Sua Segunda Vida Começa Quando Você Descobre Que Só Tem Uma

Posts tagged tecnologia

Professor cria sistema de reconhecimento facial para evitar que alunos matem aulas

0
Sistema criado por Shen Hao substituiu as chamadas (Foto: Reprodução)

Sistema criado por Shen Hao substituiu as chamadas (Foto: Reprodução)

 

Shen Hao usou plataforma aberta de inteligência artificial para criar sistema, que substitui as tradicionais chamadas e listas de presença

Publicado na PEGN

Um professor da Universidade da Comunicação da China desenolveu uma moderna ferramenta para evitar que alunos matem as suas aulas.

Em vez das tradicionais chamadas ou listas de presença, Shen Hao usou uma plataforma aberta de inteligência artificial para controlar a frequência dos estudantes por reconhecimento facial.

— A forma tradicional de controle de frequência é a chamada. O novo sistema economiza tempo e reduz o trabalho dos professores — disse Shen, ao diário “China Daily”.

O sistema é usado pelo professor em suas seis turmas, que somam mais de 300 alunos. Antes das aulas, Shen liga o seu tablet e abre o sistema. Um a um, os estudantes são fotografados e as imagens são comparadas com o banco de dados da universidade.

— De cada cem estudantes, o sistema falha no reconhecimento de apenas um — comentou Shen à emissora Beijing News.

Mas é claro que nem todos ficaram contentes com a novidade. Os alunos de Shen brincam que a partir de agora está mais difícil matar aula. Não é mais possível pedir a um colega para assinar a lista ou responder à chamada.

— Mas nós apoiamos que a tecnologia entre nas universidades — disse Cui Yuqin, que está se graduando em jornalismo de dados.

A tecnologia está presente no novo iPhone X, mas levante controvérsia sobre a privacidade. Por ser cada vez mais precisa, ela pode ser usada por governos para vigiar e controlar os cidadãos.

Brasileiros levam prêmio inédito em Olimpíada Internacional de Tecnologia: ‘Emocionante’

0
Fábien Oliveira e Renato Rodrigues levaram prêmio inédito em Olimpíada de Tecnologia na Suíça (Foto: Arquivo Pessoal/Renato Rodrigues)

Fábien Oliveira e Renato Rodrigues levaram prêmio inédito em Olimpíada de Tecnologia na Suíça (Foto: Arquivo Pessoal/Renato Rodrigues)

Renato Rodrigues e Fábien Oliveira foram premiados na Suíça com projeto sobre mobilidade urbana. ‘Ficamos surpresos e anestesiados’, diz a dupla.

Francine Galdino, no G1

O engenheiro de Pilar do Sul (SP) Renato Rodrigues, de 30 anos, e o estudante de engenharia de controle e automação Fábien Oliveira, de 22 anos, foram os primeiros brasileiros a ganharem um prêmio na Olimpíada Internacional de Tecnologia e Inovação (ICC’2017) em Martigny, na Suíça. Os dois foram premiados em 17 de setembro por desenvolverem o projeto “Milênio Bus”, o qual alia a internet com o transporte público.

Ao G1, Renato contou que o projeto surgiu após “sentir na pele” a dificuldade de quem precisa pegar um ônibus lotado diariamente para ir trabalhar ou estudar. Com isso, o mestrando em Estratégia e Inovação em Engenharia de Produção da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) pensou em uma alternativa que pudesse ajudar os passageiros a saberem se o transporte está lotado ou não, além de informações sobre o ônibus.

“Eu uso o transporte público para ir até Sorocaba onde faço mestrado e com o passar do tempo comecei a perceber que o primeiro ônibus que eu usava para chegar até a universidade sempre estava lotado e o segundo, que passava cerca de 10 minutos depois, ia vazio. Então, durante um evento de tecnologia da Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU), onde a proposta era integrar a tecnologia no setor de mobilidade urbana e dar conforto aos usuários, pensei que se se tivesse uma maneira de saber como estaria o próximo ônibus, iria melhorá e muito o transporte público”, conta.

