Canal Pavablog no Youtube

listas

Estes são os 5 livros que Bill Gates recomenda você ler nas férias

0

Foto: Divulgação

Cofundador da Microsoft segue com a tradição de compartilhar os livros que mais gostou de ler nos últimos meses

Publicado no Itmidia

Bill Gates é conhecido por ser um leitor ávido. Em uma entrevista ao New York Times em 2016, o cofundador da Microsoft disse que a leitura ainda é a “principal maneira de aprender coisas novas e testar minha compreensão”. Ao jornal, ele disse que lê cerca de 50 livros por ano.

Como parte dos seus hábitos de leitura, Gates mantém a tradição de compartilhar os livros favoritos que leu na última temporada, aproveitando as férias do meio do ano. “Eu sempre gosto de escolher um monte de livros para levar comigo sempre que me preparo para sair de férias. Mais frequentemente, acabo tendo mais livros do que eu poderia ler em uma viagem. Minha filosofia é que eu prefiro ter muito para ler do que muito pouco”, escreveu em post publicado em seu blog.

Na lista de livros deste semestre, Gates lembra que suas escolhas não são uma leitura leve. “Todos, exceto um, lidam com a ideia de disrupção, mas eu não quero dizer ‘disrupção; na maneira como as pessoas de tecnologia costumam dizer isso. Recentemente me vi atraído por livros sobre reviravoltas – seja a União Soviética logo após a revolução bolchevique, aos Estados Unidos em tempos de guerra ou uma reavaliação global de nosso sistema econômico”, reflete.

Na lista abaixo, confira as cinco recomendações literárias e um breve resumo de Gates sobre os títulos. Note, que os livros ainda não possuem edição brasileira, com exceção de “Um Cavalheiro em Moscou”.

“Upheaval”, de Jared Diamond

“Eu sou um grande fã de tudo o que Jared escreveu, e seu mais recente livro não é exceção. O livro explora como as sociedades reagem em momentos de crise. Ele usa uma série de estudos de caso fascinantes para mostrar como as nações gerenciavam desafios existenciais como guerra civil, ameaças externas e mal-estar geral. Parece um pouco deprimente, mas terminei o livro ainda mais otimista sobre nossa capacidade de resolver problemas do que quando o comecei”.

“Nine Pints”, de Rose George

“Se você fica enojado por ver sangue, este provavelmente não é para você. Mas se você é como eu e acha isso fascinante, você apreciará este livro de um jornalista britânico com uma conexão especialmente pessoal com o assunto. Eu sou um grande fã de livros que abordam um tópico específico, então o Nine Pints (o título refere-se ao volume de sangue do adulto médio) era o meu caminho. Está cheio de fatos super interessantes que vão deixar você com uma nova apreciação pelo sangue”.

“Um Cavalheiro em Moscou”, de Amor Towles

“Parece que todo mundo que conheço leu este livro. Eu finalmente me juntei ao clube depois que meu cunhado me enviou uma cópia, e estou feliz por ter feito isso. O romance de Towles sobre um conde condenado à prisão perpétua em um hotel de Moscou é divertido, inteligente e surpreendentemente otimista. Mesmo que você não goste de ler sobre a Rússia tanto quanto eu (já li todos os livros de Dostoiévski), ‘Um cavalheiro em Moscou’ é uma história incrível que qualquer um pode curtir”.

“Presidents of War”, de Michael Beschloss

“Meu interesse em todos os aspectos da Guerra do Vietnã é a principal razão pela qual decidi pegar este livro. No momento em que terminei, aprendi muito não apenas sobre o Vietnã, mas sobre os oito outros grandes conflitos que os EUA entraram entre a virada do século XIX e os anos 70. O amplo escopo de Beschloss permite que você tire importantes lições transversais sobre liderança presidencial”.


