Posts tagged Pernambuco

Idosa conclui curso de direito aos 94 anos

0

Publicado por Jornal do Commercio

Lindaura Arruda prova que não há limite de idade para realizar um sonho

Lindaura pretende fazer pós-graduação no próximo ano. Foto: Hélia Scheppa / JC Imagem

Lindaura pretende fazer pós-graduação no próximo ano.
Foto: Hélia Scheppa / JC Imagem

Aos 4 anos de idade, ela já estava alfabetizada. Aprendeu a ler e escrever em casa, com uma carta do ABC, estimulada pelo pai, farmacêutico apaixonado pela leitura. Com 57 anos, casada e mãe de seis filhos, formou-se em farmácia, na Universidade Federal de Pernambuco. Mas o sonho mesmo era ser advogada. Tanto que, agora, aos 94 anos, Lindaura Cavalcanti de Arruda concluiu a segunda graduação: o curso de direito, na Faculdade de Ciências Humanas de Pernambuco. Disposta, ela não pensa em parar de estudar. Planeja fazer pós-graduação no próximo ano. Segunda-feira passada ela recebeu homenagem da Academia Pernambucana de Letras Jurídicas.

“Eu me renovei nesses cinco anos que passei na faculdade de direito. Completou minha vida. Achei uma maravilha, adquiri mais conhecimento”, afirma Lindaura, enquanto mostra a monografia sobre os direitos dos empregados domésticos na legislação brasileira. O trabalho lhe rendeu três notas 10 da banca e uma menção de louvor. Para escrevê-lo, contou com a ajuda do neto advogado Mário César Cavalcanti e a orientação do professor Luiz Andrade de Oliveira.

“Foi uma honra termos uma aluna com 94 anos, em perfeita lucidez, frequentando pontualmente as aulas, fazendo assiduamente os trabalhos, provas e pesquisas, dando um exemplo flagrante de dedicação. Comprovou que, com determinação, podemos concretizar os sonhos que almejamos e nunca é tarde para novas realizações”, destaca Luiz Oliveira. “Aprendemos muito com Lindaura e vemos que, às vezes, desistimos por tão pouco”, complementa o professor da faculdade, mantida pela Sociedade Pernambucana de Cultura e Ensino (Sopece).

A ideia de fazer o curso de direito partiu da filha caçula, Verônica Arruda. Percebendo que a mãe estava em depressão, alguns anos após ter ficado viúva, a filha perguntou se ela gostaria de entrar na faculdade. Sem titubear, Lindaura respondeu de pronto que sim. Matriculada como portadora de diploma na Sopece, a futura bacharel em direito não perdeu um dia de aula.
Moradora de Água Fria, na Zona Norte do Recife, foi e voltou para a faculdade de ônibus. Na ida, estava sempre acompanhada de Rosilda Silva, 54, cuidadora que está com ela há duas décadas e que serviu de inspiração para a escolha do tema da monografia. Na volta, sozinha, Lindaura preferia pegar o ônibus com destino ao Centro do Recife para que, no caminho maior até sua residência, pudesse apreciar as ruas e avenidas da cidade.

“Não gosto de computador. Não sei nada dessas máquinas. Fiz todos os meus trabalhos escritos à mão. Mas pretendo entrar em um curso de informática só para ter mais conhecimento”, diz Lindaura. A letra caprichada e a organização dos trabalhos eram motivo de elogios dos docentes. Também dos colegas de turma. “Muitas vezes me pediam para copiar trechos do que eu escrevi”, relata. “Os estudantes de hoje em dia não querem nada com a vida. São pouco responsáveis”, observa.

Com a conclusão da graduação, já sente falta da rotina de ir para a faculdade. “Ganhei uma bolsa da Sopece para cursar pós-graduação. Enquanto eu andar, vou continuar estudando”, garante Lindaura, que vai comemorar a formatura em março próximo com a colação de grau e um churrasco, que terá a presença (e os aplausos) dos seis filhos, 11 netos e seis bisnetos.

Pantim, bizu, galego: dicionário traz origem de termos comuns em PE

0

Novo livro explica surgimento de palavras como ‘oxente’ e ‘bigu’.
Com 2.300 verbetes, obra de Paulo Camelo será lançada nesta quinta (7).

