Contando e Cantando (Volume 2)

Posts tagged livros

Veronica Roth, escritora de Divergente e Crave a Marca, anuncia novo livro

0

Victor Tadeu, no Desencaixados

Veronica Roth, escritora do best-seller Divergente e Crave a Marca, anunciou recentemente ter escrito mais uma história e o site Entertainment Weekly revelou algumas informações sobre a obra.

The End e Other Beginnings: Stories From the Future é nome da obra, ela é uma coletânea de contos futurista que em partes lembra bastante Black Mirror, uma série Original Netflix. Poucas foram reveladas, mas já foi afirmado que dois contos é ambientado no mesmo universo de Crave a Marca, uma obra também de Veronica Roth.

Divergente é uma das séries de sucesso da escritora, ela é composta por três livros — Divergente, Insurgente e Convergente — e um spin-off aprofundando na vida de um dos protagonistas. Os livros ganharam adaptação em filme, mas não teve tanto sucesso nas telonas devido à infidelidade dos produtores, mesmo caso de Percy Jackson e os Olimpianos.

No Brasil os livros de Veronica são publicados pela Editora Rocco, a mesma responsável pela distribuição de Harry Potter em território nacional, porém a casa editorial ainda não informou se lançará o novo livro da escritora.

O livro será lançado em território internacional no dia 01 de outubro deste ano.

Por um 2019 de mais leituras: como otimizar o tempo e aumentar o número de livros lidos?

0

Isabel Costa, no Leituras da Bel

Resolvi colocar por aqui algumas dicas para otimizar o tempo e garantir mais leituras em 2019.

1 – Leia todos os dias, mesmo que apenas por alguns minutos
O compromisso diário é um exercício. Ler todos os dias vai deixar você mais atento, mais próximo dos objetivos, mais compromissado. De preferência, estabeleça um horário fixo para a leitura – pode ser antes de dormir ou no intervalo do almoço, por exemplo.

2 – Tenha um caderno para anotar impressões, citações, personagens…

Nunca gostei de riscar ou amassar os livros. Então, sempre mantive um caderno e uma caneta por perto para anotar impressões, passagens interessantes, frases de personagens e outros apontamentos. Com o tempo, acabei percebendo que esse hábito me deixava mais concentrada na leitura e me fazia ter mais interesse pelo que estava lendo.

3 – Leia em todos os lugares
Essa é uma dica velha. Fila de banco, fila da padaria, fila das lotéricas, no ônibus, no metrô… Aproveitar cada momento para ler é salvador. Ao invés de perder tempo com o celular e as redes sociais, use essas brechas para garantir mais algumas páginas lidas.

4 – Estabeleça metas reais
Essa dica vale para várias áreas da vida. “Vou ler dois livros por semana” pode não estar dentro das suas possibilidades. Então, por qual motivo vamos estabelecer metas irreais? O ideal é colocar boas metas, tangíveis, reais, mensuráveis, realizáveis. Acredite, isso vai evitar o sentimento de frustração por não ter alcançado aquela proposta prometida.

5 – Leia contos e poesias!
Sim, muitas vezes, nós subestimamos os contos e as poesias. Colocamos como leituras apenas aqueles romances enormes e acabamos por não conseguir avançar muito nas páginas. Por que não colocar um conto como meta semanal? E um livro de poesias para o mês? São leituras ricas, frutíferas e que darão a sensação de “tarefa realizada”.

6 – Busque clubes de leitura
Ler é uma atividade solitária, é claro. Mas compartilhar as impressões sobre o livro é muito divertido. Em Fortaleza, por exemplo, há diversos clubes de leitura – com os mais variados temas e horários. Além disso, ter o compromisso para terminar a leitura até “data x” vai fazer você ler mais rápido e com mais dedicação.

7 – Crie boas rotinas de leitura
A minha é fazer um chá e ficar lendo enquanto aguardo “esfriar”. Cada pessoa pode ter um ritual próprio – capaz de despertar os sentidos e dar prazer. Rituais fazem parte da valorização do nosso momento com os livros.

