PRAÇAS DA CIDADE

Posts tagged crianças

Livro infantil de H.G. Wells, autor de clássicos de ficção científica, ganha versão traduzida por Peninha

0
Ilustração do livro "As Aventuras de Tommy" Foto: Editora Piu / Divulgação

Ilustração do livro “As Aventuras de Tommy” Foto: Editora Piu / Divulgação

“As Aventuras de Tommy”, única obra para crianças do renomado escritor britânico, é um lançamento da editora gaúcha Piu

Nathalia Carapeços, no Zero Hora

Em 1898, o escritor britânico H.G. Wells (1866–1946) foi obrigado a parar sua intensa produção literária por conta de um forte resfriado. Decidiu percorrer um longo trajeto de bicicleta entre duas cidades inglesas e foi surpreendido por um temporal. De cama na casa de um médico amigo, o autor repousou por alguns dias, mas não acusou melhora – na verdade, também descobriu que estava com problemas renais. Seis semanas desfalecido era tempo demais para um dos nomes pioneiros – e dos mais ativos – na ficção científica, criador de histórias como A Máquina do Tempo (1895), A Ilha do Dr. Moreau (1896) e A Guerra dos Mundos (1898). Bastaram alguns poucos lápis de cor furtados do quarto das crianças da casa para Wells mergulhar na história As Aventuras de Tommy, livro escrito e ilustrado pelo britânico que ganhou seu primeiro lançamento no Brasil pela editora gaúcha Piu, com tradução do jornalista Eduardo Bueno, o Peninha.

Wells endereçou a obra para Marjory, filha do doutor Henry Hick, seu médico – não havia expectativa de publicação. O volume só chegou às bancas em 1929, quando a jovem pediu autorização para lançar o livro e, com os recursos, pagar o final da faculdade de medicina. Única incursão de Wells pelo universo infantil, a obra mantém a marca imaginativa do autor com vasta produção para adultos (leia mais abaixo), opina Peninha:

– Era um presente para uma criança, assim como Alice no País das Maravilhas foi. Justamente por se sentir tão livre, tão franco e tão descompromissado, acredito que ele tenha acabado por revelar muito dos princípios que nortearam sua obra: um surdo conflito de classes, a decência e a ética em contraposição à arrogância e à prepotência e, é claro, o fator surpresa, o inesperado.

As Aventuras de Tommy parte do encontro de um homem rico, orgulhoso e desastrado com um menino que se torna seu salvador. O milionário iria morrer afogado, mas o garoto consegue ajudá-lo, resgatando-o com seu barco. E até na forma de agradecer o homem extravasa soberba: quer presentear o garoto com algo único e surpreendente – apesar da recusa insistente do guri. A recompensa escolhida é um elefante. Depois, os leitores são forçados a conviver com uma lacuna em parte triste e, por outro lado, convidativa. Ninguém sabe como se deu a parceria de Tommy e Augustus (o nome do exótico animal de estimação). Wells nunca continuou a história, apesar de levantar esta possibilidade no fim do livro.

– Não creio que o fato de ter virado uma história que não termina tenha sido algo voluntário. Acho que Wells deve ter achado que de fato continuaria. Mas, para quem compra o livro e o lê para uma criança, Tommy ser uma história sem fim se torna um prato cheio para que o adulto convide o pequeno leitor, ou o pequeno ouvinte, para que ele se torne coautor – avalia Peninha.

Esse é o segundo volume da Editora Piu, comandada por Paula Taitelbaum. O primeiro título lançado foi Bichológico, no ano passado, assinado pela própria Paula. Focada na literatura infantojuvenil, a editora terá mais duas novidades ainda neste mês: O Pequeno Patachu e Mais Histórias do Pequeno Patachu, do francês Tristan Derème, cuja obra teria inspirado Saint-Exupéry a escrever O Pequeno Príncipe.

