Uma Sombra na Escuridão

Posts tagged ler

Vinhoteca propõe harmonizar vinhos e livros

0

naom_583d5ae567bad

Quem não gosta de ler um bom livro enquanto bebe uma taça de vinho?

Publicado no Notícias ao minuto

Quem gosta de vinhos certamente já parou para degustar uma bela taça da bebida e ler um bom livro. O fetiche com a prática é tão comum entre os amantes da bebida de Baco que um espaço foi criado especialmente para aproveitar os dois. A ideia do editor Marco Pace foi exatamente essa ao criar a Vinhoteca, dando dicas de “harmonização” de vinhos e livros.

O local existe há nove meses no bairro City América, na zona oeste de São Paulo, e o site existe há um ano. “Eu uni minhas duas paixões”, declara Pace em entrevista ao UOL. Ele trabalhou como editor de livros por 30 anos em empresas como Siciliano e Alta Books e criou sua própria editora, a Ornitorrinco.

O site disponibiliza 700 rótulos e 200 títulos; já na loja são 300 rótulos e 100 títulos, tanto nacionais quanto internacionais. “Se é uma leitura mais densa, como um grande romance, ou mais clássico e sério, nossa indicação é um vinho mais encorpado, mais robusto”, revela o editor.

Entre as bebidas mais vendidas estão as provenientes da França, Chile e Argentina, bem como vinículas n acionais. O vinho Rosé Piscine, da França, é o mais procurado. “Bons livros para ler bebendo este vinho são títulos como ‘Os Espiões’, de Luiz Fernando Veríssimo; e ‘Contos Gauchescos’, de Simão Lopes”, afirma ele, que pretende abrir uma segunda loka em São Paulo em 2018.

Ler em ambientes com pouca luz prejudica a visão?

0
(Divulgação/Divulgação)

(Divulgação/Divulgação)

Segundo especialistas, a antiga crença de que ler em locais com pouca iluminação danifica a visão não procede: apenas dificulta a leitura.

Catherine Barros, na Veja São Paulo

“A falta de luz atrapalha para ler principalmente após os 40 anos devido à presbiopia, condição que atinge as pessoas mais velhas”, explica Lisia Aoki, oftalmologista do Hospital das Clínicas. Causado por um erro de refração, ou seja, quando há um desvio na captação da luz pelos olhos, a presbiopia provoca dificuldades para enxergar de perto. É a popular “vista cansada”.

“Em pessoas mais jovens, a falta de luz pode provocar apenas cansaço visual e dor de cabeça temporários”, completa a médica.

O que pouca gente sabe é que ler livros nos aparelhos eletrônicos, seja celular, tablet ou leitores de livros digitais, como Kindle, pode ser bastante positivo para o conforto da visão. Como eles têm iluminação própria, substituem o abajur, por exemplo.

“Do ponto de vista oftalmológico, não há diferenças em ler em um aparelho eletrônico com luz própria ou um livro de papel com iluminação adequada”, complementa Lisia.

Uma extraordinária biblioteca no metrô para ler durante o trajeto

0

biblioteca-metro-1

Publicado no Green Me

O tempo no metrô não passa nunca? Eis que em que Nova York surgiu uma biblioteca com centenas de livros on-line a bordo.

É uma pena que livros, e principalmente romances, hoje em dia sejam tão raros de serem lidos. Todo mundo tem um chat no WhatsApp, no FB, e por aí vai, para ser lido e atualizado.

E não faltam ideias de bibliotecas das mais incomuns possíveis, afinal, qualquer hora é boa para se pensar fora da caixa.

Não obstante, seguimos como zumbis atrás da telinha do celular. Uma pena! Mas miremos o exemplo da Big Apple.

Em Nova York, os passageiros do metrô terão acesso a centenas de livros, enquanto seguem o percurso para o local de trabalho ou para voltarem para casa.

A idéia do Subway Library é resultado de um trabalho conjunto entre as bibliotecas públicas de Nova York, ou seja, da Biblioteca Pública do Brooklyn, da Biblioteca do Queens, do MTA e do Trânsit wireless.

