Praças da Cidade

Posts tagged professores

Escolas na Argentina abolem divisão por sala e usam arte como fio condutor do ensino

0

arte-pincel-cores

Caio Zinet, no Educação Integral

A história das escolas experimentais na Argentina remonta a 1958 quando duas professoras universitárias decidiram abrir uma pequena escola baseada na avaliação de que era necessário estudar e implementar experiências alternativas de educação. Passados 58 anos de muita luta, existem ao menos 30 escolas experimentais espalhadas por toda a Argentina.

Os docentes implementaram um método de ensino inspirado pela pedagogia da tolerância, do educador brasileiro Paulo Freire. As escolas experimentais comportam entre 100 e 200 alunos de ensino infantil ou fundamental e a arte é usada como fio condutor para abordar as disciplinas obrigatórias do currículo.

Desde o primeiro dia de aula os estudantes mais novos são colocados em contato com elementos da arte por meio da apresentação do que são pincéis e tintas e conhecem instrumentos musicais.

Enquanto os estudantes pintam ou aprendem a tocar algum instrumento musical, os professores conduzem a aula ensinando história contando qual foi o contexto social e histórico de algum artista.

A divisão por sala ou por idade inexiste e os estudantes são divididos em rodas de discussão compostas por no máximo 25 estudantes. O objetivo de trabalhar em pequenos grupos é permitir aos docentes que estabeleçam uma relação muito próxima aos estudantes.

Nas escolas experimentais não existem funcionários responsáveis pela limpeza a manutenção que ficam a cargo dos professores e em alguns casos dos estudantes, quando isso é interpretado como política pedagógica relevante.

Dentro das escolas também é utilizada a gestão democrática e não existe hierarquia entre os professores que tomam decisões coletivas durante as assembleias periódicas.

Nessas assembleias se decide de tudo até mesmo quais professores podem ou não ser aceitos para fazer parte do quadro docente. Dessa forma, o sistema tradicional de concurso não é adotado nas escolas experimentais.
História

As escolas experimentais nasceram a partir da iniciativa de dois professores graduadas pela Universidad de Arte Platense. Nelly Peason se formou em artes plásticas e Dorothy Ling em música.

As professoras criaram o Centro Pedagógico do Prata em 1958 na casa de Doroty até que em 1984 com o fim da ditadura argente, o então ministro da Educação, Carlos Alconada Aramburú reconhece o espaço como uma escola que se torna pública.

O início do processo não foi tranquilo isso porque havia pressão para que o método de ensino fosse alterado, mas os professores do Centro fizeram uma luta para não aceitar a imposição das regras de ensino tradicional.

Após longas batalhas, inclusive por meio judiciais, o Centro conseguiu manter a sua política original de educação baseada em escolas não divididas por idade e série, onde os alunos não são avaliados por nota, a matemática é ensinada por meio de ábacos, as carteiras são proibidas e que mantém uma política própria de formação de professores.

Nasceu em 1984, o Instituto de Educação Superior Themis Speroni que recebia crianças entre 3 e 18 anos e que também abrigava um espaço de formação de professores que foram os responsáveis por espalhar a ideia e fundar outras escolas públicas pelo país com o mesmo modelo.

Em 1986 nasceu a primeira escola, Las Casuarinas, em 1987 foi fundada La Garza, em Rincon em 1988, Barrio Jardín em 1989 em províncias de Buenos Aires. Veja lista de escolas experimentais na Argentina.

O sucesso foi tamanho que pais interessados em oferecer uma educação alternativa passaram a solicitar que escolas experimentais fossem implantadas em suas cidades.

Em 1994, a Argentina aprovou a Lei Federal de Educação que transferia para os estados toda a responsabilidade para educação. Para não ficaram a mercê dos governos da vez, algumas das escolas experimentais decidiram se tornar associações comunitárias.

Ao se tornarem associações, eles se veem livres de cumprir todas as determinações do estado. Outras escolas experimentais, no entanto, continuam como públicas, mas todas continuam seguindo o mesmo plano político pedagógico.