H.G. WELLS PARA ADULTOS

A MÁQUINA DO TEMPO (1895)

 

Foto: reprodução / Divulgação

Foto: reprodução / Divulgação

Se hoje o DeLorean da trilogia De Volta para o Futuro ou a Tardis do seriado Doctor Who são chamadas de ¿máquinas do tempo¿, é porque Wells tornou o termo popular com este misto de aventura e alegoria crítica à revolução industrial. Um cientista inglês viaja para o futuro e encontra a humanidade dividida em dois estratos, os pacíficos Elois, que vivem em um éden tecnológico na superfície, e os abrutalhados Morlocks, responsáveis por operar no subterrâneo as máquinas que tornam tal paraíso possível. A relação entre as espécies, contudo, se prova mais complexa do que aparenta. No cinema, ganhou diferentes adaptações, como a de 1960, com Rod Taylor (foto acima), e a de 2002, assinada por Simon Wells, bisneto de H.G.Wells.

A ILHA DO Dr. MOREAU (1896)

Edward Pendrick, um viajante inglês, é abandonado pelo comandante de um navio em uma ilha remota no meio do Pacífico Sul, para a qual levou uma carga de animais vivos. Ele é resgatado pelos misteriosos moradores do lugar, o fisiologista Doutor Moreau e seu dúbio assistente Montgomery. Abrigado na ilha enquanto espera a improvável passagem de um novo navio, Pendrick toma ciência das inomináveis experiências de vivissecção que Moreau vem realizando para transformar animais em humanos. Embora a parte ¿científica¿ hoje possa soar fantasiosa, as discussões éticas e filosóficas levantadas pelo romance ainda são muito pertinentes. Entre as versões para o cinema estão a de 1932, com Charles Laughton, a de 1977, com Burt Lancaster, e a de 1996, estrelada por Marlon Brando.

A GUERRA DOS MUNDOS (1898)

Foto: Divulgação / Divulgação

Foto: Divulgação / Divulgação

Clássico da ficção científica que influenciaria boa parte das narrativas posteriores sobre ¿contatos alienígenas¿. Na Londres vitoriana, a chegada de marcianos a bordo de artefatos que caem do céu como meteoros prova que a humanidade não está sozinha no Universo. Crítico do colonialismo europeu de seu tempo, Wells intuía que esse tipo de contato, contudo, não seria de congraçamento e sim de conquista. Os marcianos logo estão empreendendo uma invasão em massa em veículos que se locomovem sobre três pernas e carbonizando tudo o que encontram em seu caminho. O livro inspirou vários filmes, como o clássico de 1953 dirigido por Byron Haskin e a releitura de 2005 assinada por Steven Spielberg e com Tom Cruise (foto acima) como protagonista.

Uma livraria na China inspirada nas florestas de bambu

0

arquitetura-xliving-biblioteca-china-16

Com uma arquitetura surpreendente, o lugar tem espaço para adultos e crianças
Nadia Simonelli, na Casa Vogue

Criado pelo estúdio X-Living, de Xangai, o projeto dessa suntuosa livraria foi pensado para refletir a atmosfera cultural de Chengdu, uma cidade no sudoeste da China, onde está localizada.

Quando os visitantes chegam ao quarto andar do edifício Yintai Center se deparam com um espaço vibrante, repleto de estantes de livros e pequenas mesas, inspiradas nas formas do bambu. Tudo para relembrar a cultura da região.

arquitetura-xliving-biblioteca-china-01_yAjsvKR

Ao atravessar essa verdadeira floresta de livros de diversos temas está um espaço dedicado à diversão das crianças, também inspirado em uma espécie de selva de cogumelos coloridos. As paredes são totalmente cobertas por prateleiras com livros e através das cores formam desenhos, como casas, moinhos de vento e pandas. As crianças podem ler debaixo dos cogumelos, que estão espalhados por toda a parte. O teto espelhado reflete todos esses elementos e cria uma sensação de amplitude.

arquitetura-xliving-biblioteca-china-02_SVIxWp5

Em outra área da livraria, as paredes são revestidas de tijolos vermelhos, com prateleiras pretas embutidas em nichos. O que impressiona é a altura do pé-direito, que possui cinco metros.

