Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged livro

Mãe ensina maneira genial de incentivar os filhos a ler ao invés de ficar só na internet

0

Uma brincadeira simples que envolve um desafio poderá trazer grandes benefícios para a educação dos seus filhos.

Publicado no A Grande Arte de Ser Feliz

Querido pai, querida mãe,

Com que frequência você censurou seus filhos por terem passado muito tempo na internet ou nos games? Algo como:

“Em vez de se sentar com os olhos colados ao seu celular, por que você não lê um livro legal! Os livros são os objetos estranhos que você pode encontrar na biblioteca”.

E então as queixas e discussões começam.

Os smartphones envolvem completamente os jovens… são onde as crianças entram nas mídias sociais e conversam com os amigos. A conexão wi-fi é sua chave mágica para a felicidade.

Se você está procurando uma maneira inteligente de aproximar seus filhos da leitura e tirá-los do WhatsApp, veja o exemplo desta mãe engenhosa que encontrou uma maneira original de educar seus filhos sobre como usar a internet com sabedoria. Sua ideia, que tornou viral na web, também foi relatada na edição italiana do Huffington Post:

“A senha do wi-fi desta semana é a cor do vestido de Anna Karenina no livro. Eu disse o livro, não o filme!! Boa sorte! Mamãe”, ela escreveu em um pedaço de papel.

A única maneira que seus filhos (em idade escolar) poderiam encontrar a senha para a conexão à internet era lendo o livro de Tolstoi.

Não é ruim quando um truque faz as crianças se apaixonarem pela leitura e isso faz obter o seu wi-fi muito desejado se a resposta for correta!

O destino final é a experiência de navegar pela literatura, mas uma pequena caça ao tesouro em uma obra literária é uma ótima maneira de eles começarem.

E quem não gosta de caça ao tesouro?

A propósito, você já leu Anna Karenina?

The Stand | Série baseada em livro de Stephen King começa sua produção

0

Adaptação de A Dança da Morte

Cesar Gaglioni, no Jovem Nerd

A revista Production Weekly anunciou o começo da produção de The Stand, série da CBS baseada no livro A Dança da Morte, de Stephen King.

O título de produção da série é “Radio Nowhere”. O nome vem de uma música de Bruce Springsteen, um dos artistas mais admirados por King, e referenciado algumas vezes na obra. É uma escolha acertada já que a faixa, bem como o livro, descreve um cenário apocalíptico.

A Dança da Morte é o livro mais longo da carreira de Stephen King, com aproximadamente 500 mil palavras em sua versão original, o que, na maioria das edições, equivale a cerca de 1.200 páginas.

A trama é ambientada em uma Terra que foi dizimada após um vírus mortal contaminar a humanidade e matar 99,4% da população. Os 0,6% que sobreviveram se dividiram em duas facções: uma liderada pelo sombrio Randall Flagg e seus poderes malignos, e uma outra comandada por Abagail Freeman, uma mulher que está recebendo visões de Deus. A partir disso, os dois grupos se enfrentarão em uma grande batalha do bem contra o mal.

A série não tem previsão de estreia

‘IT: A Coisa’: Após o Capítulo 2, franquia pode ganhar novos filmes

0

Renato Marafon, no CinePop

‘It: A Coisa’ faturou US$ 700,4 milhões e se tornou a maior bilheteria da história para um filme de terror, um marco invejável conquistado pela Warner Bros.

Com o Capítulo 2 se aproximando e encerrando a história do livro de Stephen King, é claro que os envolvidos já estão procurando maneiras de continuar a franquia milionária com novos filmes.

Segundo o roteirista Gary Dauberman, uma das ideias é criar filmes derivados que serão focados em passagens do livro não usadas no cinema.

Sim, acho que há espaço para construir um universo cinematográfico usando a mitologia do livro, porque A Coisa existe desde o início dos tempos, mas não sei se há planos para isso. Fiquei muito feliz em abordar o livro em diferentes produções, mas sempre sendo respeitosos com o material do livro…“, afirmou ao Bloody Disgusting.