Dicionário explica algumas das expressões usadas em Pernambuco (Foto: Katherine Coutinho / G1)

Dicionário explica algumas das expressões usadas em Pernambuco (Foto: Katherine Coutinho / G1)

Katherine Coutinho, no G1

Ao conversar com um pernambucano, não se surpreenda se ele discordar de alguma atitude sua dizendo para você ‘deixar de pantim’. Para entender essa e outras expressões, facilitar a vida de quem chega ao Recife ou apenas conhecer mais sobre a cultura local, o médico e escritor Paulo Camelo resolveu fazer o ‘Dicionário do Falar Pernambucano’, que será lançado nesta quinta (7), às 17h, na Livraria e Café 17, em Casa Forte, no Recife.

A expressão ‘deixar de pantim’ significa deixar de besteira, que tal atitude é absurda e não tem fundamento. “É algo que importamos do francês. Enquanto no original significa uma pessoa toal, influenciável, em Pernambuco se tornou em um atitude idiota, uma frescura, como se diz”, explica Camelo, que se diverte com as expressões da terra.

Médico e escritor Paulo Camelo não gosta quando dizem que os pernambucannos falam errado (Foto: Katherine Coutinho / G1)

Médico e escritor Paulo Camelo não gosta quando dizem
que os pernambucannos falam errado
(Foto: Katherine Coutinho / G1)

A ideia do livro surgiu da percepção das diferenças regionais, especialmente das acusações de estar falando algo errado. “Sou escritor, poeta, sempre primei por falar e escrever bem a nossa língua. Quando vem alguém de fora, diz que falamos coisas que elas não entendem. Comecei então a pesquisar e percebi que tinham palavras ditas erradas ou caricatas, que diziam ser o pernambuquês. Mas nós não falamos erradamente”, defende o escritor, que tem 66 anos.

Entre as acusações de ‘erros’ estava o famoso oxente, tão popular no Nordeste. “Costuma-se dizer que é uma corruptela de ‘oh gente’, mas na verdade não falamos errado, falamos como antigamente. Importamos do galego [dialeto da região espanhola da Galícia], que se fala como ‘o xente’. Importamos no começo da colonização e ficou sem alteração”, contextualiza Camelo.

Buscando mostrar como os pernambucanos falam, na capital ou no interior, e que as expressões são não somente corretas como poderiam ser aceitas em qualquer dicionário, Camelo se dedicou a revirar seus livros de literatura pernambucana e a comprar dicionários de autores diversos para ajudar na composição da obra.

A lista final reúne aproximadamente 2.300 palavras e expressões utilizadas com frequência em Pernambuco, mas não necessariamente apenas no estado. “Eu procurei fazer realmente um dicionário, como mandam as regras, com explicações, e etimologia, quando possível”, aponta o escritor.

Livro traz 2.300 verbetes muito usados em Pernambuco (Foto: Katherine Coutinho / G1)

Livro traz 2.300 verbetes muito usados em Pernambuco
(Foto: Katherine Coutinho / G1)

Muitas das palavras que fazem parte da rotina pernambucana vieram de línguas estrangeiras. Além de “pantim”, que foi modificada, há ainda “alcatifa”, palavra árabe para carpete utilizada amplamente, até hoje. Outras expressões que foram dicionarizadas têm como origem onomatopéias. É o caso de “bizu”, muito utilizado por professores de cursinho pré-vestibular, que significa dica. “O bizu vem do barulho de uma pessoa cochichando para outra”, afirma Camelo.

Outro termo cuja origem é explicada no dicionário é “bigu”. Segundo a investigação do autor, é uma derivação de “be good” (‘seja bom’, em tradução livre), expressão utilizada pelos soldados norte-americanos que estavam no Recife durante a II Guerra Mundial, quando a cidade serviu como base para os EUA. Para pedir carona aos nativos, eles diziam “be good”, em uma tentativa de que os recifenses fossem simpáticos e atendessem ao pedido.

Ainda há aquelas palavras que ganham um novo significado na boca do povo, como “desmentir”. “Já ouvi muito as pessoas dizerem que ‘desmentiram o joelho’. Não tem nada a ver com revelar uma mentira, mas sim uma torção articular”, explica o médico, que buscou outra expressão na infância: “broti”. “Essa vem da colonização holandesa, broti é um tipo de pão. Minha avó me mandava buscar um broti na padaria. Era um pão redondo”, relembra.

