Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged problemas

12 livros úteis para momentos de crise

0

Quando você não sabe o que fazer, talvez seja a hora de procurar sabedoria em outros lugares.

Nivaldo Gomes, no Papo de Homem

Essa história começa algum tempo atrás.

Quando 2017 chegou, eu estava crente que superaria todos os meus limites e seria o melhor ano da minha vida. Estava concentrado em todas as minhas metas e onde queria chegar. Parecia o começo de um filme dramático onde o mocinho está feliz mas quem está assistindo sabe que em qualquer momento o jogo vai virar.

Em menos de um mês eu vi minhas finanças ficando em um estado deplorável. O negócio que eu tinha montado não dava resultado, minha alimentação e saúde indo pro saco, meu cachorro ficando doente e falecendo em seguida. Assim, entrei em uma crise.

Não foi fácil.

Sem muita opção, a primeira coisa que fiz foi aceitar o que estava acontecendo. A segunda foi buscar forças em livros para aprender como viver e sair dela.

Dentre os livros que li, estes foram os que mais me ajudaram.

A sutil arte de ligar o foda-se (Mark Manson)

Por mais que você esteja passando por um momento difícil, lembre de uma coisa … você não é especial. Nesta obra Mark Manson se figura como um amigo sincero e mostra, de uma forma bem bacana, que a vida é uma sequência interminável de problemas e o máximo que você pode fazer é preenchê-la com problemas que valem a pena.

Através do livro comecei a perceber que às vezes acabava me irritando com coisas que eu não tinha controle, como o ônibus que não parava para eu subir, o uber que demorava para chegar enquanto eu estava atrasado para algum compromisso.

O ponto final do autor não é que você ligue o foda-se para tudo, mas que remova tudo que não vai trazer retorno e foque no que realmente importa para a sua vida.

Em um momento de crise como o que eu vivia, esta foi a melhor coisa a ser feita.

Em busca de sentido (Viktor Frankl)

Viktor foi um psiquiatra austríaco que viveu na pele o terror causado pelos Nazistas. Foi no campo de concentração que ele teve que colocar em prática toda a sua filosofia de vida.

Esse livro é o encontro da teoria com a prática vivenciada pelo próprio autor.

É dividido em duas partes. Na primeira, Viktor mostra o que viveu em um campo de concentração e mostra tanto o ponto de vista dele quanto dos seus amigos. Na segunda parte ele fala sobre a Logoterapia, uma psicoterapia fundada pelo próprio autor, que teve seus trabalhos interrompidos durante a prisão mas que retomou após a liberdade.

Esse foi o primeiro livro que li quando fechei a minha startup e me senti sem rumo.

O obstáculo é o caminho (Ryan Holiday)

Esse livro foi o meu portão de entrada para o estoicismo. Ryan Holiday demonstra uma forma diferente de encarar os nossos problemas do dia a dia e como eles podem nos alavancar. O livro é dividido em três partes: percepção, ação e vontade.

No momento em que li este livro, estava enfrentando vários problemas, tanto profissionais quanto pessoais e acabei começando a culpar tudo. A obra me mostrou uma perspectiva diferente de como enxergar os problemas logo nos primeiros capítulos.

Um fato interessante é como o autor exemplifica seus argumentos através de grandes nomes da história como Marco Aurélio.

Além desse, também indico o Ego é Seu Inimigo, do mesmo autor.

Se por um lado o livro “O Obstáculo é o Caminho” mostra como encarar problemas entre você e o mundo, o Ego é Seu Inimigo mostra como encarar problemas que surgem entre você e você. Novamente, o autor divide o livro em 3 partes, aspiração, sucesso e fracasso, e mostra o quanto o ego aparecer em cada um destes momentos.

Eu comecei a ver várias atitudes minhas que batiam com algumas descrições e o quanto aquilo estava me prejudicando—principalmente na parte de fracasso.

