Canal Pavablog no Youtube

livros

Com 800 mil livros vendidos no Brasil, Sheila Walsh lança nova obra

0

Publicado na Veja

Escrito pela best-seller americana Sheila Walsh, o livro Tudo bem não estar bem chega às livrarias nacionais em junho pelo selo Thomas Nelson.

Na obra, Walsh utiliza preceitos cristãos para abordar temas pesados como depressão e suicídio.

Tudo bem não estar bem

A americana já vendeu 5 milhões de livros no mundo, sendo 800 mil só no Brasil.

Sob o Sol da Toscana: Casarão do filme virou hospedagem

0

A casa que serviu de cenário para o filme (Villa Laura/Divulgação)

A casa do filme ‘Sob o Sol da Toscana’ virou hospedagem. Agora é possível se hospedar na Villa Laura, casarão onde boa parte do filme foi gravado.

Publicado no Embarque na Viagem

O desafio de reformar uma casa de campo e se habituar ao modo de vida italiano deu origem ao livro ‘Sob o sol da Toscana’ e, mais tarde, ao filme de mesmo nome com Diane Lane.

Os fãs do filme que visitam o vilarejo de Cortona se divertem reconhecendo os cenários, como a Piazza della Repubbica. É ali que acontece o mercado, que Frances escreve um cartão-postal para outro viajante e também onde o coro de crianças se apresenta no Natal. Mas boa parte das gravações, no entanto, foram feitas na Villa Laura: um casarão real, a seis minutos do centro da cidade, que serviu de locação para as cenas da protagonista em sua nova moradia. A propriedade do século 17 passou por uma bela renovação e agora pode ser alugada pelos viajantes através da Luxury Retreats, empresa que pertence ao grupo Airbnb.

A escadaria do Palazzo Comunale aparece bastante no filme (Sorin Popovich/Flickr)

A estadia mínima é de sete dias, tempo perfeito para explorar as principais atrações da Toscana em passeios de bate-e-volta, e os seus dez quartos acomodam confortavelmente vinte pessoas. Fora as vistas para Cortona e os olivais que a cercam, a casa possui uma cozinha moderna com ilha central, forno de pizza, adega subterrânea e mesa ao ar livre no jardim, tudo pensado para curtir ao máximo a gastronomia local. Isso sem falar da piscina e da sala de jogos.

Com preços que variam entre US$ 2.379 e US$ 4.079 a noite, se você juntar mais 19 amigos para se hospedarem com você, a empreitada fica um pouco mais viável. Para reservar acesse: luxuryretreats.com/vacation-rentals/italy/tuscany/cortona/villa-laura-112033.

Conheça o escritor que venceu o Alma, o maior prêmio da literatura infantil mundial

0

Bart Moeyaert vence o Alma / Crédito: Suzanne Kronholm/Divulgação/Alma

O Prêmio Memorial Astrid Lindgren entrega anualmente o equivalente a R$ 2,08 milhões ao vencedor, que pode ser escritor, ilustrador, contador de história e promotor de leitura

Bia Reis, no Estadão

Escrevo para a criança que eu fui e para a criança que mora em mim, dizia a escritora sueca Astrid Lindgren (1907-2002). Astrid é conhecida por seu personagem Pippi Longstocking, ou Píppi Meialonga em português, que desafia e testa adultos sobre os direitos das meninas – e se tornou um ícone feminista. Reconhecida pela capacidade singular de lembrar como as crianças pensam e sentem e por transmitir essa percepção para leitores de todas as idades, a escritora dá nome ao Prêmio Memorial Astrid Lindgren (Alma), uma das mais prestigiosas premiações da literatura infantil mundial e que paga ao vencedor o maior valor: 5 milhões de coroas suecas, ou R$ 2,08 milhões.

Astrid foi citada como referência e inspiração pelo escritor premiado este ano pelo Alma, o belga Bart Moeyaert, de 54 anos, que tem mais de 50 obras publicadas e traduzidas para 21 idiomas, entre ficção, livros ilustrados, poesia, peças de teatro, roteiros de televisão e ensaios. No Brasil, é difícil encontrar livros de Bart – Me Dá Um Beijo (Ediouro, 1996) e A Criação (CosacNaify, 2006) estão fora de catálogo (mas quem quiser conhecer pode procurar em sebos, como a Estante Virtual).