8 – Leia no formato virtual
Eu sou uma amante do papel. Gosto do cheiro, do peso do livro e de todo o resto. Mas, admito, os formatos virtuais são salvadores. Podemos ler um capítulo no celular, pegar algumas poesias no tablet…

9 – Busque novos livros e novos autores
O mundo está repleto de autores incríveis e livros nunca lidos. Por qual razão estamos sempre buscando as mesmas referências? Diversificar as leituras é um caminho para nos deixar instigados! Então, vamos ler aquela autora norueguesa da qual nunca ouvimos falar, sim! E vamos ler aquele livro de título estranho, mas que pode se tornar a obra da nossa vida!

10 – Mescle leituras
Um livro da faculdade, outro por fruição. Um livro teórico, uma revista em quadrinhos. Mesclar leituras nos deixa mais descansados e dispostos para encarar a próxima obra.

Confira os 30 livros que podem mudar sua vida em 2019

0

Pexels

Publicado no TNH1

1. O poder do hábito (Charles Duhigg)

O livro traz um verdadeiro e profundo estudo dos hábitos. Além de mostrar como eles funcionam, o autor Charles Duhigg também explica como eles podem ser transformados na prática. Imagine se você conseguir estabelecer o hábito de usar a escada ao invés do elevador e o bem que isso trará para a sua saúde. Esse é apenas um exemplo de como os hábitos influenciam nossa rotina, mas uma vez transformados, podemos ganhar em produtividade, estabilidade e bem-estar.

2. A Sorte do Agora (Matthew Quick)

Bartholomew Neil tem 40 anos e sempre viveu com a mãe. Depois que ela fica doente e morre, ele não faz ideia de como viver sozinho. Ele então descobre uma carta de Richard Gere na gaveta de calcinhas da mãe, e acredita ter encontrado uma pista de por que, afinal, em seus últimos dias a mãe o chamava de Richard… Só pode haver alguma conexão cósmica! Convencido de que Richard Gere vai ajudá-lo, Bartholomew começa essa nova vida sozinho escrevendo uma série de cartas altamente íntimas para o ator.

3. Toda a luz que não podemos ver (Anthony Doerr)

Marie-Laure vive em Paris, perto do Museu de História Natural, onde seu pai é chaveiro. Quando a menina fica cega, aos seis anos, o pai constrói uma maquete em miniatura do bairro onde moram para que ela seja capaz de memorizar os caminhos. Na ocupação nazista em Paris, pai e filha fogem para a cidade de Saint-Malo e levam consigo o que talvez seja o mais valioso tesouro do museu.

4. Extraordinário (R. J. Palacio)

August Pullman, o Auggie, nasceu com uma síndrome genética cuja sequela é uma severa deformidade facial, que lhe impôs diversas cirurgias e complicações médicas. Por isso, ele nunca havia frequentado a escola. Até agora. Todos sabem que é difícil ser um aluno novo, mais ainda quando se tem um rosto tão diferente. Prestes a começar o quinto ano em um colégio particular de Nova York, Auggie tem uma missão nada fácil pela frente: convencer os colegas de que, apesar da aparência um, ele é um menino igual a todos os outros.

5. Para Sempre Alice (Lisa Genova)

Alice é casada, mãe de três filhos adultos, professora titular em Harvard, especialista de renome mundial. Perto de completar 50 anos, Alice começa a esquecer. No início, esquecia de coisas sem importância, como o lugar em que deixou o celular, até que, um dia, ela se perde a caminho de casa. Ironicamente, a professora com a memória mais afiada de Harvard é diagnosticada com um caso precoce de mal de Alzheimer, uma doença degenerativa incurável. Isso faz com que ela tenha que se reinventar a cada dia.

6. O monge e o executivo (James C. Hunter)

Você está convidado a juntar-se a um grupo que durante uma semana vai estudar com um dos maiores especialistas em liderança dos Estados Unidos. Leonard Hoffman, um famoso empresário que abandonou sua brilhante carreira para se tornar monge em um mosteiro beneditino, é o personagem central desta envolvente história criada por James C. Hunter para ensinar de forma clara e agradável os princípios fundamentais dos verdadeiros líderes.