Sobre a brevidade da vida (Sêneca)

Geralmente em momentos tensos, você começa a refletir sobre o que está fazendo com a sua vida. Foi dessa forma que achei esse livro. Simples, pequeno e incrivelmente rico.

A obra se trata de cartas escritas por Sêneca e dirigidas a Paulino. Além de ser um dos maiores nomes do estoicismo, Sêneca demonstra como acabamos encurtando a vida com futilidades, e como ela pode ser não só mais longa mas também mais rica.

O livro é bem curtinho e pode ser lido em uma tarde.

A Guerra Da Arte (Steven Pressfield)

Todo mundo já teve ou tem dificuldade de iniciar algo novo. Steven Pressfield afirma que essa dificuldade é causada pelo nosso maior inimigo, a Resistência, que se encontra no meio das nossas duas vidas, aquela que vivemos e aquela que não é vivida por nós.

Ele divide o livro em 3 partes. A primeira foca em detalhar mais a Resistência, a segunda parte aborda como combatê-la e a terceira mostra o que acontece quando vencemos.

Personificar todos os meus bloqueios através da Resistência e criar este combate dentro da minha cabeça foi de grande ajuda para sair da inércia e começar a campanha contra a crise.

Not caring what other people think is a super power (Ed Latimore)

Se você quer saber como dar a voltar por cima e quer usar alguém como espelho, Ed Latimore pode ser a pessoa que vocês procura. Ele cresceu em um “ghetto”, onde crime e violência era companheiras do seu dia a dia. Conseguiu achar no boxe uma saída, mas teve problemas com álcool. Hoje ele é um veterano militar, escritor e graduando em física.

O que me chamou atenção no Ed, é que além de ser bem transparente, ao ponto de falar sobre o nocaute que sofreu em rede nacional, a sua escrita é simples porém repleta de riqueza. Infelizmente, seu livro não tem versão em português, mas não precisa ter o inglês tão afiado para apreciar a obra.

Antifrágil (Nassim Taleb)

A fragilidade faz não só pessoas entrarem em crise, mas sistemas e grande corporações, uma vez que é impossível prever todos os cenários. Mas mesmo sem tal poder, podemos nos preparar para as consequências dos seus efeitos. Isto que diferencia o frágil do antifrágil, o primeiro pode ser destruído com o caos, o outro se beneficia dele.

Sem sombra de dúvidas, foi um dos livros mais bem escritos e densos que já li. Ele não só vai ajudar você a ter uma visão melhor do mundo como vai preparar para qualquer crise futura que venha a acontecer.

Maestria (Robert Greene)

Em momentos difíceis é fácil nos sentimos inferiores e começarmos a nos comparar com os outros. Acabamos idolatrando e colocando essas pessoas em lugares de Deuses, por achar que elas são mais bem sucedidas que nós. Porém, além de serem humanos como nós, eles tiveram uma longa jornada para chegar em sua melhor versão.

Esse livro, de Robert Greene, demonstra os passos para alcançar a maestria por meio do exemplo de grandes nomes como Mozart, Newton, Paul Graham e outros.

Minha Luta, Sua Luta (Ronda Rousey)

A Ronda, além de me chamar atenção em suas lutas, me chamou mais atenção sobre a maneira que ela vê o mundo. Sua carreira teve muitos altos e baixos e ela faz questão de mostrar isso, desde o suicídio do pai, até ser a primeira mulher a ir para o UFC.

Muitos acham a Ronda um pouco arrogante e, graças a isso, se recusam a ler o livro. Eu penso que se uma mulher fez história no judô e no UFC (onde o presidente falou que nunca teria uma mulher lutando na sua organização), ela deve ser estudada. Apenas acho que o livro tenha saído cedo demais e não cobriu a parte da queda dela no UFC, mas é mais uma obra que mostra o lado humano de um campeão.

Escolha Você (James Altucher)

Você está em um momento de crise e se depara com o James, descobrindo que ele já escreveu vários livros e fundou algumas empresas. Porém, não é isso que chama mais atenção. O impressionante é que ele foi milionário, quebrou e perdeu tudo. Depois, se tornou milionário novamente e (adivinha?) perdeu tudo mais uma vez. Não sem se recuperar de novo.

