Canal Pavablog no Youtube

escritores

Winter is Coming: tempestade de neve em 1967 influenciou escrita de George R. R. Martin em Game of Thrones

0

George R.R. Martin (Foto: Matt Sayles/ Invision/AP)

O autor ainda comentou sobre os próximos lançamentos da série de livros As Crônicas de Gelo e Fogo

Publicado na Rolling Stone

Em entrevista ao site norte-americano NPR no último sábado, 19, George R.R. Martin revelou como experiência na universidade afetou a escrita dele no arco do “o inverno está chegando” nos livros de Game of Thrones.

O autor estudou na Universidade de Northwestern, em Illinois. Enquanto era calouro, Martin enfentou uma tempestade: “Acho que isso foi no início dos anos 1967, e teve uma incrível tempestade de neve, e a neve era tão espessa que eu me perdi no campus que andava todos os dias”.

Martin ainda diz que “saíamos do dormitório e estávamos em uma vala com paredes de neve e gelo acima das nossas cabeças”. Para o autor, aquele parecia um “mundo transformado”.

A experiência influenciou o autor. “Eu acho que isso entrou na minha memória de alguma forma e pode ter tido alguma influência quando comecei a escrever sobre o Muro em Westeros e os homens da Patrulha da Noite”.

Na entrevista, George R.R. Martin ainda comentou sobre os próximos lançamentos da série de livros As Crônicas de Gelo e Fogo. O sexto e sétimo volume da saga são intitulados de The Winds of Winter e A Dream of Spring, respectivamente.

“É muito importante para mim terminar As Crônicas de Gelo e Fogo. Eu quero terminar. Ainda tenho mais dois livros para fazer e quero terminar com força. Isso para as pessoas olharem e dizerem ‘você sabe, essa coisa toda é um trabalho importante, não um trabalho incompleto ou incompleto’. Eu sei que algumas das pessoas mais cínicas por aí não acreditam nisso, mas é verdade”, disse George R.R. Martin.

A inspiração real para Moby Dick

0

Reprodução

No aniversário de 168 anos da publicação do livro, conheça a história real da baleia assassina do século 19

Isabela Barreiros, na Aventuras na História

O escritor estadunidense Herman Melville publicou seu maior romance no ano de 1851. Moby Dick se tornou um dos maiores clássicos da literatura, contando a história do capitão Ahab que tem uma obsessão no mar: matar a baleia que arrancou fora sua perna, a famosa Moby Dick.

O que poucos sabem é que o autor teve uma inspiração da vida real para escrever o livro. Moby Dick foi influenciada pela história de Mocha Dick, uma baleia albina conhecida por destruir todos os barcos que passavam por seu caminho.

Ela provavelmente viveu durante o começo do século 19, nas águas da ilha de Mocha, perto da costa do Chile. O mais assustador do animal, além da destruição causada pela sua cauda, era sua aparência. Albina, Mocha Dick estava coberta por enormes cicatrizes em sua cabeça.

Crédito: Reprodução

O explorador Jeremiah N. Reynolds escreveu o artigo Mocha Dick or the white whale of the Pacific em 1839, descrevendo a baleia como “uma aberração da natureza, branca como a lã e com a cabeça coberta de cracas”. Ela também possuía uma maneira muito particular e agressiva de agir no mar.

“Ao invés de projetar sua cabeça obliquamente para frente e soprar com um esforço curto, acompanhado por um ruído de bufo, como de costume da sua espécie, ela arremessava a água da narina num volume alto e expandido, em intervalos regulares e um tanto distantes”, explicou o autor.

Estima-se que o animal tenha conseguido escapar de mais de cem armadilhas organizadas especificamente para assassiná-lo. Mas foi na década de 1830 que Mocha Dick foi morta por marinheiros.

A carcaça de aproximadamente 20 metros foi usada pelos baleeiros. Eles produziram mais de cem barris de óleo de baleia e de âmbar-cinzento – considerado uma das mais importantes substâncias para a elaboração de perfumes.

Margaret Atwood, de ‘O Conto da Aia’, ganha prêmio Booker Prize

0

A escritora canadense Margaret Atwood (//Getty Images)

Pela primeira vez em 27 anos, jurados decidiram quebrar as regras e eleger duas vencedoras

Publicado na Veja

Pela primeira vez em 27 anos, o prêmio literário The Booker Prize não teve uma vencedora, mas duas: a canadense Margaret Atwood, com Os Testamentos, e a britânica Bernardine Evaristo, com Girl, Woman, Other. As escritoras foram declaradas as vencedoras da honraria nesta segunda-feira, 14, e vão dividir igualmente o prêmio de 50.000 libras esterlinas.