Assim, uma estrutura metálica forma uma escada que conduz a um mezanino, aproveitando todo o espaço e criando pequenos ambientes aconchegantes. Desse modo, os leitores podem circular pelas áreas mais altas e encontrar seu livro favorito onde quer que ele esteja.

arquitetura-xliving-biblioteca-china-06

Há também um incrível espaço para aulas, onde degraus com diferentes alturas e formatos servem como bancos para os alunos. No teto, um espelho reflete o relevo do piso, como se fosse a paisagem dos campos da região. Com uma vista incrível, que pode ser apreciada através da fachada de vidro, esse lugar é perfeito para os visitantes relaxarem durante uma das palestras que a livraria oferece.

arquitetura-xliving-biblioteca-china-07

arquitetura-xliving-biblioteca-china-10

arquitetura-xliving-biblioteca-china-12

arquitetura-xliving-biblioteca-china-13

arquitetura-xliving-biblioteca-china-16

arquitetura-xliving-biblioteca-china-05

FOTOS SHAO FENG

Como incentivar crianças a lerem mais e despertar o gosto pelos livros

0
Fonte: Shutterstock

Fonte: Shutterstock

Confira dicas para fazer com que as crianças leiam mais

Publicado no Universia Brasil

Muitas vezes, fazer uma criança ler se mostra uma tarefa quase impossível. Com a tecnologia presente cada vez mais cedo em nossas vidas, é comum que os pequenos ignorem os livros e queiram dedicar sua atenção aos eletrônicos. Confira algumas dicas de como incentivar as crianças a lerem mais e despertar nelas o gosto pela leitura:

Não adianta, se você quer que uma criança adquira determinado hábito, o primeiro passo é mostrar que esse é um hábito seu também. Sempre que possível, leia junto com os pequenos e mostre que ler faz parte do seu dia a dia. Quando for falar sobre livros, refira-se ao tema de modo divertido, de uma forma que desperte o interesse e a curiosidade da criança.

Faça com que os livros estejam sempre ao alcance das crianças. Busque deixá-los em locais da fácil acesso, que não sejam muito altos e estejam sempre à vista da criança. A intenção é que ela “encontre” algo para ler em seu caminho com facilidade e fique ao menos curiosa sobre o conteúdo. Para isso, é interessante investir também em obras com capas mais chamativas. Se possível, transforme algum espaço da casa em um cantinho da leitura.

Mais do que ler junto ler para a criança também é uma forma de interessá-la. Dramatize, coloque entonações diferentes para cada personagem, envolva-se. O objetivo é mostrar que a leitura é algo divertido e pode ser tão interessante quanto um filme ou um videogame.

Programe passeios que envolvam livros. Vale ir em uma livraria ou em uma biblioteca. A maioria delas possui áreas para crianças e algumas contam até mesmo com uma programação especial voltada aos pequenos. Se possível, visite um dia de contação de histórias. Além de ter uma apresentação mais lúdica, a presença de outras crianças também ajuda na hora de estimular o envolvimento com os livros.

Situações frequentes quando se tem um pequeno leitor em casa

0

8-Best-Bookstores-for-Kids-in-the-US-206c8cd20243481287453ce6432976e6

Fabio Mourão, no Dito pelo Maldito

Como a maioria das pessoas ligadas a literatura, eu fui um pequeno leitor. Aquele tipo de criança que vivia com a cara enfiada em um livro, enquanto os outros se divertiam em atividades externas. Para se ter uma ideia, até hoje a minha mãe não perde a oportunidade de contar a remota história do dia em que ela me perdeu na rodoviária lotada do Rio de Janeiro, quando sorrateiramente entrei em uma livraria quando ela estava distraída, e permaneci por lá horas a finco enquanto ela acionava as autoridades locais alegando que seu filho havia sido “sequestrado”.

E foi justamente revirando as minhas próprias memórias, que me ocorreu a ideia de compilar aqui algumas situações que você fatalmente enfrentará caso tenha uma criança ávida por leitura na sua casa.

