Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged pessoas

Romance sobre ódio aos livros, ‘Fahrenheit 451’ ganha nova edição em momento oportuno

0

(foto: Pixabay)

Obra se passa numa época em que os livros são queimados pelos bombeiros. Escrito em 1953, romance se mantém pertinente nos dias atuais, marcados pela massificação cultural crescente e preconceito ao conhecimento

Paulo Nogueira, no Estado de Minas

“Não coloque as pessoas em terreno movediço, como filosofia ou sociologia, com que comparar suas expe- riências. Aí reside a melancolia. Todo homem capaz de desmontar um telão de TV e montá-lo novamente, e a maioria consegue, está mais feliz do que qualquer homem que tenta usar a régua de cálculo, medir e comparar o universo, que não será medido e comparado sem que o homem se sinta bestial e solitário. (…) Nós resistiremos à pequena maré daqueles que querem deixar todo o mundo infeliz com teorias e pensamentos contraditórios. Não deixe a torrente de filosofia melancólica e desanimadora engolfar nosso mundo. Dependemos de você. Pelo menos uma vez na carreira, todo bombeiro sente uma coceira. ‘O que será que os livros dizem?’, ele se pergunta. Pode acreditar, os livros não dizem nada. Nada que se possa ensinar ou em que se possa acreditar. Quando é ficção, é sobre pessoas inexistentes, invenções da imaginação. Caso contrário, é pior: um professor chamando outro de idiota, um filósofo gritando mais alto do que seu adversário. Todos eles correndo, apagando as estrelas e extinguindo o Sol. Você fica perdido. (…) Você pergunta o porquê de muitas coisas e, se insistir, acaba se tornando realmente muito infeliz.”

Essa declaração de ódio aos livros foi foi escrita há quase sete décadas, em 1953, pelo norte-americano Ray Bradbury (1920-2012), para o seu livro mais importante, Fahrenheit 451. Descreve uma advertência e uma recomendação de Beatty, o chefe dos bombeiros e inquisidor, a Guy Montag, seu bombeiro subordinado, numa época atemporal em que os livros são proibidos e queimados porque tornam as pessoas “infelizes”. Pois agora, curiosamente, o Ministério da Educação brasileiro cogita tirar recursos de filosofia e sociologia nas escolas e destiná-los para veterinária, engenharia e medicina, com o argumento de que é preciso “respeitar o dinheiro do contribuinte, ensinando os jovens a fazer contas e um ofício que gere renda para a pessoa e bem-estar para a família”. Em outras palavras, não é preciso refletir sobre o mercado, pensar filosoficamente, é preciso apenas ler manuais e operar aparelhos para garantir o sustento e a satisfação imediata, como se não fosse possível trabalhar e pensar no dia a dia.

“Deve haver alguma coisa nos livros”
Fahrenheit 451 apresenta uma narrativa linear e simples, mas provoca grandes reflexões. Conta a história de Guy Montag, bombeiro que tem como missão apreender e queimar livros, porque não precisa mais apagar incêndios em casas à prova de fogo. Fahrenheit 451 é a temperatura da incineração. Mas, depois de 10 anos, ao testemunhar a morte de uma mulher que é incinerada com seus livros por se recusar a abandoná-los, Montag começ
a a questionar: “Deve haver alguma coisa nos livros, coisas que não podemos imaginar, para levar uma mulher a ficar numa casa em chamas; tem que haver alguma coisa. Ninguém se mata assim a troco de nada”. Seu pensamento crítico, entretanto, tem graves consequências e o torna vítima do sistema. Sua própria casa vira alvo e ele terá de ser reeducado ou ser preso.

Embora seja tratada como ficção científica, a obra de Bradbury não deve ser vista como tal, é realista e inquietante e muito diferente de outros livros seus – o fascinante O homem ilustrado e os fantasiosos Os frutos dourados do sol e Crônicas marcianas. Mesmo muito distante de prever o surgimento da internet, do e-book e das controvertidas redes sociais, Bradbury criou uma obra visionária com o intuito de criticar a massificação causada pela incipiente TV, então nos anos 1950, e o efeito manada ou o “destino bovino” da humanidade. O que diria hoje Bradbury, que faria 100 anos em 2020? A diversão da “manada” agora são milhares de curtidas e compartilhamentos, a maioria estéreis, nas redes sociais.

