notícias

Livros recuperam perdas da pandemia, e vendas de 2020 alcançam o nível de 2019

0

 

Publicado na Folha de S. Paulo

O balanço anual do mercado editorial, divulgado pela Nielsen em parceria com o Sindicato Nacional de Editores de Livros, mostra que as vendas do ano passado recuperaram as perdas da pandemia e fecharam no mesmo nível de 2019.

O setor movimentou R$ 1,74 bilhão em 2020, enquanto no ano anterior o faturamento foi de R$ 1,75 bilhão, uma queda de menos de um ponto percentual. Em termos de quantidade de obras vendidas, o ano passado superou o anterior em quase 370 mil livros, alcançando 41,9 milhões.

O mês de dezembro, como vinha acontecendo nos períodos anteriores, mostrou um crescimento robusto em relação ao mesmo mês de 2019, com um faturamento 4,98% maior para o mercado editorial.

Marcos da Veiga Pereira, presidente do sindicato dos editores, ressalta que o resultado foi beneficiado por lançamentos importantes no final do ano passado e pela abertura de novas lojas.

É bom lembrar que boa parte da receita anual se segurou nas vendas em plataformas online, já que as livrarias permaneceram fechadas por meses, por causa da pandemia, e ainda não recuperaram o movimento normal.

Com o começo da quarentena, na virada de março para abril, o faturamento total chegou a cair pela metade.

Se antes do coronavírus a maioria do faturamento vinha da venda em lojas físicas, esse número praticamente se inverteu com a quarentena. Os próximos momentos do mercado editorial devem ser dedicados à retomada das lojas físicas, essenciais para estimular lançamentos.

Vendas de livros no Brasil crescem e pesquisa aponta para mais leitura na pandemia

0

Publicado no Estadão

Depois de quedas acentuadas no início da pandemia no Brasil, o varejo de livros vem apresentando crescimento consistente nos últimos meses, fato comprovado pelo 11.º Painel do Varejo de Livros no Brasil de 2020, divulgado nesta terça-feira, 17, pelo Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL) e pela Nielsen. Houve crescimentos de 25% em volume e 22% em valor dos livros vendidos, comparado ao mesmo período de 2019. Foi a maior variação positiva do ano.

Para o presidente do SNEL, Marcos da Veiga Pereira, a melhor notícia é ver o interesse crescente dos leitores. “A discussão recente sobre a tributação dos livros teve um impacto positivo para a indústria. A reação da sociedade, representada pelo abaixo-assinado #defendaolivro, acabou refletida no consumo. Claramente o brasileiro está lendo mais durante a pandemia”, comenta, em comunicado.

De acordo com a pesquisa, o setor livreiro contabilizou 3,62 milhões de títulos vendidos, faturando R$136,86 milhões. Ao longo do ano de 2020, foram comercializados 32,81 milhões de livros, movimentando R$1,39 bilhão. Já em 2019, foram vendidos 33,50 milhões de títulos com um faturamento de R$1,43 bilhão no mesmo período. Em percentuais, esses números representam uma queda de 3,10 pontos em valor e de 2,06 em volume.

O mercado ainda espera as vendas da Black Friday e do período do Natal para expandir os números de 2020.

Os números do Painel do Varejo de Livros no Brasil têm como base o resultado da Nielsen Bookscan Brasil, que apura as vendas das principais livrarias e supermercados no país.

Senado recebe mais de 1 milhão de assinaturas contra taxação de livros

0

Publicado no Money Times

O senador Major Olimpio (PSL-SP) encaminhou na terça-feira (3) ao presidente do Senado e do Congresso, Davi Alcolumbre, abaixo-assinado com mais de 1 milhão de assinaturas eletrônicas contra o projeto do governo que cria uma alíquota de 12% sobre a indústria de livros.

A proposta (PL 3.887/2020) está na reforma tributária encaminhada pelo ministro Paulo Guedes ao Congresso. Hoje o mercado do livro é protegido pela Constituição de pagar impostos (art. 150). A Lei 10.865, de 2004, também garantiu ao livro a isenção de Cofins e PIS/Pasep.

— Uma iniciativa de três jovens universitárias, uma com 17, uma com 20, outra com 21 anos. Saíram coletando assinaturas em defesa do livro no Brasil contra a proposta do governo. Recolheram mais de 1 milhão de assinaturas em 15 dias. A meta das meninas era 50 mil assinaturas. Tanto que despertaram a atenção do Brasil e de todos os setores envolvidos na cadeia de produção de livros. Recolheram estas assinaturas dirigidas a Vossa Excelência como presidente do Congresso. Não podemos tornar os livros ainda mais caros no Brasil — discursou Major Olimpio.

