Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged Brasil

Projetos no Brasil e nos EUA lutam contra o racismo por meio da distribuição de livros

0

Iniciativas aparecem em Porto Alegre e nas cidades americanas de Chicago e Evanston

Paula Sperb, na Folha de S.Paulo

Porto Alegre – O poeta baiano Castro Alves, que se insurgiu contra a escravidão, era também um defensor da cultura e sua difusão.

No Rio Grande do Sul, a pesquisadora Winnie Bueno quer combater o racismo por meio da distribuição de livros para pessoas negras. Cerca de mil títulos chegaram aos destinatários desde 20 de novembro do ano passado, Dia da Consciência Negra.

“Percebi pessoas brancas publicando mensagens de antirracismo no Twitter. Comentei que seria mais útil doar um livro para quem precisasse. Desde então, conecto voluntários com as pessoas negras que precisam”, diz.

Winnie Bueno, 31, de Porto Alegre, lançou Tinder dos Livros para doar obras para pessoas negras como forma de combater racismo estrutural
Arquivo pessoal

A iniciativa ganhou o nome de Tinder dos Livros, porque conecta leitor, livro e doador. Mas a conexão não ocorre por meio de aplicativo, mas pela própria Winnie, que divide seu tempo de ativista e doutoranda em sociologia na Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

“É o livro que a pessoa precisa. Não é só repassar os livros que não quer mais para uma instituição. A maioria dos pedidos é por intelectuais negros”, afirma. Outros pedidos comuns vêm de universitários que precisam de obras que vão de microbiologia, fisiologia às obras dos cursos de direito.

O motivo para distribuir publicações, explica Winnie, é porque “livros são revolucionários”. “O livro possibilita a emancipação intelectual.”

Para ela, eles serviram de refúgio a infância e adolescência vividas no interior, onde era a única criança negra da escola. “Os livros me ajudaram a entender o mundo e, nos momentos de solidão, era para o livro que corria”, lembra. Sua mãe se esforçava para encontrar obras com protagonistas negros.

É importante para crianças negras o acesso a livros infantis com protagonistas negros. Por isso, o projeto Young, Black & Lit, que atua principalmente nas cidades americanas de Chicago e Evanston, se dedica a doar obras com essa característica.

“Pesquisadores concordam que quando livros servem de espelhos para as crianças verem a si mesmas, suas famílias e comunidades refletidas, elas se sentem valorizadas. Quando permitem que vejam semelhanças e diferenças que têm com outras culturas, elas se sentem conectadas”, diz Krenice Roseman, cofundadora do projeto.

A iniciativa já presenteou 1.829 livros desde maio de 2018. Uma das formas de doação é por meio de feiras em comunidades, onde as crianças escolhem os livros.

“A identificação com os personagens também aumenta as chances das crianças se tornarem leitoras ao longo da vida”, diz Roseman.

Em Porto Alegre, outro projeto leva livros a quem quer ler. A pedagoga Vitória Sant’anna decidiu criar uma biblioteca no seu condomínio, no centro da cidade, em um local estigmatizado como “Carandiru”. Ela se sentiu motivada depois que conseguiu levar centenas de crianças para assistir a “Pantera Negra” no cinema.

“A gente vai dar prioridade para autores negros que trabalhem a questão da representatividade nos livros. A ideia é se valorizar e se reconhecer pela literatura”, explica. “Temos 239 famílias aqui. Esse é o número de pessoas atingidas pela biblioteca. Queremos que não sejam só as crianças.”

Pepetela vem ao Brasil para lançar ‘O Quase Fim do Mundo’

0

Pepetela é um dos principais autores africanos Foto: Tiago Queiroz/Estadão

 

O escritor angolano Pepetela lança seu romance pós-apocalíptico no Sempre Um Papo e na USP

Maria Fernanda Rodrigues, no Estadão

O escritor angolano Pepetela, um dos principais nomes da literatura africana contemporânea, vem ao Brasil em outubro para dois encontros com leitores e para lançar o romance O Quase Fim do Mundo pela editora Kapulana.