Afinal, não é preciso mais pensar, só exercer atividade autômatas, apenas curtir e compartilhar. Pensar pra quê? Para criar dúvidas? Para sofrer? Já disse Fernando Pessoa em seu tocante e extenso poema O guardador de rebanhos: “Pensar incomoda como andar à chuva, quando o vento cresce e parece que chove mais”…

A obra de Bradbury é mais atual do que a de seus contemporâneos George Orwell (1984) e Aldous Huxley (Admirável mundo novo), que criaram duas distopias influenciadas pelo totalitarismo de Hitler e de Stálin. No caso de Fahrenheit, a ditadura é mais sutil, porque a própria sociedade se patrulha, inclusive pela intolerância mútua e pelo denuncismo, não precisa mais ser mandada. É vítima (in)consciente não apenas de um regime totalitário, mas também da massificação cultural, temas hoje usuais vislumbrados pelos papas da comunicação acadêmica, como Theodor Adorno, Walter Benjamin, Marshall McLuhan e tantos outros da Escola de Frankfurt. É a “sociedade de consumo e seu corolário ético – a moral do senso comum”, como diz Manuel da Costa Pinto na introdução do livro.

Em Bradbury, o big brother de Orwell é a TV, não como espiã, mas como pacificadora alienante. “Os bombeiros são agentes da higiene pública que queimam livros para evitar que suas quimeras perturbem o sono dos cidadãos honestos, cujas inquietações são cotidianamente sufocadas por doses maciças de comprimidos narcotizantes e pela onipresença da televisão”. As pessoas dependem da televisão para “passar o tempo”. A TV, entretanto, por mais que tenha “alienado” e “pacificado” a sociedade nas últimas sete décadas, tem um lado só, torna o cidadão um sujeito passivo. Mas em tempos de internet e redes sociais, todos estão num campo de batalha virtual controlado por artifícios tecnológicos e ninguém é mais passivo. E ainda reina a intolerância no meio da manada. Mas a intolerância é entre os internautas, nunca contra o sistema. “A sociedade do espetáculo é uma espécie de servidão voluntária”, diz um personagem do livro.

“Precisamos de conhecimento”

No mundo imaginário de Bradbury, o (des)controle começa com o crescimento da população e o avanço da tecnologia. O bombeiro chefe rememora: “Veio a fotografia, veio o cinema no início do século 20. O rádio, a televisão, as coisas começaram a possuir massa. E porque tinham massa ficaram mais simples. Antigamente, os livros atraíam algumas pessoas, aqui, ali, por toda parte. Elas podiam se dar ao luxo de ser diferentes. O mundo era espaçoso. Entretanto, o mundo se encheu de olhos, cotovelos e bocas. A população duplicou, triplicou, quadruplicou O cinema e o rádio, as revistas e os livros, tudo isso foi nivelado por baixo”. Então, “a escolaridade foi abreviada, as filosofias, as histórias e as línguas foram abolidas, gramática e ortografia pouco a pouco negligenciadas e, por fim, quase totalmente ignoradas”. A vida é imediata, o emprego é que o conta, o prazer está por toda parte, depois do trabalho. “Por que aprender alguma coisa além de apertar botões, acionar interruptores, ajustar parafusos e porcas?”

Livros fazem as pessoas pensarem, ser infelizes, então vamos queimá-los, alerta o chefe. “Eu sempre disse: poesia e lágrimas, poesia e suicídio e choro e sensações ruins, poesia e doença: é tudo uma besteira sentimental”, complementa a senhora Bowles, personagem “bovina” do livro. O contraponto vem com Faber, mestre de Montag: “Precisamos de conhecimento. Os livros servem para nos lembrar quanto somos estúpidos e tolos. Os livros são um convite à transcendência, ao desvario, à errância, ao desvio em relação ao destino bovino da humanidade conformada”. O chefe contra-ataca: “Um livro é uma arma carregada na casa vizinha”.

