Posts tagged lançamento

The Outsider | Elenco da série é anunciado

0

Divulgação

Ainda não existe data de lançamento para a série.

Denyson Hernani, no Jornada Geek

Ganhando novidades aos poucos, a série The Outsider volta a ser destaque na mídia. E assim, novos nomes anunciados ao seu elenco.

Segundo informações do SpoilerTV, os atores Cynthia Erivo (As Viúvas), Bill Camp (The Looming Tower), Mare Winningham (American Horror Story), Paddy Considine (Peaky Blinders), Julianne Nicholson (Eyewitness), Yul Vázquez (Narcos), Jeremy Bobb (The Knick) e Marc Menchaca (The Sinner) são confirmados no elenco regular da adaptação de Stephen King.

Ben Mendelsohn viverá Ralph Anderson, o detetive investigando o caso do assassinato; Cynthia Erivo interpreta a investigadora Holly Gibney (uma personagem dos romances de Stephen King no Mr. Mercedes) que se junta a Ralph ao caso; Bill Camp interpreta Howie Gold, um advogado; Mare Winningham interpreta Jeannie Anderson; Paddy Considine interpreta Claude Bolton, uma testemunha no caso; Julianne Nicholson interpreta Mercy Maitland, a esposa do acusado; Yul Vazquez interpreta o detetive da polícia estadual Yunis Sablo; Jeremy Bobb interpreta Alec Pelley; Marc Menchaca interpreta Jack Hoskins, um rival de Ralph; Hettienne Park aparece como Tomika Collins; Michael Esper retorna como Bill Samuels.

Na trama do livro, Terry Maitland, um dos cidadãos mais célebres de Flint City. Um treinador da Little League, professor de inglês, marido e pai de duas meninas, Maitland é preso na frente de todos e acusado do grotesco assassinato de um menino de 11 anos. Mesmo que Maitland tenha um álibi concreto – ele estava em uma conferência e foi visto por testemunhas, seu DNA foi encontrado na cena do crime junto com impressões digitais.

Ainda não existem informações sobre elenco, filmagens, ou data de lançamento de The Outsider.

Livro inédito de J.R.R. Tolkien inicia projeto de sua nova editora no Brasil

0

‘A Queda de Gondolin’, organizado e editado pelo filho Christopher Tolkien, tem lançamento simultâneo nos EUA, Reino Unido e Alemanha, e no Brasil, em português, pela HarperCollins Brasil

Guilherme Sobota, no TERRA

Uma nova geração de edições e livros de J.R.R. Tolkien (1892-1973) começa a chegar nesta quinta-feira, 30, às livrarias brasileiras: A Queda de Gondolin, livro inédito do autor, organizado e editado pelo filho Christopher Tolkien, é lançado hoje simultaneamente no Brasil, EUA, Reino Unido e Alemanha – uma iniciativa também inédita alcançada pela nova editora de Tolkien no País, a HarperCollins Brasil.

Nove cidades brasileiras recebem eventos para celebrar o lançamento daquele que provavelmente é o último livro inédito com escritos de Tolkien (Christopher, o responsável pela obra do pai, está com 93 anos e afirma no prefácio que esse é seu último trabalho). Em São Paulo, o evento está marcado para as 20h na Saraiva do Shopping Pátio Paulista (Rua Treze de Maio, 1.947), em parceria com os fãs-clubes Tolkien Talk e O Bolseiro. Haverá concurso de cosplay, leituras do livro e debates sobre a história da obra.

O livro marca também o primeiro trabalho assinado por Tolkien no novo projeto da HarperCollins Brasil para a obra do autor de O Senhor dos Anéis: dois livros biográficos já estão nas livrarias (inclusive a biografia de Humphrey Carpenter, considerada a história mais completa da vida do escritor), mas a proposta da editora é lançar tudo que leva o nome dele na capa. Ainda em 2018, sai Beren e Lúthien (inédito no Brasil); no primeiro de semestre de 2019 estão programados O Silmarillion, Contos Inacabados e As Cartas de J.R.R. Tolkien; e no segundo, O Hobbit e O Senhor dos Anéis – todos com novas traduções.

Para a empreitada, a editora organizou um conselho de tradutores, num trabalho parecido com o aplicado à Bíblia. O conselho é formado pelos pesquisadores Ronald Kyrmse e Reinaldo José Lopes, pelo tradutor Gabriel Brum e pelo gerente editorial da HarperCollins Brasil, Samuel Coto, o responsável pelas obras de Tolkien na casa.