Ele prefere ficar em casa lendo, do que brincar lá fora
Eu passei grande parte das minhas aulas de Educação Física fingindo alguma luxação para poder ler um livro sem distrações encostado em algum canto da quadra, e não necessariamente para fugir das atividades forçadas pelos professores. E também não é que eu fosse anti-social ou coisa do tipo, eu até que tinha bastante amigos, apenas preferia utilizar aquele tempo para fazer algo que realmente gostasse,… Como ler um livro.

O mesmo valia para o recreio, recessos, e nas aulas em que o professor ocasionalmente faltava (que não eram poucas), todo momento livre era uma oportunidade de mergulhar na leitura.

Ele provavelmente tentará ler enquanto anda
Ler e andar compõem os primeiros passos da vida de um pequeno leitor. Você pode reconhecer o hábito da leitura em uma criança conferindo as contusões em suas canelas, marcadas pelas topadas das tentativas frustradas de ler enquanto andam.

Alguns parentes alertavam a minha mãe sobre o que julgavam ser um ‘hábito perigoso’ para uma criança, e sua resposta sempre era: “O único perigo que ele corre é de ler um livro ruim.”

Ele pode sofrer danos em seu senso de direção
Quando tirei a minha habilitação, minha felicidade momentânea foi imediatamente abafada logo que percebi que não tinha a menor ideia de como chegar à lugar nenhum, já que sempre estava lendo um livro ou quadrinho toda vez que andava na carona de um carro e, por conta disso, nunca olhei pra frente e nem prestei atenção nos trajetos feitos.

Claro que isso foi numa época antes do GPS. Hoje confio minha vida no caminho indicado pela mulher do aplicativo.

As mochilas nunca duram até o fim do ano
Nenhuma dessas mochilas plásticas infantis foi preparada para levar o peso de uma dúzia de livros, e consequentemente eu sempre estava arrebentando o fundo, o fecho, ou as alças das minhas.

12

Às vezes ele pode se isolar das outras crianças
Quando se lê muito, você acaba aprendendo um monte de coisas que ainda podem ser uma incógnita para as outras crianças, o que deixa o pequeno leitor à um nível acima da maioria.

Enquanto a leitura era introduzida para a minha sala do quinto ano, eu já lia títulos aconselhados para o primeiro ano do ensino médio. E enquanto os outros alunos faziam exercícios de interpretação de texto, eu já tentava interpretar a minha própria compreensão humana. Esse desnível causava um isolamento natural, que gerava longas discussões nos conselhos de classe do colégio.

Ele pode não se importar em ficar sozinho
Possuindo o hábito da leitura, realmente não me incomodava em passar longos períodos sozinho. E mesmo em ambientes tumultuados, eu costumava procurava lugares escondidos para que eu pudesse ler em paz.

A solidão é uma posição natural para as crianças que gostam de ler, já que, com um livro em mãos, elas nunca estão verdadeiramente sozinhas. Sempre estarão acompanhadas pelas personagens das suas histórias favoritas.

Ele pode falar coisas surpreendentes
Uma leitura voraz contribui muito para o nosso vocabulário, o que deixa as línguas dessas crianças tão afiadas quanto as suas mentes. Numa hora você terá que se acostumar com as crianças dizendo e sabendo coisas que até então você considerava precoce demais para a idade delas.
Ainda me lembro de ver a cara de espanto dos adultos quando me viam citar a cronologia da Segunda Guerra Mundial, quando muitos nem sabiam distinguir os países aliados e os do eixo.

A rotina básica do dia pode vir a ser um desafio
Mesmo quando eu não estava fisicamente lendo, a minha cabeça sempre estava parcialmente imersa na minha leitura atual. E digamos que esse fator costuma prejudicar a nossa concentração para as coisas simples do dia-a-dia, sendo natural esquecermos coisas e tarefas com uma frequência fora do comum. A todo instante eu esperava voltar para o meu livro em vez de prestar atenção nas coisas ao meu redor.