“The Future of Capitalism”, de Paul Collier

“O livro mais recente de Collier é uma visão instigante de um tópico que é ideal para muitas pessoas agora. Embora eu não concorde com ele sobre tudo – acho que a análise dele do problema é melhor do que as soluções propostas -, seu histórico como economista de desenvolvimento lhe dá uma perspectiva inteligente sobre o rumo do capitalismo”.

Curtindo Chernobyl da HBO? Conheça três ótimos livros sobre o assunto!

0

Gabriel Faria, no Torre de Vigilância

Minissérie composta por cinco episódios criada por Craig Mazin e produzida pela HBO, Chernobyl está sendo transmitida atualmente e caminhando para seu encerramento. Adaptando fielmente os fatos do maior desastre nuclear da história, na usina ucraniana que dá nome à série, crítica e espectadores no geral vêm elogiando o desenrolar e os aspectos técnicos da produção.

O desastre ocorrido em 1986 já foi tema de muitas produções, sejam elas televisivas, cinematográficas ou literárias. O drama vivido pelas famílias e trabalhadores na então União Soviética, a tentativa banal de acobertamento dos fatos por parte do governo tentando evitar o caos, entre outras situações desastrosas que expõem os principais problemas do ser humano, vieram à tona e vêm sendo discutidos semanalmente com a exibição de novos episódios.

Abaixo, recomendaremos três elogiados livros sobre o assunto, para que algo tão memorável negativamente na história humana permaneça sempre em discussão.

Vozes de Tchernóbil: a história oral do desastre nuclear

Livro mais conhecido e premiado sobre o desastre, Vozes de Tchernóbil foi escrito por Svetlana Aleksiévitch, escritora e jornalista bielorrussa. Neste livro, vencedor do Prêmio Nobel de Literatura de 2015, Svetlana se utiliza das múltiplas vozes – de viúvas, trabalhadores afetados, cientistas ainda debilitados pela experiência, soldados, gente do povo – para construir uma narrativa arrebatadora, a um só tempo, relato e testemunho de uma tragédia quase indizível.

Cenas terríveis, acontecimentos dramáticos, episódios patéticos, tudo na história de Tchernóbil aparece com a força das melhores reportagens jornalísticas e a potência dos maiores romances literários. As palavras de seus personagens, que dão corpo à narrativa em forma de relato, apresentam dores incomparáveis.

Nina: Desvendando Chernobyl

Livro finalista do Prêmio Jabuti de 2018 na categoria “Conto.”

Em Desvendando Chernobyl, Ariane Severo retoma o assunto abordado por Svetlana (em seu livro Vozes de Tchernóbil) com outras qualidades. Trata-se de um romance onde Nina, psicanalista brasileira nascida em Moscou da união efêmera de um casal de bolsistas gaúchos, volta à então capital da União Soviética com o desejo de ajudar “pessoas que sofrem com a catástrofe de Chernobyl“.

Ariane recria os fatos com absoluta veracidade, sem nunca perder a ternura, principalmente em relação aos seres humanos mais humildes (e seus animais e plantas) destruídos pela irresponsabilidade dos poderosos envolvidos na catástrofe.

Chernobyl 01:23:40: The Incredible True Story of the World’s Worst Nuclear Disaster

Ainda não disponível em português, Chernobyl 01:23:40 do autor inglês Andrew Leatherbarrow narra em detalhes como o reator nuclear da usina apresentou uma falha crítica e como funcionava anteriormente. O narrador também apresenta descrições e sentimentos acerca de uma ida à Pripyat, vilarejo mais próximo à usina, e demonstra em palavras as emoções que o local transmitem nos dias de hoje e que o motivaram a escrever este livro mesmo não sendo da área.

O material apresentado exigiu muita pesquisa e faz jus aos fatos reais. Os eventos que levaram ao desastre são narrados de forma contínua e muito clara, tornando-se uma leitura fácil para qualquer um, até mesmo um leitor descompromissado que deseja saber mais sobre o assunto.