Andy Muschietti (‘Mama’) retorna à direção, que terá novamente Gary Dauberman (‘A Freira’) como roteirista.

Como a cada 27 anos o mal revisita a cidade de Derry, Maine, a sequência volta a acompanhar os mesmos personagens – que há muito tempo seguiram seus próprios caminhos – de volta como adultos, quase três décadas depois dos eventos do primeiro filme.

O elenco conta com o retorno de Bill Skarsgård, no papel de Pennywise, e das crianças Jaeden Lieberher, Wyatt Oleff, Sophia Lillis, Finn Wolfhard, Jeremy Ray Taylor, Chosen Jacobs e Jack Dylan Grazer.

Jessica Chastain, James McAvoy, Bill Hader, Jay Ryan, James Ransone, Andy Bean e Isaiah Mustafa interpretarão as versões adultas dos personagens.

A sequência será lançada nos cinemas nacionais no dia 5 de setembro.

Motivos para ler O Cemitério Maldito mesmo se você não gostar de terror!

0

Maria Confort, no Manual do Homem Moderno

Vamos falar um pouco sobre O Cemitério Maldito, livros de terror e Stephen King?

Em 1983, Stephen King já estava entre os romancistas de terror mais bem sucedidos do mundo, com uma série de best-sellers e adaptações cinematográficas ao seu nome. Enquanto ele já estava se tornando reconhecido como um mestre do gênero, havia idéias tão horríveis de serem escritas que até o rei do gênero tinha medo de se aventurar.

Graças a uma mudança para uma nova casa, uma estrada perigosa e um gato morto, King inventou um livro que ele considerava assustador demais para publicar, e colocou-o em uma gaveta. Um contrato de publicação finalmente tirou o livro daquela gaveta, e nós tivemos acesso a Cemitério Maldito – um romance tão assustador que King não quis mostrar ao mundo.

Nos quase 40 anos desde sua publicação, Cemitério Maldito tornou-se um dos livros mais amados e comentados de King, gerando uma adaptação cinematográfica em 1989 e uma segunda versão que chega aos cinemas em 6 de maio de 2019. Veja mais motivos – além do fato de King ter relutado para publicar a obra – para ler O Cemitério Maldito mesmo se você não gostar de terror!

O livro foi inspirado em acontecimentos reais da vida de Stephen King

A inspiração de Stephen King para Cemitério Maldito veio de forma clara e direta dos acontecimentos de sua própria vida. No final dos anos 1970, King foi convidado para ser um escritor em residência e professor na Universidade de Maine em Orono. Para facilitar isso, ele mudou com sua família para uma casa em Orrington, Maine. Tudo sobre o acordo parecia bom – exceto pela estrada que passava pela casa rural.

Era, como a estrada em Cemitério Maldito, cheia de caminhões pesados ​​e rápidos, e frequentemente ceifava a vida de animais de estimação locais. Como resultado, um cemitério de animais de estimação foi estabelecido na floresta por crianças locais. De acordo com King, ele realmente carregava um sinal que dizia “Pet Sematary” – o título original da obra.

Logo após a família King se mudar para a casa, King descobriu o gato de sua filha morto ao lado da estrada, e eles enterraram o animal no cemitério. Um pouco mais tarde, enquanto a família estava do lado de fora empinando uma pipa, seu filho mais novo – que ainda não tinha 2 anos de idade – correu em direção à estrada em uma cena que claramente espelha os eventos do romance. King conseguiu parar seu filho a tempo, mas as implicações do cenário rapidamente se apossaram de sua imaginação, como ele explicou em uma introdução posterior ao romance: “Mas uma parte da minha mente nunca escapou daquele horrível ‘e se’.” Esse pensamento vívido e horripilante – juntamente com os sonhos mais tarde naquela noite de um cadáver reanimado fora da casa – foi a semente do Cemitério Maldito.

