Os Meninos Que Enganavam Nazistas

Posts tagged livros só mudam pessoas

Lançamento de livro vira celebração para Moro e Lava Jato

0
O juiz Sergio Moro em evento de lançamento de livro sobre a Lava Jato, em Curitiba (Foto: Pedro Serapio/Gazeta do Povo)

O juiz Sergio Moro em evento de lançamento de livro sobre a Lava Jato, em Curitiba (Foto: Pedro Serapio/Gazeta do Povo)

ESTELITA HASS CARAZZAI, na Folha de S.Paulo

O autor da noite era o jornalista Vladimir Netto, da TV Globo. Mas quem chegava à livraria em Curitiba nesta terça (21) era direto: “Eu quero o livro do Moro”.

O magistrado que conduz a Operação Lava Jato estampa a capa da obra de Netto, “Lava Jato – O juiz Sergio Moro e os bastidores da operação que abalou o Brasil”, lançada pela editora Sextante, que conta os bastidores da investigação.

Foi Moro quem atraiu mais holofotes durante o lançamento nesta noite, na cidade-sede da Lava Jato. Tirou fotos, foi aplaudido, ouviu gritos de “Viva Sergio Moro” e autografou exemplares, ainda que sob protestos –”mas o livro nem é meu”.

Além dele, delegados, procuradores e até o “Japonês da Federal”, o agente Newton Ishii, foram celebrados pelos leitores.

Ishii, recentemente condenado a cumprir pena em regime semiaberto por contrabando, posou para selfies, como sempre. Ele é monitorado por tornozeleira eletrônica.

Moro, que foi aplaudido ao chegar na livraria, é o principal perfilado da obra, que fala sobre os dois primeiros anos da Lava Jato.

“Eu ainda não li, vim na expectativa de ganhar um exemplar”, afirmou à imprensa. “É um jornalista experiente; com certeza é um trabalho de fôlego.”

Após receber um exemplar com dedicatória e posar para fotos, Moro se dirigiu a um café nos fundos da livraria, que funcionou como uma espécie de “camarote”.

Cercados por seguranças da livraria e também da Justiça Federal, procuradores, policiais e delegados conversavam e, eventualmente, atendiam a pedidos para fotos e autógrafos.

Até a mulher de Moro, a advogada Rosângela Wolff Moro, foi assediada pelos leitores. Posou para fotos e chegou a assinar alguns livros.

Concurso Cultural Literário (160)

6

segredosSegredos de Pai para Filho

Como A Perseverança, A Ousadia e A Fé Podem Transformar Uma Vida

Uma jornada vitoriosa! Assim podem ser definidas a vida e a carreira de Reinaldo Morais, que traz ao mercado editorial seu livro Segredos de Pai para Filho.

Um dos maiores e mais bem-sucedidos empreendedores do agronegócio brasileiro, fundador e gestor de grandes frigoríficos nas áreas de avicultura e suinocultura, Reinaldo nasceu para vencer – mas só descobriu isso depois de muitas dificuldades e desafios, todos superados com ousadia, iniciativa e fé.

Foi através das carências e lutas na infância e adolescência – quando juntava seus trocados vendendo ferro-velho, limpando estrume de animais e capinando de enxada na mão – que o jovem Reinaldo descobriu o valor do empreendedorismo.

Perseverança, coragem e um genial senso de oportunidade fizeram dele o “rei” do mercado de frango no país.

Aprenda como Reinaldo superou o custo Brasil causado por entraves burocráticos e uma carga tributária excessiva.

No livro, o megaempresário revela como venceu enraizados esquemas de corrupção na política paranaense, colaborando para fazer do Estado do Paraná o maior produtor nacional de frangos e gerando milhares de empregos. Segredos de Pai para Filho vai ensinar ao leitor como os conselhos bíblicos e a coragem para ousar podem mudar a vida de uma pessoa. Uma leitura para vencedores – e para aqueles que almejam o sucesso!

***

Em parceria com a Impetus, vamos sortear 3 exemplares de “Segredos de pai para filho“, de Reinaldo Morais.

Para concorrer, fale na área de comentários sobre a importância dos ensinos bíblicos para viver uma vida bem-sucedida.

Se participar via Facebook, por favor deixe seu e-mail de contato.

Para ficar sempre por dentro das novidades e promoções, sugerimos que curta as páginas dos envolvidos neste concurso cultural:

O resultado será divulgado dia 5/7 neste post.