Existem dezenas de outros livros que falam sobre o desastre de Chernobyl, seja em forma de romance com ficção ou a história real. A série de TV tem reavivado a discussão, beneficiando o questionamento e expondo fatos que agora alcançam um novo público. Da mesma forma, a literatura permanece com relatos eternos de tanto sofrimento em um dos momentos mais sombrios da história humana.

5 filmes que você não sabia que foram inspirados em livros

0

Amanda Barros, no Desencaixados

Que o mercado literário cada vez mais está ligado às grandes produções cinematográficas é inegável, e cada vez mais os fãs estão tanto lendo os livros quanto assistindo aos filmes. Mas e aqueles filmes que você nem imagina que saíram das páginas de um livro?

Separamos nessa lista 5 filmes que são inspirados em livros e você, provavelmente, não sabia. Confira:

1 – Stardust – O Mistério da Estrela (2007)

O filme conta a história de Tristan (Charlie Cox), que se aventura em um reino de fadas para recuperar uma estrela. Ele, a estrela e uma mulher chamada Yvaine (Claire Danes) devem enfrentar um pirata e um grupo de bruxas malvadas.

O longa é baseado no livro homônimo de Neil Gaiman e é como um conto de fadas adulto, com direito a bruxas, fadas, diversos outros seres encantados, e claro, o amor. O livro foi publicado em 1999 e até hoje cativa fãs das mais diversas idades.

2 – Sierra Burgess é uma Loser (2018)

O filme conta a história de Sierra (Shannon Purser), uma adolescente inteligente, mas fora dos padrões de beleza do ensino médio. Quando um incidente de confusão de identidade resulta em um romance inesperado em sua vida, ela se vê precisando se juntar a garota mais popular da escola para poder ficar com o menino que gosta.

O longa é uma versão moderna da peça de teatro clássica Cyrano de Begerac, lançado em 1897, onde um homem escrevia poesias para sua amada, mas o rosto que ela pensava ser dele era de outra pessoa, então ele achou melhor assim, pois achava que ela o acharia muito feio se soubesse quem ele era de verdade. No filme, os gêneros dos personagens foram trocados e se passa nos dias atuais.

3 – E Se Fosse Verdade? (2005)

A comédia romântica E Se Fosse Verdade? conta a história do arquiteto David Abbott (Mark Ruffalo). Quando ele se muda para um novo apartamento descobre que a inquilina anterior, Elizabeth Masterson (Reese Witherspoon), é uma espécie de espírito que vai conviver com ele, mas ela nega que está morta. Entretanto, o que ele mais quer saber é por que só ele consegue ver a mulher?

O filme é inspirado no livro homônimo, que foi lançado em 1999, de um escritor francês chamado Marc Levy. A história explora vida após a morte, espiritualidade e amor. A obra foi a primeira da carreira do autor e ele escreveu com o intuito de criar uma história que seu filho pudesse ler quando ficasse adulto, assim virou um sucesso já na sua primeira publicação.

4 – Um Olhar do Paraíso (2009)

Nesse filme é contada a emocionante história de Susie Salmon (Saoirse Ronan), a menina estava está voltando para casa quando foi estuprada e assassinada por George Harvey (Stanley Tucci), um vizinho que mora sozinho. Susie, que agora está em um local entre o paraíso e o inferno, observa a situação de sua família com sua perda e lida com o sentimento de vingança e a vontade de ajudar sua família a superar sua morte.

O longa é baseado no livro Uma Vida Interrompida: Mémorias de um Anjo Assassinado, lançado em 2002, da autora Alice Sebold. A história do livro permeia o mesmo universo e é ficcional, mas o fato a ser observado é que a autora é sobrevivente de um estupro que sofreu na faculdade e por isso viu na escrita uma forma de falar sobre o assunto. O enredo é emocionante e mostra um triste retrato de agressão contra mulheres e crianças, mas também a pureza de suas almas.

