Cristina Danuta

Cristina Danuta

(1 comments, 12624 posts)

This user hasn't shared any profile information

Posts by Cristina Danuta

Refugiado preso em campo de detenção ganha maior prêmio literário da Austrália

0

O refugiado curdo-iraniano Behrouz Boochani Foto: ASHLEY GILBERTSON / NYT

Jornalista curdo-iraniano está detido há seis anos em Papua Nova Guiné

Publicado em O Globo

Um refugiado curdo-iraniano ganhou o maior prêmio literário da Austrália com seu livro de estreia, escrito em seu celular e entregue um capítulo de cada vez via WhatsApp. Atualmente mantido em um campo de detenção em Papua Nova Guiné, Behrouz Boochani não pôde comparecer à cerimônia de premiação. No Victorian Premier’s Literary Awards, ele foi o vencedor nas categorias Victorian Prize — o principal do país — e na de Não-Ficção, somando 125 mil dólares australianos (cerca de US$ 90 mil)

Boochani foi preso na ilha de Manus em 2013 por tentar entrar na Austrália sem um visto válido. Ele é um dos 600 refugiados mantidos em acampamentos na ilha. Segundo a CNN, ele usou seu celular para escrever o livro “No friend but the mountains: Writing from Manus prison” (“Nenhum amigo além da montanha: Escrevendo da prisão de Manus”, em tradução direta). O escritor espera que o prêmio chame a atenção para a situação de mais de mil refugiados detidos na Austrália.

“Eu não quero celebrar essa conquista enquanto ainda vejo muitas pessoas inocentes sofrendo ao meu redor”, disse Boochani à Reuters em uma troca de mensagens de texto.

Boochani tem sido um crítico proeminente da política de imigração da Austrália. Os requerentes de asilo interceptados no mar são enviados para “processamento” em três campos em Papua Nova Guiné e um na ilha de Nauru, no Pacífico Sul, onde muitos permanecem por anos.

Desde 2013, mais de 3 mil refugiados em busca de asilo na Austrália foram enviados a centros de detenção, o que já gerou diversos protestos de ativistas dos direitos humanos. O governo australiano defende a política e alega que ela é necessária para impedir que criminosos entrem no país. Em 2017, o governo fechou o centro da ilha de Manus e remanejou os refugiados. Alguns conseguiram se instalar nos Estados Unidos, mas muitos permanecem na mesma situação que Boochani.

Boochani disse que um dos seus maiores medos enquanto escrevia o livro era que seu telefone fosse confiscado pelos guardas do campo. Ele escreveu o livro em seu farsi nativo e o enviou por WhatsApp para um tradutor na Austrália.

“Ele utiliza formações narrativas distintas, da análise crítica à descrição, poesia e surrealismo distópico”, descreve o júri do prêmio em sua análise da obra. “A escrita é bela e precisa, misturando tradições literárias que emanam de todo o mundo, mas particularmente das práticas curdas. A clareza com que idéias e conhecimentos são expressos é também um triunfo da tradução literária, realizada pelo tradutor Omid Tofighian.

O escritor já colaborou com diversas publicações ao redor do mundo, inclusive o jornal britânico “The Guardian”, que publicou o discurso de aceitação do prêmio na íntegra. Nele, Boochani afirma que a conquista é a prova de “palavras ainda têm o poder de desafiar sistemas e estruturas desumanos”.

“Eu estive numa cela por anos mas por todo esse tempo minha mente sempre esteve produzindo palavras, e essas palavras me levaram para além das fronteiras, me leveram além-mar e a lugares desconhecidos. Eu realmente acredito que as palavras são mais poderosas do que os muros deste lugar, desta prisão”, escreveu Boochani.