Acho que não preciso falar mais nada, se isso não fizer você ler este livro, eu não sei o que mais vai te convencer.

Meditações (Marco Aurélio)

Marco Aurélio foi simplesmente o homem mais poderoso do seu tempo. Certamente, tinha que administrar várias crises, tanto dele quanto do seu império. Ao ler este livro, você tem um dos um dos grandes imperadores romanos ensinando como viver e se livrar das dores do mundo material.

Não importa a crise que você esteja passado, se é amorosa, financeira, profissional ou todas juntas, você vai encontrar algo que vai ajudar.

O melhor dessa obra é que ela não foi feita com o objetivo de ser publicada e, pra mim, é um dos melhores livros que já li e continuo relendo.

Para você, qual foi o livro que mais ajudou em um momento difícil?

Meninas são melhores do que meninos na resolução de problemas, diz estudo com base no Pisa 2015

0

Sala de aula da educação infantil em Porto Alegre. (Foto: Eduardo Beleske/PMPA/Divulgação)

Média das meninas foi maior em 23 estados; índices das regiões Nordeste são mais baixos.

Publicado no G1

As alunas brasileiras mostraram, em média, mais habilidade para trabalhar em grupo com duas ou mais pessoas e tentar resolver uma tarefa do que os alunos.

A nota média delas no Brasil foi 420.6, 17 pontos à frente da dos meninos, que obtiveram 402.30. Enquanto 15,2% das meninas tiveram desempenho igual ou superior à média da OCDE (500), 12,2% dos meninos chegaram a esse patamar.

Os apontamentos são do estudo “Um Panorama sobre Resolução Colaborativa de Problemas no Brasil”, do Portal Iede (Interdisciplinaridade e Evidências no Debate Educacional) que usou dados do Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa, na sigla em inglês) 2015, da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Para medir a habilidade de resolução de problemas, o Pisa propôs simulações teóricas em que os alunos tinham de, por exemplo, fazer um filme e preparar uma apresentação.

Em 23 estados, a nota média das meninas foi estatisticamente mais alta do que a nota média deles. No Amapá, a diferença entre os sexos foi a maior registrada no país, chegando a 30.1 pontos. Nos estados de Mato Grosso do Sul, Pernambuco, Sergipe e Alagoas a diferença entre os sexos não é considerada estatisticamente significante, de acordo com o Iede.

Desigualdades regionais

Todas as regiões brasileiras tiveram pontuações muito baixas e abaixo da média dos países da OCDE no critério resolução de problemas, segundo o estudo do Iede. A região Sul é a que obteve a melhor média: 430.4. Se fosse um país, ultrapassaria apenas Montenegro (415,7), Peru (417.8) e Turquia (422.4) e estaria estatisticamente no mesmo patamar de Colômbia (429.4) e México (433.1).

O levantamento mostra que no Nordeste e Norte brasileiro a situação é ainda mais desafiadora. A nota média da região Nordeste, a mais baixa do país, foi 391. No Norte, da amostra de 6.313 alunos, 4.006 tiveram baixo desempenho. A pontuação da região Norte, a 2ª mais baixa, foi 403.3.

A amostra brasileira para resolução colaborativa de problemas foi de 23.141 alunos, espalhados por todos os estados.

Suicídio de doutorando da USP levanta questões sobre saúde mental na pós

0
Pesquisador trabalha no Instituto de Ciências Biomédicas da USP, o mesmo do aluno que morreu

Pesquisador trabalha no Instituto de Ciências Biomédicas da USP, o mesmo do aluno que morreu

Fernando Tadeu Moraes, na Folha de S.Paulo

Prazos apertados, pouco dinheiro, pressão para publicar artigos, carga de trabalho excessiva, cobranças, solidão. A vida de quem está na pós-graduação não é fácil.