5 – Ponte Para Terabítia (2007)

Jess (Josh Hutcherson) se sente um estranho na escola e até com sua própria família que não entende muito bem seus gostos e aspirações, é a partir daí que ele conhece a aluna nova, Leslie (AnnaSophia Robb). Uma garota extrovertida, decidida e cheia de convicções que vem para agitar a vida do garoto. Juntos eles descobrirão o reino mágico de Terabítia.

O livro homônimo que inspirou o filme foi lançado em 1977 e é da escritora Katherine Paterson, a autora criou a história como forma de ajudar o filho a superar um grande trauma que teve na infância, e a história tomou proporções imensas chegando a ganhar duas adaptações. Na adaptação de 2007, seu filho, já adulto, se tornou roteirista do filme.

Estes são os 5 livros de ‘leitura obrigatória’, segundo Meghan Markle

0

Estes são os 5 livros de ‘leitura obrigatória’, segundo Meghan Markle – Reprodução/Instagram
A lista foi feita quando a Duquesa de Sussex tinha um blog de estilo de vidaAntes de Meghan Markle se casar com o príncipe Harry e se tornar a duquesa de Sussex, ela tinha um blog de estilo de vida chamado The Tig (em homenagem a seu vinho favorito, Tignanello).

Infelizmente, o Tig não existe mais, mas graças à Internet, os fãs de Meghan conseguiram recuperar um post antigo sobre seus livros favoritos.

Markle fez uma lista com os cinco livros que ninguém deveria deixar de ler, e que para ela deveria ser ‘leitura obrigatória’:

1. The Motivation Manifesto, um livro de autoajuda de Brendon Burchard, sobre o poder pessoal.

2. Os Quatro Compromissos, de Don Miguel Ruiz, livro que a mãe de Meghan, Doria Ragland, lhe deu aos 13 anos, que ‘revela a fonte das crenças autolimitadas que nos roubam a alegria e criam sofrimento desnecessário’.

3. O Pequeno Príncipe, de Antoine de Saint-Exupery.

4. Quem mexeu no meu queijo?, de Spencer Johnson.

5.  O Tao do Pooh, de Benjamin Hoff, ‘sobre aspectos do taoismo contados através dos personagens de Winnie the Pooh.

Confira os 30 livros que podem mudar sua vida em 2019

0

Pexels

Publicado no TNH1

1. O poder do hábito (Charles Duhigg)

O livro traz um verdadeiro e profundo estudo dos hábitos. Além de mostrar como eles funcionam, o autor Charles Duhigg também explica como eles podem ser transformados na prática. Imagine se você conseguir estabelecer o hábito de usar a escada ao invés do elevador e o bem que isso trará para a sua saúde. Esse é apenas um exemplo de como os hábitos influenciam nossa rotina, mas uma vez transformados, podemos ganhar em produtividade, estabilidade e bem-estar.

2. A Sorte do Agora (Matthew Quick)

Bartholomew Neil tem 40 anos e sempre viveu com a mãe. Depois que ela fica doente e morre, ele não faz ideia de como viver sozinho. Ele então descobre uma carta de Richard Gere na gaveta de calcinhas da mãe, e acredita ter encontrado uma pista de por que, afinal, em seus últimos dias a mãe o chamava de Richard… Só pode haver alguma conexão cósmica! Convencido de que Richard Gere vai ajudá-lo, Bartholomew começa essa nova vida sozinho escrevendo uma série de cartas altamente íntimas para o ator.

3. Toda a luz que não podemos ver (Anthony Doerr)

Marie-Laure vive em Paris, perto do Museu de História Natural, onde seu pai é chaveiro. Quando a menina fica cega, aos seis anos, o pai constrói uma maquete em miniatura do bairro onde moram para que ela seja capaz de memorizar os caminhos. Na ocupação nazista em Paris, pai e filha fogem para a cidade de Saint-Malo e levam consigo o que talvez seja o mais valioso tesouro do museu.