E foi com essa ideia inicial que Renato desenvolveu em março deste ano junto com o amigo Fábien Oliveira, que estuda na Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI), o projeto “Milênio Bus”.

“Eu conheci o Fábien em um evento de tecnologia em Campinas o ano passado e vi que ele era bem no meu estilo, que gostava de tecnologia e desafios e formamos a equipe para a Olimpíada Internacional. Desenvolvemos esse projeto e, então, fiz a inscrição. Para nossa surpresa, fomos um dos sete selecionados para ir até a Suíça e os únicos brasileiros”, conta Renato.

Renato Rodrigues de Pilar do Sul ganhou premio internacional de tecnologia na Suíça (Foto: Arquivo Pessoal/Renato Rodrigues)

Renato Rodrigues de Pilar do Sul ganhou premio internacional de tecnologia na Suíça (Foto: Arquivo Pessoal/Renato Rodrigues)

Projeto na Suíça

O projeto traz com ideia principal instalar sensores nos ônibus para contabilizar os passageiros e enviar as informações para um aplicativo de celular. Assim, os usuários conseguem verificar se o ônibus está lotado ou não. Além disso, pelo aplicativo do celular será possível comprar as passagens.

Fábien afirma que foi importante desenvolver o projeto e que ele tem relevância para a sociedade. “Eu vi a necessidade de ter esse aplicativo e topei desenvolver junto com o Renato. Desenvolvemos juntos em março deste ano e tivemos a felicidade de ganharmos esse prêmio”, diz.

Após o trabalho ter sido selecionado para a Olimpíada Internacional, Renato e Fabien afirmam que durante três semanas agora no mês de setembro os dois foram orientados, em Martigny, por especialistas que deram dicas de como melhorar o projeto. No final da competição, que reuniu 40 pessoas, eles tiveram que se apresentar por quatro horas para uma banca de avaliadores e investidores.

Além do título, os dois ganharam um cheque de 5 mil francos suíços, o equivalente a quase R$ 18 mil. Para Renato, que já participou de outros eventos de tecnologia nos Estados Unidos e Espanha, foi uma experiência única representar o Brasil.

“Foi muita responsabilidade. Por sermos de um país subdesenvolvido os outros já nos olhavam como inferiores. Apesar de todas as dificuldades, principalmente em nos comunicar, eu sempre digo que brasileiro é criativo e capaz de superar todos os desafios. A maioria das pessoas buscam a comodidade, eu não, eu sempre busco a flexibilidade”, brinca Renato.


Futuro

Segundo a dupla, o projeto fez tanto sucesso, que em junho deste ano a EMTU entrou com um processo de incubadora para colocar o “Milênio Bus” em funcionamento nos ônibus de transporte público.

“Já realizamos diversos testes e estamos no processo final do produto para enfim, colocá-lo no mercado. Aos usuários um aplicativo será disponibilizado em plataforma gratuita. Espero que dê tudo certo”, comenta Renato.

EMTU entrou com um processo de incubadora para colocar o projeto em funcionamento (Foto: Arquivo Pessoal/Renato Rodrigues)

EMTU entrou com um processo de incubadora para colocar o projeto em funcionamento (Foto: Arquivo Pessoal/Renato Rodrigues)

Como a Inteligência Artificial já está mudando salas de aula no Brasil e no mundo

0
Anderson dos Santos Andrade com seu plano de estudos virtual: análise de dados fornecidos pelos alunos ajuda a identificar o que foi aprendido e o que precisa ser reforçado nas aulas (Foto: Divulgação/BBC Brasil)

Anderson dos Santos Andrade com seu plano de estudos virtual: análise de dados fornecidos pelos alunos ajuda a identificar o que foi aprendido e o que precisa ser reforçado nas aulas (Foto: Divulgação/BBC Brasil)

Sistemas são capazes de analisar desempenho de alunos, sugerir conteúdos complementares e orientar educadores; professor não deve ser substituído, mas terá que se preparar para essa realidade, dizem especialistas.