Mas, queimados os livros, qual seria o próximo passo da barbárie? Queimar os próprios homens para apagar de vez a memória dos livros? Bradbury acena com esperança. Que tal cada pessoa decorar um livro, se tornar um homem-livro, uma mulher-livro. “Eu sou A república, de Platão. Esse sujeito aqui é Charles Darwin e este aqui é Schopenhauer. Somos também Mateus, Marcos, Lucas e João”, diz um homem-livro a Montag. Será essa a solução para sobreviver? Então,para destruir o conhecimento, será preciso destruir o ser humano.

Adaptação e Truffaut
Entre games e duas adaptações para o cinema, a melhor versão de Fahrenheit 451 é a de 1966, de François Truffaut (1932-1984), o único filme que ele fez em língua inglesa e seu primeiro em cores. É bem fiel à obra de Ray Bradbury, com Oscar Werner como Montag e Julie Christie no elenco, inclusive com personagens até mais bem-elaborados do que no livro. Um dos mestres da Nouvelle Vague e diretor de obras-primas como A noite americana (1973) e Os incompreendidos (1959), Truffaut fez um filme menor, segundo críticos, mas isso parece preconceito com a ficção científica. O filme explora bem a mensagem do livro e cumpre a missão mais importante da obra: faz o espectador refletir sobre o mundo em que vive, exercer o livre-arbítrio. Em 2018, o diretor americano Ramin Bahrani lançou péssima versão de Fahrenheit ao transformar o drama filosófico em filme de ação que simplesmente “queima” a obra de Bradbury.

Arquitetos criam Biblioteca de rua na Bulgária para incentivar as pessoas a lerem

0

“Rapana” é a primeira biblioteca de rua. Criada em Varna, na Bulgária, foi feita por uma equipe de jovens arquitetos e designers

Publicado no Follow the Colours

Smartphones, leituras superficiais, fakenews. Hoje em dia, a vida digital é quase tomada inteiramente pelas redes sociais, apps, jogos e outras interações tecnológicas, e isso diminuiu muito a popularidade dos livros entre várias gerações. Pensando nisso, uma equipe de arquitetos e designers (Yuzdzhan Turgaev, Boyan Simeonov, Ibrim Asanov e Mariya Aleksieva) decidiram transformar esses fatos em um projeto comunitário e bem interessante para estimular a leitura e conscientizar as pessoas sobre este hábito, ao construir uma biblioteca aberta de rua em Varna, na Bulgária.

Varna é uma cidade localizada à beira-mar e é frequentemente chamada de “capital marítima da Bulgária”. Esta é a principal razão pela qual a forma-conceito escolhida para a biblioteca comunitária se assemelha à concha de um caracol marinho. O design foi inspirado pela natureza e suas formas orgânicas.

A instalação leva em consideração os aspectos mais importantes da identidade da cidade – o mar e seu valor para os cidadãos locais. A construção abstrata se desenrola a partir de um único ponto focal e se desenvolve em um semicírculo enquanto traz um espaço público para circulação livre das pessoas. As prateleiras são fáceis para pegar e colocar livros ao mesmo tempo.

RAPANA, A BIBLIOTECA PROJETADA COM PEÇAS DE MADEIRA

Chamada de “Rapana”, a biblioteca foi projetada usando as ferramentas de desenho paramétrico Rhinoceros 3D e Grasshopper, que dão aos arquitetos a possibilidade de experimentar diferentes formas e variações. Usando o software, a equipe testou mais de 20 ideias, alterando o número de peças de madeira verticais e horizontais e sua largura e altura.

O design final teve seu orçamento ajustado e o conceito da biblioteca aberta, proporcionando fácil acesso para os leitores, diversos tipos de espaços para sentar, além de um pequeno palco para artistas de rua.

A construção foi dividida em folhas de madeira, que foram produzidas usando uma máquina CNC (Controle Numérico Computadorizado). A biblioteca foi construída com 240 folhas de madeira que podem receber até 1500 livros!

Além de integrar turistas e moradores, as pessoas ocupam a cidade e assim tem mais acesso a cultura! Por mais projetos comunitários e educativos como esse!

Para mais informações, visite o Facebook da Biblioteca de Rapana.