4. Extraordinário (R. J. Palacio)

August Pullman, o Auggie, nasceu com uma síndrome genética cuja sequela é uma severa deformidade facial, que lhe impôs diversas cirurgias e complicações médicas. Por isso, ele nunca havia frequentado a escola. Até agora. Todos sabem que é difícil ser um aluno novo, mais ainda quando se tem um rosto tão diferente. Prestes a começar o quinto ano em um colégio particular de Nova York, Auggie tem uma missão nada fácil pela frente: convencer os colegas de que, apesar da aparência um, ele é um menino igual a todos os outros.

5. Para Sempre Alice (Lisa Genova)

Alice é casada, mãe de três filhos adultos, professora titular em Harvard, especialista de renome mundial. Perto de completar 50 anos, Alice começa a esquecer. No início, esquecia de coisas sem importância, como o lugar em que deixou o celular, até que, um dia, ela se perde a caminho de casa. Ironicamente, a professora com a memória mais afiada de Harvard é diagnosticada com um caso precoce de mal de Alzheimer, uma doença degenerativa incurável. Isso faz com que ela tenha que se reinventar a cada dia.

6. O monge e o executivo (James C. Hunter)

Você está convidado a juntar-se a um grupo que durante uma semana vai estudar com um dos maiores especialistas em liderança dos Estados Unidos. Leonard Hoffman, um famoso empresário que abandonou sua brilhante carreira para se tornar monge em um mosteiro beneditino, é o personagem central desta envolvente história criada por James C. Hunter para ensinar de forma clara e agradável os princípios fundamentais dos verdadeiros líderes.

7. Criatividade S/A (Ed Catmull)

Qual a fórmula do sucesso por trás de filmes adorados por multidões como Toy Story, Monstros S.A ou Procurando Nemo? Em Criatividade S.A., Ed Catmull conta a trajetória de sucesso do mais importante e lucrativo estúdio de animação da atualidade, a Pixar, que ele ajudou a fundar, ao lado de Steve Jobs e John Lasseter, em 1986. Dos encontros da equipe às sessões de brainstorm, Catmull mostra como se constrói uma cultura da criatividade, num livro definitivo para quem busca inspiração para os próprios negócios.

8. Amores impossíveis e outras perturbações quânticas (Lucas Silveira)

O músico Lucas Silveira, autor desse livro, não tem medo de ir fundo na alma para trazer à superfície seus medos antigos, seus desejos ocultos e uma paixão pela vida que transborda os limites da página. Lucas mistura suas inquietações a teorias da física quântica de maneira poética e fluida, fazendo desta obra uma investigação do amor humano profundo e agradável de ler.

9. Cosmos (Carl Sagan)

Cosmos retraça 14 bilhões de anos de evolução cósmica, explorando tópicos como a origem da vida, o cérebro humano, hieróglifos egípcios, missões espaciais, a morte do sol, a evolução das galáxias e as forças e indivíduos que ajudaram a moldar a ciência moderna. Numa prosa transparente, Carl Sagan revela os segredos do planeta azul habitado por uma forma de vida que apenas começa a descobrir sua própria identidade e a se aventurar no vasto oceano do espaço sideral. Aqui, o tratamento dos temas científicos está sempre imbricado com outros campos de estudo tradicionais, como história, antropologia, arte e filosofia.

10. O Poder do Subconsciente (Joseph Murphy)

A proposta do livro é trazer uma receita para obter sucesso em qualquer área. O livro ensina que o segredo para conseguir o que queremos – dinheiro, saúde, amor, etc. – é sempre imaginar seus desejos como algo concreto e real, que está acontecendo ou que irá acontecer, com certeza. Para tanto, é preciso desenvolver todo o potencial de seu subconsciente. As técnicas para isso estão neste livro.