“Li os livros de Astrid Lindgren quando tinha 9 anos. O mundo de Astrid era como a minha própria família, e o mundo real era como o dela. Depois eu entendi que o mundo dela era sobre inclusão. Isso foi reconfortante porque eu era solitário na minha grande família, porque era o mais novo. E isso influenciou o meu trabalho”, afirmou Bart, depois de ser anunciado vencedor do Alma, na semana passada, durante a Feira do Livro Infantil de Bolonha, na Itália.

Na justificativa da escolha, o júri escreveu: “A linguagem condensada e musical de Bart Moeyaert vibra com emoções reprimidas e desejos não verbalizados. Ele retrata relacionamentos em momentos de crise com um imediatismo cinematográfico, mesmo que suas narrativas complexas surgiram novos caminhos. O trabalho luminoso de Bart Moeyaert ressalta o fato de livros para crianças e jovens tem um lugar de destaque na literatura mundial”.

Os jurados apontaram, entre os livros de destaque, seu mais recente romance, de 2018: Everybody’s Sorry Today (Todo Mundo Está Desculpado). Nele, Bart faz o retrato de Bianca, uma menina de 12 anos. It’s Love We Don’t Understand (É o Amor que Não Conseguimos Entender), em que conta a história de uma família que desmorona, pelo olhar de uma garota de 15 anos, foi apontado como sua obra-prima. Foram ainda citados Bare Hands (Com as Próprias Mãos), que descreve os sentimentos conflitantes de um menino em uma movimentada noite de ano-novo, e Brothers (Irmãos), seu livro autobiográfico, em que escreve com carinho e humor sobre como foi crescer sendo o caçula de sete irmãos.

Direção do Alma anuncia vencedor. Crédito: Stefan Tell/Divulgação/Alma

A vida de Bart

Nascido em 1964, em Bruxelas, na Bélgica, Bart foi pela primeira vez para a escola em 1970. Ansioso para aprender a ler e a escrever, ele sublinhava as palavras que já entendia e deixava passar as de três sílabas, ainda difíceis. Ao longo da década de 70, foi se aproximando cada vez mais da escrita. Em 74, publicou um jornal interno, digitado em sete cópias. Na sequência, escreveu sua primeira história mais longa e a chama de livro.

Bart viria a publicar seu primeiro livro em 1983, aos 19 anos. Dueto com Notas Falsas teve uma trajetória impressionante. A segunda edição da obra foi feita apenas quatro meses depois do lançamento. Em 1984, o livro recebeu o Prêmio do Júri Infantil e Juvenil Flamengo e foi traduzido para japonês, húngaro, alemão e catalão. E ainda virou musical, adquirindo status de clássico moderno. Após terminar os estudos de holandês, alemão e história em Bruxelas, Bart se mudou para Antuérpia.

Trabalhou como freelancer para a revista Flair, analisando livros infantis e traduzindo artigos. Para a revista, escreveu um ensaio sobre a vida de Astrid Lindgren. Em 1992, tornou-se editor da revista Top e após três anos decidiu dedicar-se integralmente à carreira de escritor. Se conectou aos palcos, atuando como ator e também escrevendo sua primeira peça.

Em 2001, foi convidado pelo compositor Filip Bral a adaptar o conto de fadas eslovaco Berona, e deste trabalho nasceu o livro ilustrado Luna Van de Boom, que vem com um CD. Neste período, foi premiado com o Woutertje Pieterse Prijs por seu livro Brothers. Nos anos seguintes, passou a trabalhar como professor de redação no Conservatório Real de Antuérpia e estreou como poeta.
O Alma

O Alma foi criado em 2002 pelo governo da Suécia para homenagear a escritora Astrid Lindgren e promover o interesse pela literatura infantil e juvenil em todo o mundo. A premiação é concedida a escritores, ilustradores, contadores de histórias e promotores de leitura.

Até hoje, apenas uma brasileira foi laureada com o Alma: a escritora Lygia Bojunga, em 2004. Entre os premiados também estão Maurice Sendak (2003), Shaun Tan (2011) e Isol (2013).

”Mister’, novo livro da autora de L James, será lançado em 7 de junho

0

Lançada pela Intrínseca, a obra é uma história de amor com toques de ‘Cinderela do século 21’

Publicado em O Vale

O novo livro de E L James, autora da série “Cinquenta tons de cinza”, sucesso absoluto com mais de 7 milhões de livros vendidos no Brasil, já tem data para chegar às livrarias do país: 7 de junho.