Publicado no G1

Quando o estudante Anderson dos Santos Andrade, 16, faz o login na plataforma virtual da escola, tem diante de si seu plano de estudos: faltam seis vídeos de biologia para assistir e, depois, completar os exercícios online. Um dos questionários vem com a hashtag #cainaprova, então Anderson sabe que aquele conteúdo ajudará a garantir pontos na nota do bimestre.

A interface mostra também que ele já completou – e acertou – as dez questões de funções trigonométricas da aula mais recente de matemática.

Aluno do 2º ano do ensino médio do Centro Educacional Sesi 415, em Artur Alvim, zona leste de São Paulo, ele e seus 995 colegas de escola usam a plataforma virtual para fazer as atividades indicadas pelos professores, acompanhar o próprio desempenho em cada matéria e classificar os conteúdos pelo seu grau de dificuldade: de “tô de boa” a “não estou entendendo nada”.

À medida que Anderson completa as atividades, o sistema identifica, via algoritmos, o quanto ele entendeu de cada matéria – e indica quais aulas deve assistir para sanar suas dúvidas.

Na outra ponta, os professores do Sesi 415 medem o aprendizado de cada aluno e cada turma, passam aulas complementares e fazem a correção automática dos exercícios.

A experiência da escola paulistana é um exemplo de como a Inteligência Artificial pode ser aplicada na educação – uma tendência mundial ainda repleta de desafios e oportunidades.

“Conforme os alunos usam a ferramenta, assistem às aulas e respondem as questões, recebemos os dados e os comparamos a modelos, para entender o que eles aprenderam e quais suas dificuldades”, explica à BBC Brasil Leonardo Carvalho, cofundador da Geekie, empresa que é a provedora da plataforma usada pelo Sesi.

Em uma aula de História do Brasil, por exemplo, o professor pode selecionar online as questões que quer desenvolver em classe; pede aos alunos que assistam aos vídeos para se prepararem para a aula e, depois dela, completem os exercícios também via internet.

O professor e seus coordenadores recebem, depois, gráficos indicando o nível de entendimento da turma: qual porcentagem completou os exercícios corretamente e quais foram as principais falhas.

“A Inteligência Artificial no fundo é um conjunto de ferramentas estatísticas que cria mais conhecimento quanto mais os alunos (a utilizarem)”, prossegue Carvalho.

“Em uma sala com 50 alunos, o professor não consegue ver (a dúvida exata) de cada um. O programa faz isso de modo escalonado.”

O Geekie fornece o sistema atualmente para 600 escolas privadas brasileiras, além da rede Sesi e para algumas escolas públicas, via patrocínio de empresas. A empresa também ofereceu, na rede pública, um game de simulado do Enem, para ajudar os alunos a identificar suas lacunas de aprendizado para o exame vestibular.

“Para essa nova geração, que não tem a cultura da paciência, é útil ver seus resultados rapidamente e saber o que precisa corrigir (no aprendizado)”, explica Ana Maria Machado Tonon, diretora do Sesi 415.

“E para nós (professores) é um termômetro sobre o que precisa ser aprimorado ou corrigido no conteúdo, sobre quais alunos fizeram ou não os exercícios. Antes, a gente gastava muito tempo tentando identificar o que estava indo errado.”

Experimentos globais

Ao redor do mundo, diferentes projetos estão aplicando a tecnologia e a Inteligência Artificial em busca de avanços no processo de aprendizado.

Na Califórnia, a AltSchool também usa uma plataforma adaptada de ensino para cada aluno, que tem sua “playlist” de vídeos, textos e exames elaborada conforme suas preferências e suas deficiências de ensino.