Esses fatores não só trazem dificuldades pessoais e sociais àqueles que optam por seguir carreira acadêmica como também podem gerar consequências graves, como níveis altos de estresse, depressão, ansiedade e outros transtornos.

“É uma questão sobre a qual ainda se fala pouco, embora o mestrado e o doutorado tenham, sim, características que podem desencadear problemas psicológicos ou psiquiátricos”, diz Tânia de Mello, coordenadora do Serviço de Assistência Psicológica e Psiquiátrica ao Estudante da Unicamp.

Em alguns casos, essa combinação pode levar a atos extremos. Há cerca de dois meses um aluno de doutorado do Instituto de Ciências Biomédicas da USP se suicidou no laboratório no qual trabalhava.

Deixou, numa lousa que havia no local, uma mensagem em que dizia estar cansado de tentar, de ter esperança, de viver. O texto terminava com a expressão em inglês “I’m just done” (“para mim, chega”, em tradução livre).

Segundo colegas, ele estava próximo da qualificação (exame crucial que precede a defesa da tese) e vinha enfrentando problemas em sua pesquisa. “Ele estava travado. O doutorado dele parecia que não ia”, disse um amigo que pediu à reportagem que não o identificasse.

Para Eduardo Benedicto, coordenador do Centro de Orientação Psicológica da USP de Ribeirão Preto, é preciso levar em conta as especificidades de cada caso, mas, algumas situações da pós, sobretudo em indivíduos mais suscetíveis, podem contribuir para o estudante achar que não tem saída e desencadearem, por exemplo, um quadro de ideação suicida.

Mello lembra que as áreas experimentais –como a do estudante que morreu– trazem um complicador a mais. “Às vezes um equipamento quebra, um reagente não chega e o trabalho fica parado. Estar sujeito a circunstâncias que não dependem de você é angustiante.”

CRISES DE PÂNICO

Mesmo quando não está ligada a uma situação tão trágica, a rotina às vezes brutal da pós pode causar prejuízos.

Rita (nome fictício), 32, nunca havia tido nenhum transtorno psiquiátrico até entrar na pós, há cinco anos. A carga excessiva de trabalho levou a estudante, hoje doutoranda no Instituto de Biologia da Unicamp, a enfrentar problemas desde o mestrado.

“Eu recebi logo de cara muitas responsabilidades e comecei a achar que não daria conta, que era uma impostora. A impressão que eu tinha era a de que esperavam de mim mais do que eu poderia dar. Cheguei a pensar em suicídio.”

Após buscar ajuda psicológica e psiquiátrica –dentro e fora da universidade–, Rita superou a crise e conseguiu concluir o mestrado.

No doutorado, os problemas reapareceram. As responsabilidades se tornaram ainda maiores e os prazos mais apertados. “Eu entrei em desespero. Tive crises de pânico. Sofria com insônia e não conseguia levantar de manhã.”

Os sintomas, hoje, estão sob controle, mas Rita conta que a doença deixou sequelas. “Terminei o mestrado há três anos e até hoje não consegui abrir a minha dissertação”.

Segundo a estudante, problemas como o que ela enfrentou são encarados, dentro do ambiente acadêmico, como uma fraqueza. “Te tratam como se você não estivesse aguentando a pressão, não tivesse maturidade para o curso”.

As dificuldades a fizeram ainda repensar sua situação profissional. “Por mais que eu goste das coisas que eu estudo, tenho sérias dúvidas, não sei se devo continuar num meio que me machuca.”

ORIENTADOR

Uma das figuras centrais para todo aluno da pós-graduação é o orientador, o professor incumbido de ajudá-lo a concluir a tese e prepará-lo para a pesquisa acadêmica.

Para Benedicto, seria importante que os orientadores estivessem atentos às dificuldades de seus alunos. “Verificamos, porém, que poucos têm essa perspectiva. Em geral, eles enfatizam a produção do estudante e o pressionam para que atinja os resultados esperados”.