Novos livros de Josh Malerman, autor de Bird Box, serão lançados no Brasil

0

 

Caixa de Pássaros já vendeu mais de 160 mil exemplares no Brasil

Gabriel Avila, no Omelete

Dois livros inéditos de Josh Malerman, autor do romance que inspirou o filme Bird Box da Netflix, chegarão ao Brasil. A Editora Intrínseca revelou com exclusividade ao Omelete que o lançamento de Inspection, thriller que se passa em um mundo de horror cheio de segredos, acontecerá no segundo semestre. Confira a sinopse:

“J é um dos 26 alunos de uma escola que fica em uma floresta distante do resto do mundo. Os alunos da instituição têm o enigmático fundador da escola como pai e recebem treinamento para serem prodígios. Mas J suspeita que há algo do lado de fora que o fundador não quer que ele veja. Enquanto isso, do outro lado da floresta, em uma escola muito parecida com a de J, uma garota chamada K está se fazendo as mesmas perguntas. J nunca viu uma garota e K nunca viu um menino. Enquanto K e J investigam os segredos de suas duas estranhas escolas, eles descobrem algo ainda mais misterioso: um ao outro”.

Já Unbury Carol, uma versão sombria do conto Bela Adormecida, ainda não tem previsão de lançamento. Confira a sinopse abaixo:

“Carol Evers é uma mulher com um segredo sombrio: ela já morreu muitas vezes, mas suas muitas parecem comas, um sono desperto indistinguível da morte. Apenas duas pessoas sabem da condição misteriosa de Carol. Um deles é seu marido, Dwight, que se casou por interesse e pretende enterrá-la viva no próximo episódio de coma; e o outro é seu amor perdido, o bandido James Moxie. Quando a notícia do terrível destino de Carol chega até Moxie, ele tentará salvá-la desse trágico destino. Acordada e consciente, Carol usará seu feroz instinto de sobrevivência para se libertar da escuridão que a prende”.

Caixa de Pássaros é o primeiro romance de Malerman e já vendeu mais de 160 mil exemplares no Brasil. O livro foi adaptado pela Netflix no filme Bird Box, estrelado protagonizado por Sandra Bullock.

“A Dança da Morte”, clássico de Stephen King, vai virar série na CBS

0

Rodolfo Vicentini, no UOL

O livro “A Dança da Morte”, escrito por Stephen King em 1978, vai virar série. A CBS encomendou 10 episódios da adaptação para sua plataforma de streaming sobre a história de pandemia que transformou o mundo em ruínas.

A série apocalíptica ocorre em um planeta praticamente exterminado pela doença e “envolvido em uma luta elementar entre o bem e o mal”, de acordo com a CBS. “O destino da humanidade repousa sobre os ombros frágeis da Mãe Abagail, de 108 anos, e de um punhado de sobreviventes”.

“Estou animado e muito satisfeito que o ‘A Dança da Morte’ tenha uma nova vida nesta plataforma”, disse King em comunicado. “As pessoas envolvidas são homens e mulheres que sabem exatamente o que estão fazendo; os roteiros são explosivos. O resultado parece ser algo memorável e emocionante. Acredito que isso levará os espectadores a um mundo que eles esperam que nunca aconteça.”

Josh Boone e Ben Cavell serão os roteiristas e produtores executivos do projeto. Para Boone, o livro tem um significado gigantesco, e ele conta que se lembra de ler a obra quando tinha 12 anos e a escondia debaixo da cama para os pais religiosos não perceberem.

“Sem pensar, eu roubei o número da conta da FedEx do meu pai e enviei uma carta a King, declarando meu amor por seu trabalho”, disse Boone, que será o diretor da adaptação.

“Várias semanas depois, encontrei em casa uma caixa que havia chegado do Maine, e lá dentro havia vários livros, cada um com uma bela anotação do próprio Deus, que me encorajou na escrita e me agradeceu por ser fã. Meus pais, genuinamente movidos pela gentileza e generosidade de King, suspenderam a proibição de seus livros naquele mesmo dia”, acrescentou.

“A Dança da Morte” ainda não tem data prevista para lançamento e nenhum ator escalado.

Estas atitudes são indicadas para quem quer escrever textos excelentes

0

(foto/Getty Images)

O professor Diogo Arrais tem algumas dicas para quem quer melhorar o vocabulário em português

Diogo Arrais, na Exame

Está numa cadeia de ações o almejado domínio da Língua Portuguesa. Na semana passada, recebi a seguinte mensagem:

“Preciso melhorar meu vocabulário, até para redigir peças. Se puder me fornecer alguma dica, ficaria agradecido.”