O senador informou que o abaixo-assinado também será encaminhado à Comissão Mista da Reforma Tributária, da qual é revisor e sub-relator.

O abaixo-assinado na plataforma change.org foi uma iniciativa das estudantes Julia Bortolani, 17 anos, estudante de Engenharia (UFMT); Dinah Adélia, 20 anos, estudante de Enfermagem (UNI-RN); e Letícia Passinho, 21 anos, estudante de Arquitetura e Urbanismo (UFV).

“Não esperávamos alcançar 1 milhão de assinaturas nem no nosso maior sonho. Tínhamos uma meta de 50 mil assinaturas. Com a mobilização, alcançamos juntos e juntas, em uma hora, o 1º lugar nos Trendig Topics do Twitter com a hashtag #DEFENDAOLIVRO”, postaram as estudantes após entregarem a petição ao senador Major Olimpio, com mais de 52 mil páginas de assinaturas.

“Esse 1 milhão de assinaturas é um tapa na cara de cada um daqueles que tem responsabilidade pública”, respondeu o senador após receber a petição.

As estudantes acrescentaram que “vimos as mais variadas pessoas se pronunciando, mostrando que lutariam por isso com a gente: celebridades, escritores, editores, leitores e educadores. Os livros acompanharam toda a nossa vida, nos ensinaram a crescer, ensinaram que não podíamos desistir e que conseguiríamos enfrentar qualquer coisa. Nós de forma alguma somos elite, somos filhas de trabalhadores que lutaram muito para que pudéssemos ler”.

“Um autor recebe, em média, 10% do preço de capa do livro por direitos autorais. Caso a reforma seja aprovada, o governo passará a receber 12%. Ou seja, mais que o autor do livro”, conclui o manifesto das estudantes na internet.

Menina de 12 anos ‘espalha’ livros por cidade do interior da Bahia

0

Publicado no R7

Clara Beatriz Dourado, 12 anos, tem um sonho: tornar a leitura acessível a todos, e assim contribuir para uma sociedade mais justa e inclusiva. Há cerca de dois anos, ela deu o primeiro passo e criou uma casinha de livros, instalada na praça Requintes, em Irecê, na Bahia, cidade onde reside. Hoje, já são 7 casinhas, por onde já passaram mais de 6 mil livros.

Tudo começou em 2017, quando Clara avistou uma casinha de livros durante uma viagem a Salvador. “Naquele momento, parei e refleti sobre como aqui na minha cidade não tinha nenhuma ação de incentivo à leitura”, lembra.

Um ano depois, a menina viu sua ideia finalmente ganhar forma. “Demorei muito tempo para convencer meus pais. Eles falavam que não daria certo, que as pessoas iriam vandalizar. Mas ao longo do tempo, eles foram entendendo e resolveram me dar apoio.” A família, então, encomendou a primeira casinha em uma madeireira da cidade, e assim nasceu o projeto “Casinha de Livros”.

A proposta é que a pessoa escolha um livro, leve para casa – ou leia na própria praça – e após a conclusão da leitura, retorne à casinha para devolvê-lo e leve outro para contribuir. “Meu objetivo é fazer os livros circularem e torná-los mais acessíveis. Por esse motivo, as casinhas ficam em praças públicas da cidade.”

Desde o início do projeto, Clara já recebeu muitos retornos positivos. “Recebo muitas mensagens. Às vezes, vou até as casinhas e converso com as pessoas. Ao longo desses dois anos, tive a oportunidade de conhecer muita gente diferente.”

Valdiclea Silva, líder de uma comunidade quilombola de Lagoa das Batatas, em Ibititá, na Bahia, é uma delas. “Ela entrou em contato comigo e disse que onde mora, há muita dificuldade de acesso à leitura. Após algumas conversas, resolvemos inaugurar uma casinha por lá.”

Diferentemente das demais casinhas, que se sustentam por meio de doações, a casinha quilombola nasceu a partir de uma “vaquinha” na internet. “Com isso, conseguimos comprar muitos livros sobre a história dos quilombolas. Vandiclea se emocionou. Foi uma experiência inesquecível.”