A missão é tornar a informação de qualidade e as obras da literatura, acessíveis a todos.

Cada passageiro tem acesso ao conteúdo da biblioteca conectando-se ao Transit Wireless, onde pode escolher entre a vasta seleção de livros doados para biblioteca pública de Nova Iorque pelos editores.

O ambiente subterrâneo foi redesenhado para transformar a biblioteca do metro em uma verdadeira biblioteca. E seu lado externo, pintado de azul, laranja e púrpura é facilmente reconhecível e atraente:

A Subway Library está em funcionamento nas linhas E e F de Brooklyn, Manhattan e Queens.

A Subway Library está em funcionamento nas linhas E e F de Brooklyn, Manhattan e Queens.

Saiba como transformar o hábito de leitura das crianças em uma atividade divertida

0

CR-dentro-casa-escolha-livros-crianca-D-732x412

Publicado no Cenário MT

Apesar de ser consenso que o hábito de ler é fundamental para o desenvolvimento das crianças, é notória a dificuldade que os pais e educadores têm de incutir essa atividade no dia a dia. O desinteresse pode estar ligado a inúmeros fatores, como o fato de a criança enxergar os livros como uma atividade pedagógica enfadonha e chata, que ela tem que fazer por obrigação.

Para reverter esse problema, é importante mostrar para elas que a atividade de leitura pode ser muito prazerosa e divertida. O hábito é essencial para o desenvolvimento infantil, a retenção de vocabulário, o estímulo ao pensamento analítico e criativo, além de trazer outros benefícios.


Participação dos pais é fundamental

Os pais possuem um importante papel nessa tarefa. De acordo com a quarta edição da pesquisa “Retratos da Leitura no Brasil”, realizada pelo Instituto Pró-Livro, há uma grande associação entre os leitores (classificados pela pesquisa como aqueles que leram um livro inteiro ou em parte nos últimos três meses) com o hábito de leitura dos pais.

Segundo a pesquisa, a percepção de que o pai ou a mãe costumavam ler é maior no grupo de leitores do que no grupo de não leitores. Portanto, a dica é que os pais sejam os exemplos, mostrando que eles leem com frequência.

Leitura pode ser atividade familiar

O estímulo passa, também, a transformar esse momento em uma atividade familiar. O objetivo, nesse caso, é incentivar as crianças a procurarem livros sobre assuntos pelos quais elas se interessam. Nada de obrigar seu filho a ler sobre temas com os quais ele não se identifica. Isso só vai reforçar o estereótipo de que livros são chatos e desinteressantes.

Nesse momento, converse com a criança sobre a história que ela está lendo, pergunte sobre o que mais gostou, faça questionamentos sobre a narrativa e estimule-a a raciocinar acerca do enredo. Para tornar a atividade ainda mais divertida, você também pode ler histórias fazendo uso de entonações diferentes e dramatizações.

É importante que você também mostre a obra que escolheu para ler. Não para a criança ler, e sim para ela saber que existem diversos tipos de literatura e assuntos que podem ser abordados em uma obra. O espaço deve estimular a criatividade, a liberdade e a descoberta.

Apresente o mundo dos livros

A teoria é importante, mas a prática e as atitudes são mais ainda. Presenteie os pequenos com livros de vez em quando, leve-os para bibliotecas e lugares que estimulam essa prática. Há diversos projetos que incentivam a literatura infantil, como é o caso de clubes de livros como o leiturinha.com.br, que manda por correspondência obras que passaram antes por uma curadoria de pedagogos e psicólogos.

AGATHA CHRISTIE | A rainha do mistério… será que é mesmo?

0

Agatha-Christie

Jorge Obelix, no NerdTrip

Comecei a ler os livros policiais de Agatha Christie muito novo, com cerca de 9 ou 10 anos de idade. Uma professora ordenou à classe a leitura de “O caso dos dez negrinhos” e gostei tanto que não parei mais de ler os livros da autora. Comprei quase que toda a coleção lançada pela editora Nova Fronteira na época, e li tudo.