Barbeiro dá desconto para crianças que lerem em voz alta enquanto trabalha

0

Publicado no Hypeness

A barbearia The Fuller Cut, em Michigan (Estados Unidos), ficou famosa por oferecer descontos a crianças que leem em voz alta enquanto cortam o cabelo. A iniciativa surgiu quando o barbeiro Ryan Griffin soube que outras lojas do país ofereciam um programa similar e decidiu levar a ideia à sua comunidade.

Os pequenos que leem para o barbeiro ganham um desconto de US$ 2 no corte – o equivalente a R$ 9. Como muitos não conseguem terminar a leitura durante o corte, Ryan mantém um registro para saber onde o livro parou, de forma que as crianças possam retomar a narrativa no local certo em uma próxima oportunidade.

A iniciativa existe desde agosto de 2015 e se tornou viral em 2016, o que fez com que muitas doações de livros fossem recebidas. Desde então, a barbearia informou que já teve notícias de mais 300 estabelecimentos que passaram a praticar promoções similares.

Além de estimular a leitura, a barbearia faz questão de oferecer livros que contem histórias de pessoas negras, como grande parte dos moradores da comunidade em que se situa. Assim, as crianças não só exercitam a leitura, mas também têm acesso a histórias que retratam pessoas como elas.

Livro é caro? Não há bibliotecas? Por que os moradores de São Paulo não leem?

0

Biblioteca do Parque Villa-Lobos, um dos equipamentos públicos mais legais de SP
Crédito: Nelson Kon/Divulgação/BPV

Pesquisa sobre hábitos culturais feita pelo Ibope, a pedido da Rede Nossa São Paulo, expõe as razões apontadas pelos moradores da cidade para não ler

Bia Reis, no Estadão

Diz o senso comum que no Brasil se lê pouco porque o livro é caro e porque não há bibliotecas por perto. Muitos podem considerar o preço alto e morar em lugares onde não há equipamentos públicos, é verdade, mas esses não são os motivos apontados pelos moradores de São Paulo para não ler. É o que indica pesquisa sobre hábitos culturais na cidade feita pelo Ibope a pedido a Rede Nossa São Paulo. O levantamento, divulgado nesta terça-feira, 9, ouviu 800 pessoas entre 6 e 21 de dezembro de 2018.

Segundo a pesquisa, apenas 3% dizem que não leram nos últimos três meses porque o livro é caro; outro 1% afirmou não ter dinheiro para comprar um. A falta de uma biblioteca por perto é apontada como razão para não ler por 2% dos entrevistados.

As maiores razões para não ter lido um livro são não gostar de ler/não ter o hábito de ler, citado por 34% dos entrevistados, e falta de tempo, por 32% (que é relativa, já que muitos de nós gastamos algumas horas do dia na internet, não é?). Além disso, 9% das pessoas contaram que não têm paciência para ler, o que também indica de alguma forma falta de hábito. Juntos, esses três motivos somam 75%.

São citados também como razão para não ter lido um livro nos últimos três meses o fato de preferir outras atividades (14%), ter dificuldade para ler (6%), se sentir muito cansado para ler (6%), preferir ler revistas e jornais (5%), não ter lugar apropriado para ler (1%) e não saber ler (1%).

O fato é que as pessoas não leem porque não se transformaram em leitores, porque não foram conquistados pelo livro, por inúmeras razões. Quando a leitura é um hábito estabelecido, falta de tempo ou de paciência não são razão para não ler. Afinal, a gente se esforça para arrumar tempo para o que gosta, o que faz sentido, não é?

Você leu nos últimos três meses?

Perguntados se leram algum livro nos últimos três meses, 38% dos entrevistados responderam que sim, leram um livro inteiro; 20% que sim, leram partes de um livro; e 42% que não. Isso significa que mais da metade dos moradores de São Paulo (58%) tiveram contato com ao menos um livro no período.

Entre os que leram livros completos, o maior porcentual está entre pessoas de 25 a 34 anos (49%), seguido pelas de 16 a 24 anos (43%), de 35 a 44 anos (39%), mais de 55 anos (33%) e de 45 a 54 anos (28%).