Comecemos pelo “até” desse querido ex-aluno e – agora – leitor: leva-me a entender que o aumento do vocabulário é também necessário em sua vida pessoal. Não tratarei apenas de vocabulário, mas de outras competências a serem adquiridas.

Habituar-se ao clássico; conviver com o de bom gosto, na História, na Literatura, na Sociologia, na Economia, na Psicologia, na Música, no Teatro, no Cinema são riquezas infindáveis. Escritores, estudiosos e artistas clássicos proporcionam crítica, audição, vocabulário, compreensão ímpares.

Pessoas notáveis nas Artes, na Comunicação, no Direito, na Ciência têm acervo: sem um espaço dedicado à pesquisa é muito mais complexo desenvolver o bom texto, a nova palavra, a nova percepção. Preciosos ensinamentos estão nos livros, nos discos, nos mestres inspiradores, nas palestras, nos discursos históricos.

No acervo, tenha acesso aos gênios, para aperfeiçoar fala, escrita, audição e crítica.

Poetas, sagazes da palavra, contistas, cronistas, romancistas: Clarice Lispector, Guy de Maupassant, Machado de Assis, Edgar Allan Poe, Guimarães Rosa, Mia Couto, Fernando Pessoa, Cecília Meireles (é injusto demais fazer lista!)

Há um exercício saudável, por meio da Música: compreender letras, sons e estudar estilos artísticos; relacionar tudo isso a um estudo histórico. Exemplo: compreender os porquês de o Jazz, o Tropicalismo, a Bossa Nova e o Rock terem sido movimentos tão importantes, comentados.

Bons oradores – em tese – têm percepções cinematográficas, jornalísticas aguçadas. Estudar Roteiro, Fotografia (o básico ao menos) e o Vídeo em si é um ótimo caminho a quem busca ter boa performance.

Costumo pensar assim: um bom advogado não vive apenas a construção de peças jurídicas, mas é abastecido de sapiência gramatical, dicionários, pesquisa, linguagem e tantas outras riquezas culturais.

Chegar à excelência é sair um pouco dessa pressa insana do digital, com respostas básicas prontas, sem o devido deleite (e o tempo certo) para o aprendizado garantido.

Quem tem a curiosidade pelo conhecimento alonga as asas; quem divide o que sabe aproxima-se do céu: ler, respeitar o outro, habituar-se ao palco, aproximar-se, dia a dia, da Palavra em si.

Duna | Oscar Isaac deve interpretar o pai de Timothee Chalamet

0

Longa ainda não tem data de lançamento

Fabio de Souza Gomes, no Omelete

Oscar Isaac está em negociações para entrar no elenco do reboot de Duna. Ele vai se juntar ao elenco que conta com nomes como Timothee Chalamet, Rebecca Ferguson, Stellan Skarsgard e Charlotte Rampling. Ele deve interpretar o pai de Chalamet no longa que contará com Denis Vileneuve na direção (Via Variety).

Timothee Chalamet viverá o protagonista Paul Atreides, cuja família aceita controlar o planeta-deserto Arrakis, produtor de um recurso valioso e disputado por diversas famílias nobres. Ele é forçado a fugir para o deserto – com a ajuda de sua mãe, Lady Jessica, que será vivida por Rebecca Ferguson – e se junta à tribos nômades, eventualmente liderando-as por conta de suas habilidades mentais avançadas. Já Dave Bautista será Rabban, sobrinho sádico de um barão que comanda Arrakis e também é chamado de A Besta.

O livro é conhecido como uma das obras mais complexas de ficção científica de todos dos tempos, e já foi adaptado para os cinemas em 1984 por David Lynch. O livro também virou minissérie do canal Syfy em 2000. No Brasil, os livros da franquia Duna são publicados pela Editora Aleph.

O longa ainda não tem data de estreia confirmada.

Cristina Danuta's RSS Feed
Go to Top