Quer ajuda para o Enem? Prepare a pipoca e escolha um bom filme

0

1_lucas_campos-5326451

 

O cinema aborda temas históricos ou polêmicos que podem ajudar no estudo

Katilaine Chagas, na Gazeta Online

Se para conquistar uma vaga em uma universidade é impossível não seguir uma rotina de estudos, para se dar bem no Enem há pelo menos algumas formas de dar uma aliviada na tensão e ainda se manter por dentro do conteúdo.

Os filmes estão aí, também, para isso. Por exemplo, “Olga”, longa-metragem brasileiro, permite-nos conhecer a história da alemã judia e comunista que acabou deportada do Brasil direto para os campos de concentração nazistas.

E, por tabela, despertar o interesse dos estudantes em itens importantes para o Enem, e para reflexão pessoal, ao abordar o nazismo e o comunismo.

“Cidade de Deus”, outra produção brasileira, ajuda a refletir as desigualdades sociais e origens da violência urbana. Esses títulos são alguns entre inúmeros indicados por professores do ensino médio e de cursos pré-Enem para estimular seus alunos.

“Para o aluno entender a questão é preciso entender aquele cenário. O filme é uma boa dica para visualizar isso. Ele relaxa aprendendo. E ele consegue visualizar no filme o que ele aprendeu em sala de aula” diz a professora de redação do Darwin Bárbara Citeli.

Para a prova de redação, ela e outros professores apostam em quatro grandes áreas: violência urbana, tecnologia, meio ambiente e saúde. Para cada uma, costuma indicar um filme diferente. Respectivamente, o já citado “Cidade de Deus”, “A Rede Social” e o documentário “Uma Verdade Inconveniente”.

Na área da saúde, ela lembrou que os alunos trouxeram para o debate a série “13 Reasons Why”, sobre bullying e suicídio.

O professor de História do Projeto Universidade para Todos (Pupt) Wesley Jesus Barbosa, conhecido como Tio Chico, cita o potencial de um filme despertar a curiosidade do aluno sobre um tema que poderia ser considerado maçante.

“O filme é uma obra de arte. A pretensão inicial é subverter a realidade. Mas há elementos reais ali. Isso estimula (o aluno) a buscar informações a partir do que viu no filme. E é bom para descansar porque é entretenimento também”, diz.

Além do sempre citado clássico “O Nome da Rosa”, lembrado há três décadas nas salas de aula, o professor aconselha também a assistir a “Apocalipse Now”, que ajuda a entender a Guerra Fria e a do Vietnã, e os filmes “A Lista de Schindler” e “A Vida é Bela”, ambos com recortes sobre o nazismo.

O professor de Geografia e Atualidades Lucas Campos, do Salesiano, empolga-se ao citar uma imensa lista de filmes. “Boa parte dos que a gente indica trazem alguma realidade que trabalhamos”, justifica.

Na lista dele, está o filme “Entre os Muros da Escola”, passado todo dentro de uma escola na França e que ajuda a discutir a situação de refugiados, tema presente na imprensa nacional e internacional.

Outra dica do professor é o filme “Okja”, sobre a amizade entre um menina e um animal, desenvolvido pela ciência inicialmente para outros fins. “Trabalha conceitos de Biologia e Geografia, além de conceitos de produção de alimentos, sobre agroindústria e a produção de alimentos transgênicos.”

O estudante do 3º ano do Salesiano Vinícius Raupp, 17 anos, aprova a estratégia dos professores de indicarem filmes. “Fica mais didático. E sai do negócio padrão da sala de aula”, conta o jovem, que pretende tentar a vaga para o curso de Engenharia Mecânica.

DICAS DE FILMES

Olga. Sobre a militante comunista alemã de origem judaica. Veio para o Brasil, mas acabou deportada para a Alemanha nazista.

Entre os Muros da Escola. A história é em uma escola na periferia da França e ajuda a compreender a situação de refugiados.

O Nome da Rosa. Um clássico tanto da literatura quando do cinema. Passado na Idade Média, a história é sobre a investigação de uma série de assassinatos em um mosteiro italiano.