A pesquisa reforça a ideia de que pessoas com melhor nível econômico e formação são mais leitoras do que as pessoas com pior nível econômico e formação. Entre os entrevistados com nível superior, por exemplo, 20% afirmaram não ter lido nenhum livro nos últimos três meses – o porcentual sobe para 69% quando se tratam de pessoas que só fizeram o ensino fundamental (1.º a 9.º ano). Entre os entrevistados da classe A, 61% leram um livro inteiro e 18% não leram nenhum; na classe B o porcentual é de 56%, na C, 29%, e na D/E, 10%.

Você frequentou bibliotecas?

Biblioteca Mário de Andrade, no centro de São Paulo
Crédito: Gabriela Biló/Estadão

Questionados se frequentaram alguma biblioteca no último ano, 79% responderam não e 20%, sim (1% não soube opinar). O maior porcentual ficou entre os jovens de 16 a 24 anos: 34% responderam que foram a uma biblioteca no período. A frequência cai conforme a idade avança – entre 25 a 34 anos, 26% responderam sim; entre 35 e 44 anos, 16%; entre 45 e 54, 12%; e mais de 55, 15%.

A pesquisa também aponta que, diferentemente do que muita gente pensa, as bibliotecas são mais frequentadas por pessoas das classes A e B do que C e D. Entre os entrevistados com melhor condição econômica (classe A), 44% disseram ter ido a uma biblioteca nos 12 meses anteriores à pesquisa. O porcentual cai para 28% entre as pessoas da classe B, para 15% entre a classe C e chega a apenas 5% nas classes D e E.

O Ibope também encontrou diferenças entre a frequência de acordo com a região onde a pessoa mora. O centro concentra o maior porcentual de frequentadores: 32% dos entrevistados responderam que foram a uma biblioteca no último ano ante 28% dos moradores da zona oeste, 27% da zona norte, 21% da zona sul e apenas 12% da zona leste.

A pesquisa questionou os moradores de São Paulo sobre o que os fariam frequentar mais espaços culturais. A pergunta não é direcionada às bibliotecas, mas inclui este tipo de equipamento. É curioso observar que se destaca o item “preços mais acessíveis”: 42% dos entrevistados de todas as idades afirmam que frequentariam mais atividades culturais se o preço fosse mais acessível. Nas bibliotecas públicas não há nenhum tipo de cobrança, nem para as atividades nem para a retirada de livros. Entre os outros itens avaliados estão proximidade de casa, facilidade de acesso, horários e diversidade da programação.

Telecine “esquece” exemplares de “Com Amor, Simon” pelas ruas de Porto Alegre

0

Nick Robinson é Simon Spier em “Com Amor, Simon”Reprodução / Telecine Play

Publicado no Gaucha Zh

Aos 17 anos, Simon Spier descobre que é gay. Sua jornada em busca de felicidade e aceitação é o foco da novela juvenil Com Amor, Simon, de Becky Albertalli, que pode ser encontrada pelas ruas de Porto Alegre a partir desta quarta-feira (20). Os exemplares foram “esquecidos” pela cidade pela rede Telecine, que acaba de adicionar o longa de Greg Berlanti, inspirado no livro, à sua plataforma de streaming.

Cada exemplar também conta com uma carta com a definição de amor do protagonista e uma mensagem da própria companhia sobre a obra. “Essa é a história de Simon e de muitos outros personagens. Pode ser a sua ou de quem está perto de você. Que o poder dos nossos filmes inspire muitas pessoas a encontrarem sempre o caminho do amor.”

Inspirada na iniciativa da atriz Emma Watson, de Harry Potter, conhecida por deixar obras feministas para serem encontradas por novos leitores, em pontos estratégicos dos locais por onde passa, a campanha também é realizada em São Paulo, Rio de Janeiro, Fortaleza, Salvador, Campinas, Recife, Belo Horizonte e Curitiba.

Aqueles que encontrarem os livros são incentivados a compartilhar sua descoberta nas redes sociais com a hashtag #ComAmorSimon para que a mensagem atinja mais pessoas. O filme vai ao ar na noite desta quarta (20), às 22h, e na quinta, às 18h20, no Telecine Pipoca.

Go to Top