Na Índia, o programa Mindspark criou um banco de dados ao longo de dez anos, a partir de milhões de avaliações educacionais, para ajudar professores a identificar com precisão – em vez de pela intuição – quais são as necessidades dos alunos.

E, no Reino Unido, a empresa Third Space Learning, em parceria com a Universidade College London, tenta melhorar o aprendizado da matemática com uma tutoria virtual adaptada para cada criança, com base na análise de milhares de horas de aulas prévias.

De softwares inovadores a tablets, muito se tentou em termos de tecnologia em sala de aula, nem sempre com impactos significativos no aprendizado. Agora, com o avanço da Inteligência Artificial, é possível motivar alunos – sobretudo os que têm mais dificuldades – desde que as ferramentas não sirvam de muleta (ou seja, ensinem a criança a andar com as próprias pernas) e desde que não sejam usadas de modo aleatório, diz à BBC Brasil a professora Rose Luckin, que pesquisa o tema na College London e acompanha o Third Space Learning.

“O mais importante é identificar bem qual o problema que a escola está tentando resolver com a tecnologia, e daí usar a Inteligência Artificial no que ela é útil e manter o (ensino) humano no que ele é útil”, explica ela.

Computadores, explica ela, são eficazes em analisar dados e identificar padrões – por exemplo, de erros e acertos dos alunos. “Mas não são bons, por exemplo, em entender emoções ou replicar o intelecto e o instinto de um bom professor.”

Essa acaba sendo uma questão crucial: segundo Luckin, o ideal é que a tecnologia não substitua o professor, mas sim ajude-o a aperfeiçoar e otimizar suas aulas.

“Pode ser que no futuro haja pressão comercial para substituí-los, mas acho que esse caminho seria equivocado. O ideal é combinar interação humana à tecnológica (na sala de aula).”

No Brasil, o Geekie explica que um dos desafios iniciais foi justamente convencer os professores de que a plataforma não tem a intenção de tomar o lugar do docente.

“É para ajudar o professor e ser um facilitador do aprendizado, que é impossível de ser mecanizado”, diz Leonardo Carvalho. “A ideia é dar mais ferramentas para auxiliar a parte que só o professor consegue fazer.”

Desafio: capacitar professores

Reside aí, então, o primeiro grande desafio da Inteligência Artificial na educação: a formação de bons professores, capazes de utilizar a tecnologia a seu favor para melhorar a sala de aula.

Alunos do Centro Educacional Sesi 415; boa rede de internet é essencial para utilização de tecnologias de IA. (Foto: Divulgação/BBC Brasil)

Alunos do Centro Educacional Sesi 415; boa rede de internet é essencial para utilização de tecnologias de IA. (Foto: Divulgação/BBC Brasil)

“A tecnologia não dispensa o professor, mas ele deixa de ser o dono do saber e se torna um mediador”, opina Aníbal dos Santos Peça, coordenador pedagógico do Sesi 415. “Seu papel passa a ser ensinar o aluno a ser um bom pesquisador.”

Esse pode ser um entrave significativo no Brasil, onde a formação de professores é tida por especialistas como excessivamente teórica e deficitária.

E, em segundo lugar, existe o obstáculo da infraestrutura. O Sesi 415 só conseguiu usar plenamente as ferramentas de Inteligência Artificial no início do ano, quando a região de Artur Alvim, afastada do centro da cidade, finalmente recebeu rede de fibra ótica para internet rápida.

“Há até pouco tempo, algumas de nossas escolas só tinham internet discada”, diz Karina de Paula Vezzaro, analista técnico-educacional do Sesi em São Paulo. “Isso impacta muito. A internet no Brasil é cara e ruim.”

Segundo dados do Censo Educacional 2016 do Ministério da Educação tabulados pela plataforma QEdu, 68% das 183,3 mil escolas básicas do Brasil têm internet. A banda larga está disponível em 56% delas.