7. Criatividade S/A (Ed Catmull)

Qual a fórmula do sucesso por trás de filmes adorados por multidões como Toy Story, Monstros S.A ou Procurando Nemo? Em Criatividade S.A., Ed Catmull conta a trajetória de sucesso do mais importante e lucrativo estúdio de animação da atualidade, a Pixar, que ele ajudou a fundar, ao lado de Steve Jobs e John Lasseter, em 1986. Dos encontros da equipe às sessões de brainstorm, Catmull mostra como se constrói uma cultura da criatividade, num livro definitivo para quem busca inspiração para os próprios negócios.

8. Amores impossíveis e outras perturbações quânticas (Lucas Silveira)

O músico Lucas Silveira, autor desse livro, não tem medo de ir fundo na alma para trazer à superfície seus medos antigos, seus desejos ocultos e uma paixão pela vida que transborda os limites da página. Lucas mistura suas inquietações a teorias da física quântica de maneira poética e fluida, fazendo desta obra uma investigação do amor humano profundo e agradável de ler.

9. Cosmos (Carl Sagan)

Cosmos retraça 14 bilhões de anos de evolução cósmica, explorando tópicos como a origem da vida, o cérebro humano, hieróglifos egípcios, missões espaciais, a morte do sol, a evolução das galáxias e as forças e indivíduos que ajudaram a moldar a ciência moderna. Numa prosa transparente, Carl Sagan revela os segredos do planeta azul habitado por uma forma de vida que apenas começa a descobrir sua própria identidade e a se aventurar no vasto oceano do espaço sideral. Aqui, o tratamento dos temas científicos está sempre imbricado com outros campos de estudo tradicionais, como história, antropologia, arte e filosofia.

10. O Poder do Subconsciente (Joseph Murphy)

A proposta do livro é trazer uma receita para obter sucesso em qualquer área. O livro ensina que o segredo para conseguir o que queremos – dinheiro, saúde, amor, etc. – é sempre imaginar seus desejos como algo concreto e real, que está acontecendo ou que irá acontecer, com certeza. Para tanto, é preciso desenvolver todo o potencial de seu subconsciente. As técnicas para isso estão neste livro.

11. O Dia do Curinga (Jostein Gaarder)

“Você já pensou que num baralho existem muitas cartas de copas e de ouros, outras tantas de espadas e de paus, mas que existe apenas um curinga?”, pergunta à sua mãe certa vez a jovem protagonista de “O Mundo de Sofia”. Esse é o ponto de partida deste outro livro de Jostein Gaarder, a história de um garoto chamado Hans-Thomas e seu pai, que cruzam a Europa, da Noruega à Grécia, à procura da mulher que os deixou oito anos antes. No meio da viagem, um livro misterioso desencadeia uma narrativa paralela, em que mitos gregos, maldições de família, náufragos e cartas de baralho que ganham vida transformam a viagem de Hans-Thomas numa autêntica iniciação à busca do conhecimento –ou à filosofia.

12. Ensaio sobre a cegueira (José Saramago)

Um motorista parado no sinal se descobre subitamente cego. É o primeiro caso de uma “treva branca” que logo se espalha incontrolavelmente. Resguardados em quarentena, os cegos se perceberão reduzidos à essência humana, numa verdadeira viagem às trevas. Num ponto onde se cruzam literatura e sabedoria, José Saramago nos obriga a parar, fechar os olhos e ver. Recuperar a lucidez, resgatar o afeto: essas são as tarefas do escritor e de cada leitor, diante da pressão dos tempos e do que se perdeu.

13. Comer, Rezar, Amar (Elizabeth Gilbert)

Em torno dos 30 anos, Elizabeth Gilbert enfrentou uma crise da meia-idade precoce. Tinha tudo que uma americana instruída e ambiciosa teoricamente poderia querer – um marido, uma casa, um projeto a dois de ter filhos e uma carreira de sucesso. Mas em vez de sentir-se feliz e realizada, foi tomada pelo pânico, pela tristeza e pela confusão. Enfrentou um divórcio, uma depressão debilitante e outro amor fracassado, até que se viu tomada por um sentimento de liberdade que ainda não conhecia. Foi quando tomou uma decisão radical – livrou-se de todos os bens materiais, demitiu-se do emprego, e partiu para uma viagem de um ano pelo mundo – sozinha.