Vandiclea e sua filha, Dandara

Atualmente, mais duas casinhas estão prestes a ser instaladas – desta vez, na Ilha de Marajó, no Pará. Aos poucos, ela pretende expandir o projeto para todo o Brasil.

“Meus pais sempre me incentivaram a ter gosto pela leitura, e é gratificante poder fazer isso por outras pessoas”, afirma Clara. Além da coletânea completa de Harry Potter, a garota já leu obras mais densas.

“Gosto de ler livros sobre a Segunda Guerra Mundial, como Diário de Anne Frank, Os meninos que enganavam os nazistas e O menino do pijama listrado”, diz.

“O menino do pijama listrado” é um dos livros favoritos de Clara

Para ela, é difícil escolher um preferido. “Gosto muito do livro que conta a história da Malala [jovem paquistanesa que se tornou símbolo da luta das mulheres pelo direito à educação]. Inclusive, me inspirei nele para realizar o projeto.”

“Outro que eu adoro é Mulheres incríveis que mudaram o mundo. Nele, me chamou a atenção a história de uma mulher que ajudou a criar o primeiro computador de todos os tempos. Eu não sabia disso, e acho que muita gente também não”, completa.

Clara enxerga a importância da leitura em muitos níveis. “Você aprende a falar melhor, escrever melhor, conhece novas palavras, estimula a imaginação, e além de tudo, se diverte.”

Na esperança de ajudar ainda mais pessoas, ela compartilha dicas valiosas para aqueles que querem desenvolver o hábito de ler.

“Da mesma forma como em um filme ou série, você tem que encontrar um gênero com o qual se identifique. Também é importante ler o quanto se sentir à vontade, e claro, nunca por obrigação – como algumas escolas propõem. Por último, vale estabelecer algumas metas, como ler dez páginas por dia, e aos poucos, ir aumentando. Grandes objetivos são alcançados com pequenos esforços diários.”

Doações

Interessados podem doar livros em bom estado indicados para todas as idades. Para residentes de Irecê, a doação pode ser feita diretamente na casinha, que fica aberta 24 horas por dia. Já aqueles que moram fora da cidade podem entrar em contato pelo perfil do projeto no Instagram.

Autora lança livro com memes usando obras de arte antigas para ilustrar o mansplaining

0

 

Publicado na Glamour

Você já deve ter visto por aí memes usando obras de arte antigas para criar um efeito de ironia – aliás, siga o @ancient_memez para boas risadas. E Nicole Tersigni soube usar essa ferramenta perfeitamente para criar histórias a partir de situações que todas as mulheres sofreram com o mansplaining. O sucesso foi tamanho que virou livro: “Men to Avoid in Art and Life” (Homens para evitar na arte e na vida, em tradução livre), Chronicles Books.

Tudo começou, claro, no Twitter, quando a escritora norte-americana viu um homem explicando para uma mulher a própria piada que ela tinha compartilhado. “Isso já aconteceu comigo tantas vezes”, contou ao The New York Times.

Ela, então, deu um Google em “mulheres cercadas de homens” e encontrou uma pintura à óleo de Jobst Harrich, com uma mulher no centro de vários homens com um seio à mostra. Nicole tuitou a imagem com a legenda: “E se eu colocar o meu seio de fora, será que eles param de explicar as minhas piadas para mim?”. Obviamente, o conteúdo viralizou e ela enxergou uma potência de mensagem, mesclada com ironia, e passou a utilizar a rede social para criar essas situações usando obras de arte dos séculos 17 e 18.

“Você ficaria muito mais bonita se sorrisse” (Foto: Divulgação)

Os números de reposts e comentários se multiplicaram a cada nova postagem – até Busy Philipps e Alyssa Milano estavam entre os perfis que retuitaram Nicole. “Essa thread é genial”, “Talvez essa seja a minha thread preferida da vida”, comentaram. “A partir daí, virou uma bola de neve positiva, porque era um conteúdo muito fácil de se relacionar e dar risada”, comentou a escritora.

Foi assim que Nicole Tersigni chamou a atenção da editora Chronicle Books, que logo entrou em contato com a autora para publicar um compilado dessas histórias. “O homem que faz mansplaining explica as coisas de forma condescendente. Os pensamentos dele não foram solicitados, ninguém pediu a opinião dele”, explica Nicole. “Uma das minhas piadas favoritas, que usei em uma thread e no livro também, é: ‘Deixa eu te explicar a sua experiência de vida para você’.” Impossível não se conectar ou lembrar de alguma situação que você já passou, né?

Go to Top