“A má qualidade da internet móvel ainda é gritante. Mas pouco a pouco a tendência é que esses gargalos sejam superados”, opina Ricardo Azambuja Silveira, professor associado do Departamento de Informática e Estatística da Universidade Federal de Santa Catarina e estudioso da Inteligência Artificial.

Para ele, a tendência é de que a tecnologia ajude a democratizar o ensino, mesmo que seu uso seja mais sutil do que imaginemos.

“Às vezes, são tecnologias um pouco invisíveis para usuários finais e que vão sendo incorporadas na rotina (da educação)”, diz à BBC Brasil. “Há desde o ensino adaptativo (moldado para cada estudante) até sistemas capazes de recomendar sites confiáveis para estudantes de determinadas áreas. Os moocs (cursos abertos e gratuitos online) também começam a incorporar a análise dos dados de seus usuários (…) para identificar as deficiências dos alunos.”

Desafio da democratização

Para Luckin, da Universidade College London, a democratização – ou não – do ensino com a tecnologia é a “pergunta de um milhão de dólares”.

“Acho que isso vai depender das escolhas feitas pelos humanos”, diz ela. “Temos um deficit mundial de 69 milhões de professores, e a Inteligência Artificial pode ajudar nisso – não substituindo-os, mas provendo tutores e melhorando os professores existentes. Mas ainda temo que os (alunos) mais ricos consigam adquirir essa tecnologia antes e que isso aumente a distância (deles em relação aos mais pobres).”

Para Carvalho, do Geekie, um dos potenciais da tecnologia é permitir ao aluno não depender tanto da disponibilidade física do professor. “(O sistema) não é equivalente a ter um professor particular, mas emula esse professor a um custo mais baixo.”

É preciso levar em conta, também, os limites da tecnologia – a qual, pelo menos por enquanto, é pouco eficiente em avaliar nuances, como a inteligência emocional dos alunos ou sua capacidade de escrever uma redação.

Tanto que, no Geekie, as redações dos simulados do Enem foram corrigidas manualmente por professores.

“A parte de competências emocionais ainda é uma área inexplorada”, explica Carvalho, que também almeja, no futuro, desenvolver sistemas capazes de integrar os diferentes campos de conhecimento do currículo escolar, em vez de apenas analisar os alunos de modo compartimentalizado – em matemática, português, física e assim por diante.

À medida que crescem as possibilidades, será necessário aumentar, também, o discernimento de professores e agentes políticos, opina Rose Luckin.

“A sala de aula mudará drasticamente, e todos precisarão aprender a lidar com isso”, diz ela. “Professores terão que ser treinados para decidir quais produtos serão mais eficientes para suas necessidades, e políticos sem informação suficiente podem comprar tecnologias achando que elas resolverão determinados problemas, e talvez elas não resolvam.”

De volta ao Sesi 415, na zona leste de São Paulo, a tecnologia tem sido encarada como uma ferramenta para dar mais subsídios aos professores e mais protagonismo aos alunos.

“Não é um remédio (para os problemas do ensino)”, diz o coordenador Aníbal Peça. “Ela não soluciona tudo, mas dá velocidade às soluções.”

Audiolivro: você pode precisar dele mais do que imagina

0

Ouvir1

Se você nunca ouviu um audiolivro na vida, experimente. Segundo psicóloga, a sua experiência com ele pode ser melhor do que ler um

Keyla Pereira, no IBahia

Ler um livro, tê-lo em sua estante e concentrar a atenção no que está conteúdo é bom, não é mesmo? Porém, há pessoas que preferem consumir informação através do áudio, seja em um momento tranquilo ou até durante o trânsito. Mas será que a absorção do conteúdo de um audiolivro é o mesmo se ele fosse lido?