14. A última grande lição (Mitch Albom)

Muitos de nós teve na juventude uma figura especial que, com paciência, afeto e sabedoria, nos ajudou a descobrir dimensões mais profundas e a escolher nossos caminhos com maior liberdade. Para Mitch Albom, esta pessoa foi Morrie Schwartz, seu professor na universidade. Vinte anos depois. Mitch reencontra Morrie nos últimos meses da vida de seu velho mestre, acometido de uma doença terminal. Durante quatorze encontros, eles tratam de temas fundamentais para a felicidade e realização humana. É uma lição de esperança sobre o sentido da existência, em que a experiência e reflexão são transmitidas de forma simples e comovente, que transformou a vida do autor, e que eles quis registrar como uma dádiva de Morrie para o mundo.

15. Hoje eu sou Alice (Alice Jamieson)

Em ‘Hoje eu sou Alice’ a autora relata a jornada de uma vítima de transtorno de múltipla personalidade, que precisou lutar contra a anorexia, o álcool e contra nove personalidades alternativas que emergiram após ficarem adormecidas diante de uma infância cruel. Sem controle, Alice entregou-se a elas – e sua vida passou a ser um caleidoscópio de acontecimentos e revelações. Este é o relato sobre uma doença e sobre a história de uma mulher que decidiu lutar contra a realidade e a imaginação.

16. Mundo de Sofia (Jostein Gaarder)

Às vésperas de seu aniversário de quinze anos, Sofia Amundsen começa a receber bilhetes e cartões-postais bastante estranhos. Os bilhetes são anônimos e perguntam a Sofia quem é ela e de onde vem o mundo. Os postais são enviados do Líbano, por um major desconhecido, para uma certa Hilde Moller Knag, garota a quem Sofia também não conhece. O mistério dos bilhetes e dos postais é o ponto de partida deste romance.

17. Toda Poesia (Paulo Leminski)

Ao conciliar a rigidez da construção formal e o mais genuíno coloquialismo, o autor praticou ao longo de sua vida um jogo de gato e rato com leitores e críticos. Se por um lado tinha pleno conhecimento do que se produzira de melhor na poesia – do Ocidente e do Oriente -, por outro parecia comprazer-se em mostrar um ‘à vontade’ que não raro beirava o improviso, dando um nó na cabeça dos mais conservadores. Pura artimanha de um poeta consciente e dotado das melhores ferramentas para escrever versos. Este volume percorre a trajetória poética completa do autor curitibano, mestre do verso lapidar e da astúcia.

18. O Segundo Sexo (Simone de Beauvoir)

Publicado originalmente em 1949, este livro é uma obra pioneira dos estudos sobre as mulheres e referência para o movimento feminista dos anos 1970. Da biologia à psicanálise, passando pelo materialismo histórico, Simone de Beauvoir reflete sobre as construções sociais produzidas em torno da “figura feminina”. É a obra mais fundamental de uma das mais importantes intelectuais do século 20.

19. O Apanhador No Campo de Centeio (J. D. Salinger)

Um garoto americano de 16 anos relata com suas próprias palavras as experiências que ele atravessa durante os tempos de escola e depois. Revela o que se passa em sua cabeça. O que será que um adolescente pensa sobre seus pais, professores e amigos?

20. A Insustentável Leveza do Ser (Milan Kundera)

O livro, de 1982, tem quatro protagonistas: Tereza e Tomas, Sabina e Franz. Por força de suas escolhas ou por interferência do acaso, cada um deles experimenta, à sua maneira, o peso insustentável que baliza a vida, esse permanente exercício de reconhecer a opressão e de tentar amenizá-la.

21. Caos – Terrorismo Poético & Outros Crimes Exemplares (Hakim Bey)

Hakim Bey mistura prosa e poesia em uma narrativa própria e relaciona autores e pensamentos distintos, como Artaud, Bakunin, Nietzsche, Situacionismo, Filosofia Sufi e heresias de todas as ordens. O autor se levanta contra aquilo que chama de masoquismo revolucionário e de autossacrifício idealista. Terrorismo poético, paganismo, arte-sabotagem, misticismo, pornografia, crime. Estes são apenas alguns dos “pretextos” usados para desafiar o leitor com sua linguagem delirante, brutal. Definitivamente, Caos não é aconselhado para espíritos conservadores.