Agatha Christie nasceu em 1890, e escreveu mais de 80 livros ao longo do século XX. O “Guiness Book” a lista como a romancista mais bem sucedida da história da literatura popular mundial tendo vendido 4 bilhões, sim, bilhões de cópias até hoje, em mais de 100 idiomas. Inclusive, o tal do “O caso dos dez negrinhos” que me fez conhecê-la, teve sozinho mais de 100 milhões de cópias vendidas.

Britânica nascida no condado de Devon, Christie foi tão importante para a literatura inglesa, que acabou por ser condecorada em 1971 pela rainha Elizabeth II com o título de “Dame” do Império Britânico, o que equivale à versão feminina do “Sir”. Morreria 5 anos depois aos 85 anos de idade.

Diante de tais números e fatos, meu amigo leitor pode estar questionando o porque do título onde questiono sua posição de “rainha do mistério”. Eu explico.

Aos 11 ou 12 de idade, eu quebrava a cabeça para decifrar as pistas e tentar adivinhar os culpados, mas o caso é que nunca chegava nem perto. Gostava muito do detetive belga Hercule Poirot e nem tanto de Miss Marple. Mas os enredos dos livros sempre apresentavam reviravoltas incríveis, e aqueles de quem eu suspeitava nunca eram os culpados, sempre aqueles de quem eu menos desconfiava. Era frustrante e divertido ao mesmo tempo. Mas eu nunca desistia de ficar tentando solucionar o enigma sem sucesso.

Recentemente, agora com mais de 40 anos de idade, vislumbrei minha coleção ainda na estante e senti vontade de voltar a ela. E comecei a reler os livros…

O fato é que agora, com alguns livros já finalizados, percebi que estou acertando!!! Sim, estou decifrando as pistas deixadas pela autora e estou invariavelmente acertando os culpados!!! Estou me sentindo o máximo!!! Mas aí me veio à questão na cabeça. Eu fiquei mais inteligente e esperto? Ou a autora realmente nunca foi tão boa em construir seus mistérios quanto eu imaginava? Ou será um pouco dos dois?

Obviamente que para meu ego, a resposta “sim” para a primeira questão seria a melhor. E, diante dos números e da aclamação mundial da autora que até hoje é tida como a maior das maiores dentro do gênero, a resposta para o segundo questionamento só pode ser um sonoro “não”. E sendo essa a resposta, por lógica de exclusão a resposta para o terceiro questionamento também deve ser “não”

O leitor dessa matéria deve agora estar pensando que o autor da mesma (ou seja eu) é um convencido, cara de pau que só a escreveu para se auto promover como um cara de inteligência acima do normal, correto? Seria, se não houvesse uma explicação mais lógica.

Não amigo leitor, eu não sou um gênio que consegue desvendar todos os mistérios propostos por Agatha Christie. A verdade, é que por ter lido todos esses livros há mais ou menos 30 anos, guardei em meu subconsciente a solução de todos aqueles crimes imaginados pela verdadeira suprema inteligência nesse caso, ou seja, a própria escritora e rainha do mistério, Agatha Christie. Posso não lembrar os enredos ou nomes de personagens das tramas. E quando volto a ler, aparentemente tudo aquilo é uma novidade. Mas não é. Foram livros tão marcantes em minha vida, que com certeza os nomes dos culpados estão guardados em algum lugar obscuro de meu cérebro, que é iluminado quando retorno a eles.

Tenho 99% de certeza de que essa teoria do subconsciente se aplica aqui. Portanto, Agatha Christie é sim a “Rainha do Mistério” e eu recomendo seus livros para qualquer um que aprecie o gênero. E também para aqueles que não apreciam, pois passarão a apreciar após lê-la.

Obs: Preciso pegar um livro de Agatha Christie que eu nunca tenha lido para saber se ainda assim consigo desvendar o culpado. Acho difícil, porém se eu conseguir…

Go to Top