11. O Dia do Curinga (Jostein Gaarder)

“Você já pensou que num baralho existem muitas cartas de copas e de ouros, outras tantas de espadas e de paus, mas que existe apenas um curinga?”, pergunta à sua mãe certa vez a jovem protagonista de “O Mundo de Sofia”. Esse é o ponto de partida deste outro livro de Jostein Gaarder, a história de um garoto chamado Hans-Thomas e seu pai, que cruzam a Europa, da Noruega à Grécia, à procura da mulher que os deixou oito anos antes. No meio da viagem, um livro misterioso desencadeia uma narrativa paralela, em que mitos gregos, maldições de família, náufragos e cartas de baralho que ganham vida transformam a viagem de Hans-Thomas numa autêntica iniciação à busca do conhecimento –ou à filosofia.

12. Ensaio sobre a cegueira (José Saramago)

Um motorista parado no sinal se descobre subitamente cego. É o primeiro caso de uma “treva branca” que logo se espalha incontrolavelmente. Resguardados em quarentena, os cegos se perceberão reduzidos à essência humana, numa verdadeira viagem às trevas. Num ponto onde se cruzam literatura e sabedoria, José Saramago nos obriga a parar, fechar os olhos e ver. Recuperar a lucidez, resgatar o afeto: essas são as tarefas do escritor e de cada leitor, diante da pressão dos tempos e do que se perdeu.

13. Comer, Rezar, Amar (Elizabeth Gilbert)

Em torno dos 30 anos, Elizabeth Gilbert enfrentou uma crise da meia-idade precoce. Tinha tudo que uma americana instruída e ambiciosa teoricamente poderia querer – um marido, uma casa, um projeto a dois de ter filhos e uma carreira de sucesso. Mas em vez de sentir-se feliz e realizada, foi tomada pelo pânico, pela tristeza e pela confusão. Enfrentou um divórcio, uma depressão debilitante e outro amor fracassado, até que se viu tomada por um sentimento de liberdade que ainda não conhecia. Foi quando tomou uma decisão radical – livrou-se de todos os bens materiais, demitiu-se do emprego, e partiu para uma viagem de um ano pelo mundo – sozinha.

14. A última grande lição (Mitch Albom)

Muitos de nós teve na juventude uma figura especial que, com paciência, afeto e sabedoria, nos ajudou a descobrir dimensões mais profundas e a escolher nossos caminhos com maior liberdade. Para Mitch Albom, esta pessoa foi Morrie Schwartz, seu professor na universidade. Vinte anos depois. Mitch reencontra Morrie nos últimos meses da vida de seu velho mestre, acometido de uma doença terminal. Durante quatorze encontros, eles tratam de temas fundamentais para a felicidade e realização humana. É uma lição de esperança sobre o sentido da existência, em que a experiência e reflexão são transmitidas de forma simples e comovente, que transformou a vida do autor, e que eles quis registrar como uma dádiva de Morrie para o mundo.

15. Hoje eu sou Alice (Alice Jamieson)

Em ‘Hoje eu sou Alice’ a autora relata a jornada de uma vítima de transtorno de múltipla personalidade, que precisou lutar contra a anorexia, o álcool e contra nove personalidades alternativas que emergiram após ficarem adormecidas diante de uma infância cruel. Sem controle, Alice entregou-se a elas – e sua vida passou a ser um caleidoscópio de acontecimentos e revelações. Este é o relato sobre uma doença e sobre a história de uma mulher que decidiu lutar contra a realidade e a imaginação.

16. Mundo de Sofia (Jostein Gaarder)

Às vésperas de seu aniversário de quinze anos, Sofia Amundsen começa a receber bilhetes e cartões-postais bastante estranhos. Os bilhetes são anônimos e perguntam a Sofia quem é ela e de onde vem o mundo. Os postais são enviados do Líbano, por um major desconhecido, para uma certa Hilde Moller Knag, garota a quem Sofia também não conhece. O mistério dos bilhetes e dos postais é o ponto de partida deste romance.