Xingu. Trajetória dos irmãos Villas-Bôas pelo interior do Centro-Oeste brasileiro. Bom para compreender a marcha para o oeste, período em que Getúlio Vargas incentivou a migração para o interior.

Central do Brasil. Uma ex-professora se mantém escrevendo cartas de analfabetos para parentes. A história trata das migrações internas e a busca por melhores condições de vida em outros estados.

Clash. Foca no período pós-eleição do presidente Mohamed Morsi, no Egito. Trata a questão da Primavera Árabe, aborda Oriente Médio, grupos terroristas e disputas políticas

Complexo: Universo Paralelo. Obra sobre a ocupação do Complexo do Alemão, no Rio de Janeiro, a vida e religiosidade nas favelas.

A Revolução dos Bichos. Baseado no livro de George Orwell, o filme trata de maneira metafórica a Revolução Russa, que completa 100 anos em 2017.

Matemática do Diabo. É sobre um jovem de origem judaica que volta no tempo e para em 1941, na Polônia, quando o país foi invadido por nazistas

Invictus. Nelson Mandela, eleito presidente da África do Sul, tenta reunificar o país, ainda dividido mesmo após o fim do apartheid, por meio do esporte.

Mississipi em Chamas. Investigação sobre a morte de ativistas de direitos civis nos EUA na década de 1960. Trata sobre racismo e permite um paralelo com países que ainda sofrem com a discriminação.

Como a Inteligência Artificial já está mudando salas de aula no Brasil e no mundo

0
Anderson dos Santos Andrade com seu plano de estudos virtual: análise de dados fornecidos pelos alunos ajuda a identificar o que foi aprendido e o que precisa ser reforçado nas aulas (Foto: Divulgação/BBC Brasil)

Anderson dos Santos Andrade com seu plano de estudos virtual: análise de dados fornecidos pelos alunos ajuda a identificar o que foi aprendido e o que precisa ser reforçado nas aulas (Foto: Divulgação/BBC Brasil)

Sistemas são capazes de analisar desempenho de alunos, sugerir conteúdos complementares e orientar educadores; professor não deve ser substituído, mas terá que se preparar para essa realidade, dizem especialistas.

Publicado no G1

Quando o estudante Anderson dos Santos Andrade, 16, faz o login na plataforma virtual da escola, tem diante de si seu plano de estudos: faltam seis vídeos de biologia para assistir e, depois, completar os exercícios online. Um dos questionários vem com a hashtag #cainaprova, então Anderson sabe que aquele conteúdo ajudará a garantir pontos na nota do bimestre.

A interface mostra também que ele já completou – e acertou – as dez questões de funções trigonométricas da aula mais recente de matemática.

Aluno do 2º ano do ensino médio do Centro Educacional Sesi 415, em Artur Alvim, zona leste de São Paulo, ele e seus 995 colegas de escola usam a plataforma virtual para fazer as atividades indicadas pelos professores, acompanhar o próprio desempenho em cada matéria e classificar os conteúdos pelo seu grau de dificuldade: de “tô de boa” a “não estou entendendo nada”.

À medida que Anderson completa as atividades, o sistema identifica, via algoritmos, o quanto ele entendeu de cada matéria – e indica quais aulas deve assistir para sanar suas dúvidas.

Na outra ponta, os professores do Sesi 415 medem o aprendizado de cada aluno e cada turma, passam aulas complementares e fazem a correção automática dos exercícios.

A experiência da escola paulistana é um exemplo de como a Inteligência Artificial pode ser aplicada na educação – uma tendência mundial ainda repleta de desafios e oportunidades.

“Conforme os alunos usam a ferramenta, assistem às aulas e respondem as questões, recebemos os dados e os comparamos a modelos, para entender o que eles aprenderam e quais suas dificuldades”, explica à BBC Brasil Leonardo Carvalho, cofundador da Geekie, empresa que é a provedora da plataforma usada pelo Sesi.

Em uma aula de História do Brasil, por exemplo, o professor pode selecionar online as questões que quer desenvolver em classe; pede aos alunos que assistam aos vídeos para se prepararem para a aula e, depois dela, completem os exercícios também via internet.