22. Cem Anos de Solidão (Gabriel García Márquez)

O autor narra a incrível história da família Buendía, uma estirpe de solitários que habitam a mítica aldeia de Macondo. A narrativa desenvolve-se em torno de todos os membros dessa família, com a particularidade de que todas as gerações foram acompanhadas por Úrsula, uma personagem centenária e uma matriarca das mais conhecidas da história da literatura latino-americana.

23. Sidarta (Hermann Hesse)

Assim como outras inesquecíveis criações de Hermann Hesse, Sidarta é uma reflexão sobre a busca da sabedoria que encanta gerações. Fruto de uma viagem à Índia em 1911, foi publicado onze anos depois, em 1922. Sidarta é um espírito rebelde, que seguiu os ensinamentos de Buda, mantendo-se fiel à sua própria alma.

24. O Lobo da Estepe (Hermann Hesse)

Harry Haller é um homem de 50 anos que acredita que sua integridade depende da vida solitária que leva em meio às palavras de Goethe e as partituras de Mozart; um intelectual tentando equilibrar-se à beira do abismo dos problemas sociais e individuais, ante os quais a sua personalidade se torna cada vez mais ambivalente e, por fim, estilhaçada. A primeira parte do livro é o pesadelo do lobo Haller, sua depressão e sua incapacidade de se comunicar que está na base da crueldade e da autodestruição. Na segunda o lobo se humaniza, através da entrada em cena de Hermínia, que tenta reaproximá-lo do mundo, no caso uma comunidade simplória, com salas de baile poeirentas e bares pobres.

25. Livro das Perguntas (Pablo Neruda)

Uma forma de instigar inquietação e curiosidade das crianças, o Livro das perguntas, de Pablo Neruda, é um trabalho sem paralelo na obra deste que foi um dos maiores poetas do século XX. Espécie de testamento poético, onde o olhar da criança convive com o do homem sábio, o livro traz uma viagem ao imaginário de Neruda, onde as 74 perguntas, divertidas e fora do comum, ajudam o leitor a refletir sobre o mundo, os homens, os animais, os elementos da natureza, o significado da vida e da morte, sobre tudo, enfim.

26. O Paraíso são os Outros (Valter Hugo Mãe)

O paraíso são os outros é a história que nos conta uma menina que observa como são os casais. Casais de pessoas e casais de animais. Uma menina a quem o amor intriga e fascina. Ao imaginar a vida dos outros, sonha com a sua pessoa desconhecida que um dia há de amar. Pode até ser o Miguel ou não – há tanta gente maravilhosa! Ao inventar a felicidade, ela já sabe tudo o que é preciso para se ser casal. Um livro que parte da inocência pueril e toca também a sabedoria dos mais crescidos.

27. Meu quintal é maior do que o mundo (Manoel de Barros)

Meu quintal é maior do que o mundo recolhe poemas publicados por Manoel de Barros ao longo de mais de setenta anos. Recortar a obra desse poeta não é tarefa fácil, já que ela assume muitas formas, e se move como as águas do Pantanal. O problema desta e de qualquer seleção ou recorte da obra de Manoel de Barros, é, então, este: não se pode cercar a água. Nem com arame farpado.

28. O Poder da Empatia (Roman Krznaric)

Empatia é a arte de se pôr no lugar do outro e ver o mundo de sua perspectiva. Ela tem o poder de curar relacionamentos desfeitos, derrubar preconceitos, nos fazer pensar em nossas ambições e até mesmo mudar o mundo. Neste livro, o filósofo e historiador da cultura Roman Krznaric sustenta que, ao contrário do que pensamos, não somos eminentemente autocentrados, pois nosso cérebro é equipado para a conexão social. Baseado em mais de doze anos de pesquisas em diversos campos do saber, ele nos leva a uma incrível jornada através dos séculos para mostrar por que a empatia é uma qualidade essencial e transformadora que devemos desenvolver, ensinando ao mesmo tempo como é simples praticá-la.

29. Julie e Julia (Julie Powell)

Em crise com o emprego, sem perspectivas e prestes a completar 30 anos, a americana Julie Powell decide dar uma reviravolta em sua vida. Ao encontrar na casa da mãe o livro Mastering the Art of French Cooking, um clássico da cozinheira Julia Child, que apresentou as maravilhas da culinária francesa às donas de casa americanas, ela resolve aceitar a sugestão do marido e executar todas as receitas do livro no prazo de um ano. Para relatar o feito, descreve suas experiências em um blog, que logo se torna um dos mais acessados da web, e acaba descobrindo a vocação de escritora.