 

Atenção para os ganhadores: Slander Cota, Maria Lemos e Wesley Ximenes. Parabéns! Entraremos em contato via e-mail.

Confira cinco excelentes dicas de como você se apaixonar pela sua rotina de estudos

0

amo-direito-post-estudando gostar

Publicado no Amo Direito

A rotina de estudos pode estar presente desde criança em nossas vidas ou até mais tarde quando já somos bem grandinhos. Para fazer um concurso, prestar vestibular, tentar uma seleção de mestrado ou doutorado, em comum podemos afirmar que a preparação e dedicação, em suma, são necessárias para a conquista de uma vaga dentre as opções a cima citadas. E para conseguir a aprovação, entra em jogo algo que para muitas pessoas é chato e difícil de conseguir se adaptar: uma rotina de estudos.

Uma rotina de estudos exige da gente mais que vontade. Precisamos lidar com ela, fazer com que a rotina seja a nossa amiga, que seja um sábado maravilhoso. Eu sei, é muito difícil, mas não é impossível. Passo a seguir algumas dicas que considero pertinentes para vocês se darem super bem com ela, ou melhor, tentar.

1. Seja criativo:
Isso mesmo. Não tenha na mente que a rotina é uma passagem para o inferno, que você sofre e que não vive. Invente! Em vez de ler na poltrona que sabem leia na rede. Invista diariamente em opções confortáveis de estudo, desde o lugar que você estude até a forma como vai escrever. Eu afirmo, isso faz a maior diferença.

2. Vontade:
A rotina de estudos deve ser prazerosa, assim como a tentação de ir tomar uma cerveja. Ela deve estar presente todo dia. Se você gosta de chocolates, coma de em vez em quando, uma comidinha não mata ninguém e sempre cai bem.

3. Horário:
Fundamental para se criar uma rotina de estudos. Você deve delimitar os dias e em quais horários irá estudar, e muita atenção, coloque no papel, ou um cartaz na parede, no roupeiro, para que você visualize diariamente a sua rotina de estudos.

4. Persistência:
Sim, persistência em não desistir facilmente dessa rotina, de cair na tentação e dormir, de sair com os amigos, de dar aquela quebrada e deixar para depois. Muito cuidado, o depois, o mais tarde, pode se tornar o nunca, ou seja, talvez aquele livro que você queria ler amanhã, ou o material que deveria revisar pode não ser lido e revisado. A tentação é aqui a nossa maior inimiga! Por favor, se contenha, pense sempre na aprovação.

5. Tenha pequenos prazeres:
Explicando melhor essa dica. Tenha prazer na sua rotina. Não fiquem horas direto lendo, faça uma pausa de alguns minutos, coma uma coisa, escute uma música, de uma voltinha, mas não se esqueça de retornar para os estudos. Imponha horário de volta para as obrigações assim como no trabalho.

As dicas parecem simples, mas são dicas que eu alcancei nestes meses de estudo para tentar conseguir uma vaga na seleção do mestrado. Claro, pode acontecer de um dia ou outro a rotina ir água abaixo, mas se respeite e se limite. Depois de um tempo você vai ver que é quase impossível viver sem uma rotina de estudos porque ela já faz parte da sua vida, e você já começou a curti-lá, assim como o sábado.

Fonte: pos graduando

13 dicas para se concentrar na hora dos estudos

0

estudando

Por mais que você tente, está difícil fazer sua mente focar nos estudos? Veja as dicas de especialistas para resolver seu problema

Ana Carolina Prado, no Guia do Estudante

Nosso cérebro é meio fanfarrão: na hora de pensar em estratégias para aquele jogo complicado de videogame ou de ler aquela revista que você adora, ele coopera facilmente. Mas quando é preciso sentar e estudar um pouco, parece não haver jeito de alcançar a concentração.

Isso fica ainda mais desesperador quando estamos em ano de vestibular e não temos tempo a perder. Para ajudar você nisso, o GUIA DO ESTUDANTE conversou com especialistas e pediu dicas para ajudar seu cérebro a se concentrar. Como cada pessoa tem um jeito de funcionar, nem todas elas serão igualmente eficientes para todo mundo. Então é bom fazer uns testes até descobrir quais dão certo para você.

Não se contente em ler: escreva!
Segundo o professor e autor de livros com dicas para estudos Pierluigi Piazzi, é importante estudar escrevendo, e não só lendo. “Quem só lê perde a concentração. Quem escreve consegue entender o assunto e mantê-lo na mente”, explica ele.