Mas o oposto, isto é, o orientador ausente, pode ser tão prejudicial quanto o exigente demais. “Eu escuto muitos alunos angustiados porque queriam alguém que lhes desse um cronograma de atividades, um prazo para fazer as coisas”, diz Tânia de Mello.

“Não se trata de transformar a figura do orientador num terapeuta, mas me parece fundamental que ele tenha sensibilidade às características de cada aluno”, diz Benedicto.

CRISE ECONÔMICA

As incertezas quanto ao futuro profissional, que acompanham quase todo estudante de pós-graduação, tornam-se ainda mais agudas num momento de crise como o atual, segundo os especialistas ouvidos pela reportagem.

Neste ano, os recursos para a ciência, que já vinha em rota descendente, foram cortados em cerca de 40%, tornando-se os menores em mais de uma década.

Além disso, as universidades federais têm reduzido drasticamente as obras, atividades de pesquisas e concursos para novos docentes.

Do R$ 1,5 bilhão inicialmente previsto no orçamento para as federais investirem –valor um terço menor do que 2016–, apenas 60% foram liberados até o momento.

“Vejo os estudantes mais ansiosos diante dessa política de cortes. As agências de fomento têm restringido as bolsas e isso os afeta diretamente, inclusive o próprio envolvimento com o trabalho. Isso também os deixa com uma perspectiva pessimista em relação às possibilidades da carreira acadêmica”, diz Eduardo Benedicto, psicólogo da USP de Ribeirão Preto.

Tânia de Mello, psiquiatra da Unicamp, vai na mesma linha. “Percebemos no atendimento ao estudante como a conjuntura econômica os deixa ansiosos e angustiados”.

Trata-se de uma situação enfrentada pela pesquisadora Luciana Franci, 31, que hoje faz pós-doutorado –atuando como pesquisadora– na Universidade Federal do Paraná.

Franci, especialista na área de biologia vegetal, conta que, embora não tenha tido maiores problemas durante o doutorado, teve crises graves de depressão e ansiedade após o término do curso, em fevereiro de 2016.

“Bateu aquela incerteza sobre o que eu faria a seguir, já que os concursos nas universidades estavam parados e as bolsas de pós-doutorado não estavam sendo concedidas. Tive uma sensação de estagnação, de ter perdido tempo fazendo doutorado”.

Ela diz que, então, teve de voltar por um período para a casa dos pais e caiu em depressão profunda, sem conseguir sair de casa ou conversar com as pessoas por semanas.

Hoje, contudo, está melhor. “Estou fazendo um tratamento com psiquiatra há mais de um ano.”

A pesquisadora conta que a desolação quanto ao futuro é muito comum entre seus colegas. “Não temos perspectiva de que o cenário vá melhorar nos próximos anos. Vejo muita gente na pós-graduação se perguntando ‘para onde isso vai?’, ‘ o que vou fazer depois?'”.

Tânia de Mello aponta que existe muita oferta e estímulo para estudantes cursarem a pós-graduação, mas que não se está parando para pensar nas perspectivas da carreira acadêmica.

ESTATÍSTICAS

Apesar da importância do tema, há poucas pesquisas sobre a influência da pós-graduação sobre a saúde mental dos estudantes. Uma delas foi feita com alunos da UFRJ e publicada em 2009 no periódico “Psicologia em Revista”.

Após entrevistas com 140 estudantes de todos os centros da universidade carioca, os pesquisadores concluíram que 58,6% dos alunos apresentavam níveis médio e alto de estresse.

Um estudo publicado neste ano na Bélgica com quase 3.700 estudantes de doutorado mostrou que um terço deles estava sob alto risco de desenvolver uma patologia como a depressão. A taxa, segundo a pesquisa, é mais do que o dobro da apresentada por grupos de comparação fora da universidade.

Tânia de Mello diz que, embora seja difícil extrapolar tais resultados para os estudantes daqui, todos os fatores considerados no artigo como debilitadores da saúde mental do aluno de doutorado estão presentes na realidade brasileira.