Para o editor, a ideia é levar a literatura de Tolkien a outros alcances, e não deixá-la restrita aos fãs de literatura fantástica. “Tolkien pavimentou o caminho para o que chamamos de literatura fantástica, mas mais do que isso ele queria criar uma mitologia para a Inglaterra, dar uma raiz literária para o seu país”, explica. “Nosso plano não é esquecer o que já foi feito no Brasil, mas repensar o projeto. Tem um trabalho de reposicionamento. Temos usado como analogia as portas dentro de uma casa: oTolkien tem uma complexidade e uma profundidade muito grandes, e algumas portas de acesso a essas profundezas. A única porta que sentimos que está escancarada no Brasil é a porta do universo geek. Mas há outras portas importantes: de literatura infantojuvenil, que tem aplicação na formação educacional, mas também de pesquisas acadêmicas, a porta religiosa e teológica, a linguística, até a botânica.”

O tradutor de A Queda de Gondolin é Reinaldo José Lopes, jornalista, mestre e doutor pela USP em tradução e Tolkien. Para ele, o grau de trabalho formal que Tolkien aplicou em suas obras é comparável ao de grandes escritores contemporâneos seus, como James Joyce e Guimarães Rosa. “Embora a abordagem seja diferente desses autores modernistas, não dá para subestimar o trabalho formal. Além disso, na temática, Tolkien também traz questões muito profundas e importantes para o momento atual, como por exemplo a questão ambiental, da ação do homem sobre a natureza, e principalmente a questão do poder de maneira geral”, explica.

“A mensagem é: em quem você pode confiar ao jogar o poder na mão de alguém? A resposta é: ninguém. Existe ali também um aspecto teológico, da decadência do homem em relação a Deus. Esse ceticismo saudável em relação a qualquer forma de poder é importante”, conclui.

O novo livro é um material inédito editado por Christopher Tolkien, e é um dos “três grandes contos” referentes à Primeira Era da mitologia deTolkien – o que seria a Antiguidade para os personagens de O Senhor dos Anéis, da Terceira Era.

Uma parte do material já era conhecida dos fãs, mas o novo livro traz um nível de detalhamento inédito sobre a história da cidade élfica construída para ficar escondida do vilão Melkor – que em última instância a descobre e a leva à queda.

“O livro traz elementos de várias fases da carreira literária de Tolkien, desde os anos 1910 até os 1950, é um corte transversal no qual o leitor vai conseguir ter uma visão de conjunto da mitologia que o autor construiu”, explica Lopes. “Nessa versão original do texto, dragões e monstros têm um aspecto quase robótico. O pessoal costuma fazer relação entre isso e a participação do Tolkien na 1.ª Guerra, quando ele testemunhou a ação de aviões e tanques”, explica.

Google lança sua plataforma de livros em áudio no Brasil

0

Tendência. Nos EUA, 47% dos usuários de audiolivros usam o celular para ouvi-los, o que deve se repetir no Brasil

 

Preço normal é R$ 20, em média, mas lançamento tem até por R$ 5

Publicado em O Tempo

São Paulo. Seis meses depois de disponibilizar o serviço no exterior, o Google lançou no Brasil, nesta semana, seu serviço de audiolivros. O Google Play Livros já existe desde janeiro em 45 países, onde concorre com o Audible, plataforma semelhante da Amazon. O serviço estreia no Brasil com 2.500 títulos e, diz o Google, mais de cem editoras. As grandes casas editoriais que aderiram à plataforma até agora são cinco: Globo Livros, LeYa, Record, Ediouro e Rocco.

Entre os títulos disponíveis estão livros como “A Garota no Trem” (Record), de Paula Hawkins; “Ansiedade – Como Enfrentar o Mal do Século” (Saraiva), de Augusto Cury, e “Um Legado de Espiões”, de John Le Carré, entre outros.

O tempo que dura a escuta de cada livro não varia só com o número de páginas, mas depende da leitura de cada narrador – e ainda há um recurso que permite acelerá-la ou retardá-la. O livro de Le Carré, por exemplo, tem 252 páginas e 11 horas de áudio. “A Garota no Trem”, por sua vez, com 378 páginas, demora 10 horas e 59 minutos.

O serviço funciona tanto em celulares com sistema Android quando iOS (usado em aparelhos da Apple). No primeiro, via o aplicativo Google Play ou o Google Play Livros. Nos aparelhos Apple, só com o segundo – mas não é possível fazer compras dentro do próprio aplicativo. O usuário precisa escolher seus livros no computador e usar o app para baixá-los.

Ainda pequeno no Brasil – e funcionando em pequenas startups como a Ubook –, o mercado de audiolivros surpreendeu no Estados Unidos. De acordo com os dados mais recentes da Audio Publishers Association, as vendas de audiolivros em 2017 renderam um faturamento de US$ 2,5 bilhões – uma alta de 23% em relação a 2016.