Ao longo da vida, o indivíduo desenvolve canais preferenciais de absorção de estímulo. São eles: auditivo, visual e sensorial, este último também é chamado de sinestésico. “Os indivíduos sinestésicos aprendem mais pela experiência. Todos nós temos um canal preferencial. Porém, não é comum nas escolas explorar o que cada um tem uma aptidão maior ou menor, elas usam o máximo de recursos na absorção da aprendizagem”, explica Débora Franco, psicóloga.

Afinal, qual a função do audiolivro?
Débora comenta que se a pessoa desenvolve a preferência visual e ouve o que está lendo, ela está ativando dois canais sensoriais o que faz com que a apreensão do conhecimento seja mais precisa: “Quanto mais canais sensoriais estimular, maior facilidade terá de reter o conhecimento”. Até indivíduos que não são preferencialmente auditivos e são visuais, podem ser beneficiados por livros em áudio. “As pessoas que mais absorvem audivelmente, passam a ter essa preferência ao

longo da vida, ele não é programado geneticamente”, acrescenta.

Qual a diferença de absorção?
Os livros em áudio estimulam mais a apreensão do conhecimento. “Independente da preferência, há estudos que mostram que as pessoas devem estimular para poder tornar o cérebro mais aguçado, os canais que a pessoa tem mais deficiência”, explica a psicóloga.

Débora também informa que toda experiência que o indivíduo vive, constrói um aprendizado unindo imagem – o que foi visto naquele momento -, uma crença pessoal diante da informação, uma emoção e uma sensação corporal. Elementos importantes para despertar a preferência sensorial.

“Quanto mais significativo for o conhecimento, ele vai gerar uma visualização mental da imagem, e usando canais sensoriais diferentes – como o auditivo -, ajuda a despertar emoções e lembranças associadas ao conteúdo que você está lendo”, conclui.

*Sob supervisão e orientação de Rafael Sena

Inteligência artificial identifica autoria de obras literárias

0
O ato de dividir os livros em redes que evoluem no tempo é a principal inovação desse trabalho – Foto: Marcos Santos / USP Imagens

O ato de dividir os livros em redes que evoluem no tempo é a principal inovação desse trabalho – Foto: Marcos Santos / USP Imagens

 

Baseado nos métodos de redes complexas e análise de séries temporais, sistema obteve taxa de 88,7% de acerto

Publicado no Jornal da USP

Com uma taxa de 88,7% de acerto, a autoria de 71 obras literárias foi identificada por um sistema de inteligência artificial desenvolvido por pesquisadores do Instituto de Física de São Carlos (IFSC) e do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos. No total, o sistema avaliou 80 livros (em inglês) escritos por oito autores, como Charles Dickens, entre outros. O conceito do sistema é baseado em duas metodologias de física estatística: redes complexas e a análise de séries temporais.

As redes complexas têm auxiliado cientistas que trabalham com aprendizado de máquina – que consiste em treinar um sistema computacional a partir de dados, que podem ser de imagens, vídeos e textos, para identificar padrões; no caso do trabalho em questão, as redes complexas têm características não triviais em sua topologia. Já a segunda metodologia ajuda a entender fenômenos e sistemas cuja variação ao longo do tempo não pode ser prevista com modelos simples. Hoje, a análise de séries temporais é bastante útil no sistema financeiro, permitindo, por exemplo, prever a evolução de taxas de câmbio e ações de empresas nas bolsas de valores.

O sistema inteligente realiza vários passos. Cada livro é dividido em parcelas cujas redes de co-ocorrência tenham o mesmo número de palavras, transformando-se assim em uma série de redes. Em uma rede de co-ocorrência, as palavras de um texto são os nós, e cada vez que duas palavras aparecem juntas, uma aresta (ou seja, um link) é estabelecida entre elas. Se essas palavras co-ocorrentes se repetem, aumenta-se o peso das arestas. De cada rede extraem-se medidas de sua topologia. Tais medidas denotam, por exemplo, qual é o padrão de conexão na rede, se há nós muito mais conectados que outros, ou se os nós mais conectados se relacionam com aqueles que têm poucas conexões.