“Fomos informados com firmeza de que as regras permitiam apenas um vencedor. Nosso consenso foi de que era nossa decisão quebrar as regras e dividir o prêmio deste ano”, disse Peter Florence, um dos jurados do prêmio, ao jornal The Guardian. “Quantos mais falávamos sobre os dois livros, mais os valorizávamos e queríamos as duas (autoras) como vencedoras.”

De acordo com o júri, ambos os livros são “romances completamente engajados”, “linguisticamente inventivos” e “aventureiros de todas as maneiras, dando insights sobre o mundo atual e criando personagens que soam como nós e vão soar por muito tempo”.

A obra Os Testamentos, de Margaret Atwood, é a esperada continuação do best-seller O Conto da Aia. O romance distópico avança 15 anos no tempo e narra três histórias de mulheres que estão embrenhadas com a República de Gilead. Duas narradoras são jovens adolescentes, uma cresceu na ditadura teocrática, e a outra no Canadá, para onde os refugiados do que antes era os Estados Unidos vão. A terceira narradora é ninguém menos que tia Lydia, personagem famosa no livro e na série inspirada na trama, The Handmaid’s Tale. O livro chega ao Brasil em novembro, pela editora Rocco.

Já Girl, Woman, Other, de Bernardine Evaristo, narra a vida de doze mulheres negras e britânicas, cujas histórias se cruzam ao levantar questões importantes sobre machismo, preconceito e raça.

6 livros para conhecer Olga Tokarczuk e Peter Handke, vencedores do Nobel

0

Olga Tokarczuk e Peter Handke, vencedores de 2018 e 2019, respectivamente (Foto: Reprodução Nobel Media)

Escritores receberam prêmios de 2018 e 2019, respectivamente

Giuliana Viggiano, na Galileu

Um escândalo envolvendo participantes do comitê do Prêmio Nobel atrasou a consagração da escritora polonesa Olga Tokarczuk, que deveria ter sido laureada em no ano passado. Mas, ao que parece, são águas passadas: ela e seu colega de profissão, Peter Handke, receberam as honrarias de 2018 e 2019, respectivamente.

A Academia ressaltou a imaginação narrativa de Tokarczuk, que “com paixão enciclopédica, representa o cruzamento de fronteiras como uma forma de vida”. Já Handke teve seu trabalho descrito como influente e engenhoso, pois explora “a periferia e a especificidade da experiência humana”.

Como sabemos que nossos leitores curtem literatura e amam ficar antenados nas novidades, a GALILEU separou três livros de cada um desses escritores para conhecer melhor o trabalho deles. Confira:

Olga Tokarczuk

1. Escrituras de Jacó, 2014
Ainda sem tradução para o português, esta obra de Tokarczuk lhe rendeu o maior Prêmio Nike, o mais importante da Polônia. No livro, o leitor é conduzido a buscar Jacob Frank, uma figura histórica controversa do século 18. A jornada passa por cenas dos impérios Habsburgo e Otomano e pela Comunidade Polaco-Lituana.

Ao longo da história, descobre-se que Frank é o líder de um grupo misterioso e herético de judeus — que, anteriormente, já seguira o Islã e o Catolicismo. O livro é narrado pelos seguidores do “messias”, destacando suas proezas e boas ações.

A obra, apesar de muito elogiada pela crítica, rendeu a Tokarczuk ameaças de morte por parte de grupos extremistas da Polônia. Isso porque, para os membros da direita, o romance histórico desafia a “pureza” das origens polonesas.

2. Sobre os ossos dos mortos, 2009
Um suspense eletrizante, este livro consagrou Tokarczuk e está na lista do The Guardian de melhores livros do século 21. A história se passa em uma remota vila polonesa, onde a protagonista, Janina, trabalha como tradutora e caseira de casas de verão.

A mulher é famosa na região por amar estudar astrologia — e por simpatizar muito mais com animais do que com seres humanos. Sua personalidade reclusa se torna um problema quando uma série de assassinatos macabros começam a ocorrer no vilarejo.