O dicionário traz ainda a expressão “galego”, cujo sentido se transformou. No original, é a pessoa natural da Galícia, no Norte da Espanha, mas em Pernambuco são aqueles que têm pele clara e, usualmente, cabelo loiro ou aloirado. “Nosso português regional é rico em palavras importadas. Espero que esse dicionário seja útil para os nossos turistas visitantes”, aponta o escritor.

13 curiosidades sobre Ariano Suassuna

0
THALES STADLER/ABCDIGIPRESS/ESTADAO CONTEUDO

THALES STADLER/ABCDIGIPRESS/ESTADAO CONTEUDO

Nathália Bottino, no Brasil Post

Julho foi um mês triste para a literatura brasileira: perdemos João Ubaldo Ribeiro,Rubem Alves e agora Ariano Suassuna, autor de Auto da compadecida e pai da cultura popular nordestina. Confira 13 coisas que você precisa saber sobre ele:

1 – Suassuna estava trabalhando em uma obra inédita desde 1981

Considerada a obra de sua vida, a série A Ilumiara começou a ser escrita 33 anos atrás e mescla romance, poesia, teatro e gravuras do próprio Ariano. Depois de terminar o primeiro volume do romance epistolar (a obra teria sete), o escritor declarou ter feito um acordo com Deus: “Se ele achasse que o romance tinha alguma coisa de sacrilégio ou de desrespeitoso, que interrompesse pela morte”.

2 – Ele escrevia tudo à mão

Ariano tinha o costume de escrever todos os seus textos à mão. De acordo com ele, é meio desumano escrever pelo computador.

3 – Era próximo do Governo de Pernambuco

Até abril deste ano, Suassuna foi secretário da Assessoria Especial do então governador de Pernambuco.

4 – A morte do pai foi um trauma em sua vida

João Suassuna, pai de Ariano, foi assassinado no Rio de Janeiro, acusado de ser mandante do assassinato de João Pessoa, então presidente da Paraíba – cargo que ele próprio havia ocupado. Na véspera, ele deixou uma carta já prevendo o pior e alegando sua inocência. 🙁

5 – Suassuna chamava a morte de Caetana

Assim é como chamam a morte no sertão da Paraíba e de Pernambuco. “Como o povo sertanejo é machista, só criou a morte feminina. Aí eu, de minha parte, já inventei a contrapartida masculina. Eu acho que a morte aparece como mulher aos homens e como homem às mulheres”, disse Suassuna em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo.

6 – Ele era religioso

Suassuna era católico, devoto de muitos santos e revelou estar bastante entusiasmado com o Papa Francisco.

7 – Era amigo de um dos jornalista que cobriu a conclave

Gerson Camarotti acompanhou a cerimônia e contou tudo para Suassuna. Ele é autor de Segredos do conclave, cuja introdução foi escrita pelo amigo.

8 – Suas ideias surgiam quando estava na cama

O poema Sonho veio de um sonho que teve. “Às vezes, quando não estou acordado ainda, mas não estou mais dormindo, é o momento em que invento muita coisa, muito criativo”, revelou o escritor em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo.

9 – Conhecia Eduardo Campos desde que ele era menino

Suassuna foi amigo do pai e do avô dele. “Considero Eduardo Campos o político mais brilhante que já conheci. Ele é de uma capacidade de articulação que você não pode imaginar. Outra coisa: É paciente, é obstinado. Ele tem todas as qualidades de um político”, disse em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo.

10 – Era entusiasta do governo Lula

Ariano Suassuna declarou que tinha uma espécie de relacionamento fraterno com o ex-presidente.

11 – Ele nunca saiu do Brasil

Suassuna tinha horror a viagens e amava o país. Por esses motivos, o escritor nunca quis viajar para o exterior.

12 – Ele construiu um santuário ao ar livre

A construção foi feita em São José do Belmonte, no estado de Pernambuco, local onde ocorre a cavalgada inspirada em seu primeiro romance, Romance d’a pedra do reino. As três primeiras imagens do santuário são Jesus, Nossa Senhora e São José, que é o padroeiro do município.