Escreva à mão em vez de digitar
Pesquisas já mostraram que os alunos que fazem isso aprendem mais do que quem só digita. “Você tem movimentos totalmente distintos para escrever cada letra a mão, mas isso não existe quando você está digitando. Isso faz com que mais redes neurais sejam ativadas no processo da escrita”, diz o professor.

Como saber o que vale colocar no papel
Faça resumos, fichamentos e esquemas da matéria. Mas nada de ficar copiando todo o conteúdo dos livros. Para saber o que vale escrever, faça de conta que você está preparando uma cola para uma prova. Por ter pouco espaço e pouco tempo para consulta-la, é preciso ser conciso, mas ao mesmo tempo abordar os pontos principais. É disso que você precisa quando for estudar.

Revise a matéria que aprendeu em aula no mesmo dia
Além de evitar acumular matérias, estudar o conteúdo visto em sala de aula no mesmo dia fará com que seu cérebro entenda que aquilo é importante e o memorize.

Estude sozinho
Vamos combinar que, por mais legal que seja se reunir com os amigos para estudar, você acaba falando mais de outras coisas e as dúvidas permanecem. O professor Pierluigi é um grande defensor da ideia de que só se aprende mesmo no estudo solitário. “Estudar em grupo é útil se você for a pessoa que explica a matéria para os outros. Quem ouve não aproveita”, diz ele. A melhor dica para um bom estudo, aliás, e explicar a matéria para si mesmo.

Use as aulas para entender as matérias e tirar dúvidas
Um erro comum, segundo o professor Pierluigi, é fazer dois cursinhos para ter um maior numero de aulas – o que realmente vai fazer diferença no vestibular é o momento em que você estuda sozinho, não o número de aulas que pegou. Mas isso não significa que vale cabular ou dormir nas aulas: elas são importantes para entender a matéria e tirar dúvidas.

Desligue todos os aparelhos eletrônicos.
Na hora de estudar, nada de deixar o celular por perto avisando você de cada notificação no Facebook. E nem caia na tentação de abrir o Facebook só por “dois minutinhos”. Esses dois minutinhos sempre se estendem e acabam com toda a sua concentração. Reserve um tempinho do seu dia só para as redes sociais e faça isso virar rotina para que se acostume a checá-la apenas nesse tempo específico.

Estude em um local organizado e tranquilo
O resto da sua casa até pode ser uma bagunça, mas o local onde você costuma estudar precisa estar sempre organizado e silencioso. Ter muitas coisas espalhadas pode atrapalhar a sua concentração e há o risco de perder tempo procurando coisas que sumiram na bagunça.

Música? Só em línguas que você não entenda
Não é proibido estudar ouvindo música – há quem precise dela para se concentrar. Mas evite ouvir músicas em idiomas que você entenda – isso pode fazer com que você desvie sua atenção para a letra e esqueça a matéria.

Use marca-texto
Usar canetas coloridas e marca-texto para enfatizar os pontos principais é uma boa ajuda para manter o foco no que for importante, especialmente se você tem problemas mais sérios de déficit de atenção. Post-its também podem ser úteis.

Respeite seu tempo
Se você é mais produtivo de manhã, deixe para estudar as matérias mais difíceis nesse período. Quando sentir que a concentração não está rolando de jeito nenhum, faça uma pequena parada e depois volte. Manter intervalos regulares é fundamental – e a frequência vai depender do seu ritmo.

Tenha uma programação organizada, mas seja flexível
Use uma agenda ou quadro branco para organizar suas tarefas e respeite-a! Mas faça programações realistas para que você não se desanime. Definir que você vai estudar durante oito horas por dia se você tem várias outras atividades, por exemplo, não é algo razoável. E esteja aberto para mudanças, caso seja necessário.

Crie um pequeno ritual antes de estudar
Sempre que for mergulhar nos estudos, crie e respeite um ritualzinho antes. Pode ser um alongamento, pegar um copo de suco para deixar na sua mesa, ou que mais achar melhor. Com o tempo, seu cérebro vai entender que é hora dos estudos e ficará mais fácil se concentrar.

Brasil levará ao menos 10 anos para sair de patamar indigente na Educação

0

Alunos da terceira série da Escola Municipal Professora Leonor Mendes de Barros, em Barra do Chapéu, interior de SP, escola pública mais bem avaliada pelo MEC pelo programa de reforço e didática escolar.