O livro tem relações com outras obras de Stephen King

Como a maioria dos romances de King, Cemitério Maldito existe em um universo povoado por outras histórias, personagens e locais do autor, e o romance faz uma breve referência a eles em vários pontos.

No início do romance, enquanto falava sobre os perigos da estrada e do animal que matou, Jud Crandall refere-se a um São Bernardo que “se enfureceu com a situação de dois anos atrás e matou quatro pessoas”, uma referência ao livro Cujo, de King. Mais tarde, no livro, Rachel Creed está urgentemente dirigindo para casa quando ela passa um sinal de saída que lista Jerusalém Lot entre seus destinos. Jerusalem’s Lot é o cenário para o romance de vampiros de King “Salem’s Lot”.

Em certo ponto, a família também olha para o vale do rio Penobscot, e Louis Creed pensa em Derry, o cenário do livro A Coisa. As referências são pequenas e não afetam muito o enredo, mas são suficientes para lembrar aos leitores que King construiu mundos e mundos ao longo de sua carreira.

A frase mais famosa do livro ainda assusta Stephen King

O Cemitério Maldito será, sem dúvida, lembrado como um dos romances mais memoráveis e horripilantes de King, algo com que o próprio autor parece ter feito as pazes. Mas King parece não conseguir abalar os temas com os quais ele estava trabalhando naquele livro, e a influência que eles têm sobre sua própria mente e seu público. Em sua introdução à versão de 2000 do livro, King admitiu que ele também ainda é frequentemente assombrado pela linha mais memorável do romance: “Às vezes, Louis, morto é melhor.” “Essa lição sugere que, no final, só podemos encontrar paz em nossas vidas humanas aceitando a vontade do universo. Isso pode parecer uma porcaria brega da nova era, mas a alternativa me parece uma escuridão terrível demais para criaturas mortais como a nossa.”, diz King.

Remake de Cemitério Maldito chega às telonas

0

Ana Vitória Queiroz, no R7

Trinta anos depois da primeira adaptação do filme “Cemitério Maldito”, do livro de Stephen King, os diretores Kevin Kölsch e Dennis Widmyer são responsáveis pelo remake que estreia nesta quinta-feira (9) prometendo deixar os cabelos em pé de quem for assistir.

De acordo com os diretores, essa nova adaptação promete ser mais fiel ao livro, sombria e emocional. O próprio King já garantiu, em material de divulgação, que gostou do resultado do filme e o longa que começou com um orçamento de 21 milhões, já conseguiu alcançar mais de US$ 100 milhões de bilheteria mundial.

Em “Cemitério Maldito” conhecemos a história da família Creed. Após a mudança para uma cidade mais calma, Louis (Jason Clarke) viu a chance de conciliar o trabalho como médico e passar mais tempo com sua esposa, Rachel (Amy Seimetz) e seus dois filhos, Ellie (Jeté Laurence) e o pequeno Cage (Hugo Lavoie e Lucas Lavoie).

Depois de fazer amizade com o vizinho Jud (John Lithgow), a família descobre sobre um cemitério indígena próximo à propriedade, onde segundo lendas, os corpos enterrados nele são ressuscitados. Quando o gato Church, de sua filha sofre um terrível acidente, Louis decide enterrá-lo para o trazer de volta à vida, mas não tinha ideia das consequências que iria sofrer depois disso.

Diferente da versão de 1989 que é um terror mais “gore” (subgênero de terror que se concentra em representações gráficas de sangue e violência gráfica), a de 2019 possui um equilíbrio entre os “jumpscares” (técnica usada em filmes de terror para dar sustos) e o terror psicológico, causando medo, angústia e aflição de quem acompanha a trama.

Em diferentes momentos do filme, é possível perceber que sempre há sinais para o personagem principal não recorrer ao cemitério, sabendo que lá é um lugar amaldiçoado. Principalmente após enterrar o gato de sua filha e Church mudar após voltar a vida.

Go to Top