Ela acrescenta ainda um dado a mais que compõe o quadro nacional: “a vulnerabilidade socioeconômica de alunos que não têm as bolsas aumentadas há anos”.

O governo federal paga, desde 2013, R$ 1.500 para estudantes de mestrado e R$ 2.200 para os de doutorado, por sua dedicação exclusiva à pesquisa.

1730035

“Os alunos que não competem têm melhor saúde mental”, diz educador

1
 Pioneiro da aprendizagem cooperativa David Johnson Víctor Sainz

Pioneiro da aprendizagem cooperativa David Johnson Víctor Sainz

Pioneiro da aprendizagem cooperativa David Johnson esclarece por que escolas deveriam adotar esse modelo

Ana Torres Menárguez, no El País

Nos anos sessenta David Johnson (Indiana, 1940) e seu irmão Roger começaram uma cruzada contra a aprendizagem competitiva e individualista que imperava nas escolas dos Estados Unidos. Seu objetivo era romper com a crença de que somente os mais aptos sobrevivem e demonstrar que a aprendizagem cooperativa era a chave para o aluno se enquadrar na sociedade, encontrar um emprego no futuro e saber superar a ansiedade. Fundaram o Centro de Aprendizagem Cooperativa da Universidade de Minnesota e desde então publicaram mais de 100 pesquisas e formaram mais de um milhão de professores de diferentes partes do mundo. Hoje têm unidades de formação na China, Japão, Noruega e Espanha, onde se ensina uma metodologia desenvolvida por eles e assentada em cinco pilares.

Considerados os pais da aprendizagem cooperativa, os irmãos Johnson foram os primeiros a compilar e avaliar mais de 550 estudos publicados sobre o tema desde 1898 para depois elaborar suas próprias pesquisas, trabalho pelo qual receberam mais de uma dezena de prêmios, entre os quais o Brock International Prize for Education, em 2007, concedido pela Universidade de Oklahoma.

David Johnson, professor de Psicologia Educacional na Universidade de Minnesota, respondeu às perguntas do EL PAÍS no I Congresso de Inovação Educativa, realizado há duas semanas em Zaragoza, na Espanha, e organizado pelo Governo de Aragão, um fórum de dois dias ao qual compareceram 1.400 professores para intercambiar experiências sobre as últimas metodologias na sala de aula.

Pergunta. O que é a aprendizagem cooperativa e por que deveria ser adotada nas escolas?

Resposta. Muita gente tem uma ideia equivocada. Juntar pessoas numa mesma sala, sentá-las em círculo e dizer-lhes que são um grupo não quer dizer que vão cooperar de forma eficaz. É necessário que existam cinco elementos essenciais que são os que integram nossa metodologia. O mais importante é a interdependência positiva, que implica que todos os integrantes do grupo percebam que o sucesso individual não se dará se não triunfarem todos. Se um falhar, todos perdem. A chave é entender que os esforços individuais não serão em benefício próprio, mas do grupo. Esse método de trabalho consegue fazer com que as pessoas se preocupem com o sucesso das demais, um fator básico para a convivência. Se as escolas promovem a cultura de ser o número um, ao mesmo tempo estão incentivando esses mesmos alunos a desestimular e obstruir os esforços dos outros. Nas competições só ganham alguns poucos.

P. Seus estudos demonstraram que a competitividade entre alunos não melhora os resultados acadêmicos. Por que esse sistema continua instituído nas escolas?

R. Em meados dos anos sessenta, quando Roger e eu começamos a nos interessar pelo tema, a competitividade e o individualismo dominavam os sistemas de ensino no primário, secundário e na universidade. Era o chamado darwinismo social, que consiste em aplicar a teoria da evolução de Darwin ao campo educacional: os estudantes têm de aprender a sobreviver em um mundo no qual uns comem os outros e somente os mais aptos sobrevivem. Nesse momento, a aprendizagem cooperativa era relativamente desconhecida e ignorada pelos educadores. Felizmente, hoje é uma das metodologias escolhidas em todos os níveis educacionais. É muito raro encontrar um professor que não conheça esse tipo de aprendizagem.