No dia 15, das 19h30 às 21h, ele estará no Sempre Um Papo, em conversa com Afonso Borges, idealizador do projeto, no Sesc 24 de Maio. No dia seguinte, Pepetela estará na FFLCH-USP, para um debate sobre O Quase Fim do Mundo e uma sessão de autógrafos.

Com prefácio da também angolana Ana Paula Tavares, o livro, publicado originalmente em 2008, tem início em uma cidade africana fictícia e acompanha um grupo de pessoas que sobreviveram a um evento apocalíptico de origem desconhecida.

Na história, o médico Simba Ukolo, ao voltar para casa após um dia de trabalho, presencia um clarão que ilumina todo o céu. Na sequência, toda a vida na terra é aniquilada, sobrando apenas as roupas das pessoas, algumas plantas e poucos animais. Aos poucos, Simba percebe que não está só e um grupo de sobreviventes, de origens e perfis diversos, começa a se formar: uma senhora religiosa, uma adolescente, uma pesquisadora americana, um aviador sul-africano, um curandeiro etíope, uma historiadora somali, um ladrão, um mecânico, um pescador, uma criança.

Quem é Pepetela

Pepetela nasceu Artur Carlos Mauricio Pestana dos Santos, em Benguela, em 1941. Começou a faculdade em Lisboa, se exilou em Paris em 1962 e partiu para a Argélia seis meses depois – lá, ele se formou em Sociologia e trabalhou na representação do MPLA (Movimento Popular de Libertação de Angola) e no Centro de Estudos Angolanos, que ajudou a criar. Em 1969, aderiu à luta de libertação angolana, em Cabinda, quando adotou o nome de guerra Pepetela, e onde foi guerrilheiro e também responsável no setor da educação. Em 1972, foi transferido para a Frente Leste de Angola, onde desempenhou a mesma atividade até ao acordo de paz de 1974 com o governo português.

Em 1975, até a independência de Angola, foi membro do Estado Maior da Frente Centro das FAPLA (Forças Armadas Populares de Libertação de Angola) e participou na fundação da União de Escritores Angolanos. De 1976 a 1982, foi vice-ministro da Educação. A partir daí, exerceu funções na universidade e em instituições de literatura e cultura.

Livros de Pepetela publicados no Brasil

Pepetela estreou na literatura em 1972, com As Aventuras de Ngunga. Autor de mais de 20 livros, ele está presente nas livrarias brasileiras com Mayombe, leitura também de vestibular, Se o Passado Não Tivesse Asas, A Sul. O Sombreiro, sobre o qual ele falou em entrevista à TV Estadão em 2012, O Planalto e a Estepe, O Cão e as Caluandas e A Geração da Utopia. Suas obras são publicadas no Brasil pela Leya e, mais recentemente, também pela Kapulana.

Leia trechos de O Quase Fim do Mundo, de Pepetela

“Chamo-me Simba Ukolo, sou africano, e sobrevivi ao fim do mundo. Se o fim do mundo quer dizer o aniquilamento absoluto da humanidade, haverá algum exagero na afirmação, pois escapou alguém, eu, Simba Ukolo, na ocorrência. Isso foi a primeira impressão, sozinho na minha cidade natal. Terrível sensação de solidão e de perda, mas sobretudo uma tontura de incredulidade. Dava mesmo para acreditar em coisa mais absurda? Viria a descobrir depois, não era de fato o único, havia sobreviventes, embora talvez não fossem todas as pessoas mais desejáveis com quem partilhar os despojos dos bilhões de humanos desaparecidos.”

“Foi quando se deu o relâmpago, chamo-lhe assim à falta de melhor palavra. Uma luz intensa, como um flash num céu azul, indolor. As trovoadas secas são comuns na região, a chuva vem depois. Até pode não vir chuva nenhuma. E foi isso mesmo que pensei, apenas uma trovoada seca. Só muito mais tarde associei essa luz intensa e o fato de ir passando, a partir daí, por carros mal estacionados ao longo da estrada, alguns mesmo no meio da estrada, vazios, imbambas abandonadas ao deus dará, bicicletas caídas, e nem rasto de gente. Alarmado, cheguei aos bairros periféricos, onde se acumulavam os excluídos de todos os processos econômicos e sociais, milhares e milhares de seres a lutarem desesperadamente para viverem um dia a mais. E os bairros estavam vazios. Pensei, terá havido um festival de música, única razão levando toda a gente para fora dos bairros? Ou um culto monstro de uma igreja que oferece todas as curas?”