Mister’, novo livro da autora de Cinquenta tons de cinza, será lançado no dia 7 de junho pela Intrínseca
Foto: Divulgação

Lançado pela Intrínseca, “Mister” é uma história de amor com toques de “Cinderela do século XXI”. A trama é centrada no milionário Maxim Trevelyan e na mulher misteriosa por quem ele se apaixona, Alessia Demachi.

“Mister” foi apresentado em janeiro como “uma montanha-russa de perigo e desejo que vai deixar os leitores sem fôlego até a última página”, conforme declarou a autora.

Ainda não foi divulgado o preço de venda.

As diferenças entre o livro e o filme de Cemitério Maldito

0

Augusto Ikeda, no EiNerd

Em breve, estreia nos cinemas brasileiros o filme Cemitério Maldito, que se trata de mais uma adaptação dos livros de Stephen King. A obra foi lançada em 1983 e seis anos mais tarde, em 1989, um filme inspirado no livro foi lançado. E como é de praxe, existem pequenas, mas importantes diferenças entre as duas versões.

Caso você não conheça a obra, Cemitério Maldito aborda os Creed, uma família que se mudou para a cidade de Ludlow, no estado americano do Maine, e começou a vivenciar uma série de acontecimentos estranhos e bizarros após a morte de Church, o gato de estimação deles. E com a ajuda de um vizinho, percebem que um antigo cemitério, aos fundos da casa em que moram, pode ter relação com esses eventos.

Agora, vamos falar das diferença entre o livro e o filme. Ou seja, se não quer saber grandes detalhes da história, encerre sua leitura por aqui.

Ellie e Gage

Na obra e no filme lançado em 1989, Gage Creed, o integrante mais jovem da família, é morto após ser atropelado por um caminhão. Esse é um elemento muito importante da história, pois foi a partir daí que os demais acontecimento estranhos começaram a aparecer na vida dos Creed, aliado com a morte e o renascimento de Church. No entanto, para o novo longa, será a irmã mais velha do garoto, Ellie, que morrerá em seu lugar.

Dennis Widmyer, um dos diretores do novo filme de Cemitério Maldito, explicou que a mudança foi feita para adicionar algumas camadas psicológicas extras para a narrativa do filme. Além disso, esse fator adiciona um pouco mais de suspense, já que não sabemos qual será o papel de Gage a partir de agora.

Zelda

Zelda Goldman é a irmã de Rachel Creed, que tem sua importância em todas as versões de Cemitério Maldito. Na obra original e no novo filme, a personagem é descrita com uma menina de 10 anos que morreu após ser diagnosticada com meningite e ainda assombra Rachel.

No entanto, no filme lançado em 1989, Zelda foi interpretada por um ator adulto, o que foi feito com o intuito de acrescentar um pouco mais de terror. Mas de qualquer forma, a deterioração de Zelda e sua subsequente morte estão entre as partes mais assustadoras da história de Cemitério Maldito.

Timmy

Timmy Baterman é um adolescente de 17 anos, morto durante a Segunda Guerra Mundial e que foi enterrado no cemitério aos fundos da casa dos Creed. Ele acabou sendo ressuscitado por conta da maldição Micmac, só que apesar de sua aparência normal, retornou como um zumbi e precisou ser morto de uma vez por todas.

Timmy apareceu tanto no livro quanto no filme lançado em 1989. No entanto, acabou ficando de fora do novo longa.

O sotaque de Jud

Uma pequena, mas importante diferença do livro para o filme é a ausência do sotaque dito pelos moradores do estado de Maine, algo que havia ficado muito evidente por Stephen King no personagem Jud Crandall, vizinho dos Creed, que tinha um sotaque bem carregado na obra original.

Para o novo filme, o ator John Lithgow, intérprete de Jud Crandall, abriu mão do sotaque usado pela versão do livro. Em um entrevista, Lithgow acredita que essa mudança foi feita pelo fato de Jud ter se tornado um personagem mais sério para o longa.

Wendigo

Por fim, um aspecto muito importante do livro é a presença dos Wendigo, um monstro do folclore dos indígenas americanos que é capaz de mudar de forma e se trata de um híbrido entre ser humano e animal. Segundo as palavras de Jud, a criatura reside no cemitério em questão e era temido pelos habitantes nativos do local.

No filme de 1989, o monstro acabou ficando de fora da narrativa. No entanto, os trailers da mais nova adaptação de Cemitério Maldito já confirmaram a presença dessa criatura, que como você já deve ter notado, também é importante para o desenvolvimento da história.

Fontes: Mirror e Dread Central

Go to Top