Andrea Fornes, diretora de parcerias de produto para notícias e livros do Google na América Latina, explica por que o serviço brasileiro não foi lançado no começo do ano, junto a outros países: “As editoras ainda estão começando a trabalhar com essa linguagem. Não tinha um catálogo muito grande, esperamos o número crescer para poder sair com uma oferta mais atraente”, diz.

Ela afirma que, para o segundo semestre, a expectativa é que o catálogo cresça o mesmo que cresceu de janeiro até aqui. Para formar o catálogo disponível, o Google faz negociações principalmente com agregadores que já atuam há alguns anos nesse segmento no Brasil – caso da Ubook e da Tocalivros. Essas duas empresas têm serviços próprios, mas só oferecem audiolivros sob regime de assinatura – não é possível comprar obras individuais em suas plataformas.

Uma tendência norte-americana que o Google imagina se repetirá aqui é o uso dos smartphones para a escuta dos livros. Lá fora, ainda de acordo com os números da Audio Publishers Association, 47% dos usuários dizem usar seu telefone para isso – em 2015, esse número era de 22%.

No lançamento, o catálogo de audiolivros terá obras que custarão menos de R$ 5 – depois, com preços normais, a média de preços é cerca de R$ 20.

A Amazon já prepara a chegada do Audible ao país há pelo menos dois anos, quando vagas de emprego para o serviço foram anunciadas no Brasil – uma consulta no site da empresa com anúncios de trabalho mostra que elas não estão mais abertas, o que sugere que podem ter sido preenchidas.

 

Mercado. Criado em 2014, o Ubook é o maior aplicativo de audiolivros por streaming da América Latina. São mais de 15 mil títulos no catálogo, entre livros, revistas, podcasts, cursos e palestras.

Autobiografia da cantora Rita Lee vai virar filme

0

O livro “Rita Lee – Uma Autobiografia” vai virar filme com lançamento previsto para 2019! || Créditos: Divulgação / Reprodução Facebook

Publicado no Glamurama

A semana termina com uma ótima notícia para os fãs da cantora Rita Lee: a autobiografia dela, “Rita Lee – Uma Autobiografia”, vai virar filme. Depois de se enveredar pelo mundo literário onde já lançou três livros desde 2013, incluindo “Dropz”, uma coletânia de 61 contos e o “Storynhas”, a cantora acaba de anunciar por meio de comunicado oficial que a produtora Biônica Filmes é quem será a responsável pelo longa que contará em vídeo sua vida.

Com lançamento previsto para 2019, o filme ainda não possui uma Rita Lee para chamar de seu e a busca pela atriz que interpretará Rita nas telonas deve começar ainda este semestre. O melhor? Um documentário e uma série também estão previstos em contrato – ambos ainda sem data de lançamento.

Dan Brown vendeu mais de 16 mil cópias de ‘Origem’ no Brasil

0
© Líbia Fiorentino

© Líbia Fiorentino

 

Autor norte-americano faz lançamento simbólico de ‘Origem’ na Espanha

Publicado no Notícias ao Minuto

O Brasil ficou de fora da turnê mundial de lançamento de “Origem” (Arqueiro / Sextante), sétimo livro de Dan Brown. Depois da Feira do Livro de Frankfurt e de Lisboa, o norte-americano desembarca, nesta terça-feira (17), na Espanha, país onde o quinto capítulo da saga literária do Professor de Iconografia Religiosa Robert Langdon é ambientado.

Mesmo sem a presença do autor, os números de vendas no Brasil alcançaram a marca de 16.009 cópias, apenas na estreia. Os dados são da Publishnews. Se forem contabilizados os livros em inglês, o número sobe outras 535 unidades.

Nas 552 páginas de “Origem” é a tecnologia que ameaça a fé dos homens. “Nos viramos para Deus com perguntas que não conseguimos responder, mas este abismo do que não sabemos está cada vez menor”, comentou o autor durante o lançamento do livro em Lisboa.

Na nova trama, o bilionário e futurista Edmond Kirsch se diz capaz de responder exatamente a uma das perguntas mais vitais da humanidade: “de onde viemos, para onde vamos”. Langdon, claro, entra em cena para investigar teoria.

Brown revelou que ainda não pensa na oitava obra. “É como uma mulher que deu à luz há 10 minutos e o marido pergunta: ‘quando faremos isso de novo?'”, brincou. O projeto futuro do norte-americano está relacionado, na verdade, à “Origem”. O autor gostaria de que o livro, cujos direitos já foram vendidos para o cinema, fosse uma minissérie. “Sonhei que seria apresentado em 12 episódios. Não sei o quão longe chegarei nesta briga, mas vou tentar”, garante.

Go to Top