Bebel.

Go to Top