O professor e seus coordenadores recebem, depois, gráficos indicando o nível de entendimento da turma: qual porcentagem completou os exercícios corretamente e quais foram as principais falhas.

“A Inteligência Artificial no fundo é um conjunto de ferramentas estatísticas que cria mais conhecimento quanto mais os alunos (a utilizarem)”, prossegue Carvalho.

“Em uma sala com 50 alunos, o professor não consegue ver (a dúvida exata) de cada um. O programa faz isso de modo escalonado.”

O Geekie fornece o sistema atualmente para 600 escolas privadas brasileiras, além da rede Sesi e para algumas escolas públicas, via patrocínio de empresas. A empresa também ofereceu, na rede pública, um game de simulado do Enem, para ajudar os alunos a identificar suas lacunas de aprendizado para o exame vestibular.

“Para essa nova geração, que não tem a cultura da paciência, é útil ver seus resultados rapidamente e saber o que precisa corrigir (no aprendizado)”, explica Ana Maria Machado Tonon, diretora do Sesi 415.

“E para nós (professores) é um termômetro sobre o que precisa ser aprimorado ou corrigido no conteúdo, sobre quais alunos fizeram ou não os exercícios. Antes, a gente gastava muito tempo tentando identificar o que estava indo errado.”

Experimentos globais

Ao redor do mundo, diferentes projetos estão aplicando a tecnologia e a Inteligência Artificial em busca de avanços no processo de aprendizado.

Na Califórnia, a AltSchool também usa uma plataforma adaptada de ensino para cada aluno, que tem sua “playlist” de vídeos, textos e exames elaborada conforme suas preferências e suas deficiências de ensino.

Na Índia, o programa Mindspark criou um banco de dados ao longo de dez anos, a partir de milhões de avaliações educacionais, para ajudar professores a identificar com precisão – em vez de pela intuição – quais são as necessidades dos alunos.

E, no Reino Unido, a empresa Third Space Learning, em parceria com a Universidade College London, tenta melhorar o aprendizado da matemática com uma tutoria virtual adaptada para cada criança, com base na análise de milhares de horas de aulas prévias.

De softwares inovadores a tablets, muito se tentou em termos de tecnologia em sala de aula, nem sempre com impactos significativos no aprendizado. Agora, com o avanço da Inteligência Artificial, é possível motivar alunos – sobretudo os que têm mais dificuldades – desde que as ferramentas não sirvam de muleta (ou seja, ensinem a criança a andar com as próprias pernas) e desde que não sejam usadas de modo aleatório, diz à BBC Brasil a professora Rose Luckin, que pesquisa o tema na College London e acompanha o Third Space Learning.

“O mais importante é identificar bem qual o problema que a escola está tentando resolver com a tecnologia, e daí usar a Inteligência Artificial no que ela é útil e manter o (ensino) humano no que ele é útil”, explica ela.

Computadores, explica ela, são eficazes em analisar dados e identificar padrões – por exemplo, de erros e acertos dos alunos. “Mas não são bons, por exemplo, em entender emoções ou replicar o intelecto e o instinto de um bom professor.”

Essa acaba sendo uma questão crucial: segundo Luckin, o ideal é que a tecnologia não substitua o professor, mas sim ajude-o a aperfeiçoar e otimizar suas aulas.

“Pode ser que no futuro haja pressão comercial para substituí-los, mas acho que esse caminho seria equivocado. O ideal é combinar interação humana à tecnológica (na sala de aula).”

No Brasil, o Geekie explica que um dos desafios iniciais foi justamente convencer os professores de que a plataforma não tem a intenção de tomar o lugar do docente.

“É para ajudar o professor e ser um facilitador do aprendizado, que é impossível de ser mecanizado”, diz Leonardo Carvalho. “A ideia é dar mais ferramentas para auxiliar a parte que só o professor consegue fazer.”

Desafio: capacitar professores

Reside aí, então, o primeiro grande desafio da Inteligência Artificial na educação: a formação de bons professores, capazes de utilizar a tecnologia a seu favor para melhorar a sala de aula.