P. Qual o principal problema nas salas de aula?

R. A interação entre estudantes é completamente ignorada. Os programas de formação de professores dedicam a maior parte do tempo a ensinar os professores a lidar com os alunos e mostram a eles como devem reagir aos materiais de aula. No entanto, a interação entre os alunos é essencial e diz muito sobre como aprendem ou sobre quanta autoestima serão capazes de adquirir. Não faz sentido que os alunos compitam uns com os outros para ver quem tira dez e fica acima dos outros. Esse modelo está ultrapassado e até as empresas de tecnologia como a IBM contratam aqueles que sabem trabalhar em grupo. No início dos anos 2000, uma pesquisa de uma empresa de consultoria observou que a principal razão pela qual os norte-americanos abandonam seus empregos é a falta de habilidades sociais de seus chefes. O individualismo não funciona mais.

P. Por que vocês são considerados os pais da aprendizagem cooperativa? Qual a contribuição de vocês que as pesquisas anteriores não fizeram?

R. Podemos ser considerados pioneiros da aprendizagem cooperativa da era moderna, mas antes de nós houve dezenas de autores. O filósofo romano Sêneca defendia esse tipo de aprendizagem com afirmações como Qui docet discet, que significa que aquele que ensina aprende duas vezes. No movimento pela escola pública nos Estados Unidos do início do século XIX também houve uma forte defesa dessa corrente. Não é algo novo. O fato de enfrentar pontos de vista opostos gera incerteza e leva a pessoa a buscar mais informações para chegar a uma conclusão mais refinada e fundamentada. Além disso, nossos estudos demonstram que o aluno deve reestruturar a informação para retê-la na memória e uma maneira de fazer isso é explicar algo em voz alta a um terceiro.

P. De seus estudos se depreende que a aprendizagem cooperativa exige mais esforço e apesar disso é mais atraente para os estudantes.

R. Os benefícios podem ser divididos em três grandes grupos: um maior esforço para conseguir o que se deseja, uma melhoria nas relações interpessoais e também na saúde psicológica. O cooperativo é mais complexo do que o individualista porque o aluno deve se conectar ao mesmo tempo com a tarefa a ser feita e com o grupo. Os membros da equipe têm de aprender a liderar, a escolher um ponto de vista, a se comunicar e gerenciar os conflitos. Nossas pesquisas mostram que eles trabalham mais duro quando o fazem isso em grupo do que sozinhos. Aumenta a retenção de informação, eles têm maior capacidade de desenvolver argumentos, maior motivação para continuar aprendendo depois da aula e melhores estratégias para a resolução de problemas.

P. Parece que os estudantes que cooperam sabem lidar melhor com seu caráter e têm mais resistência à ansiedade. Por quê?

R. Cada vez que dois alunos trabalham juntos, o relacionamento muda: eles se entendem melhor e se apoiam mutuamente tanto no aspecto acadêmico quanto no pessoal. Quando não competem, sua saúde mental melhora; ganham autoestima e sua capacidade de lidar com o estresse melhora. O grau de vínculo emocional entre os estudantes tem um profundo efeito sobre seu comportamento em sala de aula. Quanto mais positiva for essa relação, menores serão as taxas de absenteísmo e evasão escolar. O sentimento de responsabilidade sobre o grupo incentiva o desejo de realizar projetos de maior dificuldade e melhora a motivação e a persistência para atingir um objetivo comum. O grupo se sente unido contra ataques externos ou críticas e aumenta o compromisso com o crescimento pessoal e acadêmico do resto dos membros da equipe. As crianças que necessitam de tratamento psicológico costumam ter menos amigos e suas amizades são menos estáveis no longo prazo. A essência da saúde psicológica é a capacidade de construir, manter e modificar as relações com os outros para alcançar determinados objetivos. Aqueles que não são capazes de lidar com isso geralmente apresentam níveis mais elevados de ansiedade, depressão, frustração e sentimentos de solidão. São menos produtivos e menos eficazes no combate à adversidade.