17. Toda Poesia (Paulo Leminski)

Ao conciliar a rigidez da construção formal e o mais genuíno coloquialismo, o autor praticou ao longo de sua vida um jogo de gato e rato com leitores e críticos. Se por um lado tinha pleno conhecimento do que se produzira de melhor na poesia – do Ocidente e do Oriente -, por outro parecia comprazer-se em mostrar um ‘à vontade’ que não raro beirava o improviso, dando um nó na cabeça dos mais conservadores. Pura artimanha de um poeta consciente e dotado das melhores ferramentas para escrever versos. Este volume percorre a trajetória poética completa do autor curitibano, mestre do verso lapidar e da astúcia.

18. O Segundo Sexo (Simone de Beauvoir)

Publicado originalmente em 1949, este livro é uma obra pioneira dos estudos sobre as mulheres e referência para o movimento feminista dos anos 1970. Da biologia à psicanálise, passando pelo materialismo histórico, Simone de Beauvoir reflete sobre as construções sociais produzidas em torno da “figura feminina”. É a obra mais fundamental de uma das mais importantes intelectuais do século 20.

19. O Apanhador No Campo de Centeio (J. D. Salinger)

Um garoto americano de 16 anos relata com suas próprias palavras as experiências que ele atravessa durante os tempos de escola e depois. Revela o que se passa em sua cabeça. O que será que um adolescente pensa sobre seus pais, professores e amigos?

20. A Insustentável Leveza do Ser (Milan Kundera)

O livro, de 1982, tem quatro protagonistas: Tereza e Tomas, Sabina e Franz. Por força de suas escolhas ou por interferência do acaso, cada um deles experimenta, à sua maneira, o peso insustentável que baliza a vida, esse permanente exercício de reconhecer a opressão e de tentar amenizá-la.

21. Caos – Terrorismo Poético & Outros Crimes Exemplares (Hakim Bey)

Hakim Bey mistura prosa e poesia em uma narrativa própria e relaciona autores e pensamentos distintos, como Artaud, Bakunin, Nietzsche, Situacionismo, Filosofia Sufi e heresias de todas as ordens. O autor se levanta contra aquilo que chama de masoquismo revolucionário e de autossacrifício idealista. Terrorismo poético, paganismo, arte-sabotagem, misticismo, pornografia, crime. Estes são apenas alguns dos “pretextos” usados para desafiar o leitor com sua linguagem delirante, brutal. Definitivamente, Caos não é aconselhado para espíritos conservadores.

22. Cem Anos de Solidão (Gabriel García Márquez)

O autor narra a incrível história da família Buendía, uma estirpe de solitários que habitam a mítica aldeia de Macondo. A narrativa desenvolve-se em torno de todos os membros dessa família, com a particularidade de que todas as gerações foram acompanhadas por Úrsula, uma personagem centenária e uma matriarca das mais conhecidas da história da literatura latino-americana.

23. Sidarta (Hermann Hesse)

Assim como outras inesquecíveis criações de Hermann Hesse, Sidarta é uma reflexão sobre a busca da sabedoria que encanta gerações. Fruto de uma viagem à Índia em 1911, foi publicado onze anos depois, em 1922. Sidarta é um espírito rebelde, que seguiu os ensinamentos de Buda, mantendo-se fiel à sua própria alma.

24. O Lobo da Estepe (Hermann Hesse)

Harry Haller é um homem de 50 anos que acredita que sua integridade depende da vida solitária que leva em meio às palavras de Goethe e as partituras de Mozart; um intelectual tentando equilibrar-se à beira do abismo dos problemas sociais e individuais, ante os quais a sua personalidade se torna cada vez mais ambivalente e, por fim, estilhaçada. A primeira parte do livro é o pesadelo do lobo Haller, sua depressão e sua incapacidade de se comunicar que está na base da crueldade e da autodestruição. Na segunda o lobo se humaniza, através da entrada em cena de Hermínia, que tenta reaproximá-lo do mundo, no caso uma comunidade simplória, com salas de baile poeirentas e bares pobres.