Alunos do Centro Educacional Sesi 415; boa rede de internet é essencial para utilização de tecnologias de IA. (Foto: Divulgação/BBC Brasil)

Alunos do Centro Educacional Sesi 415; boa rede de internet é essencial para utilização de tecnologias de IA. (Foto: Divulgação/BBC Brasil)

“A tecnologia não dispensa o professor, mas ele deixa de ser o dono do saber e se torna um mediador”, opina Aníbal dos Santos Peça, coordenador pedagógico do Sesi 415. “Seu papel passa a ser ensinar o aluno a ser um bom pesquisador.”

Esse pode ser um entrave significativo no Brasil, onde a formação de professores é tida por especialistas como excessivamente teórica e deficitária.

E, em segundo lugar, existe o obstáculo da infraestrutura. O Sesi 415 só conseguiu usar plenamente as ferramentas de Inteligência Artificial no início do ano, quando a região de Artur Alvim, afastada do centro da cidade, finalmente recebeu rede de fibra ótica para internet rápida.

“Há até pouco tempo, algumas de nossas escolas só tinham internet discada”, diz Karina de Paula Vezzaro, analista técnico-educacional do Sesi em São Paulo. “Isso impacta muito. A internet no Brasil é cara e ruim.”

Segundo dados do Censo Educacional 2016 do Ministério da Educação tabulados pela plataforma QEdu, 68% das 183,3 mil escolas básicas do Brasil têm internet. A banda larga está disponível em 56% delas.

“A má qualidade da internet móvel ainda é gritante. Mas pouco a pouco a tendência é que esses gargalos sejam superados”, opina Ricardo Azambuja Silveira, professor associado do Departamento de Informática e Estatística da Universidade Federal de Santa Catarina e estudioso da Inteligência Artificial.

Para ele, a tendência é de que a tecnologia ajude a democratizar o ensino, mesmo que seu uso seja mais sutil do que imaginemos.

“Às vezes, são tecnologias um pouco invisíveis para usuários finais e que vão sendo incorporadas na rotina (da educação)”, diz à BBC Brasil. “Há desde o ensino adaptativo (moldado para cada estudante) até sistemas capazes de recomendar sites confiáveis para estudantes de determinadas áreas. Os moocs (cursos abertos e gratuitos online) também começam a incorporar a análise dos dados de seus usuários (…) para identificar as deficiências dos alunos.”

Desafio da democratização

Para Luckin, da Universidade College London, a democratização – ou não – do ensino com a tecnologia é a “pergunta de um milhão de dólares”.

“Acho que isso vai depender das escolhas feitas pelos humanos”, diz ela. “Temos um deficit mundial de 69 milhões de professores, e a Inteligência Artificial pode ajudar nisso – não substituindo-os, mas provendo tutores e melhorando os professores existentes. Mas ainda temo que os (alunos) mais ricos consigam adquirir essa tecnologia antes e que isso aumente a distância (deles em relação aos mais pobres).”

Para Carvalho, do Geekie, um dos potenciais da tecnologia é permitir ao aluno não depender tanto da disponibilidade física do professor. “(O sistema) não é equivalente a ter um professor particular, mas emula esse professor a um custo mais baixo.”

É preciso levar em conta, também, os limites da tecnologia – a qual, pelo menos por enquanto, é pouco eficiente em avaliar nuances, como a inteligência emocional dos alunos ou sua capacidade de escrever uma redação.

Tanto que, no Geekie, as redações dos simulados do Enem foram corrigidas manualmente por professores.

“A parte de competências emocionais ainda é uma área inexplorada”, explica Carvalho, que também almeja, no futuro, desenvolver sistemas capazes de integrar os diferentes campos de conhecimento do currículo escolar, em vez de apenas analisar os alunos de modo compartimentalizado – em matemática, português, física e assim por diante.

À medida que crescem as possibilidades, será necessário aumentar, também, o discernimento de professores e agentes políticos, opina Rose Luckin.

“A sala de aula mudará drasticamente, e todos precisarão aprender a lidar com isso”, diz ela. “Professores terão que ser treinados para decidir quais produtos serão mais eficientes para suas necessidades, e políticos sem informação suficiente podem comprar tecnologias achando que elas resolverão determinados problemas, e talvez elas não resolvam.”