7 habilidades que os estudantes precisam ter para o futuro

0
Fonte: Shutterstock

Fonte: Shutterstock

 

Saiba o que melhorar para ter um bom futuro pessoal e profissional

Publicado no Universia Brasil

O sistema educacional tradicional foca o estudo na escrita, leitura e aritmética, porém a sociedade precisa de profissionais que tenham outras habilidades. Os professores precisam refletir sobre estratégias para formar alunos bem preparados para lidar com o mercado de trabalho e com a vida de um modo geral.

Além disso, devem incorporar às atividades propostas algumas das habilidades buscadas no século 21 e encontrar ferramentas para aprimorá-las. Os professores precisam entender a real importância desse processo e dar o melhor para conseguirem atingir os objetivos.

Confira 7 características essenciais para ser bem sucedido hoje em dia:

1 – Liderança
Os docentes devem priorizar o ensino de como exercer a liderança, deixando as definições corriqueiras em segundo plano. Os alunos aprendem mais facilmente quando entendem por exemplos práticos como devem agir para serem bons líderes. Antigamente, a liderança tratava-se da denominação de uma pessoa responsável por mandar em outras. Entretanto, hoje a ideia central é que haja colaboração entre a equipe, trabalhando para atingir um objetivo comum e a atuação de um líder em qualquer projeto que se envolver.

2 – Alfabetização digital
Com o avanço das tecnologias, todos os estudantes precisam ter domínio do uso da internet, a fim de localizar, revisar, utilizar e criar diferentes tipos de informações. Embora alguns professores tenham dificuldade de lidar com o universo digital, essa etapa do ensino o ajuda também a aprender mais, com a ajuda dos próprios alunos. As estratégias de implementação das tecnologias na rotina dos alunos devem ser criativas, além de buscarem mantê-los focados na aprendizagem. Algumas delas podem ser o uso do Skype, mensagens, Twitter ou jogos com finalidades didáticas.

3 – Comunicação
Em muitos casos, a comunicação enfrenta barreiras de entendimento mútuo e os alunos precisam conhecer técnicas para superar esses problemas. Embora os professores consigam dar dicas de como lidar com falhas comunicacionais, as de solução mais complexas envolvem as questões culturais. Nesses casos, é ideal que você escute atentamente para tentar contornar a situação. Os professores podem investir também em debates, para que os alunos exerçam as capacidades de expor os pontos de vista e de escutar o dos outros. Essas técnicas serão um diferencial na formação do estudante, que serão capazes de levar para o resto da vida.

4 – Inteligência emocional
Esse tipo de habilidade é definido como uma competência que envolve a habilidade de monitorar as emoções pessoais e dos outros e usá-las para guiar suas ações e pensamentos. Em conjunto com a comunicação, a inteligência emocional é essencial na construção e manutenção de relacionamentos, tanto no ambiente escolar como de trabalho.

5 – Empreendedorismo
Algumas das habilidades essenciais para o empreendedorismo podem são também para a vida, entre elas a criatividade, a inovação e a paixão. O espírito empreendedor revela uma visão única para o local onde vivem e o sacrifício de tornar os objetivos em realidades. Essa postura é essencial para os profissionais de hoje.

6 – Civilidade global
Para que a convivência em sociedade seja satisfatória, todos os cidadãos precisam trabalhar em conjunto para garantir a continuação da existência da vida no planeta. Por isso, os alunos precisam ser educados desde novos para que entendam a dimensão do universo a sua volta e deem mais valor a ele.

7- Resolução de problemas e trabalho em equipe
Dentre todos, esse tópico é o mais presente na rotina escolar dos alunos. A parte mais importante desse método é criar projetos nos quais as soluções requeiram o uso intenso das habilidades de solução de problemas e na maneira como o aluno trabalha em equipe.

Go to Top