25. Livro das Perguntas (Pablo Neruda)

Uma forma de instigar inquietação e curiosidade das crianças, o Livro das perguntas, de Pablo Neruda, é um trabalho sem paralelo na obra deste que foi um dos maiores poetas do século XX. Espécie de testamento poético, onde o olhar da criança convive com o do homem sábio, o livro traz uma viagem ao imaginário de Neruda, onde as 74 perguntas, divertidas e fora do comum, ajudam o leitor a refletir sobre o mundo, os homens, os animais, os elementos da natureza, o significado da vida e da morte, sobre tudo, enfim.

26. O Paraíso são os Outros (Valter Hugo Mãe)

O paraíso são os outros é a história que nos conta uma menina que observa como são os casais. Casais de pessoas e casais de animais. Uma menina a quem o amor intriga e fascina. Ao imaginar a vida dos outros, sonha com a sua pessoa desconhecida que um dia há de amar. Pode até ser o Miguel ou não – há tanta gente maravilhosa! Ao inventar a felicidade, ela já sabe tudo o que é preciso para se ser casal. Um livro que parte da inocência pueril e toca também a sabedoria dos mais crescidos.

27. Meu quintal é maior do que o mundo (Manoel de Barros)

Meu quintal é maior do que o mundo recolhe poemas publicados por Manoel de Barros ao longo de mais de setenta anos. Recortar a obra desse poeta não é tarefa fácil, já que ela assume muitas formas, e se move como as águas do Pantanal. O problema desta e de qualquer seleção ou recorte da obra de Manoel de Barros, é, então, este: não se pode cercar a água. Nem com arame farpado.

28. O Poder da Empatia (Roman Krznaric)

Empatia é a arte de se pôr no lugar do outro e ver o mundo de sua perspectiva. Ela tem o poder de curar relacionamentos desfeitos, derrubar preconceitos, nos fazer pensar em nossas ambições e até mesmo mudar o mundo. Neste livro, o filósofo e historiador da cultura Roman Krznaric sustenta que, ao contrário do que pensamos, não somos eminentemente autocentrados, pois nosso cérebro é equipado para a conexão social. Baseado em mais de doze anos de pesquisas em diversos campos do saber, ele nos leva a uma incrível jornada através dos séculos para mostrar por que a empatia é uma qualidade essencial e transformadora que devemos desenvolver, ensinando ao mesmo tempo como é simples praticá-la.

29. Julie e Julia (Julie Powell)

Em crise com o emprego, sem perspectivas e prestes a completar 30 anos, a americana Julie Powell decide dar uma reviravolta em sua vida. Ao encontrar na casa da mãe o livro Mastering the Art of French Cooking, um clássico da cozinheira Julia Child, que apresentou as maravilhas da culinária francesa às donas de casa americanas, ela resolve aceitar a sugestão do marido e executar todas as receitas do livro no prazo de um ano. Para relatar o feito, descreve suas experiências em um blog, que logo se torna um dos mais acessados da web, e acaba descobrindo a vocação de escritora.

30. Contato (Carl Sagan)

Contato com extraterrestres não é sinônimo de homenzinhos verdes desembarcando de um disco voador. É muito mais: sinais captados num radiotelescópio podem conter mensagens capazes de nos fazer repensar toda a nossa concepção da vida e do universo. Esse é o ponto de partida de Carl Sagan, que, aliando as tensões da melhor literatura ao conhecimento científico mais avançado, compõe um romance que pode provocar em nós todas as reações – menos a indiferença. Em Contato , o que está em jogo é o mundo tal como o conhecemos. Como quem faz uma aposta, Sagan nos convida a uma viagem assustadoramente fascinante pelo buraco negro que é a inteligência humana.

Go to Top