De volta ao Sesi 415, na zona leste de São Paulo, a tecnologia tem sido encarada como uma ferramenta para dar mais subsídios aos professores e mais protagonismo aos alunos.

“Não é um remédio (para os problemas do ensino)”, diz o coordenador Aníbal Peça. “Ela não soluciona tudo, mas dá velocidade às soluções.”

Você estudante, está com dificuldades? Garanta boas notas seguindo 5 ótimos passos

0

direito-oab-concursos-estudante-livros-notebook

Publicado no Amo Direito

Alguns estudantes costumam ter dificuldade de demonstrar na prova que aprenderam os conteúdos vistos em sala com os professores. Outros, por sua vez, não conseguem compreender plenamente certos aspectos daquela matéria e, cheios de dúvidas, voltam para a casa com notas vermelhas sem entender muito bem o porquê.

Se você se identificou com um destes dois casos, não se preocupe. Nós reunimos os 5 passos cruciais para garantir um bom desempenho na escola. Confira-os a seguir e obtenha, os resultados que você tanto almeja:

1 – Anote suas tarefas
Escreva qual é a matéria, as instruções e os prazos para que você não tenha dúvida sobre as exigências do seu professor. É recomendável também, caso você não tenha o hábito de consultar sua agenda, programar um alarme para alguns dias antes da entrega, garantindo que você realize a tarefa com antecedência e apresente-a na data correta. Para se organizar em meio a tantos deveres, crie uma lista de tarefas na qual você possa eleger quais são suas prioridades e, assim, estabeleça uma sequência do que você deve fazer.

2 – Ouça seu professor
Tire suas dúvidas sempre que possível e anote as respostas dos seus professores no seu caderno para futuras consultas. Preste atenção nas ênfases que ele dá durante sua exposição, já que há grandes chances de estas palavras ou repetições sejam as palavras-chave deste conteúdo e, portanto, aspectos que você deve se lembrar na hora da prova.

3 – Tenha um local de estudos
Entenda qual é o seu perfil como aluno e tente criar um ambiente propício para seus estudos em casa. Por exemplo, se você é um estudante auditivo, um lugar barulhento pode não ser a melhor escolha. Lembre-se também de ter em mãos os materiais básicos necessários para rever a matéria, como lápis e borracha, além dos cadernos e livros da disciplina em questão.

4 – Estude diariamente
Tente estabelecer uma rotina na qual você consiga estudar de 1 a 3 horas as disciplinas trabalhadas na sala de aula. Assim, você garante que continuará a acompanhar as exposições do seu professor e ainda diminuirá o volume de estudos no dia anterior a sua prova. Pode parecer muito tempo, no primeiro momento, mas estas horas podem ser dedicadas tanto ao aprimoramento das suas anotações quanto à leitura dos textos-base ou discussões em grupo sobre a matéria da aula. Se você aliar estas atividades com o foco durante as aulas, você facilitará sua compreensão dos conteúdos e, portanto, melhorará seu desempenho nas atividades avaliadas.

5 – Cuide-se
Ter bons hábitos, como dormir bem e praticar exercícios físicos, ajudam você a ter uma mente saudável, já que reduz o estresse e te dá mais disposição. Por isso, invista também um tempo na sua saúde e no seu lazer.

Fonte: noticias universia

Turmas com melhor desempenho têm professores mais experientes, aponta estudo

1
Sala de aula (Foto: Reprodução/G1)

Sala de aula (Foto: Reprodução/G1)

 

Estudo relaciona perfil de professores com o desempenho de turmas na Prova Brasil. Dados abrangem escolas de todo o país.

Clara Campoli, no G1

As turmas de 5º ano do ensino fundamental com melhor desempenho na Prova Brasil contam com professores mais velhos, com mais de 10 anos de magistério e que acreditam no potencial de seus alunos: é o que mostra uma análise qualitativa realizada pela empresa de ciência de dados IDados. As informações, compiladas com dados de todo o país, mostram que as melhores notas saem de salas de aula com maioria de meninas e com 88% dos alunos na idade certa.