Streaming de audiolivros sueca chega ao Brasil

0

Serviço está disponível pelo valor de R$ 27,90 por mês
Foto: Reprodução/Instagram

Publicado na Folha de Pernambuco

Lançada nesta quarta-feira (11) no Brasil, a plataforma sueca Storytel, especializada em audiolivros, chega ao país com o mesmo funcionamento de outras plataformas de streaming, como a Netflix. Por R$ 27,90 por mês, assinantes podem ouvir títulos como “O Assassinato no Expresso Oriente”, “A Garota do Lago”, “O Livro dos Começos” e “O Pequeno Príncipe” –este último narrado por Marcelo Tas. A empresa não divulga quantos títulos estão disponíveis no Brasil.

Tas destaca o crescimento do mercado de áudio. “É um movimento que tem se desenvolvido por conta da inovação tecnológica. Além disso, as pessoas hoje têm menos tempo e usam o áudio para acessar conteúdos por conveniência. Podcasts e audiobooks têm grande espaço nesse sentido”, diz o ator e apresentador do programa #Provocações, da TV Cultura.

Além dos livros, a plataforma aproveitará a febre de podcasts para também lançar seus programas, que trarão nomes como Monja Coen e Thalita Rebouças.

O Brasil é o 18º país em que a empresa, fundada em 2005, está disponível. No mundo, são cerca de 300 mil títulos para ouvir e ler.

Serie baseada em Quem é você, Alasca? tem data de estréia definida

0

Helder Gatti, no Mundo Hype

A serie baseada no livro Quem é Você, Alasca? de John Green já tem data de estreia definida para os Estados Unidos.

A série está sendo produzida pela plataforma de streaming Hulu e deve estrear em 18 de outubro de 2019.

A serie será estrelada por Kristine Froseth (de Sierra Burgess é uma Loser) e Charlie Plummer (Todo o Dinheiro do Mundo).

Charlie Plummer será Miles Halter, um adolescente que leva uma vida sem graça e sem muitas emoções na Flórida. Seu passatempo é memorizar as últimas palavras de grandes personalidades da história, e uma dessas personalidades, François Rabelais, um escritor do século XV, disse no leito de morte que ia em “busca de um Grande Talvez”.

E assim ele resolve ir atrás deste Grande Talvez, saindo da barra da saia dos pais e se matriculando em uma escola no Alabama, onde conhece Alasca Young (Kristine Froseth), uma menina descolada. Inteligente, engraçada, porém louca e enigmática.

Alasca vai tirar Miles de sua zona de conforto e juntos vão buscar o Grande Talvez.

A minissérie terá 8 episódios e ainda não temos informação de qual rede no Brasil irá exibi-la.

A certeza é que no Brasil existirá muito publico para a série, pois John Green é um dos autores mais lidos por aqui, desde o publico adolescente até o adulto. E com certeza, Quem é Você, Alasca? é um dos livros mais queridos de John Green por aqui, onde já teve diversas edições , inclusive uma em quadrinhos e a ultima em comemoração aos 10 anos de lançamento.

Animais Fantásticos 3 é adiado para 2021

0

A continuação de Os Crimes de Grindelwald vai se passar no Brasil e terá cenas gravadas no país.

Guilherme Cepeda, no Burn Book

A Warner definiu a estreia de Animais Fantásticos 3 para 12 de novembro de 2021, com a produção começando no segundo semestre de 2020. A continuação de Os Crimes de Grindelwald vai se passar no Brasil e terá cenas gravadas no país.

O segundo filme, Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald mostrou o poderoso mago das trevas Grindelwald escapando da prisão e se reunindo para fazer com que os bruxos de sangue-puro dominem o mundo. Pensando em pará-lo, Alvo Dumbledore recruta Newt Scamander para ajudá-lo em uma batalha perigosíssima.

Go to Top