Você vai encontrá-lo lendo em horários estranhos
Toda criança leitora conhece o truque de ler com a lanterna sob as cobertas. E é provável que ela tenha muitas outras artimanhas para ler um pouco além do horário que lhe foi estipulado pelos pais.

É necessário compreender que nessa idade a leitura é uma descoberta eterna, e a oportunidade de absorver todo esse saber com a mente curiosa de uma criança, é uma experiência com prazo de validade bem definido. Deixa o pequeno aproveitar enquanto pode.

Livros de gênero infantil ganham mais espaço no mercado brasileiro

0
Os livros infantis têm papel fundamental na formação das crianças e ajudam inclusive no processo de alfabetização - ELZA FIÚZA/AGÊNCIA BRASIL

Os livros infantis têm papel fundamental na formação das crianças e ajudam inclusive no processo de alfabetização – ELZA FIÚZA/AGÊNCIA BRASIL

 

Publicado no Jornal Cruzeiro do Sul

Dados do Sindicato Nacional dos Editores de Livros (Snel) mostram que o crescimento de vendas do gênero infantil em 2016, em relação a 2015, foi de 28%. Nesse mesmo período, o mercado geral de livros caiu 9,7%. Os dados tratam dos livros vendidos no varejo, em livrarias, e foram levantados a pedido da Agência Brasil. Nesta terça-feira (18) é comemorado o Dia Nacional do Livro Infantil, data escolhida em homenagem ao escritor brasileiro Monteiro Lobato, que nasceu neste dia, em 1882.

A empresária Flávia Oliveira, 31 anos, é uma das compradoras. Ela apresentou os livros à filha, Bruna, de 3 anos, desde cedo, antes mesmo de completar 1 ano. Eram livros de páginas mais duras e com imagens que faziam parte do cotidiano. “Como ela ia muito ao zoológico, comprávamos livros com ilustrações de animais, nos quais ela identificava coisas que faziam parte do universo dela”.

Segundo Flávia, após ouvir várias vezes a mesma história, Bruna se senta com as bonecas em círculo e conta para elas o que ouviu e o que criou a partir do livro. “Eu acho que se a gente quiser que ela tenha esse interesse por livros quando for maior, tem que criar hábito desde criança, para que seja algo prazeroso. Eu não tive isso. Quando entrei na escola, achava os livros muito maçantes. Eu queria que a leitura trouxesse algo prazeroso para ela”, diz.

Embora as vendas tenham aumentado, as obras infantis ainda representam fatia pequena do mercado nacional de livros, 2,8% em 2016 – um aumento em relação aos 2% registrados em 2015.

“É muito importante saber que esses livros tiveram um crescimento, pequeno, mas significativo”, diz a secretária-geral da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil, Elizabeth D’Angelo Serra. Para ela, os dados, que mostram os livros comprados em livraria, não refletem no entanto todo o acesso das crianças, que ocorre pela escola. As compras das escolas públicas, como não ocorrem no varejo, não entram no cálculo.

“Se pensarmos na maioria das crianças do país, sem dúvida o acesso a livros infantis se dá na escola. Muitas nunca tiveram isso nas próprias famílias, têm pais e mães analfabetos e semianalfabetos”.

Livros na escola

Nos lugares onde se tem acesso à literatura, os efeitos são positivos. Para Márcia Helena Gomes de Sousa Dias, professora do Centro de Educação Infantil (CEI) do Núcleo Bandeirante, região administrativa do Distrito Federal, os livros infantis têm papel fundamental na formação das crianças e ajudam inclusive no processo de alfabetização. A escola, além de ter momentos de leitura dos professores para os estudantes, incentiva as crianças e pegarem os livros, a inventarem histórias a partir das imagens. A intenção é que os livros estejam inseridos em todas as atividades, que se forem brincar, por exemplo, possam usá-los. E aprendam também a cuidar, a colocar no lugar depois de usar.