A análise, realizada pela economista Mariana Leite, baseou-se nos dados qualitativos do desempenho em matemática na Prova Brasil de 2015, além de se valer de respostas que os professores deram nos questionários relativos à avaliação. A Prova Brasil é aplicada pelo MEC e é um dos itens que integram o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb).

O estudo do IDados mostra que nas turmas de alto rendimento, 74,7% dos professores têm mais de uma década de experiência, contra 66,3% nas turmas que não se saíram tão bem no teste.

A idade do professor também parece influenciar: 61% têm mais de 40 anos nas boas turmas, enquanto as piores têm 45,5% de professores abaixo da faixa etária. Além disso, a presença de professores temporários é maior nas salas de baixo desempenho, com 25,8% se contrapondo aos 16,9% das melhores turmas.

“No geral, a maioria dos diretores de escola dizem que a seleção dos professores para as turmas depende do tempo de casa de cada um. Os mais experientes podem escolher turmas. Não é o caso do professor temporário, que acaba pegando turmas que dão mais trabalho e que têm mais repetentes”, comenta a economista.

Expectativas

Outro fator que chamou a atenção de Mariana Leite é a expectativa dos professores em relação aos alunos. Nas turmas de bom desempenho, 66,3% dos mestres acreditam que mais da metade dos alunos chegará ao ensino superior. O número é bem menor nas turmas de baixa performance: apenas 27% têm essa expectativa.

“A questão da expectativa do professor é um bom preditor para o sucesso escolar dos alunos, pelo menos a curto prazo”, comenta Leite.

“Não dá para saber o que vem primeiro, se é o docente que está na turma ruim e tem baixas expectativas, ou se são as atitudes dele que estimulam menos os alunos”

Formada em pedagogia, a professora Márcia Martins Barra poderia lecionar em turmas mais velhas, mas faz questão de concentrar suas energias nos estudantes na faixa etária de 10 a 12 anos. Ela se encaixa no perfil da pesquisa: tem 55 anos, leciona há 34 e é professora da Escola Municipal Cuba, no Rio de Janeiro, no bairro Zumbi.

“Toda sala tem inúmeros casos, turmas completamente heterogêneas. Em uma turma com 27 alunos, tenho 10 excelentes. A tentativa é fazer com que os outros atinjam aquele patamar. É um trabalho diário, e acho que falta experiência a muitos professores. É preciso levar o aluno mais difícil como um desafio, tentar resgatar essa criança. Não é para fazê-la se sentir menosprezada: se não sabe, vai aprender”, garante a professora.

Disciplina

Outro ponto levantado na pesquisa é a distribuição de tempo das aulas. Nas turmas que se saíram melhor na Prova Brasil, 51,2% dos professores relatam gastar mais de 10% do tempo mantendo a ordem e a disciplina. Os docentes responsáveis por turmas de baixo desempenho relatam o problema em proporção muito maior: 71,2%.

“Faz bem conseguir dar a aula da maneira que o professor gostaria, as crianças começam a ter um desempenho diferente. O trabalho não é de um dia para o outro. Se o docente não tiver o trabalho diário e desgastante, não vai ter resutado.” – Márcia Martins Barra, professora do 5º ano do ensino fundamental

“Os professores de turmas de mau desempenho falam de desinteresse, de baixa auto-estima, de indisciplina. O docente acaba gastando muito tempo tentando manter a ordem. Isso gera outro problema: só 33,1% acreditam que vão conseguir concluir 80% do conteúdo previsto até o fim do ano letivo”, analisa Leite.

Para a professora Márcia, os dados são preocupantes porque o 5º ano é a conclusão da etapa mais importante para a fundamentação escolar da criança. “Até essa etapa, somos a base. É como a construção de uma casa: se o alicerce não estiver bem feito, a estrutura não fica boa. É fundamental que o professor acredite em seu trabalho e não desista do aluno com dificuldades. Só assim é possível colher frutos da aprendizagem”, avisa a professora.

Go to Top