30. Contato (Carl Sagan)

Contato com extraterrestres não é sinônimo de homenzinhos verdes desembarcando de um disco voador. É muito mais: sinais captados num radiotelescópio podem conter mensagens capazes de nos fazer repensar toda a nossa concepção da vida e do universo. Esse é o ponto de partida de Carl Sagan, que, aliando as tensões da melhor literatura ao conhecimento científico mais avançado, compõe um romance que pode provocar em nós todas as reações – menos a indiferença. Em Contato , o que está em jogo é o mundo tal como o conhecemos. Como quem faz uma aposta, Sagan nos convida a uma viagem assustadoramente fascinante pelo buraco negro que é a inteligência humana.

Barbeiro dá desconto para crianças que lerem livro em voz alta

0

Foto: Keith Jason

A sala de espera também fica cheia de pequenos leitores. A ideia é estimular o hábito da leitura

Lidiane Barros, em O Livre

Nada de celular, nesta barbearia do Estado americano de Michigan, os pequenos clientes são estimulados a lerem livros. Para incentivar o hábito da leitura, o barbeiro Ryan Griffin dá desconto de US$ 2 (cerca de R$ 8,00) para as crianças que lerem um livro em voz alta enquanto cortam o cabelo.

A sala de espera da barbearia também fica repleta de pequenos leitores que aguardam por sua vez. Eles recebem lições de leitura, autoestima e leem também publicações sobre a história afro-americana. E não é só ler. As crianças também têm são estimuladas a discutir sobre o conteúdo que leram e ainda, responder a algumas perguntas.

Griffin conta que se inspirou por outras experiências que viu no Harlem, em Nova York, em Tampa, Flórida e Iowa e espera que outras barbearias se inspirem por esse modelo.

À ABC News, Griffin disse que uma barbearia também é um pilar da comunidade. “O objetivo é que as crianças da cidade tenham um livro à mão, que elas achem legal ler”.

A ideia bem que podia inspirar barbearias por aqui, não é mesmo?

“A Dança da Morte”, clássico de Stephen King, vai virar série na CBS

0

Rodolfo Vicentini, no UOL

O livro “A Dança da Morte”, escrito por Stephen King em 1978, vai virar série. A CBS encomendou 10 episódios da adaptação para sua plataforma de streaming sobre a história de pandemia que transformou o mundo em ruínas.

A série apocalíptica ocorre em um planeta praticamente exterminado pela doença e “envolvido em uma luta elementar entre o bem e o mal”, de acordo com a CBS. “O destino da humanidade repousa sobre os ombros frágeis da Mãe Abagail, de 108 anos, e de um punhado de sobreviventes”.

“Estou animado e muito satisfeito que o ‘A Dança da Morte’ tenha uma nova vida nesta plataforma”, disse King em comunicado. “As pessoas envolvidas são homens e mulheres que sabem exatamente o que estão fazendo; os roteiros são explosivos. O resultado parece ser algo memorável e emocionante. Acredito que isso levará os espectadores a um mundo que eles esperam que nunca aconteça.”

Josh Boone e Ben Cavell serão os roteiristas e produtores executivos do projeto. Para Boone, o livro tem um significado gigantesco, e ele conta que se lembra de ler a obra quando tinha 12 anos e a escondia debaixo da cama para os pais religiosos não perceberem.

“Sem pensar, eu roubei o número da conta da FedEx do meu pai e enviei uma carta a King, declarando meu amor por seu trabalho”, disse Boone, que será o diretor da adaptação.

“Várias semanas depois, encontrei em casa uma caixa que havia chegado do Maine, e lá dentro havia vários livros, cada um com uma bela anotação do próprio Deus, que me encorajou na escrita e me agradeceu por ser fã. Meus pais, genuinamente movidos pela gentileza e generosidade de King, suspenderam a proibição de seus livros naquele mesmo dia”, acrescentou.

“A Dança da Morte” ainda não tem data prevista para lançamento e nenhum ator escalado.

Go to Top