Os livros, de acordo com Márcia, servem para que as crianças se familiarizem com as letras: “As crianças têm primeiro o trabalho visual. Começam a perceber nos livros de história que algumas letras fazem parte do nome dela, dos pais ou de colegas. É uma pré-alfabetização. Fazem sempre essa conexão, de figuras com letras e depois de letras som, quando lemos para elas”.

Além de trabalhar a literatura na própria sala de aula, as escolas podem servir de incentivo para que a leitura chegue à casa dos estudantes.

Um estudo da Universidade de Nova York, em colaboração com o IDados e o Instituto Alfa e Beto, divulgado no ano passado, mostrou um aumento de 14% no vocabulário e de 27% na memória de trabalho de crianças cujos pais leem para elas pelo menos dois livros por semana.

O estudo revelou ainda que a leitura frequente para as crianças leva à maior estimulação fonológica, o que é importante para a alfabetização, à maior estimulação cognitiva e a um aumento de 25% de crianças sem problemas de comportamento.

O estudo foi feito com base na experiência de Boa Vista (Acre), com o programa Família que Acolhe, voltado para a primeira infância, que acompanha as crianças desde a gravidez até os 6 anos de idade.

A leitura é um dos carro-chefe do programa, segundo a gestora das Casas Mães no município – espécie de escolas de educação infantil de tempo integral – do Núcleo Senador Helio Campos, Maria de Lourdes Vieira dos Santos. Cada criança escolhe, na escola, dois livros para levar para casa e ficar com eles pelos próximos 15 dias. Nesse período, devem elas mesmas manuseá-los e pedir que pais ou responsáveis leiam para elas. “A leitura é importante porque, além de aproximar os pais da criança, que têm esse tempo proveitoso junto ao filho, ajuda a criança a desenvolver a oralidade, a mudar o repertório de palavras. Trabalha também o imaginário e a fantasia por meio das histórias que são contadas”, diz.

Faltam livros

Dados do último Censo Escolar, de 2016, mostram que 50,5% das escolas de educação básica têm biblioteca e/ou sala de leitura (esse percentual é de 53,7% para as que oferecem ensino fundamental e de 88,3% no ensino médio). O Brasil tem até 2020 para cumprir a meta de universalizar esses espaços, prevista na Lei 12.244. A legislação, sancionada em 24 de maio de 2010, obriga todos os gestores a providenciar um acervo de, no mínimo, um livro para cada aluno matriculado, tanto na rede pública quanto privada.

A realidade do ensino fundamental e médio se estende ao ensino infantil público, segundo a vice-presidente da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), Manuelina Martins da Silva Arantes Cabral, dirigente municipal de Costa Rica (MS). Ela estima que metade das escolas tenha pelo menos o mínimo de um livro por estudante. “E um livro ainda é pouco, porque os livros, se utilizados, vão se gastando. Além disso, para as escolas envolverem as famílias, precisam que os estudantes levem livros para casa, o que vai demandar mais de um livro”.

Segundo ela, muitos municípios não têm condições de investir em livros e dependem de parcerias com o Ministério da Educação (MEC). Essa parceria se dá, principalmente, pelo Programa Nacional Biblioteca da Escola, que investiu, até 2014, R$ 50,5 milhões em mais de 12 milhões de livros para mais de 5 milhões de crianças da creche e pré-escola. Depois, o investimento passou a ser feito no âmbito do Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa (Pnaic), programa criado em 2013 para alfabetizar as crianças até os 8 anos de idade. “O Brasil é imenso, tem localidade que tem condição de fazer um investimento, mas ainda temos municípios que não têm condição, porque livro no Brasil ainda é caro. A gente precisa dessa parceria com o MEC”.

Atualmente, o Brasil tem 64,5 mil creches, sendo a maior parte pública, da rede municipal (58,8%), enquanto 41% são privadas e 105,3 mil unidades com pré-escola, sendo 72,8% municipais e 26,3%, privadas. São mais de 8 milhões de matrículas até os 5 anos de idade. (Agência Brasil)

Go to Top