A série temporal é então formada pelas métricas de cada rede (parcela do texto) até o fim do livro analisado. Através das séries temporais relacionadas a esse trabalho, observou-se que há um padrão característico para cada autor, ou seja, as estruturas textuais dos escritores se assemelham às suas digitais. Isso foi aprendido pelo sistema inteligente a partir de algoritmos de aprendizado de máquina – a máquina acertou quais eram os autores de 71 livros analisados, a partir do algoritmo de melhor desempenho.

As características de um texto se revelam na maneira como o texto é estruturado, diz o autor da pesquisa, o professor Osvaldo Novais de Oliveira Junior, do IFSC. Foto: Divulgação/IFSC

As características de um texto se revelam na maneira como o texto é estruturado, diz o autor da pesquisa, o professor Osvaldo Novais de Oliveira Junior, do IFSC. Foto: Divulgação/IFSC

 

Autoria textual

“As características de um texto se revelam na maneira como o texto é estruturado”, explica o coordenador da pesquisa, professor Osvaldo Novais de Oliveira Junior, do IFSC. Segundo ele, o ato de dividir os livros em redes que evoluem no tempo – ao “ler” cada livro – é a principal inovação desse trabalho, pois em outros estudos encontrados na literatura sobre sistemas inteligentes para verificação de autoria textual, cada texto avaliado geralmente corresponde a uma única grande rede de co-ocorrência. Com a divisão dos trechos foi possível incluir metodologias de física estatística de séries temporais, melhorando a capacidade de análise.

Esse sistema “inteligente” poderá ser utilizado, por exemplo, na verificação de eventuais plágios e de qualidade de texto, independentemente do tamanho do conteúdo a ser analisado. O docente do IFSC afirma ainda que o objetivo final desse tipo de pesquisa é ensinar o computador a interpretar texto.

Mas será que os sistemas computacionais poderão compreender um texto? A resposta de Novais para essa pergunta é positiva, já que nos últimos anos tem havido um enorme progresso nessa área de estudo. Aliás, já se sabe que uma máquina pode, por exemplo, aprender a reconhecer objetos tal como uma criança faz – através de exemplos e, portanto, a partir de padrões! Com o aumento na capacidade de memória e processamento das máquinas, consegue-se antever que tarefas ainda mais complexas possam ser executadas.

A figura exemplifica uma rede de co-ocorrência de palavras extraídas do livro A Tale of Two Cities (Um Conto de Duas Cidades), de Charles Dickens – Imagem: Divulgação IFSC

A figura exemplifica uma rede de co-ocorrência de palavras extraídas do livro A Tale of Two Cities (Um Conto de Duas Cidades), de Charles Dickens – Imagem: Divulgação IFSC

 

Para ter uma máquina que, além de identificar autoria, compreenda o que está escrito em um texto, é preciso treiná-la com o maior número possível de exemplos. Atualmente, o sucesso desse tipo de estratégia é ilustrado pela considerável melhora nos tradutores automáticos, que agora já introduzem aprendizado de máquina. Os projetos do Núcleo Interinstitucional de Linguística Computacional, do qual Novais é membro fundador, em parceria com o Grupo de Computação Interdisciplinar do IFSC da USP, visam a desenvolver métodos e criar conceitos inovadores que também possam ser usados em grandes volumes de dados (o que se chama de Big Data).

“Podemos prever que o trabalho que estamos discutindo sirva de inspiração para projetos nos quais grandes volumes de dados serão processados e que, provavelmente, terão desempenho superior ao que tivemos”, diz o docente. Neste ano, um artigo descrevendo a citada pesquisa foi publicado na revista PLOS ONE, podendo ser acessado na íntegra aqui.

Rui Sintra, da Assessoria de Comunicação do IFSC

Go to Top