Janina decide investigar os acontecimentos, pois tem certeza de que sabe quem é o autor dos crimes. Nessa obra, o leitor é levado a uma jornada que mistura investigação policial com um intenso suspense psicológico.

3. Os vagantes, 2007
O livro que tornou Tokarczuk a primeira pessoa da Polônia a vencer o Man Booker Prize é um conjunto de contos. Em cada uma das histórias, o leitor conhece um viajante que, por motivos tão diversos quanto curiosos, se vê na necessidade de sair de sua casa para explorar o mundo.

Em uma das histórias, por exemplo, a autora conta a jornada de uma jovem que se vê obrigada a voltar à Polônia com um objetivo peculiar: envenenar seu ex-namorado, que está em estado terminal. Em outra parte do livro, conhecemos a vida de uma mulher que largou tudo para ir morar em Moscou e vagar pelas estações de metrô da cidade.

Falando sobre vida e morte, a escritora mistura relatos que conheceu em suas próprias viagens com uma dose de imaginação para criar um livro intenso e reflexivo, mas nem por isso menos divertido.

Peter Handke

1. Asas do desejo, em parceria com Wim Wenders, 1987

Handke se uniu ao seu amigo e parceiro de longa data, Wenders, para escrever o roteiro, que se tornou um dos clássicos do cinema franco-alemão. A narrativa é situada em Berlim, na época em que o Muro que dividia o país ainda existia.

Dois anjos têm a tarefa de observar os humanos, mas não conseguem sentir ou se emocionar como nós. Eles veem tudo o que acontece com os berlinenses, até mesmo ouvir seus pensamentos e confortá-los em momentos difíceis.

A história se complica quando um desses representantes divinos se apaixona por uma trapezista humana – para viver tal romance, precisará abrir mão sua condição de anjo e se tornar mortal.

2. Offending the audience (“Ofendendo a audiência”, em tradução livre), 1969
Neste texto dramático, Handke abusa da metalinguagem para deixar claro aos espectadores que, apesar de estarem em um teatro, aquilo que está sendo apresentado não é uma peça.

A história por si só não tem um grande clímax ou desfecho, a genialidade do autor se mostra na construção de um texto que fala sobre teatro dentro do próprio teatro, convidando o espectador a participar de sua evolução.

3. Die hornissen (“As vespas”, em tradução livre), 1966
Esta foi a primeira obra publicada por Handke, também um texto teatral. Nele, o narrador conta a história de seus dois irmãos, que brincavam nas margens de um rio quando se afogaram e morreram.

O terceiro irmão, que narra a história, fica cego naquele mesmo dia e inicia uma rotina na qual repassa as percepções e sensações daquela tarde, tentando compreender melhor o que ocorrera com eles. A narrativa é um belo mosaico de acontecimentos que conduz o leitor a caminhos cheios de reviravoltas.

‘Doutor Sono’: Stephen King explica porque decidiu escrever a sequência de ‘O Iluminado’

0

 

Allan Torres, no CinePop

Em entrevista para o Cinema Blend, Stephen King explicou porque decidiu expandir a história contada em ‘O Iluminado’ ao publicar ‘Doutor Sono’.

Para quem não conhece, o livro lançado em 2013 acompanha Danny Torrance, agora adulto, tentando se livrar dos traumas de infância causados pelo Hotel Overlook.

“Eu sempre questionei o que teria acontecido com Danny quando ele se torna adulto. Eu senti que tinha algo a contar para o público… Uma das coisas que eu queria ver era um homem no limite. Você não consegue se recuperar de um trauma até chegar ao limite, e eu queria ver isso acontecendo com Danny.”, disse o autor.

Lembrando que ‘Doutor Sono‘ será adaptado para o cinema e estreia em 07 de novembro.

Dirigido por Mike Flanagan, o longa é estrelado por Ewan McGregor, Rebecca Ferguson, Jocelin Donahue, Zahn McClarnon, Emily Alyn LindeJacobTremblay.

Na infância, Danny Torrance conseguiu sobreviver a uma tentativa de homicídio por parte do pai, um escritor perturbado por espíritos malignos, tornado-se um adulto igualmente traumatizado e alcoólatra. Sem residência fixa, ele se estabelece em uma pequena cidade, onde consegue um emprego no hospício local e cria um vínculo telepático com uma menina, paciente da instituição.

Go to Top