Publicado no Cidade Verde

Apesar de ter registrado leve evolução no Programa Internacional de Avaliação de Alunos (Pisa, na sigla em inglês), principal pesquisa da educação mundial, o Brasil levará ao menos 10 anos para deixar o patamar de indigência em que se encontra o ensino do País. É o que mostram as projeções mais otimistas de especialistas consultados pelo iG sobre o novo levantamento realizado pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), divulgado na última quarta-feira (10).

Intitulado “Alunos de baixo desempenho: por que ficam para trás e como ajudá-los?”, a pesquisa mostra que o Brasil segue entre os piores colocados na lista de 65 países analisada pelo Pisa, atrás de nações pobres como Costa Rica e Albânia. O levantamento mostra quase 70% dos alunos brasileiros com entre 15 e 16 anos abaixo do nível 2 em matemática – os níveis vão do 1 ao 6. Apenas 0,8% deles atingiram o 5 ou 6.

“O jovem precisa de uma educação sólida para crescer, de uma base boa em tudo. E a escola tem a obrigação de garantir esta base até para que ele possa aumentar seu leque de opções profissionais”, analisa o economista Ernesto Faria, coordenador de projetos da Fundação Lemann, organização dedicada a melhorias na educação pública do País.

“É muito baixo o número daqueles que saem da escola com a bagagem necessária. Isso leva à cultura de o cara pensar, por exemplo, que não pode ser engenheiro porque não é bom em matemática ou que não pode ser jornalista por não saber escrever. Em países desenvolvidos, todos têm a mesma base para todas as disciplinas, o que os leva a irem se desenvolvendo não apenas profissionalmente, mas também em seus direitos como cidadão, na sociedade.”

É histórico o mau desempenho de alunos brasileiros em provas internacionais. Conforme aponta o professor Antonio José Lopes, autor de diversos livros didáticos de matemática, há pelo menos duas décadas diferentes estudos vêm mostrando o País entre os piores colocados entre os alunos do mundo – o Pisa só foi criado em 1997. No início da década de 1990, por exemplo, um levantamento mostrou o País na penúltima colocação, atrás apenas de Moçambique, na África.

No exame divulgado na semana passada, baseado em dados de 2012, o Brasil totalizou apenas 391 pontos na disciplina, índice bastante inferior à média de 494 dos 65 países inclusos no levantamento da OCDE. Mesmo a pequena evolução registrada, que mostra uma queda de 18% no número de alunos abaixo do nível de conhecimentos básicos em matemática entre 2003 e 2012, é vista com desdém pelo especialista.

“É totalmente falsa a ideia da pequena melhora. Quando você não tem nada e, de repente, dá um saltinho, vai comemorar, mas isso não significa que as coisas estão indo no caminho certo”, afirma Lopes. Ele acredita que o Brasil levará entre 20 e 30 anos para entrar em patamares mais aceitáveis de educação – o que inclui aumentar os gastos do governo na educação, atualmente em 6,1% do Produto Interno Bruto (PIB) do País, para ao menos 10%, e dobrar os gastos por aluno com idades entre 6 e 15 anos, conforme aponta a OCDE.

“Políticas de educação têm efeitos de médio e longo prazo. Não se melhora as coisas da noite para o dia. É preciso tempo de investimento em currículo, formação de professores, melhora nos salários dos docentes. A visão da matemática que temos hoje é retrógrada, pobre de foco. Nos EUA, o principal pilar é a resolução de problemas, mas aqui as escolas focam em ‘decoreba’, os professores perdem sua autonomia para fazer um trabalho de natureza didática. E esses fatores não têm sido inseridos no debate.”

Mais otimista, Faria cita experiências praticadas no próprio Brasil para fazer sua projeção de melhora educacional, enumerando casos no Ceará, Paraná e Goiás. Ele acredita que, com investimentos financeiros e avanços estruturais, como de maior preparo de docentes, valorização de carreira dos profissionais, adequação do conteúdo passado à realidade dos alunos e de mudanças de práticas como a repetência de estudantes – classificada por ele como preversa, passível de aplicação apenas em casos extremos –, em uma década o País poderá ver mudanças concretas em relação ao desempenho de seus jovens.

“Existe claramente um movimento que mostra um avanço grande em quatro, seis anos, quando o direcionamento é bem feito”, diz Faria. “Não acho que precisemos esperar 20 ou 30 anos. Se fizermos de fato avançar o Plano Nacional da Educação, acho que em uma década poderemos ter um desempenho bem melhor do que o atual.”

Fonte: IG

Go to Top