13 – Ele criou o Movimento Armorial

Um ano após ser nomeado diretor do Departamento de Extensão Cultural da UFPE, ele iniciou o Movimento Armorial, com o objetivo de valorizar e tornar mais evidente os vários aspectos da cultura do Nordeste brasileiro, desenvolvendo todas as formas de expressão populares da região.

dica do Marcos Florentino

Livros de escola pública são jogados em caminhão de lixo em Jaboatão

0
Foto: Reprodução do vídeo

Foto: Reprodução do vídeo

Publicado no Blog de Jamildo

As reclamações sobre a educação pública são constantes e, em Pernambuco, o material didático pode estar indo para o lixo. Literalmente. A prova veio pelas redes sociais, com vídeo enviado pelo internauta Tinho Armero para o Portal NE10. O material mostra vários livros sendo retirados da escola estadual Arlindo de Oliveira, no Curado IV, em Jaboatão dos Guararapes, no Grande Recife, e sendo depositados em um caminhão coletor de resíduos.

No vídeo, é questionado a funcionários se isso acontece porque a biblioteca deixou de funcionar. Não há resposta, mas o que se sabe é que os 988 alunos matriculados este ano, segundo o Sistema de Informações da Educação de Pernambuco, ficarão sem o material. Nos comentários, uma aluna ainda denuncia que havia livros no chão da secretaria e afirma ter ficado com alguns, pois os que foram entregues não teriam sido suficientes para o número de alunos da sua turma. Outra diz que funcionários explicaram que os que foram jogados fora estavam velhos.

Biblioteca à beira mar reúne centenas de livros em praia do litoral Sul do RN

0

Proposta foi lançada há três anos pelo professor de surf Adalberon Omena.
Biblioteca fica na Praia do Amor, uma das mais conhecidas de Tibau do Sul.

Biblioteca montada na Praia do Amor recebeu doações e cresceu (Foto: Aldaberon de Omena/G1)

Biblioteca montada na Praia do Amor recebeu doações e cresceu (Foto: Aldaberon de Omena/G1)

Felipe Gibson, no G1

Na Praia do Amor, no litoral Sul do Rio Grande do Norte, chama atenção um atrativo que foge ao sol e mar admirados por turistas de todo o mundo. Localizada ao lado da famosa Praia da Pipa, no município de Tibau do Sul, o local possui uma biblioteca à beira mar. No acervo, centenas de livros em português, mas também em idiomas como inglês, francês e mandarim. A biblioteca funciona todos os dias das 9h às 17h.

A proposta foi lançada há três anos pelo surfista Adalberon Batista de Omena, 37 anos, que mantém uma escola de surf na praia. Natural de Olinda, em Pernambuco, Adalberon chegou a Pipa em 1995 para surfar. Veio e ficou. “Cheguei por causa do surf, mas vi todo o potencial da cidade para o turismo”, explica.

Pernambucano chegou a Tibau do Sul em 95 (Foto: Arquivo Pessoal/Adalberon Omena)

Pernambucano chegou a Tibau do Sul em 95
(Foto: Arquivo Pessoal/Adalberon Omena)

De acordo com o sufista, a biblioteca surgiu por acaso. “Começou com um banquinho e foi crescendo. Recebemos doações, ajuda de moradores, e também comprei alguns. A comunidade e o turismo fizeram crescer”, conta. Com o tempo o banquinho deu lugar às prateleiras que guardam centenas de livros atualmente.

Aberta ao público, a biblioteca pode ser usufruída pelos visitantes na praia, mas também existe a opção de levar o livro para outro local. “Quando as pessoas querem levar cobro um ‘calção’ de R$ 10. Quando o livro volta, o dinheiro está lá. Também faço trocas”, ressalta o criador da Biblioteca da Praia, que mensalmente promove eventos voltados para crianças.

Para Adalberon, as aulas de surf e a biblioteca vão além de atrativos turísticos. “Vi que com esporte e educação é dá para fazer algo, buscar uma mudança. Falo principalmente das crianças, que ainda estão aprendendo com a vida e têm uma consciência para formar”, encerra o pernambucano.

Go to Top